A Família e a Constituição Federal

Publicado em: 23/12/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 247 |

A Família e a Constituição Brasileira

Desde sempre é cediço que a força de uma sociedade pernoita no seio familiar, atribuindo assim o adjetivo de "célula primária da sociedade" à família constituída.

Neste sentido e a partir dele, famílias são agregadas e inevitavelmente, grupos maiores são formados. A partir deste grupo, numa operação exponencial, pessoas e mais pessoas juntam-se em aglomerados, vilas, bairros, cidades, estados, países e por fim, chegamos à população mundial.

Claramente, quanto referimo-nos à População Mundial, então, nota-se a família por sua gênese. Desta feita, torna-se merecedora de proteção!

A Constituição Federal, com maior força a partir de 1988,atribui à família uma blindagem necessária e regulamenta seus atos como se numa redoma protetora estivesse.

Assim. Dessa supremacia normativa constitucional, detectam-se como consectários:

i)                    Necessidade de releitura dos conceitos e institutos jurídicos clássicos, como , por exemplo, o casamento e a filiação;

ii)                  A elaboração e o desenvolvimento de novas categorias jurídicas, não mais neutras e indiferentes, antes, vívidas e ativas, presentes na vida social como a união de pessoas com o mesmo sexo perfazendo uma entidade familiar;

 iii)                Interação estreita entre os diferentes campos do conhecimento, afastando na medida certa, a Teoria Pura do Direito, reconhecendo a estreita necessidade de uma visão multidisciplinar do Direito, buscando amparo e inspiração na Psicologia, na Antropologia, n Filosofia, na História, na Sociologia, etc.[1]

Na prática, a Constituição Federal nos presenteia, em seus artigos 226 e 227, com dizeres à organização familiar. A constituição afastou-se do caráter neutro, que a integrava nas versões constitucionais anteriores, e projetou-se ao encontro da célula primeira da sociedade!

"Art. 226. A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.

Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão."

            Regulando, orientando e protegendo o alfa, fortalece-se o ômega!

            Em observância aos artigos 226 a 230 da Lex Mater, leva-nos ao feliz raciocínio de Gustavo Tepedino, em Temas de Direito Civil, p. 349 que " a milenar proteção da família como instituição, unidade de produção e reprodução dos valores culturais, éticos, religiosos e econômicos, dá lugar à tutela essencialmente funcionalizada à dignidade de seus membros." Portanto, trata-se de entidade de afeto e solidariedade, fundada em relações de índole pessoal , voltada para o crescimento da pessoa humana que tem como diploma regulador a Constituição de 1988.[2]

            E como há proteção gerida pela Constituição! Os princípios constitucionais são gritantes, v.g.:

- Pluralidade das entidades familiares, deixando de ver apenas o matrimônio como única forma de início familiar,  alargando o conceito de família e permitindo o reconhecimento de entidades familiares não casamentárias, embora, com a mesma proteção jurídica;

- Igualdade entre homem e mulher. Neste item, nota-se muito claramente, que os costumes e clamores da sociedade foram atendidos e regulados. Há muito tempo, a sociedade clama por igualdade entre sexos. Trata-se assunto contemporâneo. Por conta, temos o artigo 5º da Constituição que, logo em seu primeiro inciso, iguala a todos perante a lei. "sem distinção de qualquer natureza", e isso inclui o sexo, tanto no sentido "ser" como "opção".

- A possibilidade de mudança de nome pelo homem e pela mulher no casamento, ou seja, plenas possibilidades de acrescer o sobrenome de um a outro. Não só isso. Como não poderia deixar de ser, não apenas acrescentar mas também a retirada de qualquer patronímico. Por força do art. 1565, §1º do Código Civil, há tal faculdade, logicamente, subsidiada pela Constituição Federal. Porém, torna-se necessário interpretar a norma de forma inteligente e contemporânea. Por isso, dizemos que, não apenas acrescentar nomes, mas retira-los também. Não raro, o acréscimo de um nome resulta na exclusão de outro e vice versa.

- Igualdade entre os filhos, mesmo sendo eles havidos ou não do mesmo matrimônio. Terão os mesmos direitos e qualificações, sendo vedadas quaisquer tipos de distinções ou discriminações, ex vi, 227, §6º da Constituição Federal. A partir dessa máxima, independe se esfera patrimonial ou pessoal, os filhos gozarão dos mesmos direitos e deveres. Portanto, a exegese ao assunto, mostra ser possível, por exemplo, a fixação de verba alimentar  ao nascituro, garantindo a ele a mesma proteção direcionada ao restante da prole.

- Planejamento familiar e paternidade responsável, sancionando de forma atônita a irresponsabilidade e descasos maternais e paternais. Em seu §7º, o artigo 226 da Constituição insere aos pais a responsabilidade de planejamento e consequente respeito aos laços familiares. Destare, autorizado pela constituição,  o Código Penal tipifica vários atos como crimes contra incapazes menores, atentados contra suas vidas e formas de tratamento violento e exacerbados. Também, cooperam para a proteção familiar, diga-se de passagem, o Estatuto do Idoso e o ECA.

- Facilitação da dissolução do casamento. Não há, necessariamente, a obrigação de "juntos até que a morte os separe". Não há felicidade, companheirismo ou cumplicidade sadia entre o casal, tampouco confiança, e a vida conjunta torna-se uma tortura, não há também a necessidade de estar juntos. Concorda-se que, a relação desgastada trás inúmeros malefícios e nenhum benefício no antro familiar. Desta feita, a Constituição  evidencia a dissolução inteligente e sadia.

            Poderíamos enumerar aqui, mais outros tantos benefícios e regulamentos advindos da Constituição Federal para a proteção familiar. Porém, por ser assunto vasto, poderíamos escrever várias folhas sobre o nobre tema.

            Por este ser trabalho acadêmico,  há a necessidade de sucinto ser , bem como atingir a objetividade.

[1] Direito das Famílias, 2ª Edição, 2010, Lumem Juris Editora, Cristiano Chaves de Farias e Nelson Rosenvald.

[2] Op.cit. 38

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/a-familia-e-a-constituicao-federal-5513174.html

    Palavras-chave do artigo:

    familia

    ,

    constituicao federal

    ,

    toni

    Comentar sobre o artigo

    Toni Rogerio Silvano

    Todo enfoque é dado para o controverso hábito de eterno julgamento social ao ex-detento. Linguagem muito simples e clara, a clássica obra de Francesco Carnelutti é comentada modernamente, aplicando-se filosoficamente ao Processo Penal Brasileiro. Moderno e marcante, o trabalho é voltado para acadêmicos e profissionais do Direito. Baixe o material completo em www.tonirogerio.com.br ou recorte e cole no navegador: http://www.tonirogerio.com.br/index.php?id=507&idioma=1

    Por: Toni Rogerio Silvanol Direito> Doutrinal 08/08/2011 lAcessos: 1,148
    Toni Rogerio Silvano

    Instituto inédito tratado de maneira mais visível no Código Civil de 2002. Poder-se-á encontrar soluções para lides do cotidiano nesse tema apresentado por Toni Rogério.

    Por: Toni Rogerio Silvanol Direito> Doutrinal 09/01/2012 lAcessos: 230
    ANGÉLICA NUNES LOPES CRUVINEL

    O presente trabalho procura constatar a existência ou não de maus-tratos nos touros de rodeios, levando em consideração o cumprimento das legislações pátrias sobre o tema e seu paralelo com a realidade. Para a apresentação da prática do rodeio utilizou-se pesquisa de campo, com questionário, com questões abertas, registradas em vídeos produzidos pela própria autora, tendo como objetivo principal apresentar informações pertinentes ao referido assunto e levar ao conhecimento social a realidade.

    Por: ANGÉLICA NUNES LOPES CRUVINELl Direito> Legislaçãol 03/07/2010 lAcessos: 788 lComentário: 4

    A necessidade de comunicação humana é o que existe de mais profundo e primitivo em seu modo de funcionamento. Vincular-se com o outro é essencial para a sobrevivência do indivíduo e da espécie. Vários autores sustentam que os primeiros dias, talvez mesmo as primeiras horas depois do nascimento, e até o período de gestação, representam um período sensível, onde a mãe está particularmente apta a constituir um elo de ligação com seu filho. Um pressuposto largamente aceito diz respeito à ligação do

    Por: Gilson Tavaresl Psicologia&Auto-Ajudal 06/04/2009 lAcessos: 2,125

    Dr. Drauzio Varela relata a vida dos mais de 7 mil homens presos no maior presidio do Estado de São Paulo/SP, Ainda traz o relato do grande massacre nos meados do ano de 92.

    Por: Cristiane Duartel Direito> Doutrinal 31/10/2014

    A Lei 9.029/95 foi criada com o intuito de definir as práticas discriminatórias praticadas por empregadores contra seus empregados. A principal prática discriminatória estabelecida pela Lei é voltada para as mulheres, que ocorre quando o empregador exige da trabalhadora teste ou exame de gravidez no momento da admissão ou para efeitos de permanência na relação de trabalho, podendo este sofrer sanção pela prática do ato.

    Por: Cristine Dartoral Direito> Doutrinal 29/10/2014

    Administração Pública é o vocábulo que abrange tanto a atividade superior de planejar, dirigir, comandar, como a atividade subordinada de executar (DI PIETRO, 2010).

    Por: Rafael de Oliveiral Direito> Doutrinal 27/10/2014

    O instituto do bem de família, impenhorável por força da lei, foi criado para proteger a entidade familiar das crises econômicas. Em 1991, a Lei nº 8.245, em seu art. 82, introduziu mais uma possibilidade de penhora do bem de família, com precisão no art. 3° da Lei 8.009/90, em que o fiador responde com seu bem de família em razão de contrato de aluguel não cumprido pelo inquilino.

    Por: João Alós Müllerl Direito> Doutrinal 25/10/2014

    Advogado alerta que a nova Lei da Guarda Compartilhada pode abrir precedente da obrigatoriedade da guarda compartilhada de filhos no caso dos pais não chegarem a um acordo

    Por: João Clairl Direito> Doutrinal 23/10/2014

    Os direitos oriundos das relações trabalhistas vêm sendo discutidos conquistados com o decorrer do tempo, dentro dessa ótica verifica-se uma evolução associativa entre classes de empregadores e trabalhadores, que se encontram cada vez mais unidas para atingir fins que beneficiem a coletividade da qual fazem parte. No presente texto pretende-se alinhar as diversas linhas de raciocínio existentes e controversas a respeito do tema em questão, buscando ainda fazer relação com os valores consagrados

    Por: Vera Lucia braga Duartel Direito> Doutrinal 22/10/2014

    Esse trabalho tem como objetivo esclarecer o que são contribuições sociais e quais as contribuições que se constituem, apresentando de que forma é calculada a contribuição tanto do empregado, doméstico e trabahador avulso. Observa-se portanto, qual a aplicação da alíquota para cada tipo de contribuinte, assim como valores mínimos que devem ser colaborados. Resta saber também, quais os percentuais de contribuição.

    Por: Simone Follmerl Direito> Doutrinal 21/10/2014

    O trabalho envolve questões referente a jornada de trabalho e os direitos do trabalhador.

    Por: Simone Follmerl Direito> Doutrinal 21/10/2014
    Toni Rogerio Silvano

    Instituto inédito tratado de maneira mais visível no Código Civil de 2002. Poder-se-á encontrar soluções para lides do cotidiano nesse tema apresentado por Toni Rogério.

    Por: Toni Rogerio Silvanol Direito> Doutrinal 09/01/2012 lAcessos: 230
    Toni Rogerio Silvano

    Segundo Clóvis Bevilacqua, "a Teoria das Nulidades é ainda vacilante na doutrina, circunstância que, aliada à falta de nitidez dos dispositivos legais, à ausência de princípios diretores do pensamento em função legislativa, tem dado a este assunto um aspecto particularmente rebarbativo." Nosso ousado objetivo nesse trabalho é, apesar dos comentários de consagrados autores, mostrar que há um entendimento moderno e sólido, juridicamente seguro para regular os efeitos gerados por esses atos.

    Por: Toni Rogerio Silvanol Direito> Doutrinal 26/08/2011 lAcessos: 2,788
    Toni Rogerio Silvano

    Todo enfoque é dado para o controverso hábito de eterno julgamento social ao ex-detento. Linguagem muito simples e clara, a clássica obra de Francesco Carnelutti é comentada modernamente, aplicando-se filosoficamente ao Processo Penal Brasileiro. Moderno e marcante, o trabalho é voltado para acadêmicos e profissionais do Direito. Baixe o material completo em www.tonirogerio.com.br ou recorte e cole no navegador: http://www.tonirogerio.com.br/index.php?id=507&idioma=1

    Por: Toni Rogerio Silvanol Direito> Doutrinal 08/08/2011 lAcessos: 1,148
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast