Animus Necandi, Judicium Accusationis, Judicium Causae

Publicado em: 17/02/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 3,686 |

Uma colega que se prepara para o exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pergunta-me se o magistrado que, ao pronunciar o réu, afirmar o animus necandi e afastar a legítima defesa, de modo peremptório e com análise do conjunto de prova, ofende a competência funcional constitucional dos jurados. Pede, seguindo o comando da questão, que a resposta seja fundamentada abordando o conceito de judicium accusationis e judicium causae. Ao fim da consulta, ela diz: “Sinceramente, não entendi quase nada. Pode me ajudar? O que significa tudo isso?”

Em resposta, o sim é duplo. Sim, posso. Sim, há ofensa à competência constitucional dos jurados. Gostei da consulta, embora se trate de questão relativamente simples. Talvez a dificuldade da colega esteja nas expressões latinas, as quais têm toda uma razão de ser e cujo entendimento demanda, além da tradução, conhecimento jurídico-processual.  

Animus necandi é o ânimo ou a vontade de matar, o dolo. Judicium accusationis, juízo ou processo da acusação, é a primeira fase do processo dos crimes dolosos contra a vida, que vai do oferecimento da denúncia até sentença de pronúncia. É a fase que compreende o processo desde a instrução preliminar até a sentença de pronúncia ou, ainda, de impronúncia, de desclassificação ou de absolvição sumária. Judicium causae é, por sua vez, a segunda fase do processo, que vai da preparação do processo para julgamento em plenário até a sentença de condenação ou absolvição dada pelo Conselho de Sentença. Todo o judicium accusationis e a primeira parte do judicium causae (a preparação do processo para julgamento pelo plenário) dão-se perante o juiz singular, só depois disso começa a competência do Tribunal do Júri.  

O judicium accusationis só poderá resultar em pronúncia (se houver indícios da autoria e materialidade de crime doloso contra a vida), ou impronúncia (se o juiz não se convencer da materialidade do fato ou da existência de indícios suficientes de autoria ou de participação), ou desclassificação (se os indícios não forem de crime doloso contra a vida), ou absolvição sumária (se houver prova incontroversa da inexistência do crime, da não autoria, da atipicidade, da excludente da ilicitude, ou da excludente da culpabilidade). A competência do judicium accusationis não comporta, em hipótese alguma, o resultado condenação: a condenação é sempre da competência do judicium causae.

No caso da questão em apreço, o juiz usurpa a competência constitucional dos jurados, pois aí somente estes têm competência para analisar as provas, para dizer se houve o animus necandi e afastar ou não a legítima defesa. Se condena o réu, prolata sentença ao arrepio da lei e da própria Constituição Federal. Se, em vez de condenar, o pronuncia, mas, ao fundamentar a pronúncia, afirma que houve animus necandi e afasta a legítima defesa, comete excesso de fundamentação. Em ambos os casos, caberá apelação ao Tribunal de Justiça ou Tribunal Regional Federal (no caso de crime da competência do Júri Federal), pedindo-se anulação da sentença.

O § 1.º do art. 413 do Código de Processo Penal, resumidamente, diz que o juiz, na fundamentação da pronúncia, deve limitar-se a indicar a materialidade do fato e a existência de indícios suficientes de autoria ou de participação, bem como declarar o dispositivo legal em que julgar incurso o acusado e especificar as circunstâncias qualificadoras e as causas de aumento de pena. Logo, se ultrapassar isso aí, haverá o excesso de fundamentação, tão bem conhecido da doutrina e da jurisprudência.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/animus-necandi-judicium-accusationis-judicium-causae-1872340.html

    Palavras-chave do artigo:

    juri jurados tribunal competencia

    Comentar sobre o artigo

    Roberto Bartolomei Parentoni

    Sumário: 1. Surgimento e evolução do tribunal do júri; 2. A constitucionalidade do tribunal do júri; 3. A competência do tribunal do júri; 4. Questões controvertidas acerca da pronúncia no tribunal do júri; 5. A composição do tribunal do júri; 6. Sala secreta: uma visão frente à constituição federal de 1988. 7. Os efeitos da absolvição e da desclassificação, pelo conselho de sentença, de delito de competência originária do tribunal do júri, na hipótese da existência de crimes conexos; 8. Opinião pública, mídia e júri popular: ligações perigosas; 9. Extinção ou manutenção do tribunal do júri ?; 10. Disposições finais.

    Por: Roberto Bartolomei Parentonil Direito> Doutrinal 22/08/2008 lAcessos: 7,108
    ALDINEI RODRIGUES MACENA

    A Lei nº 11.1689/2008 reformou o procedimento do Tribunal do Júri, fazendo homenagens a princípios constitucionalmente assegurados, ampliando o alcance da dignidade humana. A concentração dos atos processuais e a ampliação das hipóteses de absolvição sumária trouxeram maior celeridade e economia ao processo. A plenitude de defesa foi reforçada com a obrigatoriedade apresentação de defesa prévia, porém sofreu abalo devido a vedação de julgamento por ausência do réu.

    Por: ALDINEI RODRIGUES MACENAl Direito> Doutrinal 26/12/2011 lAcessos: 290

    O presente artigo tem por objetivo expor diversos aspectos que permeiam o debate sobre o Tribunal do Júri, desde a sua inserção na legislação Brasileira até sua materialização nos moldes dos dias atuais, contornando sua estrutura e competência.

    Por: lindamara Oliveira Souzal Direito> Doutrinal 02/06/2012 lAcessos: 217

    A influência da mídia no Tribunal do Júri reflete negativamente nos julgamentos proferidos neste instituto. Desse modo torna-se importante analisar tal influência à medida que não se verifica o respeito aos direitos individuais fundamentais, pois atua na formação de opinião. A maneira pela qual a mídia transforma as informações possui como resultado o pré-julgamento do acusado.

    Por: Carina Ribeiro Coelhol Direitol 14/11/2010 lAcessos: 955

    O presente texto, tem como escopo estudar a organização e as contradições perpetradas pelos ditames constitucionais ao Instituto Tribunal do Júri brasileiro, especialmente, no que concerne ao silenciamento e à ausência de motivação da decisão proferida, em total desarmonia com a Constituição da República que estabelece que o Brasil é um Estado Democrático de Direito fundado no exercício pleno da democracia e na dignidade da pessoa humana.

    Por: MARIANA GUIMARÃESl Direito> Legislaçãol 28/05/2012 lAcessos: 212
    PROF. JARDEL DE FREITAS SOARES

    A instituição do Tribunal do Júri sempre foi muito questionado desde sua criação em nosso ordenamento jurídico, já que são as pessoas comuns do povo- quando preenchidos alguns requisitos legais - que julgam os crimes mais abjetos que acontecem na sociedade, como por exemplo o homicídio doloso. Com o advento das leis 11.689 e 11.719/ 2008 o procedimento passou a ter uma nova roupagem com o intuito de torná-lo mais célere e justo.

    Por: PROF. JARDEL DE FREITAS SOARESl Direitol 29/01/2010 lAcessos: 11,893 lComentário: 2

    O procedimento do Tribunal do Júri e sua conformidade com a Magna Carta de 1988.

    Por: Daniel Albanezl Direito> Doutrinal 25/05/2011 lAcessos: 344

    O presente estudo tem como objetivo demonstrar situações em que o Tribunal do Júri não atende alguns princípios constitucionais, deixando margem a dúvidas acerca do seu caráter de garantia individual. Além disso, será demonstrada como a ofensa a esses princípios acarreta decisões prejudiciais ao cidadão e como os jurados podem agir, demasiadas vezes, de forma parcial, maculando o procedimento e tornando o Tribunal do Júri ineficaz quanto aos seus objetivos.

    Por: Luíza Olandiml Direito> Doutrinal 27/05/2012 lAcessos: 203

    O presente artigo tem como tema central, discutir acerca do procedimento do Tribunal do Júri, sobretudo no que diz respeito ao processo de formação da sentença, a partir do Conselho de Sentença. Analisa-se criticamente a aplicação do princípio da íntima convicção, e questiona-se até que ponto esse sistema principiológico viola princípios inerentes ao processo penal, tais como o da liberdade, ampla defesa e o das decisões motivadas.

    Por: Hugo Bridges Albergarial Direitol 01/06/2012 lAcessos: 105
    Wanderson de Almeida Guedes

    Este artigo demonstra minha indignação com um julgamento de 17 horas que presenciei no dia de ontem, narra os fatos e acontecimentos!.

    Por: Wanderson de Almeida Guedesl Direitol 12/11/2009 lAcessos: 398 lComentário: 1

    Dr. Drauzio Varela relata a vida dos mais de 7 mil homens presos no maior presidio do Estado de São Paulo/SP, Ainda traz o relato do grande massacre nos meados do ano de 92.

    Por: Cristiane Duartel Direito> Doutrinal 31/10/2014

    A Lei 9.029/95 foi criada com o intuito de definir as práticas discriminatórias praticadas por empregadores contra seus empregados. A principal prática discriminatória estabelecida pela Lei é voltada para as mulheres, que ocorre quando o empregador exige da trabalhadora teste ou exame de gravidez no momento da admissão ou para efeitos de permanência na relação de trabalho, podendo este sofrer sanção pela prática do ato.

    Por: Cristine Dartoral Direito> Doutrinal 29/10/2014

    Administração Pública é o vocábulo que abrange tanto a atividade superior de planejar, dirigir, comandar, como a atividade subordinada de executar (DI PIETRO, 2010).

    Por: Rafael de Oliveiral Direito> Doutrinal 27/10/2014

    O instituto do bem de família, impenhorável por força da lei, foi criado para proteger a entidade familiar das crises econômicas. Em 1991, a Lei nº 8.245, em seu art. 82, introduziu mais uma possibilidade de penhora do bem de família, com precisão no art. 3° da Lei 8.009/90, em que o fiador responde com seu bem de família em razão de contrato de aluguel não cumprido pelo inquilino.

    Por: João Alós Müllerl Direito> Doutrinal 25/10/2014

    Advogado alerta que a nova Lei da Guarda Compartilhada pode abrir precedente da obrigatoriedade da guarda compartilhada de filhos no caso dos pais não chegarem a um acordo

    Por: João Clairl Direito> Doutrinal 23/10/2014

    Os direitos oriundos das relações trabalhistas vêm sendo discutidos conquistados com o decorrer do tempo, dentro dessa ótica verifica-se uma evolução associativa entre classes de empregadores e trabalhadores, que se encontram cada vez mais unidas para atingir fins que beneficiem a coletividade da qual fazem parte. No presente texto pretende-se alinhar as diversas linhas de raciocínio existentes e controversas a respeito do tema em questão, buscando ainda fazer relação com os valores consagrados

    Por: Vera Lucia braga Duartel Direito> Doutrinal 22/10/2014

    Esse trabalho tem como objetivo esclarecer o que são contribuições sociais e quais as contribuições que se constituem, apresentando de que forma é calculada a contribuição tanto do empregado, doméstico e trabahador avulso. Observa-se portanto, qual a aplicação da alíquota para cada tipo de contribuinte, assim como valores mínimos que devem ser colaborados. Resta saber também, quais os percentuais de contribuição.

    Por: Simone Follmerl Direito> Doutrinal 21/10/2014

    O trabalho envolve questões referente a jornada de trabalho e os direitos do trabalhador.

    Por: Simone Follmerl Direito> Doutrinal 21/10/2014
    Valdinar Monteiro de Souza

    Crônica em o autor fala de seus livros de crônicas "De pé por causa da palavra" e "A despedida do palacete", já escritos e prontos para a publicação, que pretende publicar o quanto antes.

    Por: Valdinar Monteiro de Souzal Literatura> Crônicasl 19/02/2012 lAcessos: 69
    Valdinar Monteiro de Souza

    Crônica em que o autor, relembrando tardes e noites vividas na infância, narra experiência vivida agora de dormir à noitinha e acordar pensando que dormiu a noite inteira e já é o outro dia. Também fala de seu gosto pelo Programa do Chaves, a que começou assistir juntamente com o filho que hoje tem 24 anos e continuar a assistir juntamente com o filho que agora tem 6 anos.

    Por: Valdinar Monteiro de Souzal Literatura> Crônicasl 19/02/2012 lAcessos: 76
    Valdinar Monteiro de Souza

    Artigo em que o autor defende a prerrogativa institucional do advogado de porte arma e a prerrogativa processual de ser processado e julgado pelo tribunal de justiça do estado, por isonomia com os magistrados e membros do Ministério Público.

    Por: Valdinar Monteiro de Souzal Direito> Doutrinal 17/02/2010 lAcessos: 2,053
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast