A ética na advocacia

Publicado em: 07/10/2013 | Acessos: 28 |

A advocacia classifica-se, dentre as profissões, no rol das mais antigas e duradouras. Para não se ir ainda muito além, Cícero já exercia tal ofício em Roma, cerca de dois mil anos atrás, e atualmente entrando no terceiro milênio ela desponta com total esplendor.

 

O exercício da advocacia no que se refere à ética, nos termos do art. 1º do Código de Ética e Disciplina da OAB, se caracteriza da seguinte forma: "O exercício da advocacia exige conduta compatível com seus preceitos deste Código, do Estatuto, do Regulamento Geral, dos Provimentos e com os demais princípios da moral individual, social e profissional." (Estatuto de Advocacia e Ordem dos Advogados do Brasil, 1995, p.9).

 

Sobre a ética, o autor Ruy de Azevedo Sodré comenta em sua obra O Advogado, seu Estatuto e a Ética Profissional:

 

"A ética profissional do advogado consiste, portanto, na persistente aspiração de amoldar sua conduta, sua vida, aos princípios básicos dos valores culturais de sua missão e seus fins, em todas as esferas de suas atividades." (2002, p.85)

 

Assim, conclui-se que a ética profissional não parte de valores absolutos ou atemporais, mas consagra aqueles que são extraídos do senso comum profissional. A ética profissional impõe-se ao advogado em todas as circunstâncias de sua vida, tanto profissional quanto pessoal que possam repercutir no conceito público e na dignidade da advocacia.

 

Um dos principais fatores dentro do meio jurídico-advocatício que motivam a necessidade de uma cadeira especial dentro do Curso de Direito para o ensino e entendimento da ética (em alguns casos denominada como Deontologia Jurídica), deve-se, talvez, ao fato desta área ser uma das mais rotuladas como desonestas.

 

Tal iniciativa seria de enorme valia, uma vez que muitos advogados de sucesso pregam, erroneamente, o princípio de que em busca de uma grande carreira, todos os meios são válidos. Ponderam que tanto em sua vida pessoal quanto em um processo judicial todas as armas possíveis podem ser utilizadas.

 

Espelhando-se nestes exemplos, vemos ainda inúmeros acadêmicos que absorvem para si as ideias fundadas por esses profissionais e, diariamente, temos formandos sendo despejados no mercado de trabalho já pré-dispostos a se utilizarem de condutas contrárias àquelas aprendidas nas salas das universidades para que sua fama e nome se formem rapidamente.

 

A Deontologia Jurídica, ou seja, a análise universitária da ética, estuda as situações particulares em que se encontra o advogado no exercício profissional. Sobre ele recaem deveres classificados como "gerais", isto é, que incidem e obrigam sobre sua correspondente atividade, como homem, na sua qualidade de cidadão e, de igual maneira, deveres particulares incidentes e sua estrita condição de profissional do direito.

 

Segundo Luiz Lima Camargo, esses deveres gerais são constituídos e classificados como positivos e negativos (Langaro, 1990, p.52). Os positivos são os deveres determinadores de que seja feita certa providência. Exemplificando, o doutrinador cita os casos de como fazer o bem, fazer justiça, respeitar a lei. No outro polo, as obrigações cobradas pela ética classificam-se como negativas, sendo estas as proibições de que seja tomada determinada atitude, tais como não desrespeitar a Lei, não desonrar com a confiança de um cliente, enfim, que não sejam tomadas atitudes que indignifiquem a profissão. Conforme Langaro, a segunda classificação atua com a moral do profissional.

 

O advogado em um sistema democrático desempenha um papel de extrema importância para a preservação da ordem e dos direitos assegurados ao cidadão. No exercício de seu ministério privado, que possui um munus publico (encargo público), o advogado é um agente de transformação e contribui para que o direito possa acompanhar as evoluções da sociedade.

 

O exercício da profissão implica em dedicação ímpar. O advogado regula, por si só, a sua conduta, sendo o único árbitro da sua atuação.  A autoridade que o advogado desfruta deve estear-se numa moralidade intransigente, somente quando a sua pessoa e o seu caráter forem inatacáveis é que ele será respeitado e poderá exercer plenamente a sua missão.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/a-etica-na-advocacia-6787531.html

    Palavras-chave do artigo:

    etica

    ,

    dignidade

    ,

    deotologia

    Comentar sobre o artigo

    O presente artigo tem a finalidade de relatar as principais características, em um âmbito político e social, de um período da história brasileira: a República Velha. É essencial analisar, ainda que de forma sucinta, seus antecessores e suas conseqüências. Para tal fim, buscamos um embasamento em celebres obras como "Coronelismo, Enxada e Voto", de Victor Nunes Leal e "Os Donos do Poder", de Raymundo Faoro.

    Por: Antônio Faustino Moural Direito> Doutrinal 17/12/2014
    André Silva Barroso

    O presente trabalho trata sobre os títulos de crédito eletrônicos e a possível descaracterização do princípio da cartularidade, onde, para uma melhor compreensão sobre tal instituto, buscou-se um estudo sobre seu conceito, características e princípios. Num segundo estágio foi-se abordado os títulos de crédito eletrônicos, que surgiram pelos avanços tecnológicos principalmente pelo advento da internet.

    Por: André Silva Barrosol Direito> Doutrinal 05/12/2014
    Liziane Mont'Alverne de Barros

    A "judicialização da política" ou "politização da justiça" na composição dos cenário das ciências jurídicas e sociais nos diversos países do mundo e seus efeitos na expansão do Poder Judiciário no processo decisório das democracias contemporâneas. O presente artigo tem por escopo promover uma análise crítica do desenvolvimento desse fenômeno que vem sendo desenvolvido pelo Órgão de Cúpula do Judiciário – STF.

    Por: Liziane Mont'Alverne de Barrosl Direito> Doutrinal 04/12/2014

    O código civil concede ao testador o direito não só de instituir herdeiro ou legatário em primeiro grau, mas também o de lhes indicar substituto.

    Por: DÉBORA LUCIANO DE ALMEIDAl Direito> Doutrinal 03/12/2014 lAcessos: 11

    CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO É um mecanismo previsto na lei civil, que pode-se valer o devedor que queira desonerar-se e que esteja em dificuldades para o fazer.

    Por: Fernando Bartoli de Oliveiral Direito> Doutrinal 01/12/2014

    Artigos 1962, 1963 e 1814 do Código Civil É o ato de manifestação da vontade do autor da herança que exclui da sucessão, um herdeiro necessário, tipificando, nos permissivos legais, a sua vontade. Dá-se por testamento somente.

    Por: Thais Luz Firminol Direito> Doutrinal 29/11/2014 lAcessos: 12

    A conquista, o governo e a manutenção do Estado são preocupações centrais do pensamento maquiaveliano. Essa tríade tem de ser mantida custe o que custar, ainda que para tanto não se observem questões de ordem ética e moral, pelo menos, a moral e a ética medievais e da Itália renascentista. O bom governante tem de manter o Estado e, para tanto, dadas as circunstancias tem que agir hora pela força, hora pela razão e outras vezes deve saber conjugar ambas, só assim conseguirá governar.

    Por: FRANCISCO ESDRAS MOREIRA ROCHAl Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 12

    O Direito Sucessório Brasileiro, disciplinado pelo Código Civil Brasileiro de 2002, prevê dois tipos de sucessão hereditária que podemos nos deparar quando da abertura da sucessão, qual seja: sucessão legítima e sucessão testamentária, acerca desta, mais especificamente sobre sucessão testamentária na forma pública, que discorremos no presente trabalho.

    Por: Arthur Sarilhol Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 11

    Trata o artigo do terceiro interessado na cessão fiduciária de direitos sobre coisas móveis, bem como títulos de crédito.

    Por: Ana Paula Rossil Direito> Doutrinal 06/10/2013 lAcessos: 39

    A matéria no Estado do Espírito Santo é regulada por leis municipais, as quais demonstram uma ausência de uniformidade no período máximo a ser suportado pelo consumidor. Tal fato fragiliza a análise e prova do dano moral, levando à improcedência do pedido.

    Por: Ana Paula Rossil Direito> Doutrinal 06/10/2013 lAcessos: 124
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast