Pré-moldados de cimento isentos de ICMS

Publicado em: 25/10/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 182 |

Quando uma empresa produz/fabrica um produto ou uma peça de forma que não possa ser utilizado por outro cliente, não se pode exigir cobrança de ICMS. Isso porque esse imposto incide sobre as operações de circulação de mercadorias, o que significa que a tributação depende, não da mera circulação física, mas da circulação jurídica, que assume relevância negocial e, por conseguinte, tributária.

Assim, o fato físico é praticamente insignificante por si só. Relevante é a transferência da disponibilidade jurídica. Operação representa o negócio jurídico que tem a força e a aptidão para transferir a posse de uma mercadoria. Na prática, no entanto, quase todos os negócios jurídicos são realizados com a transferência da coisa.

Desse modo, o ICMS só incide sobre negócios jurídicos que transfiram, juridicamente, a posse de bens móveis, realizados por produtores, industriais e comerciantes. Por conseguinte, não existindo a circulação da mercadoria, não pode haver a incidência do ICMS, pouco importando se a legislação estadual faça tal previsão, pois não pode afrontar a Constituição Federal (art. 155) que prevê: "Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir imposto sobre: Operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte... "


Assim, como tais produtos não possuem valores individualizados para comercialização e nem são transferidos separadamente para vários clientes, sendo utilizados na própria obra,  a meu ver, não cabem no conceito de mercadoria.
Ocorre que a finalidade do negócio não é a alienação, mas sim a criação da coisa para ser utilizada pela própria empresa e, como não existe a pré-falada alienação, não existe, também, a mercadoria e, por óbvio, não havendo mercadoria não há que se falar na incidência do imposto de ICMS.     

Ressalta-se que as decisões do Superior Tribunal de Justiça têm sido no sentido de que o fornecimento pelas empresas de construção civil de pré-moldados produzidos fora do local onde está se construindo o imóvel, desde que seja utilizado na construção deste, não estão sujeita a incidência do ICMS. Caso contrário,  vejamos recentes decisões do STJ:
Prevalece nas Cortes o entendimento no sentido de que: "Na construção civil, sob o regime de empreitada global, a utilização de peças pré-moldadas fabricadas pela empresa construtora, para serem montadas em edificação específica, sem comercializá-las individualmente, inexiste base de cálculo para incidência do ICM".

Desse modo, com estas recentes decisões do STJ, chegamos a conclusão que toda a empresa que desenvolver um produto específico a um determinado cliente, não poderá sofrer a incidência do ICMS, mas, se por açaso isso ocorrer, as empresas poderão se beneficiar de uma decisão liminar, na qual o juiz determina o imediato cancelamento da cobrança do ICMS. Além disso, a empresa pode requer a devolução dos valores pagos nos últimos cinco anos.

Juliano Ryzewski
[email protected]
www.nageladvocacia.com.br

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-tributario-artigos/pre-moldados-de-cimento-isentos-de-icms-5337368.html

    Palavras-chave do artigo:

    pre moldados

    ,

    cimento

    ,

    icms

    Comentar sobre o artigo

    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Empresário do ramo financeiro fala sobre a dificuldade de empresários com inadimplência bancária, mas disse que valores são passíveis de revisão por especialista do ramo.

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 15/03/2015
    Rian Vidal

    Reflexões jurídico-cidadãs em torno da excessiva carga tributária brasileira e o insatisfatório retorno ao contribuinte de serviços públicos de qualidade. O artigo fora publicação no Jornal do Tocantins, edição de 19 de Junho de 2014.

    Por: Rian Vidall Direito> Direito Tributáriol 02/03/2015 lAcessos: 14
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Advogado alerta aos empresários sobre a importância de se fazer uma ação revisional bancária a fim de direcionar receitas e investimentos a setores que alavanquem seu negócio.

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 22/02/2015
    Miguel Teixeira Filho

    Art. 185 CTN (nova redação). Fraude à execução: Qual o tratamento a ser dado nos casos em que a alienação foi feita por quem, não constando originariamente na certidão de dívida ativa, sofreu redirecionamento da execução fiscal?

    Por: Miguel Teixeira Filhol Direito> Direito Tributáriol 10/02/2015 lAcessos: 11
    Miguel Teixeira Filho

    Existe uma certa demora entre o ato de inscrição da dívida ativa e o ajuizamento da execução fiscal, ocasião em que o contribuinte poderá garantir a execução, para fins de afastar a presunção de inadimplência. O que pode ser feito enquanto isso?

    Por: Miguel Teixeira Filhol Direito> Direito Tributáriol 10/02/2015
    Miguel Teixeira Filho

    A relação entre o vendedor que realiza uma saída de mercadoria com destino ao adquirente é uma operação meramente comercial e nunca de cunho jurídico tributário. Portanto, não há que se falar em "tributo cobrado", para fins da lei penal fiscal.

    Por: Miguel Teixeira Filhol Direito> Direito Tributáriol 10/02/2015 lAcessos: 12
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Advogado adverte que é possível às empresas reduzir os valores parcelados em até 30%. Basta uma revisão judicial.

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 30/01/2015 lAcessos: 20

    A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 traz em seu bojo diversas imunidades tributárias, entre elas, está a referente ao denominado Terceiro Setor. Esse é representado por instituições sem fins lucrativos, que prestam algum tipo de serviço Público à sociedade. A existência desse setor emana da tese de que o Primeiro e o Segundo Setores não conseguem atender todas as necessidades e anseios da população.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direito> Direito Tributáriol 23/12/2014 lAcessos: 30
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Empresário do ramo financeiro fala sobre a dificuldade de empresários com inadimplência bancária, mas disse que valores são passíveis de revisão por especialista do ramo.

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 15/03/2015
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Advogado alerta aos empresários sobre a importância de se fazer uma ação revisional bancária a fim de direcionar receitas e investimentos a setores que alavanquem seu negócio.

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 22/02/2015
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Advogado adverte que é possível às empresas reduzir os valores parcelados em até 30%. Basta uma revisão judicial.

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 30/01/2015 lAcessos: 20
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Advogado adverte que é possível reduzir a taxa de juros remuneratórios que estiver estipulada em percentuais mais altos do que a média praticada no mercado em revisional bancária

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 04/12/2014
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Advogado faz um alerta para empresários sobre pedido de revisão de consolidação sobre tributos devidos no Simples Nacional

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 21/11/2014 lAcessos: 20
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    De acordo com o advogado, a incidência do ICMS, mesmo no caso de importação, pressupõe operação de circulação de mercadoria e não ocorre nos Contratos de Arrendamento/Leasing

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 25/09/2014 lAcessos: 18
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Especialista adverte que o Governo cometeu os mesmos erros do passado, passados quatro anos, ao lançar o chamado Refis da Copa. Da mesma forma, podem ser requeridos os mesmos benefícios na Justiça.

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 12/09/2014 lAcessos: 25
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Advogado explica que o Imposto Sobre Serviço (ISS) sobre o valor total da nota fiscal não pode fazer distinção entre os valores do serviço e dos materiais agregados na execução da obra

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 30/07/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast