A Força da Justiça Privada

Publicado em: 20/07/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 560 |

Observando tão-somente o teor do art. 5º, inciso XXXV, da Constituição Federal, o qual determina que "a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito", alguns juízes estão deixando de observar a Lei Federal nº 9.307/96, e a jurisprudência dos tribunais superiores.

O TJ do Rio Grande do Sul, em um caso envolvendo discussão contratual, afastou a aplicação da sobredita norma. Entendeu esse Tribunal ser indisponível a jurisdição por convenção entre particulares e que somente o Estado tem o monopólio da Justiça, dada a indisponibilidade de direitos e garantias individuais. A arbitragem só tem lugar quando já estabelecido o litígio em juízo, e as partes optarem pelo juízo arbitral. Concluiu que a cláusula contratual que adrede e abstratamente determina a submissão da resolução de litígios contratuais à arbitragem, não é absoluta. Mas sim relativa e pragmática, sob pena de ferir-se o princípio hierárquico e constitucional do monopólio estatal da Jurisdição. Com esse resultado, a discussão foi parar na arena do Superior Tribunal de Justiça por meio do Recurso Especial.

Nas razões do recurso, a empresa prejudicada sustentou que, desde o advento da Lei 9.307/96, as partes estão autorizadas a eleger a Arbitragem como foro para solução de controvérsias oriunda na vigência de um contrato. Defendeu a ideia de que o cidadão pode optar por dirimir seus conflitos fora da seara judiciária. Não havendo, inclusive, vedação constitucional para uma pessoa resolver seus entreveros por meio de sujeição à chamada Justiça Privada.

Mesmo o STF já tendo declarado que a lei de arbitragem é constitucional, ainda existe resistência por parte de alguns juízes em aceitar a aplicação desta lei. Observamos isso em decisões judiciais que afastam a aplicação do compromisso arbitral ou da cláusula arbitral, firmado entre as partes sob o fundamento de violação à garantia da universalidade da Jurisdição do Poder Judiciário.

Da interpretação art. 267, inciso VII e 301, IX do Código de Processo Civil, compreende-se que uma vez as partes litigantes se comprometendo a resolver o dissenso pelo tribunal arbitral, não pode se valer do judiciário para aplicar o direito ao caso concreto, sob pena deextinção do processo sem julgamento do mérito, quando invocada a existência de cláusula arbitral ou pactuado o compromisso arbitral. O Judiciário só será acionado para executar sentença proferida no juízo arbitral, pois os árbitros não têm o poder jurisdicional de mandar cumprir suas decisões.

O art. 1º da Lei n.º 9.307/96(Lei de Arbitragem), determina que as pessoas capazes de contratar poderão valer-se da arbitragem para dirimir litígios relativos a direitos patrimoniais disponíveis. Já o artigo 4º da mesma lei conceitua que "a cláusula compromissória é a convenção através da qual as partes em um contrato comprometem-se a submeter à arbitragem os litígios que possam vir a surgir relativos a tal contrato". Portanto, ficou sacramentado que a apreciação e pacificação dos conflitos poderá ficar ao encargo do Tribunal Arbitral, afastando-se o Poder Judiciário da apreciação da lide. Desde que as partes estejam de acordo em se submeter ao juízo arbitral ou haja um compromisso arbitral, sejam capazes de contratar e sempre que esteja em litígio direitos disponíveis.

Desde então os Tribunal superiores, sobretudo, o STJ e o STF, sempre que preenchido os requisitos e observada a ampla defesa, o contraditório e o devido processo legal, tem referendado as decisões dos árbitros. Ressalta-se, que para a instauração do procedimento arbitral, na forma do art. 7º da Lei 9.307/96, são indispensáveis a existência da cláusula compromissória e a resistência de uma das partes à sua instituição. Logo, tendo as partes validamente estatuído que as controvérsias decorrentes dos contratos seriam dirimidas por meio da arbitragem, a discussão sobre a infringência às suas cláusulas, bem como o direito a eventual indenização devem ser solucionados pelo tribunal arbitral.

O alcance do juízo arbitral é internacional. Pelo protocolo de Genebra de 1923, subscrito pelo Brasil, a eleição de compromisso ou cláusula arbitral imprime às partes contratantes a obrigação de submeter eventuais conflitos à arbitragem, ficando afastada a tradicional solução pela via judicial. Até porque, nos contratos internacionais, devem prevalecer os princípios gerais de direito internacional em detrimento da normatização específica de cada país. Fato que justifica a análise da cláusula arbitral sob a ótica do citado tratado internacional.

Nesse sentido, o Superior Tribunal de Justiça, com o voto do Ministro-Relator Paulo Furtado, nos autos do RESP 791.260-RS, à unanimidade, deu parcial provimento ao recurso especial determinando, que prevalece o juízo arbitral sobre o poder jurisdicional, quando preenchido os requisitos da Lei 9.307/96.

Denis Farias é advogado, pós-graduando em Direito Civil e Processo Civil pela Fundação Getúlio Vargas.

Email: [email protected]

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/a-forca-da-justica-privada-2865807.html

    Palavras-chave do artigo:

    justica e privada e poder judiciario e arbitros e tribunal arbitral

    Comentar sobre o artigo

    Claudio Bezerra de Menezes

    O instituto da Arbitragem é apresentado em boa-fé como um relevante instrumento popular de dizer o Direito, tendo como suportes importantes a Celeridade do processo e satisfação latu e strictu sensu do jurisdicionado quanto ao acesso à justiça. A defesa ardorosa em prol da popularização do instituto da Arbitragem tem como objetivo maior suprir alternativamente a carência dos menos afortunados em recorrerem à Justiça para tentarem dirimir seus litígios.

    Por: Claudio Bezerra de Menezesl Direito> Doutrinal 16/07/2011 lAcessos: 243

    RESUMO: Prefácio da 17° edição Cursos de Paula Baptista, Lopes da Costa, João Mendes Junior, João Monteiro, Manuel Aureliano de Gusmão, Gabriel de Rezende Filho, José Frederico Marques e Moacyr Amaral Santos.

    Por: DINEIA D SZA CSTAl Direito> Doutrinal 09/07/2012 lAcessos: 928
    Fábio Araújo de Holanda Souza

    A mediação familiar tem como fundamento e objetivo a comunicação humana, posto que os conflitos familiares decorram de uma inadequada comunicação. A essência do papel do mediador é conduzir os mediandos à percepção e ao exercício consciente dos diversos níveis de comunicação, na conformidade da definição dada pelo sociólogo E. Morin à ação de comunicar: informar e informar-se, conhecer e conhecer-se, explicar e explicar-se, compreender e compreender-se.

    Por: Fábio Araújo de Holanda Souzal Lar e Família> Divórciol 17/06/2009 lAcessos: 10,280 lComentário: 1
    EVILAZIO RIBEIRO

    À guisa de facilitar na explicitação do tema Arbitragem / Juízo Arbitral e suas relações com o Poder Judiciário proponho tecer breves comentários na esperança que ajudem a uma melhor compreensão sobre essa forma extrajudicial de resolução de conflitos.

    Por: EVILAZIO RIBEIROl Direito> Jurisprudêncial 05/11/2010 lAcessos: 533
    Antonio de Jesus Trovão

    Comentários sobre a necessidade do processo empático do juiz em relação às partes quando da análise de um caso concreto.

    Por: Antonio de Jesus Trovãol Direito> Doutrinal 01/09/2010 lAcessos: 457
    Marcello Fernandes Leal

    O presente artigo tem apenas por intuito traças breves linhas sobre o instituto da arbitragem, principalmente quanto ao seu tratamento do ordenamento jurídico pátrio. Analisamos os principais tópicos trazidos pela Lei n.º 9.307, de 1996, que versa sobre o tema no Brasil, nos apoiando na mais autorizada doutrina que tratou sobre o tema. Buscou-se trazer à luz esse importante instituto jurídico como mecanismo para dirimir conflitos, ainda insipiente no Brasil.

    Por: Marcello Fernandes Leall Direito> Doutrinal 09/07/2009 lAcessos: 5,575 lComentário: 1

    O presente trabalho visa explicar, dentre outras, a seguinte questão:Os métodos alternativos de solução de conflitos resolvem a falta de efetividade do Poder Judiciário? Serão analisados obstáculos que dificultam o acesso à justiça e os principais métodos, de alcance ao acesso “efetivo” à justiça no Estado Democrático de Direito. Além disso, serão suscitados questionamentos no sentido de perquirir se o Estado tem cumprido o seu papel e dever no que tange a criar mecanismos que supram suas falhas. Por fim, serão identificadas as possíveis soluções para esta crise, partindo do pressuposto de que o acesso à justiça e a busca da sua efetividade são fenômenos inerentes à concepção de “Justiça” e, portanto, não se tem como extingui-los e sim analisá-los.

    Por: Daiana Tanan da Silval Direitol 02/12/2009 lAcessos: 7,501

    CABIMENTO DE AÇÃO RESCISÓRIA NA SENTENÇA ARBITRAL RESUMO O presente artigo trata a respeito da sentença arbitral no ordenamento jurídico brasileiro no que tange à solução de conflito e de contrapartida, verificar se a mesma está sujeita ou não a recursos. Além de orientar a população em geral sobre esta opção de solução de litígios nesta nova modalidade que trata a Lei 9.307/96 sobre a arbitragem. Em linhas gerais, o autor destaca de forma breve uma tendência mundial de solução de conflitos de i

    Por: Alexander de Assis Nunesl Direito> Doutrinal 01/11/2013 lAcessos: 263

    O presente artigo busca efetuar preliminarmente um breve relato histórico do instituto da conciliação, partindo então para a análise do instituto em dois países europeus: Inglaterra e Alemanha. Posteriormente, é abordada a questão da solução de conflitos e a "crise da Justiça" em face do ordenamento jurídico brasileiro, para depois, analisar como os meios alternativos de conflitos surgem e quais sua relevância e críticas. Num último momento é examinada com mais atenção a conciliação.

    Por: Igor Assagral Direito> Doutrinal 18/04/2012 lAcessos: 563

    O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) editou a Resolução nº 200, em 03 de março de 2015, com o intuito de ampliar o alcance do inciso IV, do artigo 134, do Código de Processo Civil (CPC), e vedar situações em que o magistrado toma decisões influenciado por parentes que não aparecem de forma expressa no processo.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direito> Doutrinal 27/03/2015

    Não há que se negar que a história do homem, principalmente do homem moderno, está interligada ao surgimento e desenvolvimento do mercado. A empresa, desde os primórdios, alterou e influenciou o comportamento da sociedade em inúmeros aspectos: sociais, políticos, jurídicos e econômicos, e com o advento da Revolução Industrial o comércio passou a dar destaque à empresa e ao papel do empresário, exigindo do direito uma regulamentação que fosse capaz de atender as necessidades daquele momento.

    Por: STEPHANIE GIRALDIl Direito> Doutrinal 24/03/2015

    TRATA-SE DE TEXTO ACERCA DA ESCASSEZ DA ÁGUA,A POLUIÇÃO E AS CONSEQUÊNCIAS DESSA SITUAÇÃO,ALIADA À FALTA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA POPULAÇÃO.

    Por: kellylisitaPeresl Direito> Doutrinal 23/03/2015 lAcessos: 13

    Advogado faz uma analogia ao Governo Dilma com referência ao contrato social de Rosseau.

    Por: João Clairl Direito> Doutrinal 21/03/2015

    o presente artigo científico procura estudar o conflito entre os tratados internacionais comuns e os tratados internacionais de direitos humanos e a ordem jurídica interna, destacando-se os posicionamentos doutrinárias e jurisprudenciais existentes acerca do assunto. Limita-se, pois, a investigar a relação existente entre o tratado e a ordem jurídica, bem como indicar os critérios utilizados pelo doutrina para resolver um possível conflito.

    Por: JANILE LIMA VIANAl Direito> Doutrinal 19/03/2015

    Será abordada a competência da Justiça do Trabalho para reconhecimento do tempo de serviço e os efeitos previdenciários dessa averbação, para, logo em seguida, estudar os requisitos exigidos pela legislação previdenciária para que o reconhecimento do tempo de serviço possa ser averbado pelo Instituto Nacional de Seguridade Social.

    Por: JANILE LIMA VIANAl Direito> Doutrinal 19/03/2015

    TRATA-SE DE TEXTO ACERCA DO DIREITO DE SUPERFÍCIE,PREVISTO NO ARTIGO 1369 DA LEGISLAÇÃO CIVIL PÁTRIA.

    Por: kellylisitaPeresl Direito> Doutrinal 19/03/2015

    O mínimo existencial encontra-se diretamente fundado no direito á vida e na dignidade da pessoa humana abrangendo, por exemplo, prestações básicas em termos de alimentação, vestimentas, abrigo, saúde ou os meios indispensáveis para a sua satisfação , assim designado mínimo sociocultural

    Por: Tcharles A. Scherer da Silval Direito> Doutrinal 18/03/2015
    Denis Farias

    O artigo trata do dever da Caixa Econômica Federal responder juntamente com a empresa empreiteira, perante o mutuário em casos de vicios ou prejuízos na construção do imóvel

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 31/08/2011 lAcessos: 183
    Denis Farias

    O artigo trata da decisão do STF que entedeu ser do suplente da coligação e não do suplente do partido, a vaga deixada por candidato eleito.

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 26/05/2011 lAcessos: 90
    Denis Farias

    O homem não vive sem seus mitos e crenças. Na sociedade em que vivemos um mito ganha força a cada dia. Será um mito mesmo ou uma realidade?

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 07/03/2011 lAcessos: 106
    Denis Farias

    Fazemos uma avaliação sobre a equivocada decisão monocrática que declarou inconstitucional a prova da OAB

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 07/01/2011 lAcessos: 120
    Denis Farias

    Os classificados tem uma grande importância no mundo empresarial, dai a necessidade da jurisdição verificar a responsabilidade dos envolvidos em publicações enganosas e que venham a causar prejuízo a terceiros

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 15/10/2010 lAcessos: 455
    Denis Farias

    A lei do Pré-Sal foi aprovada de qualquer maneira pelo Senado Federal e sancionada em tempo recorde pelo Presidente Lula. Da forma como foi feita, abre precedentes para vários questionamentos, que são feitos em breves linhas nesse artigo.

    Por: Denis Fariasl Direito> Legislaçãol 12/08/2010 lAcessos: 1,243
    Denis Farias

    A Universidade é a responsável pelos danos que seus alunos sofrem no interios da Instituição. Tal entendimento ficou evidente com uma recente decisão que o Superior Tribunal de Justiça preferiu, mantendo a decisão das instâncias ordinárias

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 04/08/2010 lAcessos: 516
    Denis Farias

    O novo estatuto do torcedor é uma nova lei que vei para tentar conter os atos de vandalismo e violência nos estádios em dias de jogos.

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 03/08/2010 lAcessos: 824
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast