Apelação no Processo Penal

Publicado em: 21/09/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 366 |

Da apelação no Processo Penal.

Conforme conceitua o Professor Danilo Santana, apelação é um recurso dirigido ao órgão de jurisdição de segundo grau que pode ser utilizado pela parte vencida na demanda com o objetivo de reformar ou anular uma sentença ou decisão proferida pelo juízo de primeiro grau.

Art. 599 do CPP pronuncia da seguinte forma:

As apelações poderão ser interpostas quer em relação a todo o julgado, quer em relação a parte dele.

Desta forma, a ainda que a parte tenha julgado procedente a sua demanda ela poderá recorrer por achar que seu direito não foi totalmente observado pela apreciação do judiciário como o deveria.

De acordo com o artigo 593 do Código Processo Penal, o prazo de interposição da apelação será de 05 (cinco) dias perante o Juiz que antes de a despachar deverá observar a tempestividade do recurso e se preenche os demais requisitos processuais. As razões de apelação deverão ser apresentadas em até 08(oito) dias, todavia, nada impede que sejam apresentadas junto à apelação.

Prediz o CPP: rt. A600. Assinado o termo de apelação, o apelante e, depois dele, o apelado terão o prazo de oito dias cada um para oferecer razões, salvo nos processos de contravenção, em que o prazo será de três dias. § 1o Se houver assistente, este arrazoará, no prazo de três dias, após o Ministério Público. § 2o Se a ação penal for movida pela parte ofendida, o Ministério Público terá vista dos autos, no prazo do parágrafo anterior. § 3o Quando forem dois ou mais os apelantes ou apelados, os prazos serão comuns. § 4o Se o apelante declarar, na petição ou no termo, ao interpor a apelação, que deseja arrazoar na superior instância serão os autos remetidos ao tribunal ad quem onde será aberta vista às partes, observados os prazos legais, notificadas as partes pela publicação oficial.

Observe que o caput do artigo é claro em anunciar que nos casos em que a apelação for em processo de contravenção prazo não será o de 08(oito) dias, mas sim de 03(três) dias.

Outra coisa importante e que o Advogado deve observar é a de que o deve descrever claramente em sua apelação de qual decisão está recorrendo, do contrário o judiciário interpretará que o mesmo recorre de todo a decisão (isto no caso em que a decisão recorrida é apenas parcialmente prejudicial).

Observa que em conformidade ao Art. 593 CPP - Caberá apelação no prazo de 5 (cinco) dias:
I - das sentenças definitivas de condenação ou absolvição proferidas por juiz singular; II - das decisões definitivas, ou com força de definitivas, proferidas por juiz singular nos casos não previstos no Capítulo anterior; III - das decisões do Tribunal do Júri, quando: a) ocorrer nulidade posterior à pronúncia; b) for a sentença do juiz-presidente contrária à lei expressa ou à decisão dos jurados; c) houver erro ou injustiça no tocante à aplicação da pena ou da medida de segurança; d) for a decisão dos jurados manifestamente contrária à prova dos autos. § 1o Se a sentença do juiz-presidente for contrária à lei expressa ou divergir das respostas dos jurados aos quesitos, o tribunal ad quem fará a devida retificação. § 2o Interposta a apelação com fundamento no no III, c, deste artigo, o tribunal ad quem, se Ihe der provimento, retificará a aplicação da pena ou da medida de segurança. § 3o Se a apelação se fundar no no III, d, deste artigo, e o tribunal ad quem se convencer de que a decisão dos jurados é manifestamente contrária à prova dos autos, dar-lhe-á provimento para sujeitar o réu a novo julgamento; não se admite, porém, pelo mesmo motivo, segunda apelação. § 4o Quando cabível a apelação, não poderá ser usado o recurso em sentido estrito, ainda que somente de parte da decisão se recorra.

Ainda nas palavras do Professor e Doutor Danilo Santana, do portal Jurídico Jurisway.com:

Para que a apelação possa ser examinada no mérito deverá previamente ser submetida ao juízo de admissibilidade de primeiro grau, juízo "a quo", contudo, deve ser endereçada ao juízo ad quem (tribunal) que for competente para o julgamento. Para tanto a apelação deve ser subscrita por quem tenha interesse e legitimidade; apresentada dentro do prazo legal e adequada para impugnar a decisão que se pretenda reformar.

Art. 578. O recurso será interposto por petição ou por termo nos autos, assinado pelo recorrente ou por seu representante. § 1o Não sabendo ou não podendo o réu assinar o nome, o termo será assinado por alguém, a seu rogo, na presença de duas testemunhas. § 2o A petição de interposição de recurso, com o despacho do juiz, será, até o dia seguinte ao último do prazo, entregue ao escrivão, que certificará no termo da juntada a data da entrega. § 3o Interposto por termo o recurso, o escrivão, sob pena de suspensão por dez a trinta dias, fará conclusos os autos ao juiz, até o dia seguinte ao último do prazo.

Depois de interposto o recurso e recebido se seguirá o julgamento: CPP - Art. 610. Nos recursos em sentido estrito, com exceção do de habeas corpus, e nas apelações interpostas das sentenças em processo de contravenção ou de crime a que a lei comine pena de detenção, os autos irão imediatamente com vista ao procurador-geral pelo prazo de cinco dias, e, em seguida, passarão, por igual prazo, ao relator, que pedirá designação de dia para o julgamento.
Parágrafo único. Anunciado o julgamento pelo presidente, e apregoadas as partes, com a presença destas ou à sua revelia, o relator fará a exposição do feito e, em seguida, o presidente concederá, pelo prazo de 10 (dez) minutos, a palavra aos advogados ou às partes que a solicitarem e ao procurador-geral, quando o requerer, por igual prazo.

Superado esta fase o relator dará seu voto e os demais dirão se o acompanham ou não, se houver empate prevalecerá a decisão mais favorável ao acusado de acordo com o seguinte artigo do CPP -Art. 615. O tribunal decidirá por maioria de votos.
§ 1o Havendo empate de votos no julgamento de recursos, se o presidente do tribunal, câmara ou turma, não tiver tomado parte na votação, proferirá o voto de desempate; no caso contrário, prevalecerá a decisão mais favorável ao réu.
§ 2o O acórdão será apresentado à conferência na primeira sessão seguinte à do julgamento, ou no prazo de duas sessões, pelo juiz incumbido de lavrá-lo.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/apelacao-no-processo-penal-6202189.html

    Palavras-chave do artigo:

    apelacao no processo penal

    ,

    apelacao

    ,

    direito penal

    Comentar sobre o artigo

    ALDINEI RODRIGUES MACENA

    A Lei nº 11.689/08 reformou o procedimento do Tribunal do Júri fazendo homenagens a princípios constitucionalmente assegurados, ampliando o alcance da dignidade humana, da amplitude de defesa, do sigilo das votações, da celeridade e economia processual. A concentração dos atos processuais procurou trazer maior celeridade e economia ao processo, porém esta concentração nem sempre será possível. A ampliação das hipóteses de absolvição sumária também colaboram com a celeridade e economia processual

    Por: ALDINEI RODRIGUES MACENAl Direito> Doutrinal 11/12/2011 lAcessos: 668

    RESUMO: Prefácio da 17° edição Cursos de Paula Baptista, Lopes da Costa, João Mendes Junior, João Monteiro, Manuel Aureliano de Gusmão, Gabriel de Rezende Filho, José Frederico Marques e Moacyr Amaral Santos.

    Por: DINEIA D SZA CSTAl Direito> Doutrinal 09/07/2012 lAcessos: 775

    O analisa decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo, envolvendo julgamento de crimes contra a propriedade intelectual

    Por: Franklin Gomesl Direito> Doutrinal 04/03/2011 lAcessos: 377

    O assistente de acusação é a posição ocupada pelo ofendido, atuando, ao lado do Ministério Público, no pólo ativo. Exerce neste sentido um direito de agir, não tendo necessariamente a obrigação de intervir, mas se assim o fizer, tem o direito de manifestar uma pretensão contraposta a do acusado. A qualidade do assistente do Ministério Público no processo penal brasileiro é de parte contingente (adjunta ou adesiva), que tem como finalidade, em princípio, a reparação do dano civil.

    Por: Yuri Diasl Direito> Doutrinal 17/12/2008 lAcessos: 61,693 lComentário: 1
    Fernando Rubin

    Tema do mais alto relevo para a teoria geral do processo, a procura por uma moderna e atuante utilização de relevantíssimo corolário do devido processo legal, buscar-se-á realização de estudo mais aprofundado e sistematizado do princípio do contraditório, a partir de uma visão cooperativa do processo - tudo de acordo com os fundamentos de um "formalismo valorativo" do direito processual como pormenorizado pela Escola Gaúcha, capitaneada pelo Prof. Carlos Alberto Alvaro de Oliveira.

    Por: Fernando Rubinl Direito> Doutrinal 17/08/2011 lAcessos: 225
    Thiago Amorim dos Reis Carvalho

    Trata-se de um estudo sobre os aspectos basilares das exceções no processo penal pátrio.

    Por: Thiago Amorim dos Reis Carvalhol Direitol 09/08/2009 lAcessos: 18,295

    A divergência jurisprudencial acerca do delito de peculato previsto no art. 312 do código penal. O entendimento consolidado nos tribunais, incluindo os tribunais superiores. A visão doutrinária. Conclusões.

    Por: Leandro Bastos Nunesl Direito> Doutrinal 26/04/2012 lAcessos: 981

    O presente artigo tem como objetivo a reflexão acadêmica acerca dos efeitos jurídicos da sentença penal absolutória pautada no princípio "Morns Omnia Solvit", bem como da possibilidade de aplicação da Revisão Criminal "pro societate" nos casos de absolvição com base em Certidão de Óbito falsa, objetivando uma melhor adequação dos institutos processuais penais ao também princípio da "Verdade Real dos Fatos".

    Por: Bianca Rolffl Direitol 19/05/2012 lAcessos: 145
    Antonio de Jesus Trovão

    A pretensão do presente trabalho é tecer algumas considerações, bem como fazer algumas análises relativas aos efeitos do silêncio no ordenamento jurídico brasileiro dada as suas peculiaridades face ao comportamento adotado pelo pensamento jurisprudencial quando instado a manifestar-se sobre tais efeitos no mundo fático.

    Por: Antonio de Jesus Trovãol Direito> Doutrinal 26/09/2010 lAcessos: 3,010
    Bira Paulino

    Desaposentação, um nome tão complicado, mas com um significado simples e prático. Caros leitores, desaposentação nada mais é que a renúncia de uma aposentadoria já concedida seja ela por idade ou tempo de contribuição, em favor da concessão de um novo benefício, em razão da continuidade de contribuições pós aposentação.

    Por: Bira Paulinol Direito> Doutrinal 14/10/2014 lAcessos: 11

    A Família é a base do Estado. O poder familiar resume-se em responsabilidades e direitos que envolvendo a relação entre pais e filhos. A separação judicial, o divórcio e a dissolução da união estável não alteram as relações entre pais e filhos. A Alienação Parental é uma prática de desmoralização da figura de um dos genitores para com a criança. A Síndrome da Alienação Parental é o resultado desta prática. A atuação do advogado é de extrema importância para ajudar a dar fim nessa prática.

    Por: Cleidel Direito> Doutrinal 13/10/2014
    André Boaratti

    O presente texto aborda a hierarquia das fontes do Direito Internacional Público, ressaltando a relação entre eles, principalmente entre os Tratados e os Costumes.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 07/10/2014
    Isabel Cochlar

    Advogada adverte que a Guarda Compartilhada, como direito da criança,foi suprimida no texto legal anterior, em claro desrespeito ao princípio da dignidade humana

    Por: Isabel Cochlarl Direito> Doutrinal 06/10/2014
    André Boaratti

    Qual a relação entre o Direito Internacional Público e Privado? Quais as diferenças entre Tratado, Acordo e Contratos Internacionais? Essas e outras questões serão o foco do presente texto.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 05/10/2014

    Buscando demonstrar que a mediação é um método adequado para solucionar e prevenir conflitos advindos das relações sociais, este trabalho tem como objeto de estudo a mediação no âmbito das Delegacias de Polícia do Estado do Ceará. Tendo em vista que grande parte da demanda de casos que chegam às Unidades Policiais do Estado versam sobre infrações de menor potencial ofensivo, em geral envolvendo pessoas da própria comunidade, as quais anseiam por serem ouvidas e terem suas lides solucionadas.

    Por: klezerl Direito> Doutrinal 03/10/2014

    Será abordado neste artigo além de polêmico na sociedade brasileira é também de suma importância para o futuro dos ex-detentos, ou seja, aqueles que após cumprirem suas penas, saem do sistema prisional e vão de encontro com a sociedade a busca de sua ressocialização frente a sociedade. Serão abordados os vários conceitos que o termo ressocialização recebe dos doutrinadores, e as alternativas de reinserção dos ex-detentos no mercado de trabalho.

    Por: klezerl Direito> Doutrinal 02/10/2014 lAcessos: 12

    Tanto a maioria da sociedade brasileira como a mídia vê o pedófilo como um criminoso e não um doente. Quanto, ao ordenamento jurídico, não há uma definição da pedofilia como um crime, entretanto aquele pedófilo que comete ato libidinoso responde por abuso de natureza sexual cometido contra criança.

    Por: Gleidson Mateus de Melol Direito> Doutrinal 01/10/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast