A Força da Justiça Privada

Publicado em: 20/07/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 544 |

Observando tão-somente o teor do art. 5º, inciso XXXV, da Constituição Federal, o qual determina que "a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito", alguns juízes estão deixando de observar a Lei Federal nº 9.307/96, e a jurisprudência dos tribunais superiores.

O TJ do Rio Grande do Sul, em um caso envolvendo discussão contratual, afastou a aplicação da sobredita norma. Entendeu esse Tribunal ser indisponível a jurisdição por convenção entre particulares e que somente o Estado tem o monopólio da Justiça, dada a indisponibilidade de direitos e garantias individuais. A arbitragem só tem lugar quando já estabelecido o litígio em juízo, e as partes optarem pelo juízo arbitral. Concluiu que a cláusula contratual que adrede e abstratamente determina a submissão da resolução de litígios contratuais à arbitragem, não é absoluta. Mas sim relativa e pragmática, sob pena de ferir-se o princípio hierárquico e constitucional do monopólio estatal da Jurisdição. Com esse resultado, a discussão foi parar na arena do Superior Tribunal de Justiça por meio do Recurso Especial.

Nas razões do recurso, a empresa prejudicada sustentou que, desde o advento da Lei 9.307/96, as partes estão autorizadas a eleger a Arbitragem como foro para solução de controvérsias oriunda na vigência de um contrato. Defendeu a ideia de que o cidadão pode optar por dirimir seus conflitos fora da seara judiciária. Não havendo, inclusive, vedação constitucional para uma pessoa resolver seus entreveros por meio de sujeição à chamada Justiça Privada.

Mesmo o STF já tendo declarado que a lei de arbitragem é constitucional, ainda existe resistência por parte de alguns juízes em aceitar a aplicação desta lei. Observamos isso em decisões judiciais que afastam a aplicação do compromisso arbitral ou da cláusula arbitral, firmado entre as partes sob o fundamento de violação à garantia da universalidade da Jurisdição do Poder Judiciário.

Da interpretação art. 267, inciso VII e 301, IX do Código de Processo Civil, compreende-se que uma vez as partes litigantes se comprometendo a resolver o dissenso pelo tribunal arbitral, não pode se valer do judiciário para aplicar o direito ao caso concreto, sob pena deextinção do processo sem julgamento do mérito, quando invocada a existência de cláusula arbitral ou pactuado o compromisso arbitral. O Judiciário só será acionado para executar sentença proferida no juízo arbitral, pois os árbitros não têm o poder jurisdicional de mandar cumprir suas decisões.

O art. 1º da Lei n.º 9.307/96(Lei de Arbitragem), determina que as pessoas capazes de contratar poderão valer-se da arbitragem para dirimir litígios relativos a direitos patrimoniais disponíveis. Já o artigo 4º da mesma lei conceitua que "a cláusula compromissória é a convenção através da qual as partes em um contrato comprometem-se a submeter à arbitragem os litígios que possam vir a surgir relativos a tal contrato". Portanto, ficou sacramentado que a apreciação e pacificação dos conflitos poderá ficar ao encargo do Tribunal Arbitral, afastando-se o Poder Judiciário da apreciação da lide. Desde que as partes estejam de acordo em se submeter ao juízo arbitral ou haja um compromisso arbitral, sejam capazes de contratar e sempre que esteja em litígio direitos disponíveis.

Desde então os Tribunal superiores, sobretudo, o STJ e o STF, sempre que preenchido os requisitos e observada a ampla defesa, o contraditório e o devido processo legal, tem referendado as decisões dos árbitros. Ressalta-se, que para a instauração do procedimento arbitral, na forma do art. 7º da Lei 9.307/96, são indispensáveis a existência da cláusula compromissória e a resistência de uma das partes à sua instituição. Logo, tendo as partes validamente estatuído que as controvérsias decorrentes dos contratos seriam dirimidas por meio da arbitragem, a discussão sobre a infringência às suas cláusulas, bem como o direito a eventual indenização devem ser solucionados pelo tribunal arbitral.

O alcance do juízo arbitral é internacional. Pelo protocolo de Genebra de 1923, subscrito pelo Brasil, a eleição de compromisso ou cláusula arbitral imprime às partes contratantes a obrigação de submeter eventuais conflitos à arbitragem, ficando afastada a tradicional solução pela via judicial. Até porque, nos contratos internacionais, devem prevalecer os princípios gerais de direito internacional em detrimento da normatização específica de cada país. Fato que justifica a análise da cláusula arbitral sob a ótica do citado tratado internacional.

Nesse sentido, o Superior Tribunal de Justiça, com o voto do Ministro-Relator Paulo Furtado, nos autos do RESP 791.260-RS, à unanimidade, deu parcial provimento ao recurso especial determinando, que prevalece o juízo arbitral sobre o poder jurisdicional, quando preenchido os requisitos da Lei 9.307/96.

Denis Farias é advogado, pós-graduando em Direito Civil e Processo Civil pela Fundação Getúlio Vargas.

Email: denisadvogado@hotmail.com.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/a-forca-da-justica-privada-2865807.html

    Palavras-chave do artigo:

    justica e privada e poder judiciario e arbitros e tribunal arbitral

    Comentar sobre o artigo

    Claudio Bezerra de Menezes

    O instituto da Arbitragem é apresentado em boa-fé como um relevante instrumento popular de dizer o Direito, tendo como suportes importantes a Celeridade do processo e satisfação latu e strictu sensu do jurisdicionado quanto ao acesso à justiça. A defesa ardorosa em prol da popularização do instituto da Arbitragem tem como objetivo maior suprir alternativamente a carência dos menos afortunados em recorrerem à Justiça para tentarem dirimir seus litígios.

    Por: Claudio Bezerra de Menezesl Direito> Doutrinal 16/07/2011 lAcessos: 224

    RESUMO: Prefácio da 17° edição Cursos de Paula Baptista, Lopes da Costa, João Mendes Junior, João Monteiro, Manuel Aureliano de Gusmão, Gabriel de Rezende Filho, José Frederico Marques e Moacyr Amaral Santos.

    Por: DINEIA D SZA CSTAl Direito> Doutrinal 09/07/2012 lAcessos: 750
    Fábio Araújo de Holanda Souza

    A mediação familiar tem como fundamento e objetivo a comunicação humana, posto que os conflitos familiares decorram de uma inadequada comunicação. A essência do papel do mediador é conduzir os mediandos à percepção e ao exercício consciente dos diversos níveis de comunicação, na conformidade da definição dada pelo sociólogo E. Morin à ação de comunicar: informar e informar-se, conhecer e conhecer-se, explicar e explicar-se, compreender e compreender-se.

    Por: Fábio Araújo de Holanda Souzal Lar e Família> Divórciol 17/06/2009 lAcessos: 10,068 lComentário: 1
    EVILAZIO RIBEIRO

    À guisa de facilitar na explicitação do tema Arbitragem / Juízo Arbitral e suas relações com o Poder Judiciário proponho tecer breves comentários na esperança que ajudem a uma melhor compreensão sobre essa forma extrajudicial de resolução de conflitos.

    Por: EVILAZIO RIBEIROl Direito> Jurisprudêncial 05/11/2010 lAcessos: 518
    Antonio de Jesus Trovão

    Comentários sobre a necessidade do processo empático do juiz em relação às partes quando da análise de um caso concreto.

    Por: Antonio de Jesus Trovãol Direito> Doutrinal 01/09/2010 lAcessos: 415
    Marcello Fernandes Leal

    O presente artigo tem apenas por intuito traças breves linhas sobre o instituto da arbitragem, principalmente quanto ao seu tratamento do ordenamento jurídico pátrio. Analisamos os principais tópicos trazidos pela Lei n.º 9.307, de 1996, que versa sobre o tema no Brasil, nos apoiando na mais autorizada doutrina que tratou sobre o tema. Buscou-se trazer à luz esse importante instituto jurídico como mecanismo para dirimir conflitos, ainda insipiente no Brasil.

    Por: Marcello Fernandes Leall Direito> Doutrinal 09/07/2009 lAcessos: 5,331 lComentário: 1

    O presente trabalho visa explicar, dentre outras, a seguinte questão:Os métodos alternativos de solução de conflitos resolvem a falta de efetividade do Poder Judiciário? Serão analisados obstáculos que dificultam o acesso à justiça e os principais métodos, de alcance ao acesso “efetivo” à justiça no Estado Democrático de Direito. Além disso, serão suscitados questionamentos no sentido de perquirir se o Estado tem cumprido o seu papel e dever no que tange a criar mecanismos que supram suas falhas. Por fim, serão identificadas as possíveis soluções para esta crise, partindo do pressuposto de que o acesso à justiça e a busca da sua efetividade são fenômenos inerentes à concepção de “Justiça” e, portanto, não se tem como extingui-los e sim analisá-los.

    Por: Daiana Tanan da Silval Direitol 02/12/2009 lAcessos: 7,333

    CABIMENTO DE AÇÃO RESCISÓRIA NA SENTENÇA ARBITRAL RESUMO O presente artigo trata a respeito da sentença arbitral no ordenamento jurídico brasileiro no que tange à solução de conflito e de contrapartida, verificar se a mesma está sujeita ou não a recursos. Além de orientar a população em geral sobre esta opção de solução de litígios nesta nova modalidade que trata a Lei 9.307/96 sobre a arbitragem. Em linhas gerais, o autor destaca de forma breve uma tendência mundial de solução de conflitos de i

    Por: Alexander de Assis Nunesl Direito> Doutrinal 01/11/2013 lAcessos: 164

    O presente artigo busca efetuar preliminarmente um breve relato histórico do instituto da conciliação, partindo então para a análise do instituto em dois países europeus: Inglaterra e Alemanha. Posteriormente, é abordada a questão da solução de conflitos e a "crise da Justiça" em face do ordenamento jurídico brasileiro, para depois, analisar como os meios alternativos de conflitos surgem e quais sua relevância e críticas. Num último momento é examinada com mais atenção a conciliação.

    Por: Igor Assagral Direito> Doutrinal 18/04/2012 lAcessos: 501

    Diretor do Sindispge alerta que, em momento de campanha, todos os candidatos fazem diversas promessas sem a possibilidade de cumprir se eleitos forem

    Por: Sindispgel Direito> Doutrinal 25/09/2014

    O presente artigo tem o escopo de, em breves linhas, analisar as relações entre padrastos/madrastas e seus enteados e fazer um estudo sobre a convivência destes com os estigmas culturais e com a necessidade de conciliação entre famílias que se desconstituíram e em seguida foram reconstituídas. Trata-se de uma verificação deste novo formato familiar formalmente reconhecido pela carta magna vigente, e da convivência que se faz necessária a partir de sua existência. O intuito é esclarecer que, embo

    Por: ana karolinal Direito> Doutrinal 23/09/2014

    O presente artigo tem o escopo de, em breves linhas, estudar o que são e como se formam as famílias reconstituídas, a relação de convivência e o estabelecimento do parentesco decorrente de vínculos de afeto nas referidas famílias. Trata-se de uma verificação deste novo formato familiar formalmente reconhecido pela carta magna vigente, e da convivência que se faz necessária a partir de sua existência. O intuito é esclarecer que, a constituição Federal de 1988 passou a reconhecer essa nova forma d

    Por: ana karolinal Direito> Doutrinal 23/09/2014
    SERGIO FRANCISCO FURQUIM

    Temos que enfrentar sem medo só assim este excesso de poder por parte destas pessoas que acha que pode tudo vai acabar, mas só vai acabar se nós não acovardarmos e sim enfrentar com determinação sem medo de represália.

    Por: SERGIO FRANCISCO FURQUIMl Direito> Doutrinal 21/09/2014

    Não raras vezes, os sócios das pessoas jurídicas de responsabilidade limitada a utilizam para obter vantagens pecuniárias mediante fraude, abuso de poder ou violação à Lei ou ao contrato social, graças à autonomia que o atual Código Civil lhes conferiu.

    Por: Rafael Rossi Morescol Direito> Doutrinal 18/09/2014 lAcessos: 16
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    SUMÁRIO 1. CLASSIFICAÇÃO DAS OBRIGAÇÕES. 2. OBRIGACOES DE MEIO. 3. OBRIGACAO DE RESULTADO. 4. CONCLUSAO. 5. REFERENCIAS

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    SUMÁRIO. 1 TEORIA DA IMPREVISÃO. 1.1. CONCEITO. 1.2. REQUISITOS. 2 TEORIA DA SUPERVENIENCIA. 2.1. CONCEITO E REQUISITOS. 3 CONCLUSÃO. 4 REFERENCIAS

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    Sumário. 1. INTRODUÇÃO. 2. RAZAO DA EXISTENCIA DOS TITULOS DE CREDITO. 3. CARACTERISTICAS DOS TITULOS . 4. SAQUE OU EMISSAO, ACEITE, AVAL E ENDOSSO.5. IMPOSSIBILIDADE TECNICA DE INCLUSAO EM DOCUMENTOS ASSINADOS DIGITALMENTE. 6. CONCLUSAO E CRITICA

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Denis Farias

    O artigo trata do dever da Caixa Econômica Federal responder juntamente com a empresa empreiteira, perante o mutuário em casos de vicios ou prejuízos na construção do imóvel

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 31/08/2011 lAcessos: 168
    Denis Farias

    O artigo trata da decisão do STF que entedeu ser do suplente da coligação e não do suplente do partido, a vaga deixada por candidato eleito.

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 26/05/2011 lAcessos: 78
    Denis Farias

    O homem não vive sem seus mitos e crenças. Na sociedade em que vivemos um mito ganha força a cada dia. Será um mito mesmo ou uma realidade?

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 07/03/2011 lAcessos: 93
    Denis Farias

    Fazemos uma avaliação sobre a equivocada decisão monocrática que declarou inconstitucional a prova da OAB

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 07/01/2011 lAcessos: 117
    Denis Farias

    Os classificados tem uma grande importância no mundo empresarial, dai a necessidade da jurisdição verificar a responsabilidade dos envolvidos em publicações enganosas e que venham a causar prejuízo a terceiros

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 15/10/2010 lAcessos: 417
    Denis Farias

    A lei do Pré-Sal foi aprovada de qualquer maneira pelo Senado Federal e sancionada em tempo recorde pelo Presidente Lula. Da forma como foi feita, abre precedentes para vários questionamentos, que são feitos em breves linhas nesse artigo.

    Por: Denis Fariasl Direito> Legislaçãol 12/08/2010 lAcessos: 1,224
    Denis Farias

    A Universidade é a responsável pelos danos que seus alunos sofrem no interios da Instituição. Tal entendimento ficou evidente com uma recente decisão que o Superior Tribunal de Justiça preferiu, mantendo a decisão das instâncias ordinárias

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 04/08/2010 lAcessos: 477
    Denis Farias

    O novo estatuto do torcedor é uma nova lei que vei para tentar conter os atos de vandalismo e violência nos estádios em dias de jogos.

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 03/08/2010 lAcessos: 800
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast