Custo Brasil

Publicado em: 27/07/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 7,017 |

O Custo Brasil é um termo genérico, usado para descrever o conjunto de dificuldades que encarecem o investimento no Brasil, dificultando-lhe o crescimento e o desenvolvimento.

E quais são os custos que compõem a formação de preço de um produto e por que eles são mais elevados no país?  

O investidor faz suas contas para verificar qual país tem mais condições de lhe render-lhe um lucro maior na sua produção, levando em consideração diversos fatores.

As questões que o investidor irá analisar são:

1 - Os impostos são reduzidos?

No Brasil além de impostos serem um dos mais altos do mundo, a legislação é bastante complexa e extremamente ineficiente. O ideal é a redução dos impostos para ocorrer o aumento da arrecadação, Como isso funciona? O fato de reduzir os impostos possibilita ao empresário um maior investimento, o que, por certo, geraria um crescimento do produto interno bruto e um acréscimo da arrecadação, ou seja, haveria um giro maior o qual possibilitaria uma maior arrecadação.

2 - A mão-de-obra é barata, farta e qualificada?

No caso da mão de obra tem-se um paradoxo: o funcionário ganha pouco e o empresário paga muito, em decorrência do alto custo do sistema social brasileiro. Ao invés de o governo dar os benefícios sociais que somem no caminho entre a arrecadação e a chegada ao trabalhador, o que se deveria dar é um salário melhor possibilitando ao trabalhador adquirir o que necessita, ao invés deste receber esmolas do governo.

Tem-se farta mão de obra, porém desqualificada, pois o Estado arrecada muito, mas não transfere à população em virtude do alto custo de custeio e da corrupção. 

3 - Os insumos são abundantes e baratos?

O Brasil tem uma fartura enorme de recursos naturais e não sabe aproveitá-los, pois os exporta in natura, quando deveria beneficiá-los, pois assim, obter-se-ia um melhor resultado nas exportações.

4 - Os juros são baixos?

Os juros do Brasil estão entre os mais altos do mundo, criando uma situação perversa em que o investidor ganha mais especulando do que produzindo.

5 - Existe uma boa infra-estrutura de transportes?

O Brasil tem umas das maiores malhas rodoviárias do mundo, porém em péssimas condições, o que encarece o transporte das mercadorias. Em compensação não se tem uma malha ferroviária compatível com o tamanho do país. E quanto ao transporte hidroviário? Em um local com tantos rios é praticamente nulo.

6 – A energia é abundante?

O fornecimento de energia não é seguro. Nesse sentido, se houver um grande crescimento, não se terá energia suficiente para suportá-lo, haja vista o racionamento de 2001.

7 - Existe um mercado consumidor?

O nosso mercado consumidor é imenso, porém a maioria não tem poder aquisitivo o que engessa a produção. Se o trabalhador ganhasse mais, consumiria mais e isso geraria uma roda da fortuna.

8 - O câmbio e a inflação estão controlados?

O câmbio e a inflação estão ligeiramente controlados. Não se necessita de grandes intervenções do Banco Central, mas, sim de algumas intervenções pontuais.

Citam-se alguns exemplos do Custo Brasil: 

  • alta carga tributária que sufoca as pequenas e médias empresas;
  • alta legislação fiscal que onera o custo dos produtos;
  • altos custos trabalhistas e salários irrisórios;
  • altos custos do sistema previdenciário e atendimento precário;
  • manutenção de taxas de juros reais elevadas, o que inviabilizam os investimentos;
  • spread bancário exagerado, devido à concentração bancária;
  • corrupção administrativa elevada, o que eleva mais a carga tributária;
  • déficit público elevado e difícil de ser contido;
  • Burocracia excessiva para:
    • criação de uma empresa;
    • exportação e importação, dificultando o comércio exterior.

 

Esses diversos fatores inibem o investimento estrangeiro e nacional em nosso país e impedem o desenvolvimento rápido como ocorreu no Japão, na Coréia e na China, onde o crescimento beira os 10% ao ano. Se o Brasil não corrigir essas distorções, correrá o risco de ser o eterno país do futuro que nunca chega.

Para a devida correção, seria necessária uma reforma tributária e política urgente, além de pesados investimentos em infraestrutura, o que poderia ser feito com parte de nossas reservas de 220 bilhões de dólares, pois estas estão aplicadas em títulos dos EUA, os quais remuneram a 3% ao ano, enquanto se paga 12% ao ano aos nossos credores.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-tributario-artigos/custo-brasil-1071713.html

    Palavras-chave do artigo:

    custo brasil

    ,

    economia

    ,

    direito tributario

    Comentar sobre o artigo

    questões referentes a direito tributário 1) Penso que direito tributário é um ramo do Direito público que está diretamente ligado a economia, ou seja, a relação que existe entre a parte fiscal com os seus contribuintes. 2) Conforme Zelmo Danari o Direito Tributário tem a função de regular normas, relativas á imposição, arrecadação e fiscalização dos tributos.

    Por: Paula Franciele Feill Direito> Direito Tributáriol 31/07/2013 lAcessos: 44

    Este estudo visa, a partir de uma abordagem teórica levando-se em consideração a ligação do planejamento estratégico com o planejamento tributário, demonstrar como é possível as empresas brasileiras recolher menos tributos licitamente, não incorrendo em sonegações fiscais para obter tal êxito, e, também, através do planejamento tributário, montar suas estratégias para adentrarem ao mercado com maior força para poderem ter melhores preços e com isso conseguir também diminuir seus custos

    Por: Gutemberg Dias Costal Direito> Direito Tributáriol 31/10/2009 lAcessos: 1,725

    Considerando a alta carga tributária vigente em nosso país, a qual tem gerado recordes de arrecadação, os contribuintes têm buscado alternativas para sua redução, através de práticas lícitas e, em alguns casos, ilícitas. O planejamento tributário surge como uma prática lícita visando à eliminação, redução ou diferimento da carga tributária. Não se confunde, portanto, com a evasão fiscal e outros procedimentos fraudulentos voltados ao não pagamento dos tributos.

    Por: HELIO CARLOS FERREIRA FILHOl Direito> Direito Tributáriol 12/01/2009 lAcessos: 1,527 lComentário: 3

    O presente estudo visa a promover uma breve análise do tratamento dado pelo ordenamento jurídico brasileiro aos créditos fiscais, no âmbito do processo falimentar. Tem-se como problema de pesquisa: Qual o tratamento dado pelo ordenamento jurídico brasileiro aos créditos tributários na falência?

    Por: Rosângela Pessil Direito> Doutrinal 07/02/2012 lAcessos: 1,359

    analisar os crimes praticados contra a ordem tributária. Para a consecução do objetivo proposto, este estudo encontra-se dividido em quatro capítulos: o primeiro capítulo versou sobre as obrigações tributárias; no segundo capítulo analisou-se a evasão, elisão, sonegação e fraude fiscal; o terceiro capítulo analisou o tipo e a ilicitude nos crimes contra a ordem tributária; no quarto e último capítulo procedeu-se à análise do artigo 1º da Lei 8137/90. O objetivo jurídico da Lei n.º 8.137/90.

    Por: James Barbosa dos Santosl Direito> Direito Tributáriol 23/10/2013 lAcessos: 93
    Elivaldo Teixeira

    Este artigo discorre sobre a importância do planejamento tributário nas empresas optantes pelo simples nacional, desenvolvendo uma breve contextualização sobre as vantagens de uma empresa que opta pela tributação baseada neste regime de tributação. Veremos no decorrer deste, que com um bom planejamento, há a possibilidade de redução da carga tributaria. De acordo com a análise deste artigo, observou-se que ha um enorme desconhecimento por parte dos empresários e até mesmo por parte dos contadore

    Por: Elivaldo Teixeiral Ciênciasl 10/07/2009 lAcessos: 12,084 lComentário: 1
    Dr Jeferson - Advogado

    Advogados – "Direito Imobiliário" – Dicas na Compra e venda de imóveis na planta, usados, documentação, vistoria, locação, etc. São Paulo, SP, Maio, 31, 2010 (www.advbr.com.br) – Este artigo trata sobre as principais dúvidas na compra de imóveis na planta, imóveis novos prontos e usados, bem como dá dicas sobre cuidados com a documentação e vistoria. Leia mais em www.advbr.com.br

    Por: Dr Jeferson - Advogadol Direito> Legislaçãol 31/05/2010 lAcessos: 10,835

    O UOL postou imagens duras, no dia do lastimável desrespeito à liberdade de imprensa, QUE DILMA JUROU RESPEITAR, e feriu gravemente as garantias individuais preconizadas na Constituição Cidadã de 1988 e a previsão constitucional da LIBERDADE DE IMPRENSA.

    Por: roberto rodrigues de moraisl Direito> Direito Tributáriol 19/06/2013 lAcessos: 99

    Um dos principais objetos do Direito Econômico é disciplinar a intervenção do Estado no domínio econômico. É nosso objetivo no presente artigo mostrar de que forma o Direito Econômico norteia a atuação do Estado no domínio econômico, elucidar as razões que o levam a intervir, suas modalidades de atuação e os instrumentos que utiliza para tal.

    Por: marco antonio coelho de carvalhol Direitol 31/10/2011 lAcessos: 1,338

    Há diferenças pontuais entre a competição tributária e guerra fiscal, sendo que muitos desconhecem essa distinção, até mesmo parte dos profissionais do Direito as confunde. Dessa maneira, este artigo objetiva demonstrar que apesar de parecerem ser o mesmo instituto, um tem respaldo constitucional e o outro não, um é ato que atende ao pacto federativo, regulado por Lei Complementar e feito junto ao CONFAZ e o outro trata-se de um ato puramente unilateral.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direito> Direito Tributáriol 20/10/2014

    o ICMS Ecológico é um incentivo aos municípios que controlam ou preservam o meio ambiente, além de ações sociais com políticas de iniciativas privadas de modo que a sustentabilidade seja implementada para obter ou manter o pleno desenvolvimento humano. Igualmente, existem no Brasil diversos Estados da federação que já adotam esse instituto jurídico, através de Leis, Decretos, Portarias, entre outras normatizações estaduais ou, até mesmo, por meio da Constituição Estadual, desde a década de 1990.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direito> Direito Tributáriol 13/10/2014

    Existe no inciso VII, do artigo 153, da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (CRFB/1988), a previsão do estabelecimento nos termos de lei complementar, do Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF). Entretanto, após mais de vinte anos de vigência da atual Carta Magna, o respectivo imposto ainda não foi regulamentado por nenhuma lei infraconstitucional.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direito> Direito Tributáriol 03/10/2014

    O princípio da não-cumulatividade existente na Constituição de 1988 e em leis infraconstitucionais, é sem dúvidas, um dos mais importantes do ordenamento legal brasileiro. Pois, esse instituto jurídico evita ou coibi o efeito "cascata" em alguns impostos, como o ICMS, IPI, ISS, etc., limitando a incidência do poderio Estatal em tributar, permitindo com que a economia flua com preços mais "reais", protegendo diretamente empresários, consumidores, entre outros.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direito> Direito Tributáriol 25/09/2014
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    De acordo com o advogado, a incidência do ICMS, mesmo no caso de importação, pressupõe operação de circulação de mercadoria e não ocorre nos Contratos de Arrendamento/Leasing

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 25/09/2014

    A guerra fiscal cometida pelos Estados brasileiros, é uma prática, de certa maneira, comum. Porém, com o advento do comércio eletrônico, também denominado e-commerce, surgiu um problema com relação ao ICMS, pois a Constituição de 1988 determina que o respectivo imposto pertence ao Estado fornecedor/vendedor, quando o destinatário for o consumidor final. Assim, a maioria das unidades federativas consumidoras ficam aquém desse tributo, quando se trata de compra/venda virtual.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direito> Direito Tributáriol 21/09/2014

    Impressiona o tipo de glosa pelo fisco sobre despesas essenciais às atividades profissionais dos contribuintes autuados, tais como internet, manutenção de computadores, vale refeição de empregados, honorários advocatícios em causas trabalhistas e outras que, segundo o fisco, não seriam necessárias às atividades, portanto, glosadas e sujeitas à tributação.

    Por: roberto rodrigues de moraisl Direito> Direito Tributáriol 18/09/2014 lAcessos: 16
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Especialista adverte que o Governo cometeu os mesmos erros do passado, passados quatro anos, ao lançar o chamado Refis da Copa. Da mesma forma, podem ser requeridos os mesmos benefícios na Justiça.

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 12/09/2014
    Dr. Décio Ambrozio

    O remédio para a dívida pública brasileira A divida pública brasileira padece de um mal há varias décadas. Toda doença tem um sintoma, uma causa e um remédio. Vamos analisar o sintoma da dívida pública brasileira, para descobrir a causa e aplicar o remédio.

    Por: Dr. Décio Ambroziol Direito> Direito Tributáriol 16/04/2009 lAcessos: 501
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast