Acidente De Trânsito E Indenizações

Publicado em: 17/08/2009 | Acessos: 10,688 |

Introdução

O presente artigo objetiva orientar os interessados quanto aos danos causados em decorrência de acidente de trânsito.

Serão tratados temas relativos a; a) tipos de indenização e ressarcimentos, no tocante a danos materiais e morais; b) pagamento de pensão por invalidez ou morte, indenização por lucro cessante (ganhos diários não obtidos em razão dos danos); c) pagamento relativos ao DPVAT (seguro obrigatório); d) responsabilidade ou culpa das seguradoras para com os segurados; e) concessionárias de rodovias e; ação regressiva.

Também foi abordado, mas de forma resumida, os aspectos penais como o homicídio culposo e a lesão corporal culposa, bem como o "habeas corpus", a fim de buscar o trancamento da ação penal.

Tipos de indenizações

Há diversas formas possíveis e cumulativas para que a vítima ou interessado busque a satisfação de seus direitos. Dentre os prejuízos a serem indenizados podem estar, por exemplo, os danos materiais, morais e estéticos.

A indenização pode ser requerida para ressarcimento ou reparação quanto à de: a) despesas hospitalares e receitas médicas; b) dias não trabalhados em decorrência dos danos causados ao veículo ou ao estado de saúde da vítima (lucro cessante); c) danos estéticos; d) reparação de danos do próprio veículo atingido e; e) danos morais.

Pensão em decorrência de invalidez, lesões ou morte

O Código Civil em seu artigo 948 prevê o pagamento de "prestação de alimentos às pessoas a quem o morto os devia, levando-se em conta a duração provável da vida da vítima".

Ou seja, a Ação de Reparação requer, nesse caso, pensão a ser paga ao filho (descendente), aos pais (ascendentes), ou ao cônjuge que estava sob a dependência financeira do falecido (de cujus).

Acrescente-se que, se o acidente lesionou a vítima deixando-a inválida para o trabalho, também deverá ser paga a pensão indenizatória para garantir a prestação de alimentos.

Além disso, o réu deverá arcar com o pagamento das despesas com o tratamento da vítima, seu funeral e o luto da família e outros como despesas com táxi, veículos, combustível etc.

Em resumo, o chamado "pensionamento aos familiares" implica no pagamento de pensão à vítima ou aos seus dependentes que foram prejudicados pelo evento danoso, no caso em comento, o acidente de veículo. Temos como exemplo os alimentos provisionais à viúva e aos filhos de uma vítima.

O Artigo 950 prescreve: "Se da ofensa resultar defeito pelo qual o ofendido não possa exercer o seu ofício ou profissão, ou se lhe diminua a capacidade de trabalho, a indenização, além das despesas do tratamento e lucros cessantes até ao fim da convalescença, incluirá pensão correspondente à importância do trabalho para que se inabilitou, ou da depreciação que ele sofreu".

Esclareça-se que, lucro cessante são os lucros que deixaram de ser auferidos pela vítima em decorrência da incapacidade adquirida pela ocorrência do acidente.

O Superior Tribunal de Justiça também possui decisões no sentido de que o viúvo deve receber pagamento de pensão, mesmo em se tratando de mulher "do lar", uma vez que sua ausência em razão da morte não deixa de gerar prejuízos a economia familiar.

Resta claro que a vítima ou seus dependentes jamais poderão deixar de serem indenizados pelos danos que lhe foram causados. Como já demonstrado esses prejuízos podem ser indiretos, como a morte ou a lesão de quem lhes provia o sustento.

Previdência Social

Indispensável ressaltar que, a pensão paga pela Previdência Social em decorrência de acidente de trânsito não pode ser descontada da indenização decorrente de responsabilidade civil por ato ilícito, uma vez que a pensão previdenciária constitui contraprestação de contribuições recolhidas pela vítima, não havendo relação com a responsabilidade do causador do dano.

Honorários advocatícios (sucumbenciais)

Soma-se aos direitos da vítima o pagamento de honorários advocatícios e das perdas e danos. Caso a culpa do réu seja declarada pelo juízo, além das obrigações e indenizações acima citadas, deverão ser ressarcidas as despesas com custas judiciais e honorários advocatícios.

DPVAT (Seguro obrigatório)

Vale lembrar também que a vítima ou os seus dependentes podem requerer o pagamento do seguro obrigatório (DPVAT). O mencionado seguro cobre vidas no trânsito.

Garante-se a indenização à vítimas de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre. Também estão previstas indenizações quanto à invalidez permanente e, sob a forma de reembolso, despesas comprovadas com atendimento médico-hospitalar.

Seguradoras

A vítima ou o réu podem acionar o judiciário para defender-se de cobranças ou não pagamento de valores relacionados à seguradoras.

Caso alguém tenha sido envolvido em acidente de veículo e seja acionado pela seguradora e, entendendo não ser culpado, pode então requerer seus direitos de defesa por meio do Poder Judiciário.

O segurado também tem seus direitos garantidos pelo Código Civil, e, em caso de negativa de obrigação da seguradora, também restará a possibilidade de pleito judicial.

Em suma, havendo seguro de veículo e tendo o segurado cumprido com as suas obrigações contratuais, e, ainda, havendo a resistência indevida da seguradora quanto ao pagamento dos danos causados, o segurado pode requerer junto ao judiciário o cumprimento do dever por parte da seguradora em pagar a indenização pactuada.

Ação regressiva

Há a possibilidade de ação regressiva pelos pagamentos realizados. Um dos exemplos é o ajuizamento de ação por seguradora sub-rogada nos direitos do segurado, visando ressarcimento pelos danos.

Nesse caso, "o segurador move ação regressiva contra o causador do dano, pelo valor efetivamente pago, até o limite previsto no contrato de seguro", sub-rogando-se nos direitos do segurado. A ação regressiva pode ser movida em qualquer caso de pagamento feito por culpa de terceiro.

Responsabilidade de Concessionárias de Rodovias

Se houver entendimento de que houve responsabilidade da Concessionária quanto ao estado ou segurança da rodovia que gerou acidente com vítimas e danos, o prejudicado tem respaldo do Código Civil, bem como da jurisprudência para fazer tal requerimento. A concessionária restará demandar a seguradora ou ainda mover ação de regresso contra um eventual culpado.

Homicídio culposo e lesão corporal gravíssima

O réu pode ser acusado de homicídio culposo em virtude de acidente de trânsito. No entanto, caso não concorde com a acusação, pode então se defender, demonstrando que não houve falta de dever de cuidado, desconfigurando a conduta culposa.

O crime de homicídio culposo exige, para configurar-se, a existência de negligência, imprudência ou imperícia. Não havendo esses elementos o réu poderá ser defendido por "habeas corpus", objetivando o trancamento da ação penal.

Semelhantemente, o réu pode defender-se de acusações relativas à lesões graves ou gravíssimas no âmbito penal, demonstrando sua ausência de culpa ou dolo eventual.

Autor: Adriano Martins Pinheiro
Advogado em São Paulo, articulista e colaborador de diversos sites e jornais locais.
SITE: www.adrianomartinspinheiro.adv.br
Orientações: adrianopinheiro.direito@hotmail.com

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 7 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/acidente-de-transito-e-indenizacoes-1134614.html

    Palavras-chave do artigo:

    seguro

    Comentar sobre o artigo

    Corretora de Seguros RJ

    Seguro auto, residencial, vida, previdência, empresarial, condomínio, eventos, previdência, Eventos, Obras de artes, Transportes e etc

    Por: Corretora de Seguros RJl Automóveisl 24/04/2009 lAcessos: 4,718

    O presidente do CVG-SP, Osmar Bertacini, e o vice-presidente, Dilmo Bantim Moreira, prestigiaram a entrega do XV Prêmio Cobertura-Perfomance, na noite de 26 de novembro

    Por: revistacobertural Press Releasel 04/12/2012 lAcessos: 11
    Simone Minelli

    Ponte Rasa Corretora de Seguros Quem somos: A PONTE RASA SEGUROS atua no mercado de seguros desde janeiro/2001.

    Por: Simone Minellil Negócios> Atendimento ao Clientel 23/09/2010 lAcessos: 655

    O seguro no Brasil desenvolveu-se com a vinda da Família Real Portuguesa e a abertura dos portos, em 1808, que intensificaram a navegação. A primeira empresa seguradora do país, a Companhia de Seguros Boa-Fé, surgiu no mesmo ano, com objetivo operar no seguro marítimo.

    Por: João Carlosl Negócios> Pequenas Empresasl 26/06/2010 lAcessos: 320
    Karen Loewenthal

    O seguro de viagem internacional costuma ser uma das preocupações de quem vai viajar para o exterior. Mitos e verdades geram confusão e dificuldade na hora de optar pela contratação e escolher o seguro de viagem adequado.

    Por: Karen Loewenthall Turismo e Viagem> Dicas de Viageml 06/02/2014 lAcessos: 29
    Imoveis Bahia

    Porto Seguro, na Costa do Descobrimento tem um grande significado na história do Brasil e a área histórica da cidade possui muitas atrações para os turistas. Sendo bem conectada por rodovias a outros lugares da Bahia e tendo um aeroporto, torna Porto Seguro um ponto de entrada para outros locais próximos como Arraial d'Ajuda e Trancoso. Existe uma grande variedade de imóveis à venda em Porto Seguro alcançando diversos tipos de orçamento.

    Por: Imoveis Bahial Finançasl 17/04/2013 lAcessos: 24

    No mundo inteiro, as empresas seguradoras de qualquer ramo de atuação (saúde, automotivo, etc) tendem a se proteger contra processos fraudulentos, melhorando cada vez mais a eficácia de seus negócios. O entendimento das razões facilitadoras para criação de processos fraudulentos, e posteriormente uma definição e execução de planos de combate à fraude, constitui a principal estratégia do negócio securitário. A aplicação de sistemas SAD tem se mostrado uma eficiente ferramenta para o negócio de se

    Por: Mário Duartel Tecnologia> Tecnologiasl 16/04/2012 lAcessos: 227

    A empresa foi fundada em 27 de agosto de 1945 por iniciativa de José Alfredo de Almeida, José da Cunha Júnior e José Andrade de Souza. Inicialmente, foi habilitada para atuar em operações de seguro e resseguro nas modalidades de Incêndio, Transportes, Acidentes Pessoais e Motim, entre outros ramos

    Por: João Carlosl Negócios> Pequenas Empresasl 26/06/2010 lAcessos: 68
    Bruno Henrique Andrade Alvarenga

    Estudo do instituto do Contrato de Seguros no Direito Civil Brasileiro.

    Por: Bruno Henrique Andrade Alvarengal Direitol 30/10/2009 lAcessos: 18,758 lComentário: 2

    Os inúmeros riscos que obras de construção civil podem oferecer, aliado ao crescimento do setor em Alagoas, têm provocado aumento na procura por Seguro de Riscos de Engenharia - também conhecido como Seguro de Obras. A informação é do corretor de seguros, Kennedy Barbosa, que atua nesse ramo há doze anos. Para ele, ao optar pelo seguro, o empresário está protegendo e gerenciando seu negócio da melhor forma.

    Por: revistacobertural Press Releasel 30/10/2012 lAcessos: 12

    O presente artigo tem a finalidade de relatar as principais características, em um âmbito político e social, de um período da história brasileira: a República Velha. É essencial analisar, ainda que de forma sucinta, seus antecessores e suas conseqüências. Para tal fim, buscamos um embasamento em celebres obras como "Coronelismo, Enxada e Voto", de Victor Nunes Leal e "Os Donos do Poder", de Raymundo Faoro.

    Por: Antônio Faustino Moural Direito> Doutrinal 17/12/2014
    André Silva Barroso

    O presente trabalho trata sobre os títulos de crédito eletrônicos e a possível descaracterização do princípio da cartularidade, onde, para uma melhor compreensão sobre tal instituto, buscou-se um estudo sobre seu conceito, características e princípios. Num segundo estágio foi-se abordado os títulos de crédito eletrônicos, que surgiram pelos avanços tecnológicos principalmente pelo advento da internet.

    Por: André Silva Barrosol Direito> Doutrinal 05/12/2014
    Liziane Mont'Alverne de Barros

    A "judicialização da política" ou "politização da justiça" na composição dos cenário das ciências jurídicas e sociais nos diversos países do mundo e seus efeitos na expansão do Poder Judiciário no processo decisório das democracias contemporâneas. O presente artigo tem por escopo promover uma análise crítica do desenvolvimento desse fenômeno que vem sendo desenvolvido pelo Órgão de Cúpula do Judiciário – STF.

    Por: Liziane Mont'Alverne de Barrosl Direito> Doutrinal 04/12/2014

    O código civil concede ao testador o direito não só de instituir herdeiro ou legatário em primeiro grau, mas também o de lhes indicar substituto.

    Por: DÉBORA LUCIANO DE ALMEIDAl Direito> Doutrinal 03/12/2014 lAcessos: 11

    CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO É um mecanismo previsto na lei civil, que pode-se valer o devedor que queira desonerar-se e que esteja em dificuldades para o fazer.

    Por: Fernando Bartoli de Oliveiral Direito> Doutrinal 01/12/2014

    Artigos 1962, 1963 e 1814 do Código Civil É o ato de manifestação da vontade do autor da herança que exclui da sucessão, um herdeiro necessário, tipificando, nos permissivos legais, a sua vontade. Dá-se por testamento somente.

    Por: Thais Luz Firminol Direito> Doutrinal 29/11/2014 lAcessos: 12

    A conquista, o governo e a manutenção do Estado são preocupações centrais do pensamento maquiaveliano. Essa tríade tem de ser mantida custe o que custar, ainda que para tanto não se observem questões de ordem ética e moral, pelo menos, a moral e a ética medievais e da Itália renascentista. O bom governante tem de manter o Estado e, para tanto, dadas as circunstancias tem que agir hora pela força, hora pela razão e outras vezes deve saber conjugar ambas, só assim conseguirá governar.

    Por: FRANCISCO ESDRAS MOREIRA ROCHAl Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 12

    O Direito Sucessório Brasileiro, disciplinado pelo Código Civil Brasileiro de 2002, prevê dois tipos de sucessão hereditária que podemos nos deparar quando da abertura da sucessão, qual seja: sucessão legítima e sucessão testamentária, acerca desta, mais especificamente sobre sucessão testamentária na forma pública, que discorremos no presente trabalho.

    Por: Arthur Sarilhol Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 11
    Adriano Martins Pinheiro

    Os Juizados Especiais deveriam cumprir a promessa pela qual foram criados, a saber: rapidez, simplicidade etc. O código de Defesa do Consumidor, em seu artigo 6º, inciso VIII, determina, como direito básico do consumidor, a "facilitação da defesa de seus direitos". A Constituição Federal, em seu artigo 5º, inciso XXXV, rege que "a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito".

    Por: Adriano Martins Pinheirol Direito> Doutrinal 05/07/2013 lAcessos: 51
    Adriano Martins Pinheiro

    As principais questões são: a) indenização por atraso na entrega do imóvel; b) perdas e danos, (pagamento de aluguel, em razão do atraso da entrega do imóvel); c) rescisão contratual e devolução do valor pago pelo consumidor; d) devolução da comissão de corretagem; e) cláusulas abusivas etc.

    Por: Adriano Martins Pinheirol Direito> Doutrinal 27/06/2013 lAcessos: 63
    Adriano Martins Pinheiro

    Uma grande empresa de transporte aéreo foi condenada a indenizar dois empresários, em razão de estes terem sido prejudicados por atraso no voo.

    Por: Adriano Martins Pinheirol Direito> Doutrinal 23/02/2013 lAcessos: 67
    Adriano Martins Pinheiro

    A Justiça acolheu o pedido de consumidor para que fosse retirado um gravame/bloqueio registrado em seu veículo Toyota-Hilux, que o impedia de licenciá-lo ou transferi-lo. O referido bloqueio/restrição constava no S.N.G – Sistema Nacional de Gravames, do Detran de São Paulo.

    Por: Adriano Martins Pinheirol Direito> Jurisprudêncial 15/11/2012 lAcessos: 113
    Adriano Martins Pinheiro

    Um casal de consumidores, representados pelo advogado, Adriano Martins Pinheiro, promoveu ação judicial em face de uma empresa de móveis planejados, requerendo, a devolução dos valores pagos e o cancelamento do negócio. A aquisição de produtos e serviços foi realizada por meio de pagamento de sinal, mais a entrega de diversos cheques. A 1ª Vara Cível do Foro Regional do Tatuapé, da Comarca de São Paulo, deferiu o pedido liminar, atendendo a pretensão dos consumidores.

    Por: Adriano Martins Pinheirol Direito> Jurisprudêncial 04/11/2012 lAcessos: 94
    Adriano Martins Pinheiro

    O Ruído excessivo é tratado na "Lei de Contravenções Penais", no "Código de Trânsito Brasileiro" e no "Programa de Silêncio Urbano - PSIU". Além disso, pode enquadrar-se na "Lei de crimes Ambientais". O presente trabalho dará todas as bases legais ao cidadão que, após sua leitura, estará bem instruído quanto a reivindicar seus direitos relacionados ao sossego público. Serão abordados temas, como: veículos, bares, boates com aparelhos sonoros em volume excessivo.

    Por: Adriano Martins Pinheirol Direito> Legislaçãol 30/09/2012 lAcessos: 274
    Adriano Martins Pinheiro

    Este artigo aborda a proteção aos direitos autorais, bem como as consequências civis e criminais aplicável aos infratores (responsáveis pelo "plágio"), como: indenização; processo criminal; apreensão de materiais, imediata suspensão do veículo que reproduziu a obra plagiada etc. Ao se reproduzir obra alheia, deve-se, no mínimo, atribuir-lhe a respectiva autoria. A reprodução de "trechos" também exige a nomeação do Autor.

    Por: Adriano Martins Pinheirol Direito> Doutrinal 30/09/2012 lAcessos: 144
    Adriano Martins Pinheiro

    Os consumidores/passageiros tem pleiteado no Poder Judiciário a reparação de danos (indenizações) em razão da prática adotada pelas empresas de transporte aéreo, conhecida como overbooking, alegando diversos transtornos e prejuízos (hotel, alimentação etc.). O presente texto esclarece o entendimento dos tribunais a esse respeito, aplicando-se o Código de Defesa do Consumidor, para fundamentar a justa indenização.

    Por: Adriano Martins Pinheirol Direito> Doutrinal 26/09/2012 lAcessos: 137
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast