A Prova Criminal Da Embriaguez Ao Volante

Publicado em: 15/01/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 741 |

A PROVA CRIMINAL DA EMBRIAGUEZ AO VOLANTE

 

* André Luís Luengo

 

               Com o advento da Lei nº 11.705, de 19 junho de 2008, instalou-se uma polêmica doutrinária acerca dos elementos de prova admitidos para a materialização da infração de embriaguez ao volante e concomitantemente quanto ao novo tipo normativo desse ilícito penal.

              Cabe ressaltar que como antes, há duas conseqüências ao condutor, uma de cunho administrativo e outra de ordem criminal.

              O foco deste trabalho está voltado para a análise apenas do contexto penal da conduta, focando, a partir de agora, como poderá ser realizada a caracterização do nível de alcoolemia de um motorista e as conseqüências da sua ação.

              Primeiro, reproduzo a nova expressão literal que passa a vigorar no art. 306 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB):

 

Conduzir veículo automotor, na via pública, estando com concentração de álcool por litro de sangue igual ou superior a 6 (seis) decigramas, ou sob a influência de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência.

 

              Percebe-se que o legislador tratou o dispositivo com uma normatividade de tipo penal fechado; cerrado; já havendo a delimitação de todos os elementos aptos a dar-lhe definição legal.

              Isto significa que, para a sua exata compreensão, o exegese ou o aplicador da lei, não tem necessidade de recorrer a qualquer indagação estranha ao que já consta no próprio texto da norma.

              Não há nesse tipo penal, palavras ou frases dependentes de outros dados exteriores ao tipo para constatar a ilicitude da conduta perpetrada. Nele, já existem todos os elementos descritivos, subjetivos e normativos aptos à sua compreensão.

              Aliás, poderíamos dizer até que se trata de um tipo fechado matemático, pois passa a exigir para a sua configuração, dado numérico e exato (6 decigramas).

              Disto decorre que, para realizar a sua adequação não há como trazer para o seu elemento normativo outros dados valorativos externos, pois o tipo já está completo.

 

              Assim sendo, pela nova análise do tipo (que na seara criminal não pode ser realizada de forma abrangente) para punir um motorista, ele deve estar conduzindo veículo automotor, na via pública, com a concentração mínima de 6 (seis) decigramas de álcool por litro de sangue.

              A prova dessa situação, somente poderá ser encetada através do teste de alcoolemia, realizados através de exames laboratoriais especializados e autorizados. Somente por via desses exames, será possível dosar a concentração mínima de álcool por litro de sangue do motorista investigado.

              Ante a peculiaridade do tipo normativo, nenhum outro modo de exame possibilitará a adequação típica almejada pelo legislador.

              Mas, desta forma, somente o motorista que se submeter ao teste em aparelho de ar alveolar pulmonar (etilômetro) poderá então ser autuado em flagrante delito, pois os exames laboratoriais delongam vários dias para serem concluídos e até o seu recebimento, o motorista que porventura estivesse com a concentração acima do permitido, não estaria mais em estado flagrancial.

              Digo que o motorista poderá ser autuado, pois há ainda a discussão sobre a legitimidade técnica da utilização do medidor de alcoolemia (etilômetro ou bafômetro) para a aferição da concentração de álcool igual ou superior a seis decigramas de álcool por litro de sangue, previsão literalmente expressa no tipo penal do art. 306 do C.T.B..

              Sabe-se que o bafômetro por ser um aparelho de ar alveolar pulmonar, somente consegue aferir a quantidade de ar expelido dos pulmões. Por questões lógicas esse aparelho não está estruturado a realizar a medição prevista no mencionado tipo penal.

              Assim, o resultado do teste do bafômetro somente irá concluir a concentração de álcool por litro de ar expelido dos pulmões e jamais a concentração de álcool por litro de sangue.

              É preciso não olvidar que, mesmo havendo opulentas construções sacramentais jungidas ao tipo incriminador convolando a quantia mínima de 0,3 miligramas do bafômetro à equivalência em 6 decigramas de álcool por litro de sangue, este dado não poderia ser aceito, ante a proibição legal sedimentada pela hermenêutica criminal rígida, senão vejamos.

               A edição do Decreto n.º 6.488/08, do Poder Executivo, cuidou de adequar a questão da aferição da dosagem alcoólica e passou a trazer a equivalência entre os distintos testes de alcoolemia, equiparando 06 decigramas de álcool por litro de sangue à concentração de 03 décimos de miligrama por litro de ar expelido dos pulmões. Ocorre que, a competência legal para a definição do que seja tipo legal é atribuição privativa do Poder Legislativo, conforme determinação expressão na Constituição Federal (art. 22, I).

            A celeuma sobre o assunto reside no fato de que, o tipo penal do Código de Trânsito Brasileiro prevê que, é delito a concentração de álcool por litro de sangue igual ou superior a 06 decigramas e não faz qualquer alusão a quantidade de ar expelido dos pulmões.

              Então, em que pese a previsão do parágrafo único do art. 306 do CTB autorizar o Poder Executivo Federal a estipular equivalência entre os testes de alcoolemia, essa finalidade disciplinadora não pode alcançar os mandamentos normativos, pois o art. 306 do C.T.B., não é norma penal em branco ou tipo aberto, passível de receber cerceio exteriores. Ainda mais, quando sob o aspecto técnico-jurídico, a edição desse Decreto, procura alterar tipo penal incriminador anteriormente definido.

 É indubitável que eventuais dispositivos trazidos por Decretos, Resoluções, Portaria etc, auxiliam na compreensão dos tipos penais ou mesmo lhes dão guarida, como é o caso da Lei de Drogas (Lei n.º 11.343/06), que por meio de uma Portaria, vem a definir o que seja substância entorpecente. Contudo, estes instrumentos normativos jamais poderão trazer em seu bojo elementos normativos incriminadores.

Somando-se a tais argumentações, ainda podemos citar que, infelizmente há notícias dando conta que o resultado do teste de bafômetro apresenta divergências com o teste de laboratório, ou seja, num mesmo caso investigado enquanto o bafômetro indicou estado de embriaguez alcoólica, o exame de sangue constatou resultado negativo. Havendo então o elemento da dúvida, os profissionais do Direito devem se pautar pelo princípio do in dúbio pro reo, ou seja, na dúvida, a favor do réu, também conhecido como princípio da inocência.

            Urge que, malgrado as polêmicas advindas, atualmente poderiam haver duas formas para a comprovação criminal da influência de álcool aptas a caracterizar e dar adequação típica correta a nova previsão da embriaguez ao volante. Uma delas o bafômetro, este teste tão controvertido e a outra forma, o exame de sangue laboratorial. Ocorre que a nenhuma delas os motoristas estarão obrigados a se sujeitarem, visto o princípio do nemo tenetur se detegere, ou seja, princípio da não auto-incriminação ou princípio da inexigibilidade de produção de prova contra si.

              Em meio a tantas divulgações do enrijecimento da nova Lei Seca, entendo que na seara criminal, o legislador acabou por obstaculizar a quase totalidade das situações passíveis de autuação em flagrante delito do motorista alcoolizado.

              É claro que o controle não deve se resumir apenas na prisão ou repressão. O mais importante é a conscientização da sociedade, somada a prevenção, em especial por meio de campanhas. Nisto as autoridades responsáveis têm se mostrado competentes. Concomitantemente saliento que com as mudanças houve o enrijecimento no campo administrativo, através da fixação de multa com valor expressivo e a suspensão da carteira nacional de habilitação pelo prazo de 12 meses. A aplicação de multas altas tem reflexo imediato, visto que atinge a parte do corpo que mais o ser humano sente dor, ou seja, o bolso.

              A conscientização da sociedade é o ponto de partida para o sucesso da Lei Seca, afinal, não basta apenas a legislação. O importante também é a eficaz e efetiva punição dos infratores, mesmo que seja no campo administrativo. Pois, a eficácia da pena, como já asseverou Cesare Bonesana, o marquês Beccaria, está contido mais na certeza da sua aplicação do que na gravidade duvidosa.

              Por derradeiro, assevero que as estatísticas de acidentes de trânsitos demonstram a sua diminuição e isto é a clara demonstração do sentido alcançado pela norma em apreço.

 

 

 

 

--------------------------------------------------------------------------------

 

 

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/a-prova-criminal-da-embriaguez-ao-volante-1729926.html

    Palavras-chave do artigo:

    embriaguez

    ,

    prova criminal

    Comentar sobre o artigo

    Este artigo trata sobre a rescisão contratual de justa causa quanto à embriaguez habitual ou em serviço. Ao empregado não é permitido contestar a justa causa por embriaguez, porém pode ele contestá-la na Justiça do Trabalho, tendo direito as verbas rescisórias se foi dispensado sem a configuração da justa causa. . A justa causa da embriaguez é configurada não somente pelo alcoolismo, mas também pelo uso de tóxicos ou entorpecentes.

    Por: Débora Sciascial Direitol 28/10/2009 lAcessos: 10,563

    Na tentativa de reformular nosso Código de Trânsito Brasileiro, os legisladores, com a implementação da Lei 11.705/2008, acabaram por beneficiar os infratores, ou seja, esta lei tomou efeito contrário ao esperado pelos criadores desta. Essa lei vai de encontro a vários artigos de nossa Constituição Federal, o que a torna inconstitucional.

    Por: Marcelo Bertogliol Direitol 08/06/2010 lAcessos: 589
    Natalia Leal

    REVISÃO CRIMINAL – Art. 621 e ss CPP. Natureza Jurídica: A revisão é ação de natureza desconstitutiva. Por intermédio dela se desconstitui a coisa julgada (res iudicata formal). Não se confundi com recurso, porquanto ela pressupõe o trânsito em julgado formal. O recurso pressupõe que não tenha havido a coisa julgada, já a revisão criminal exige que tenha havido coisa julgada. Ela corresponde ação rescisória do processo civil.

    Por: Natalia Leall Direito> Doutrinal 12/06/2013 lAcessos: 36

    O presente trabalho relata sobre a rescisão do contrato de trabalho por justa causa do empregado; que é a forma de dispensa decorrente de ato grave praticado pelo empregado, implicando a cessação do contrato de trabalho por motivo devidamente evidenciado, de acordo com as hipóteses previstas na lei. Bem como, os motivos dispostos no art. 482 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas, que tipificam as ações que podem ser julgadas como procedentes para a rescisão contratual nessa modalidade.

    Por: Daniel Mendes da Silval Negócios> Gestãol 06/07/2012 lAcessos: 546

    O presente trabalho tem por objetivo fazer uma análise no instituto da absolvição sumária, previsto no artigo 415 Código Processo Penal, proferida pelo Juiz instrutor da primeira fase do rito do tribunal do Júri e as modificações advindas da lei n° 11.689/2008.

    Por: Andressa Gomes Martinsl Direitol 07/11/2011 lAcessos: 535

    ESTE ARTIGO VEM MOSTRAR AOS LEITORES QUE A LEI SECA NÃO É TÃO RIGÍDA COMO SE APRESENTA NA MÍDIA. PELO CONTRÁRIO ELA NA VERDADE É MAIS BRANDA.

    Por: Maciel Brognolil Direito> Legislaçãol 12/01/2009 lAcessos: 1,222

    Sendo o estágio uma forma rápida de inserção na unidade empregadora e inexistindo quaisquer encargos trabalhistas desta relação, o que ocorre muitas vezes na realidade é um desvirtuamento do fim primeiro – o aprendizado – e o uso do estagiário para atividades não condizentes com os currículos escolares. A descaracterização do contrato de estágio e a criação do vínculo de emprego são os temas do presente estudo.

    Por: Eduardo Antônio Kremer Martinsl Direito> Doutrinal 15/09/2008 lAcessos: 2,429 lComentário: 2
    Egidio Miguel Ely

    As leis trabalhistas estabelecem os parâmetros da relação de emprego, mostrando o que é permitido e não em um contrato de trabalho.

    Por: Egidio Miguel Elyl Direitol 07/11/2012 lAcessos: 26
    André Reis

    Resumo Este material esclarece sobre os riscos de a população civil se armar. Adverte que segurança pública é função do Estado e não dos cidadãos de bem. Apresenta algumas curiosidades sobre o porte de armas nos EUA. Relaciona a facilidade para obtenção e porte de armas de fogo com algumas tragédias ocorridas nos EUA. Relembra o referendo para a manifestação do eleitorado brasileiro sobre a manutenção ou rejeição da proibição da comercialização de armas de fogo e munição em todo território naci

    Por: André Reisl Direitol 18/12/2009 lAcessos: 427 lComentário: 3

    Mais de 16 (dezesseis) anos depois da promulgação da Lei 9.605/98, que sepultou qualquer dúvida acerca da possibilidade de imputação penal à pessoa jurídica no âmbito formal, intensas críticas doutrinárias ainda são feitas ao instituto. Este artigo pretende analisar a razoabilidade destas críticas, principalmente à luz da atual realidade de criminalidade de crimes relacionados com as pessoas coletivas a ser combatida.

    Por: Ana Lídia Soares Vasconcelol Direito> Doutrinal 26/03/2014
    Isabel Cochlar

    "Casais aptos a adoção e devidamente inscritos na fila nacional, que concordam em receber uma criança com guarda provisória, amargam meses e meses de espera"

    Por: Isabel Cochlarl Direito> Doutrinal 24/03/2014

    Especialista destaca que a empresa é a responsável por oferecer condições de trabalho adequadas a todos os trabalhadores, individual ou coletivamente

    Por: Eduardo Gastaudl Direito> Doutrinal 18/03/2014

    INTRODUÇÃO. 1. Adoção. 1.1. Considerações históricas sobre o instituto da adoção. 1.2. Conceito e características do instituto. 1.3. Tratamento dado ao instituto da adoção pelas leis brasileiras. 1.4. Requisitos, espécies e características da adoção. 1.5. Princípios. 2. Afetividade. 3. Analisando a decisão judicial. Conclusão. Este artigo tem por fim discutir os fundamentos que alicerçam decisão judicial inovadora que, com base no melhor interesse da criança, julgou procedente a adoção unilatera

    Por: SILHIA VASCONCELOSl Direito> Doutrinal 22/02/2014 lAcessos: 26

    Trata-se de assunto relativo a dificuldade do comerciante apresentar defesa em face de autuações do inmetro

    Por: Antonio Carlos Pazl Direito> Doutrinal 19/02/2014 lAcessos: 22

    OCORRENDO O VENCIMENTO ANTECIPADO DO CONTRATO SURGE PARA O CREDOR A PRETENSÃO DE COBRANÇA. CABE A ELE EXIGIR DE PRONTO A INTEGRALIDADE DA DÍVIDA, MITIGANDO O PRÓPRIO PREJUÍZO, POIS TEM O DEVER DE BOA-FÉ CONTRATUAL.

    Por: HELEN CRISTINA CRUZl Direito> Doutrinal 18/02/2014 lAcessos: 54
    ANA KARLA FONTELES CAVALCANTI

    O presente artigo trata da possibilidade de recalcular judicialmente os valores para uma nova aposentadoria, favorecendo o aposentado que ainda continua contribuindo para o INSS.

    Por: ANA KARLA FONTELES CAVALCANTIl Direito> Doutrinal 09/02/2014 lAcessos: 20

    Diretor do Sindispge questiona: o Plano de Carreira dos Servidores (Lei n. 13.380/2010), que visa a valorização do quadro de serviços auxiliares da Casa, surge como um entrave: como aplicar uma lei que faz justamente o oposto do que a filosofia do gabinete da PGE prega?

    Por: Sindispgel Direito> Doutrinal 08/02/2014

    O significado da expressão autofagia é para alguns ainda desconhecido. Para outros é sinônimo de autodevorar-se, ou seja, o fato do animal se alimentar do seu próprio corpo. E assim, a biologia a entende como um processo essencial para o funcionamento da célula, pois é a nutrição do corpo pela sua própria substância. Deste modo e valendo-se desse paradigma, como pensar que esse processo autofágico possa ser salutar a uma instituição, pois o grande e crucial problema Aos organismos sociais.

    Por: André Luís Luengol Direito> Doutrinal 27/07/2010 lAcessos: 232

    Esta pesquisa aborda aspectos pertinentes a formação do docente e discente no ensino superior, especialmente no curso de Direito, levando-se em conta as mudanças advindas do mercado de trabalho e das novas diretrizes emanadas na seara educacional. A atual demanda empregatícia e social credita ampla expectativa quanto aos saberes com os quais os egressos das Academias de Direito serão recebidos no mercado de trabalho. A Sociedade conclama que a formação desses novos profissionais seja pautada não

    Por: André Luís Luengol Direito> Doutrinal 05/07/2009 lAcessos: 995
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast