A Formulação De Quesitos No Autos Para A Perícia

Publicado em: 01/11/2008 |Comentário: 4 | Acessos: 47,026 |

A FORMULAÇÃO DE QUESITOS NOS AUTOS PARA A  PERÍCIA







Introdução





As indagações realizadas nos autos quando há a necessidade da realização de uma perícia é quase sempre ou na maioria das vezes mal elaboradas, levando em muitas ocasiões ao perito ter uma direção errônea quanto ao objeto da perícia; portanto é preciso que quem pergunte ou afirma tenha a certeza do que deseja alcançar nos autos, qual o propósito a ser dirimido quanto à lide.


A pergunta bem elaborada conduzirá a resposta adequada ao decidir as questões jurídicas, de forma que as partes logram êxito e óbvio que muito contribui para celeridade processual.


Porém, há casos que o interessado em ganhar tempo, e atrasando assim o rito processual, e conduzindo a ter que haver a necessidade de maior tempo disponível para o deslinde do objeto da perícia.


É, portanto necessário que o perito esteja atencioso a estas situações, pois ocorrem com muita freqüência, ficando o profissional preocupado em auxiliar a justiça; mas com a situação que foi colocada nos autos com o intuito de desviar do objeto principal; para assim se obter uma conclusão justa e em tempo hábil para atender a celeridade processual, se faz necessário uma mudança no trabalho do perito, gerando certa dificuldade no desempenho profissional, e tempo necessário para resolver a questão através dos quesitos.


Mas quando as indagações são bem elaboradas, e tendo como linha de direção o objeto proposto para o surgimento da verdade, as respostas serão conduzidas de maneira clara e auxiliando a justiça com objetividade.





Desenvolvimento




Quando os quesitos são feitos nos autos ocorre sempre que na elaboração dos mesmos há um desvio do objetivo da questão que está sendo tratada; mas acredito que seja por desconhecer a técnica pericial contábil, ou seja, como é os procedimentos adotados para se concluir uma perícia; e então o operador do direito em muitas ocasiões desvia do propósito a ser alcançado pela perícia; mas cabe ao profissional perito ter a perspicácia e destreza de conhecer e entender o que está acontecendo para com habilidade obter um resultado justo e de  maneira correta.


É necessário que o perito tenha não só conhecimento, mas que, sobretudo tenha agudeza de espírito para identificar onde há falta de saber indagar ou quando há propósito de se tentar desviar do objeto principal.


Podemos destacar alguns pontos e considera-los que se deve trabalhar em cima deles para que não ocorra mais os erros que vem ocorrendo nos autos até o momento.



1) como se deve perguntar:



É necessário que o profissional do direito esteja atencioso ao objeto principal da lide, e o que está sendo tratado quanto às dúvidas da parte que lhe interessa, e que leva o magistrado a requerer o auxilio de um perito para que de forma clara e objetiva exponha os pontos controvertidos nos autos.


Deve o operador do direito observar atentamente os principais pontos em que há dúvidas, e partindo daí formular a pergunta ou afirmação se assim achar por bem, de acordo com a necessidade que houver.


No entanto, quando a pergunta ou a afirmação é feita de modo a deixar certa dubiedade ou que tenha o  escopo de conduzir para uma direção diferente do objeto do laudo pericial; logo induzirá o profissional a usar de meios para levar a compreensão da verdade, mesmo que as perguntas possam distorcer desta verdade.


O propósito essencial das indagações é que as mesmas conduzam a verdade e ao esclarecimento da verdade nos autos, auxiliando desta forma a justiça.


Portanto, é necessário que o advogado que está perguntando ou afirmando se conduza pelos autos, e aquilo que ele tem dúvida e que deseja do juízo esclarecimento para por fim ao litígio, e a justiça alcançada naquilo que pretende.


É, pois evidente que o operador do direito esteja lendo os autos tomando por base o objeto que impõe a causa maior relevância, e aduz para a causa em lide à necessidade de conduzir o juízo a entender, e a descoberta da verdade justa e fiel.


Por isso ao fazer as indagações deverá ser considerado tudo aquilo que gera e impõe dúvida no juízo e para as partes; são pontos essenciais a considerar com ênfase.



2) A quantidade de perguntas:



Para o ideal esclarecimento da verdade não é necessário ser redundante nas indagações, mas basta ser objetivo e limitado, pois assim sendo fica mais objetivo e claro para o juízo concluir a verdade que deseja.


Não é bom fazer perguntas que estejam atreladas à outra, pois muitas vezes confunde quem a lê, mas que sejam independentes uma das outras, porém que no contexto geral estejam coesas entre si.


Não é o excesso de perguntas que irá demonstrar a verdade, e nem tão pouco as perguntas que são seqüenciais ou atreladas uma a outra; esta conduta só leva a confusão por parte de quem lê, e não se chega a lugar algum.


Nas indagações seja, portanto objetivo, claro e limitado, não excedendo em número de perguntas, óbvio que esta limitação depende de quem está lidando com os autos e com o caso em si, com a quantidade de volume dos autos, mas, sobretudo com conteúdo dos autos, onde há divergência. Mas que sejamos moderados na quantidade de perguntas, porque só assim ficará mais fácil de identificar o que se quer, e em que ponto se deseja dar ênfase.



3) A colocação das perguntas:



As perguntas deverão ser colocadas de modo inteligível, primando pela língua portuguesa, e também a coesão das perguntas para que o perito possa compreender e responder adequadamente, não criando assim situações caóticas para o perito.


Às vezes o perito se vê obrigado a responder perguntas sem sentido, mas que com a devida habilidade sempre conduzirão à verdade.


Se o operador do direito não compreender do tema é aconselhável que procure um profissional da área em que o tema está sendo tratado nos autos, pois assim terá melhor êxito nas indagações.


Se as perguntas forem bem colocadas e de modo compreensível será melhor para quem as lê e será profícuo para o juízo na tomada de decisão.


As indagações são de crucial importância para o perito por que é o objetivo do laudo pericial, embora o contexto da lide seja um guia para o perito se conduzir e oferecer uma conclusão fiel e robusta para a tomada de decisão.


Por isso ao indagar o profissional deverá entender o que está perguntado, e formular as perguntas de modo coeso, com as idéias concatenadas, e que não fujam do objeto principal dos autos.




                                            Considerações finais




É fundamental que ao formular os quesitos nos autos o profissional operador do direito tenha como escopo que há uma linha que dirige as indagações; e que dela não deve se apartar, por que assim fazendo estará desvirtuando o objeto da perícia.


Quando as indagações seguem uma direção que é de acordo com o que está sendo tratado nos autos, será mais fácil para o perito identificar através das perguntas ou das afirmações o objeto da perícia e estudar nesta direção; mas quando os quesitos ficam distantes deste objeto será necessário que o perito estude com maior profundidade e, portanto procure responder aos quesitos com certa perspicácia, tomando todo cuidado para não desviar do objetivo proposto que é encontrar a solução para o litígio.


Porém, o perito deverá ter o máximo de cuidado para não se conduzir por perguntas que, sabe não conduzir a nenhum lugar; e só fazer confusão no raciocínio das pessoas que lêem os autos, é acima de tudo que o profissional terá que antecipadamente ser criterioso com seu trabalho, e assim ao identificar tais ocorrências, procurar descrever no corpo do laudo a sua visão holística como perito.


O operador do direito terá em suas mãos os autos para estudar e analisar e formular os quesitos, mas dirigindo as perguntas ou as afirmações sempre visando à descoberta da verdade dos fatos, para que o perito possa dessa forma dá uma continuidade ao trabalho ao responder os quesitos. É necessário que as indagações sejam claras e objetivas, e de maneira que sejam coesas e não aduzam aos autos perplexidade e hesitação, mas solução e celeridade nos autos, quanto mais se esclarecem mais se ganha tempo e o surgimento da verdade ajuda a justiça na conclusão da lide.


Não se deve usar de redundância, pois não fará a verdade aparecer; mas quesitos curtos e objetivos, e que estejam coesos com linha de direção dos autos, em que se quer achar uma verdade justa, e que está contida nos autos, basta apenas ser fiel com essa verdade, conduzindo as indagações de maneira a ficar óbvia.


E, portanto o beneficio na busca da verdade é fundamental para o juízo, e a perícia tem como principal objetivo auxiliar a justiça nesta busca; mas não confundir o raciocínio de quem é usuário do laudo pericial, e por isso que os quesitos são essenciais, pois é por ele que o perito irá se guiar para aduzir aos autos um documento que auxiliará o juízo na decisão a ser tomada.


 




Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 5 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/a-formulacao-de-quesitos-no-autos-para-a-pericia-624274.html

    Palavras-chave do artigo:

    pericia contabil

    ,

    quesitos

    ,

    formulacao nos autos

    Comentar sobre o artigo

    André Silva Barroso

    O presente trabalho trata sobre os títulos de crédito eletrônicos e a possível descaracterização do princípio da cartularidade, onde, para uma melhor compreensão sobre tal instituto, buscou-se um estudo sobre seu conceito, características e princípios. Num segundo estágio foi-se abordado os títulos de crédito eletrônicos, que surgiram pelos avanços tecnológicos principalmente pelo advento da internet.

    Por: André Silva Barrosol Direito> Doutrinal 05/12/2014
    Liziane Mont'Alverne de Barros

    A "judicialização da política" ou "politização da justiça" na composição dos cenário das ciências jurídicas e sociais nos diversos países do mundo e seus efeitos na expansão do Poder Judiciário no processo decisório das democracias contemporâneas. O presente artigo tem por escopo promover uma análise crítica do desenvolvimento desse fenômeno que vem sendo desenvolvido pelo Órgão de Cúpula do Judiciário – STF.

    Por: Liziane Mont'Alverne de Barrosl Direito> Doutrinal 04/12/2014

    O código civil concede ao testador o direito não só de instituir herdeiro ou legatário em primeiro grau, mas também o de lhes indicar substituto.

    Por: DÉBORA LUCIANO DE ALMEIDAl Direito> Doutrinal 03/12/2014 lAcessos: 11

    CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO É um mecanismo previsto na lei civil, que pode-se valer o devedor que queira desonerar-se e que esteja em dificuldades para o fazer.

    Por: Fernando Bartoli de Oliveiral Direito> Doutrinal 01/12/2014

    Artigos 1962, 1963 e 1814 do Código Civil É o ato de manifestação da vontade do autor da herança que exclui da sucessão, um herdeiro necessário, tipificando, nos permissivos legais, a sua vontade. Dá-se por testamento somente.

    Por: Thais Luz Firminol Direito> Doutrinal 29/11/2014 lAcessos: 12

    A conquista, o governo e a manutenção do Estado são preocupações centrais do pensamento maquiaveliano. Essa tríade tem de ser mantida custe o que custar, ainda que para tanto não se observem questões de ordem ética e moral, pelo menos, a moral e a ética medievais e da Itália renascentista. O bom governante tem de manter o Estado e, para tanto, dadas as circunstancias tem que agir hora pela força, hora pela razão e outras vezes deve saber conjugar ambas, só assim conseguirá governar.

    Por: FRANCISCO ESDRAS MOREIRA ROCHAl Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 11

    O Direito Sucessório Brasileiro, disciplinado pelo Código Civil Brasileiro de 2002, prevê dois tipos de sucessão hereditária que podemos nos deparar quando da abertura da sucessão, qual seja: sucessão legítima e sucessão testamentária, acerca desta, mais especificamente sobre sucessão testamentária na forma pública, que discorremos no presente trabalho.

    Por: Arthur Sarilhol Direito> Doutrinal 28/11/2014

    O presente artigo objetiva fazer uma análise sobre o crime de estupro mediante a realização da perícia médico-legal. Sabe-se que, uma vez consumado o crime, a realização da perícia é de suma importância, a fim de que seja apurada a realidade mais próxima dos fatos que ocorreram. Embora não seja prova completa da ocorrência do crime, o laudo médico obtido pelo exame de corpo de delito é a prova mais profunda para a constatação do mesmo.

    Por: danilol Direito> Doutrinal 27/11/2014 lAcessos: 14

    O profissional de hoje sempre se preocupou com futuro de sua profissão, isto por que nunca se sabe como serão os procedimentos para os dias do futuro; o amanhã é sempre motivo de preocupação para o homem pensante que quer dias melhores.

    Por: FRANCISCO DE ASSIS DOS SANTOSl Carreira> Gestão de Carreiral 05/07/2009 lAcessos: 3,903

    A base fundamental dos serviços em contabilidade é que o profissional esteja apresentando o trabalho com a máxima clareza, sendo leal ao seu trabalho profissionalmente e também sendo honesto para com sua clientela. No dias atuais fala-se muito de transparência seja ela pública ou privada, o excelente profissional deve manter-se fiel a ela, pois só assim ganhará mercado, e será conceituado perante a sociedade.

    Por: FRANCISCO DE ASSIS DOS SANTOSl Negócios> Atendimento ao Clientel 28/06/2009 lAcessos: 566

    A empresa familiar é no Brasil a que mais oferece emprego para população, mas também é a que mais entra em falência devido a má administração dos recursos aplicados, por isso que saber como gerir estas empresas é que irá salvar da extinção.

    Por: FRANCISCO DE ASSIS DOS SANTOSl Negócios> Pequenas Empresasl 15/02/2009 lAcessos: 12,408 lComentário: 1

    O pensamento gera riqueza para o homem, basta que se auto discipline naquilo que deseja alcançar em sua vida. É necessário conhecer a regras do mercado e como fazer investimentos, e praticar o pensamento positivo e determinado para riqueza que o sucesso virá.

    Por: FRANCISCO DE ASSIS DOS SANTOSl Finanças> Finanças Pessoaisl 04/01/2009 lAcessos: 1,125 lComentário: 1

    A rede de relacionamento é de muita importância na vida de todo profissional, pois contribui para o crescimento profissional, e também nas necessidades de informações profissionais.

    Por: FRANCISCO DE ASSIS DOS SANTOSl Relacionamentos> Relações Amorosasl 28/12/2008 lAcessos: 3,106 lComentário: 1

    A crise econômica mundial tem aspectos positivos para as pessoas e as profissões, mas é necessário que estejamos atentos a fatia de mercado que nos cabe, e buscar quando esta oportunidade está sendo oferecida. É neste momento que se deve buscar através dos meios eficazes a oportunidade do mercado, pois ela existe e está próxima a você.

    Por: FRANCISCO DE ASSIS DOS SANTOSl Negócios> Administraçãol 23/11/2008 lAcessos: 1,549 lComentário: 1

    A filosofia da contabilidade faz parte essencialmente da vida do contador, e para isso é necessário que o profissional esteja em harmonia com regras e padrões da profissão e da sociedade. Há uma ingerência do profissional e a sociedade, gerando o pensamento contábil que simultaneamente agrega valor ao profissional da contabilidade.

    Por: FRANCISCO DE ASSIS DOS SANTOSl Negócios> Administraçãol 08/11/2008 lAcessos: 12,083 lComentário: 1

    O documento que tem força de prova nos autos, e que é útil para tomada de decisão pelo magistrado, ou para auxiliar no decisum é o laudo pericial; o valor da prova do laudo está contida na forma como foi elaborado e qual a base legal, e também como o documento demonstra através de seus anexos.

    Por: FRANCISCO DE ASSIS DOS SANTOSl Direito> Doutrinal 29/10/2008 lAcessos: 27,394 lComentário: 2

    Comments on this article

    4
    Patieli 01/11/2011
    Oi.. gostaria de alguns modelos de quesitos, de ISS devido ao municipio, com as respostas dos quesitos tambem. Obrigado
    20
    josenon 05/06/2009
    formulação de perguntas para o perito:- funcionária trabalhou em recepção de clinica de otorrino, a mesma move ação trabalhista, requerendo insalubridade, sendo que a mesma não estava exposta á riscos ambientais, quais são os quesitos que eu preciso informar para o perito.
    23
    ROSARIO 24/05/2009
    EU ESTOU FAZENDO UMA ATIVIDADE DE PERICIA CONTABIL ESTOU COM DUVIDAS NA FORMULAÇAO DE QUESITOS PARA ESTA SITUAÇÃO:
    A empresa Bela Beleza ajuizou uma ação contra o município Canopólís alegando ter sofrido jucros cersantes em decorrência do seu estabelecimento ter sido inundado após uma forte chuva. Ela alega que a inundação ocorreu devido a falta de manutenção das ruas, pois houve o entupimento dos boeiros em decorrência de uma obra realizada pela prefeitura. Segundo a empresa, os prejuízos estão relacionados a deterioração de mercaBõrías e equipamentos, bem como do fechamento comercial durante quatro dias. Dentre as informações apresentadas pelo autor da ação, o faturamento diário é de R$ 40.000,00.
    Na contestação da Prefeitura, alega-se que houve um superfaturamento apresentado pelo autor da ação, além de inexistência de prova material da propriedade dos bens e faturamento incompatível com o porte da empresa (ME). Além de confusão entre faturamento e lucro. Desta forma, solicita-se a produção de prova pericial contábil.
    Nesse caso específico você vai assumir o papel das partes e do juiz e elencar as devidas perguntas para o perito desenvolver essa ação. Tome como exemplo o texto "A FORMULAÇÃO DE QUESITOS NOS AUTOS PARA A PERÍCIA" de Francisco de Assis
    dos Santos.
    19
    CLÁUDIA FURTADO 28/01/2009
    BOA NOITE, SOU BACHAREL EM DIREITO. LI TODA A SUA ELUCIDAÇÃO ACERCA DA FORMULAÇÃO DOS QUESITOS, MAS ESTOU AINDA COM DÚVIDAS, NA PRÁTICA COMO FORMULAR QUESITOS. RECEBI O SEGUINTE DESPACHO:Decisão: Anote-se a prioridade etária (Lei 10741/03). Considerando-se o valor atribuído à causa, tratando-se de ação pelo rito sumário (art. 275, I do Código de Processo Civil), emende-se a inicial, devendo a parte autora cumprir o art. 276 do Código de Processo Civil, sob pena de perda da prova oral/pericial.SE POSSÍVEL FOSSE COMO PODERIA FORMULAR NA PRÁTICA ESTES QUESITOS. É UMA AÇÃO DE COBRANÇA A BANCO PELOS EXPURGOS DOS PLANOS ECONÔMICOS. PODERIA ME DAR EXEMPLOS DE PERGUNTAS(QUESITOS)NESTE CASO? OBRIGADA. CLÁUDIA FURTADO.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast