A Família e a Constituição Federal

Publicado em: 23/12/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 277 |

A Família e a Constituição Brasileira

Desde sempre é cediço que a força de uma sociedade pernoita no seio familiar, atribuindo assim o adjetivo de "célula primária da sociedade" à família constituída.

Neste sentido e a partir dele, famílias são agregadas e inevitavelmente, grupos maiores são formados. A partir deste grupo, numa operação exponencial, pessoas e mais pessoas juntam-se em aglomerados, vilas, bairros, cidades, estados, países e por fim, chegamos à população mundial.

Claramente, quanto referimo-nos à População Mundial, então, nota-se a família por sua gênese. Desta feita, torna-se merecedora de proteção!

A Constituição Federal, com maior força a partir de 1988,atribui à família uma blindagem necessária e regulamenta seus atos como se numa redoma protetora estivesse.

Assim. Dessa supremacia normativa constitucional, detectam-se como consectários:

i)                    Necessidade de releitura dos conceitos e institutos jurídicos clássicos, como , por exemplo, o casamento e a filiação;

ii)                  A elaboração e o desenvolvimento de novas categorias jurídicas, não mais neutras e indiferentes, antes, vívidas e ativas, presentes na vida social como a união de pessoas com o mesmo sexo perfazendo uma entidade familiar;

 iii)                Interação estreita entre os diferentes campos do conhecimento, afastando na medida certa, a Teoria Pura do Direito, reconhecendo a estreita necessidade de uma visão multidisciplinar do Direito, buscando amparo e inspiração na Psicologia, na Antropologia, n Filosofia, na História, na Sociologia, etc.[1]

Na prática, a Constituição Federal nos presenteia, em seus artigos 226 e 227, com dizeres à organização familiar. A constituição afastou-se do caráter neutro, que a integrava nas versões constitucionais anteriores, e projetou-se ao encontro da célula primeira da sociedade!

"Art. 226. A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.

Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão."

            Regulando, orientando e protegendo o alfa, fortalece-se o ômega!

            Em observância aos artigos 226 a 230 da Lex Mater, leva-nos ao feliz raciocínio de Gustavo Tepedino, em Temas de Direito Civil, p. 349 que " a milenar proteção da família como instituição, unidade de produção e reprodução dos valores culturais, éticos, religiosos e econômicos, dá lugar à tutela essencialmente funcionalizada à dignidade de seus membros." Portanto, trata-se de entidade de afeto e solidariedade, fundada em relações de índole pessoal , voltada para o crescimento da pessoa humana que tem como diploma regulador a Constituição de 1988.[2]

            E como há proteção gerida pela Constituição! Os princípios constitucionais são gritantes, v.g.:

- Pluralidade das entidades familiares, deixando de ver apenas o matrimônio como única forma de início familiar,  alargando o conceito de família e permitindo o reconhecimento de entidades familiares não casamentárias, embora, com a mesma proteção jurídica;

- Igualdade entre homem e mulher. Neste item, nota-se muito claramente, que os costumes e clamores da sociedade foram atendidos e regulados. Há muito tempo, a sociedade clama por igualdade entre sexos. Trata-se assunto contemporâneo. Por conta, temos o artigo 5º da Constituição que, logo em seu primeiro inciso, iguala a todos perante a lei. "sem distinção de qualquer natureza", e isso inclui o sexo, tanto no sentido "ser" como "opção".

- A possibilidade de mudança de nome pelo homem e pela mulher no casamento, ou seja, plenas possibilidades de acrescer o sobrenome de um a outro. Não só isso. Como não poderia deixar de ser, não apenas acrescentar mas também a retirada de qualquer patronímico. Por força do art. 1565, §1º do Código Civil, há tal faculdade, logicamente, subsidiada pela Constituição Federal. Porém, torna-se necessário interpretar a norma de forma inteligente e contemporânea. Por isso, dizemos que, não apenas acrescentar nomes, mas retira-los também. Não raro, o acréscimo de um nome resulta na exclusão de outro e vice versa.

- Igualdade entre os filhos, mesmo sendo eles havidos ou não do mesmo matrimônio. Terão os mesmos direitos e qualificações, sendo vedadas quaisquer tipos de distinções ou discriminações, ex vi, 227, §6º da Constituição Federal. A partir dessa máxima, independe se esfera patrimonial ou pessoal, os filhos gozarão dos mesmos direitos e deveres. Portanto, a exegese ao assunto, mostra ser possível, por exemplo, a fixação de verba alimentar  ao nascituro, garantindo a ele a mesma proteção direcionada ao restante da prole.

- Planejamento familiar e paternidade responsável, sancionando de forma atônita a irresponsabilidade e descasos maternais e paternais. Em seu §7º, o artigo 226 da Constituição insere aos pais a responsabilidade de planejamento e consequente respeito aos laços familiares. Destare, autorizado pela constituição,  o Código Penal tipifica vários atos como crimes contra incapazes menores, atentados contra suas vidas e formas de tratamento violento e exacerbados. Também, cooperam para a proteção familiar, diga-se de passagem, o Estatuto do Idoso e o ECA.

- Facilitação da dissolução do casamento. Não há, necessariamente, a obrigação de "juntos até que a morte os separe". Não há felicidade, companheirismo ou cumplicidade sadia entre o casal, tampouco confiança, e a vida conjunta torna-se uma tortura, não há também a necessidade de estar juntos. Concorda-se que, a relação desgastada trás inúmeros malefícios e nenhum benefício no antro familiar. Desta feita, a Constituição  evidencia a dissolução inteligente e sadia.

            Poderíamos enumerar aqui, mais outros tantos benefícios e regulamentos advindos da Constituição Federal para a proteção familiar. Porém, por ser assunto vasto, poderíamos escrever várias folhas sobre o nobre tema.

            Por este ser trabalho acadêmico,  há a necessidade de sucinto ser , bem como atingir a objetividade.

[1] Direito das Famílias, 2ª Edição, 2010, Lumem Juris Editora, Cristiano Chaves de Farias e Nelson Rosenvald.

[2] Op.cit. 38

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/a-familia-e-a-constituicao-federal-5513174.html

    Palavras-chave do artigo:

    familia

    ,

    constituicao federal

    ,

    toni

    Comentar sobre o artigo

    Toni Rogerio Silvano

    Todo enfoque é dado para o controverso hábito de eterno julgamento social ao ex-detento. Linguagem muito simples e clara, a clássica obra de Francesco Carnelutti é comentada modernamente, aplicando-se filosoficamente ao Processo Penal Brasileiro. Moderno e marcante, o trabalho é voltado para acadêmicos e profissionais do Direito. Baixe o material completo em www.tonirogerio.com.br ou recorte e cole no navegador: http://www.tonirogerio.com.br/index.php?id=507&idioma=1

    Por: Toni Rogerio Silvanol Direito> Doutrinal 08/08/2011 lAcessos: 1,184
    Toni Rogerio Silvano

    Instituto inédito tratado de maneira mais visível no Código Civil de 2002. Poder-se-á encontrar soluções para lides do cotidiano nesse tema apresentado por Toni Rogério.

    Por: Toni Rogerio Silvanol Direito> Doutrinal 09/01/2012 lAcessos: 241
    ANGÉLICA NUNES LOPES CRUVINEL

    O presente trabalho procura constatar a existência ou não de maus-tratos nos touros de rodeios, levando em consideração o cumprimento das legislações pátrias sobre o tema e seu paralelo com a realidade. Para a apresentação da prática do rodeio utilizou-se pesquisa de campo, com questionário, com questões abertas, registradas em vídeos produzidos pela própria autora, tendo como objetivo principal apresentar informações pertinentes ao referido assunto e levar ao conhecimento social a realidade.

    Por: ANGÉLICA NUNES LOPES CRUVINELl Direito> Legislaçãol 03/07/2010 lAcessos: 794 lComentário: 4

    A necessidade de comunicação humana é o que existe de mais profundo e primitivo em seu modo de funcionamento. Vincular-se com o outro é essencial para a sobrevivência do indivíduo e da espécie. Vários autores sustentam que os primeiros dias, talvez mesmo as primeiras horas depois do nascimento, e até o período de gestação, representam um período sensível, onde a mãe está particularmente apta a constituir um elo de ligação com seu filho. Um pressuposto largamente aceito diz respeito à ligação do

    Por: Gilson Tavaresl Psicologia&Auto-Ajudal 06/04/2009 lAcessos: 2,138

    O artigo faz uma breve abordagem da violência e exploração sexual de crianças e adolescentes, passeando pelos tipos e motivos de tal prática, consequências para as vitimas e legislação que pune os agressores e resguarda os direitos dos agredidos, uma vez que, segundo a ONU, o Brasil é o 1º em Exploração sexual infanto-juvenil da America Latina.

    Por: ingryd ribeirol Direito> Doutrinal 21/12/2014

    O presente artigo tem a finalidade de relatar as principais características, em um âmbito político e social, de um período da história brasileira: a República Velha. É essencial analisar, ainda que de forma sucinta, seus antecessores e suas conseqüências. Para tal fim, buscamos um embasamento em celebres obras como "Coronelismo, Enxada e Voto", de Victor Nunes Leal e "Os Donos do Poder", de Raymundo Faoro.

    Por: Antônio Faustino Moural Direito> Doutrinal 17/12/2014
    André Silva Barroso

    O presente trabalho trata sobre os títulos de crédito eletrônicos e a possível descaracterização do princípio da cartularidade, onde, para uma melhor compreensão sobre tal instituto, buscou-se um estudo sobre seu conceito, características e princípios. Num segundo estágio foi-se abordado os títulos de crédito eletrônicos, que surgiram pelos avanços tecnológicos principalmente pelo advento da internet.

    Por: André Silva Barrosol Direito> Doutrinal 05/12/2014
    Liziane Mont'Alverne de Barros

    A "judicialização da política" ou "politização da justiça" na composição dos cenário das ciências jurídicas e sociais nos diversos países do mundo e seus efeitos na expansão do Poder Judiciário no processo decisório das democracias contemporâneas. O presente artigo tem por escopo promover uma análise crítica do desenvolvimento desse fenômeno que vem sendo desenvolvido pelo Órgão de Cúpula do Judiciário – STF.

    Por: Liziane Mont'Alverne de Barrosl Direito> Doutrinal 04/12/2014

    O código civil concede ao testador o direito não só de instituir herdeiro ou legatário em primeiro grau, mas também o de lhes indicar substituto.

    Por: DÉBORA LUCIANO DE ALMEIDAl Direito> Doutrinal 03/12/2014 lAcessos: 13

    CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO É um mecanismo previsto na lei civil, que pode-se valer o devedor que queira desonerar-se e que esteja em dificuldades para o fazer.

    Por: Fernando Bartoli de Oliveiral Direito> Doutrinal 01/12/2014 lAcessos: 11

    Artigos 1962, 1963 e 1814 do Código Civil É o ato de manifestação da vontade do autor da herança que exclui da sucessão, um herdeiro necessário, tipificando, nos permissivos legais, a sua vontade. Dá-se por testamento somente.

    Por: Thais Luz Firminol Direito> Doutrinal 29/11/2014 lAcessos: 15

    A conquista, o governo e a manutenção do Estado são preocupações centrais do pensamento maquiaveliano. Essa tríade tem de ser mantida custe o que custar, ainda que para tanto não se observem questões de ordem ética e moral, pelo menos, a moral e a ética medievais e da Itália renascentista. O bom governante tem de manter o Estado e, para tanto, dadas as circunstancias tem que agir hora pela força, hora pela razão e outras vezes deve saber conjugar ambas, só assim conseguirá governar.

    Por: FRANCISCO ESDRAS MOREIRA ROCHAl Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 13
    Toni Rogerio Silvano

    Instituto inédito tratado de maneira mais visível no Código Civil de 2002. Poder-se-á encontrar soluções para lides do cotidiano nesse tema apresentado por Toni Rogério.

    Por: Toni Rogerio Silvanol Direito> Doutrinal 09/01/2012 lAcessos: 241
    Toni Rogerio Silvano

    Segundo Clóvis Bevilacqua, "a Teoria das Nulidades é ainda vacilante na doutrina, circunstância que, aliada à falta de nitidez dos dispositivos legais, à ausência de princípios diretores do pensamento em função legislativa, tem dado a este assunto um aspecto particularmente rebarbativo." Nosso ousado objetivo nesse trabalho é, apesar dos comentários de consagrados autores, mostrar que há um entendimento moderno e sólido, juridicamente seguro para regular os efeitos gerados por esses atos.

    Por: Toni Rogerio Silvanol Direito> Doutrinal 26/08/2011 lAcessos: 2,818
    Toni Rogerio Silvano

    Todo enfoque é dado para o controverso hábito de eterno julgamento social ao ex-detento. Linguagem muito simples e clara, a clássica obra de Francesco Carnelutti é comentada modernamente, aplicando-se filosoficamente ao Processo Penal Brasileiro. Moderno e marcante, o trabalho é voltado para acadêmicos e profissionais do Direito. Baixe o material completo em www.tonirogerio.com.br ou recorte e cole no navegador: http://www.tonirogerio.com.br/index.php?id=507&idioma=1

    Por: Toni Rogerio Silvanol Direito> Doutrinal 08/08/2011 lAcessos: 1,184
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast