SISTEMA PENITENCIÁRIO

Publicado em: 22/11/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 4,244 |

Sumário: 1. Introdução; 2. Sistema Penitenciário Pensilvânico; 3. Sistema Penitenciário Auburniano; 4. Sistema Penitenciário Progressivo; 5. Considerações Finais; 6. Referências.

 

1. INTRODUÇÃO

 

Este trabalho foi realizado com a intenção de analisar os sistemas penitenciários existentes, sendo eles na ordem em que surgiram: pensilvânico, auburniano e progressivo. Bem como, no caso do último citado, avaliar a possibilidade de regressão de regime.

 

2. SISTEMA PENITENCIÁRIO PENSILVÂNICO

Teve sua origem, em 1681, na Colônia da Pensilvânia¹. Possuía o objetivo de abrandar a rigorosidade do sistema penal inglês, ou seja, acabar com as penas corporais e mutilantes, substituindo-as por privação de liberdade e trabalhos forçados. E adotando a pena de morte no caso exclusivo de homicídio.

 

_________________________
¹ À época, uma das Treze Colônias inglesas na América.

 

No entanto, em 1786, houve outra alteração no sistema, o qual optou por abolir o trabalho forçado, permanecendo apenas o encarceramento.

 

 

 

As principais características desse sistema são: o isolamento do preso numa cela; a oração e a abstinência total de bebidas alcoólicas.

Como é notório observar, esse sistema contém forte influência teológica, embora apresentasse também influências do Howard e de Beccaria, pensadores iluministas.

Na visão do sistema, a religião era imprescindível ao preso, pois era considerada a ferramenta que o recuperaria. O isolamento, então, era explicado por esse pensamento, uma vez que a solidão o faria ter tempo para meditar e orar.

Esse isolamento, contudo, passava ser um martírio ao condenado, que não via possibilidades de se ressocializar através dessa prática. Conferindo, apenas, um caráter de purificação à pena.

 

3. SISTEMA PENITENCIÁRIO AUBURNIANO

Com a tentativa de ser mais eficaz e mais econômico do que o sistema pensilvânico, surgiu o sistema auburniano, em 1816, com a construção da prisão de Auburn, a qual possuía uma estrutura jamais vista até então. Ela continha divisões estruturais para atender aos diversos níveis de delinquentes.

A primeira ala era a mais isolada, encontrando-se nela os presos mais velhos e os delinquentes persistentes. A segunda ala era destinada àqueles que possuíam autorização para trabalhar, permanecendo isolados apenas três vezes na semana. Na terceira ala ficavam os que fossem passíveis de recuperação.

Convém ressaltar que os presos, durante o dia, permaneciam em conjunto, só sendo isolados durante o período noturno.

Em relação com o sistema pensilvânico, percebeu-se que o número de mortos e surtos era inferior, além de ser um sistema mais econômico, tendo em vista que alguns presos trabalhavam no sistema auburniano.

 

4. SISTEMA PENITENCIÁRIO PROGRESSIVO

É o sistema mais brando entre os três e também o adotado pelo Brasil.

Caracteriza-se pelo entendimento de que o preso deve ganhar benefícios quanto mais perto se encontra o término do cumprimento da pena, isto é, propiciar ao condenado a possibilidade de voltar à sociedade aos poucos.

Para conseguir o direito à progressão de regime, o preso deve: ter um bom comportamento; ter uma residência fixa; ter uma proposta de emprego; ter cumprido o lapso temporal estipulado para cada crime cometido.

Tendo cumprido esses requisitos, o condenado irá passar por três regimes, sendo eles:

  • Regime Fechado. É a primeira fase de cumprimento de pena. Como o próprio nome diz, o preso deve cumprir sua pena dentro do presídio.
  • Regime Semi-Aberto. É a segunda fase da progressão, é o regime no qual o preso terá concedido o direito de passar o dia junto à sociedade podendo trabalhar, exercer cursos etc. voltando apenas à noite para dormir no presídio.
  • Regime Aberto.  É a terceira fase de progressão, é o regime no qual o direito volta-se a sociedade, contudo, com certas restrições de ir e vir.

 

É importante ressaltar que é possível regredir de regime quando o condenado comete um crime doloso ou uma falta grave ou também quando o recuperando é condenado por um crime cometido anteriormente cuja soma da pena com a já existe não possibilite mais o benefício. Também quando, podendo pagar a multa imposta, não o faz.

 

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Neste trabalho foram apresentados os sistemas penitenciários existentes, mostrando as características peculiares a cada sistema, tais como: o caráter religioso e iluminista do Sistema Pensilvânico, as divisões estruturais do auburniano e a reintegração à sociedade aos poucos, do sistema progressivo.

 

 

6. REFERÊNCIAS

 

 

  • FERNANDES, NEWTON; FERNADES VALTER. Criminologia Integrada. 2.ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais,2002.
  • Sistema Penitenciário Brasileiro. Disponível em http://www.webartigos.com/articles/4242/1/Sistema-Prisional/pagina1.html. Acesso em 23/09/2010.
  • Avolução histórica dos regimes prisionais e do Sistema Penitenciário. Disponível em http://jusvi.com/artigos/24894. Acesso em 23/09/2010.
  • Escolas Penais. Disponível em http://www.ebah.com.br/sistemas-penitenciarios-e-escolas-penais-doc-a49259.html. Acesso em 23/09/2010.
Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/sistema-penitenciario-3711408.html

    Palavras-chave do artigo:

    sistemas penitenciarios

    ,

    progressao de regime

    ,

    regressao de regime

    Comentar sobre o artigo

    Pesquisa com fins de compreender como o Poder Judiciário e a doutrina valoram o denominado laudo psicológico, ferramenta pericial utilizada pelos magistrados para balizar o mérito dos apenados quando da decisão acerca da possibilidade de progressão de regime carcerário

    Por: Carlos Eduardo Vendraminl Direito> Jurisprudêncial 17/11/2014 lAcessos: 58
    JAIR APARECIDO RIBEIRO

    Este estudo se caracteriza como uma pesquisa bibliográfica de revisão de literatura, e também descritiva. Segue-se por uma abordagem descritiva abordando o tema Sistema Penitenciário e a Lei de Execução Penal (LEP), enfocamos a questão do trabalho do apenado com o fator de manutenção dos órgãos públicos, e apresentamos que a atividade de trabalho proporciona o resgate da dignidade e a alto-estima pessoal.

    Por: JAIR APARECIDO RIBEIROl Direito> Legislaçãol 03/04/2012 lAcessos: 383
    JAIR APARECIDO RIBEIRO

    Este trabalho tem a finalidade, em mostrar um pouco o Sistema Penitenciário Paranaense, suas políticas públicas desenvolvidas que valorizam o trabalho prisional, a assistência educacional formal e profissionalizante, com incentivos ao esporte, e ao lazer em referência a LEP (Lei de execução Penal). Tendo como objetivo principal deste trabalho, demonstrar como o tratamento penal nas diversas unidades penais do Estado do Paraná, na forma de um ideal científico, nos moldes da LEP.

    Por: JAIR APARECIDO RIBEIROl Direitol 29/11/2009 lAcessos: 1,812
    AGATHA STHEFANINI

    A presente pesquisa traz como tema as espécies de penas existentes no ordenamento jurídico penal brasileiro. Com análise histórica dos aspectos das penas atribuídas ao indivíduos que infringem regras da sociedade.

    Por: AGATHA STHEFANINIl Direitol 20/12/2013 lAcessos: 149

    Temas de direitos na Lei das Execuções Penais. Aspectos práticos e o entendimento do Superior Tribunal de Justiça e do Supremo Tribunal Federal. A experiência prática do Procurador da República Leandro Bastos Nunes.

    Por: Leandro Bastos Nunesl Direito> Doutrinal 20/03/2012 lAcessos: 416
    JAIR APARECIDO RIBEIRO

    O funcionamento excepcional das estruturas básicas, do tratamento penal, do sistema carcerário, acabam tornando-se um sistema simbólico, que exerce poder estruturante. Conhecemos o poder de um símbolo, encerrado num significado próprio e peculiar. O homem fundamenta a maior parte de sua vida e de sua produção em símbolos. Uma tradição marxista acaba privilegiando as funções políticas dos sistemas simbólicos e as relaciona com os interesses da classe dominante. E nas relações de força, os sistema

    Por: JAIR APARECIDO RIBEIROl Direitol 30/11/2009 lAcessos: 1,405

    No Brasil, a questão da defesa dos direitos do consumidor começou a ser discutida no início dos anos 70, com a criação das primeiras associações civis e entidades governamentais voltadas para esse fim (Ex: Conselho de Defesa do Consumidor – CONDECON, Associação de Proteção ao Consumidor – APC, etc.). Mas foi somente em 1988, com a promulgação da Constituição Federal, que estabeleceu como dever do Estado promover a defesa do consumidor e um prazo para a elaboração de um Código para esse fim.

    Por: Tiago Morlinl Direitol 27/03/2015

    O presente estudo traz uma abordagem acerca do instituto de inquérito policial, sendo ele procedimento administrativo que busca apurar autoria e materialidade de infração penal. Trata-se de pesquisa qualitativa, realizada por meio de método dedutivo e de procedimento técnico bibliográfico e documental.Busca-se inserir o inquérito policial no condão constitucional analisando este instituto à luz dos princípios do contraditório e da ampla defesa, garantidos pela Constituição Federal de 1988. Adema

    Por: Jussana Gabrieli Machadol Direitol 25/03/2015

    Vamos aproveitar este momento para explicar que os contratos de seguros de veículos tem que pagar pelos seguintes danos: * DANOS CORPORAIS * DANOS MORAIS * DANOS MATERIAIS OU PATRIMONIAIS

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 23/03/2015

    Abordagem do surgimento e internacionalização dos Direitos Humanos e sua importância, a Declaração Universal como sistema global de proteção dos Direitos Humanos e demais convenções, incorporação no sistema Brasileiro e suas divergências sobre os tratados internacionais de Direitos Humanos, a Convenção sobre a eliminação de todas as formas de descriminação contra a mulher e sua fundamentação na igualdade.

    Por: RENATO PORTELA E VASCONCELOSl Direitol 04/03/2015 lAcessos: 13
    Giovanna Santos

    Encontrado em 1967 um importante relatório contendo detalhes sobre um terrível genocídio contra povos indígenas resultam em dizimação de tribos inteiras.

    Por: Giovanna Santosl Direitol 25/02/2015

    Objetivando-se um melhor entendimento da possibilidade de ocorrência deste fenômeno no meio comercial mundial, buscou-se realizar um estudo detalhado sobre a origem do crédito, sua evolução histórica e conceito, as principais espécies de títulos de crédito, características, e princípios fundamentais. Evidenciou-se ainda um foco nos estudos sobre o art. 889 do CC 2002 que instituiu a possibilidade de emissão de títulos de crédito a partir de caracteres criados em computador ou meio equivalente.

    Por: Francisco José Jácome de Melol Direitol 19/02/2015 lAcessos: 28

    No cenário atual diversos protestos, manifestações puderam ser vistos nas ruas, inicialmente contra o aumento das passagens de ônibus, mas, todos sabem que um conjunto de fatores desencadeou esse protesto em que parte da pauta das manifestações é um resultado das políticas do governo na ultima década.

    Por: Gleidson Mateus de Melol Direitol 16/02/2015 lAcessos: 22
    Natal Moro Frigi Frigi

    A indicada contribuição fora instituída pela Lei Complementar nº 110/2001, art. 1º, com a finalidade de remunerar os expurgos inflacionários dos Planos Collor e Verão, onde a multa sobre o saldo acumulado do FGTS que era de 40% passou a ser de 50%, todavia, o trabalhador continua recebendo os mesmo valor, pois o aumento (10%) ficaria para a União Federal com o objeto de  remunerar as correção indicadas.

    Por: Natal Moro Frigi Frigil Direitol 14/02/2015
    Virgínia Silvério Rodrigues

    Algumas considerações acerca da contribuição do filósofo jurídico ao Direito.

    Por: Virgínia Silvério Rodriguesl Direitol 22/11/2010 lAcessos: 987
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast