As dimensões (gerações) dos direitos fundamentais

Publicado em: 05/04/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 1,298 |

Após o reconhecimento dos direitos fundamentais nas primeiras Constituições de Estado, esses direitos passaram por inúmeras transformações, tanto no campo do conteúdo, quanto no que diz respeito às suas titularidades, eficácias e efetividades.

Há quem refira as fases desse processo como gerações dos direitos fundamentais, que, segundo Sarlet (2001) pode gerar a falsa impressão da substituição gradativa de uma geração por outra, motivo pelo qual a expressão ‘dimensões' é a mais apropriada ao assunto.

Para o estudioso:

[...] a teoria dimensional dos direitos fundamentais não aponta, tão-somente, para o caráter cumulativo do processo evolutivo e para a natureza complementar de todos os direitos fundamentais, mas afirma, para, além disso, sua unidade e indivisibilidade no contexto do direito constitucional interno [...] (SARLET, 2001, pg. 49-50).

Em outras palavras, os direitos fundamentais são direitos naturais, inalienáveis e sagrados, direitos tidos, também, por imprescritíveis. São conceitos de garantias fundamentais que necessariamente conservam-se pelo teor da universalidade que os compõe e permanecem hígidos com o passar dos anos.

São quatro as dimensões dos direitos fundamentais encontradas. Passa-se a analisá-las.

A primeira dimensão[1] de direitos fundamentais compreende, segundo Bonavides (2006), os direitos da liberdade, neles inseridos os direitos civis e políticos inerentes ao indivíduo, oponíveis à atuação do Estado.

Na mesma linha de pensamento, exemplificando:

Assumem particular relevo no rol desses direitos, especialmente pela sua notória inspiração jusnaturalista, os direitos à vida, à liberdade, à propriedade e à igualdade perante a lei. São, posteriormente, complementados por um leque de liberdades, incluindo as assim denominadas liberdades de expressão coletiva (liberdades de expressão, imprensa, manifestação, reunião, associação, etc) [...] (SARLET, 2001, p. 50).

Inspirada no ideário da Revolução Francesa e baseada no liberalismo estatal, essa dimensão dos direitos fundamentais busca, em sua essência, atrair aos homens uma garantia de reação contra o absolutismo dos soberanos. Em outras palavras, à medida que o Estado avança sobre os direitos de seus cidadãos, o pensamento iluminista sobrevaloriza o indivíduo e suas liberdades fundamentais contra o poder do Estado então absolutista.

É neste sentido que as liberdades individuais e as garantias dadas pela Constituição Federal nulificam as intervenções do Estado de maneira arbitrária e desmedida. Dentre os principais direitos de liberdade, está o direito de ir, vir e permanecer, o direito ao sufrágio universal e o direito à liberdade de expressão.

Em prosseguimento, surge a segunda dimensão dos direitos fundamentais, que está diretamente relacionada à participação do Estado na socialização dos seus cidadãos, abraçada, diretamente, no direito à igualdade.

Em contrapartida à democracia liberal da dimensão primeira, cuja orientação criou o direito à liberdade, a segunda geração dos direitos fundamentais, baseada no Estado Social, busca a criação de uma vida mais digna e igualitária para os cidadãos.

O impacto da industrialização e os graves problemas sociais e econômicos que a acompanharam, as doutrinas socialistas e a constatação de que a consagração formal de liberdade e igualdade não gerava a garantia do seu efetivo gozo acabaram, já no decorrer do século XIX, gerando amplos movimentos reivindicatórios e o reconhecimento progressivo de direitos atribuindo ao Estado comportamento ativo na realização da justiça social (SARLET, 2001, p. 51).

Nesse ínterim, na esperança de uma justiça social, essa dimensão de direito necessário percebe uma intervenção do Estado na ascensão de seu povo, garantindo a este, em contrapartida, conquistas sociais de grande relevo.

Aqui, há de se relacionar como direitos fundamentais de segunda geração: os direitos sociais, culturais, econômicos, trabalhistas, previdenciários, o direito ao ensino público e gratuito e à saúde pública, que na Constituição Federal de 1988 são aqueles apontados nos artigos 6º a 11 do Título II.

Os direitos fundamentais de terceira dimensão, também conceituados de direitos de fraternidade ou de solidariedade, se diferenciam das concepções anteriores pelo fato de distanciarem-se da figura do homem como indivíduo único, passando a destinarem-se à proteção de grupos humanos, como a família, o povo e a nação (SARLET, 2001).

Cumpre sinalizar, por mais citados, os direitos à paz, à autodeterminação dos povos, ao desenvolvimento, ao meio ambiente e qualidade de vida como exemplos dos direitos fundamentais de terceira categoria.

A nota distintiva destes direitos da terceira dimensão reside basicamente na sua titularidade coletiva, muitas vezes indefinida e indeterminável, o que se revela, a título de exemplo, especialmente no direito ao meio ambiente a qualidade de vida, o qual, em que pese ficar preservada sua dimensão individual, reclama novas técnicas de garantia e proteção (Sarlet, 2001, p. 52).

Quanto à positivação, Sarlet (2001) afirma que estes direitos ainda não estão totalmente inseridos no direito constitucional, estando, de outra banda, muito presente no direito internacional, na forma de tratados e outros documentos assinados entre diversos Estados.

Ainda no que permeia a distinção das dimensões dos direitos fundamentais, é de se referir uma tendência a reconhecer a existência da quarta dimensão destas garantias.

Para Bonavides (2006) esses direitos consistiriam nos direitos à democracia, à informação e ao pluralismo, correspondendo, diretamente, à institucionalização do Estado Social.

Os direitos da quarta geração não somente culminam a objetividade dos direitos das duas gerações antecedentes como absorvem – sem, todavia, removê-la – a subjetividade dos direitos individuais, a saber, os direitos da primeira geração (BONAVIDES, 2006, p. 572).

Desta forma, e seguindo conclusão do autor, os direitos de segunda, terceira e quarta dimensões não se interpretam, concretizam-se. É dizer que a democracia, por exemplo, é o centro de gravidade e a corrente de convergência de todos os interesses do sistema, nele incluído o indivíduo livre e igual aos seus pares.

[1] No presente trabalho, em que pese adotada pela maioria doutrinária a expressão "gerações", será utilizada a denominação "dimensões" dos direitos fundamentais, pois, conforme sustentado por Sarlet (2001) e já explicitado na pesquisa torna-se mais apropriada ao tema dos direitos inerentes aos homens, uma vez que não há gerações dos direitos fundamentais por não serem substituídos por outros de nova dimensão.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/as-dimensoes-geracoes-dos-direitos-fundamentais-4541888.html

    Palavras-chave do artigo:

    direitos fundamentais dimensoes constituicao federal

    Comentar sobre o artigo

    Adriana da Cunha Leocadio

    A Constituição Federal Brasileira de 1988 simboliza uma nova etapa e garante a todos o direito à saúde como obrigação do Estado, ad libitum da democracia no país. A saúde e sua proteção, estão abraçadas no ordenamento jurídico-constitucional, traduzindo uma miríade de aspectos que suscita pela sua relevância, impondo uma delimitação do âmbito do presente estudo.

    Por: Adriana da Cunha Leocadiol Direito> Legislaçãol 03/12/2010 lAcessos: 6,087
    Agatha Gonçalves Santana

    Tradução do artigo: UBILLOS, Juan Maria. Eficacia horizontal de los derechos fundamentales: las teorias y la practica. In: TEPEDINO, Gustavo (org.) Direito civil contemporâneo: Novos problemas à luz da legalidade constitucional, São Paulo: Atlas, 2008, p. 219-237.

    Por: Agatha Gonçalves Santanal Direito> Doutrinal 07/03/2012 lAcessos: 372
    ROSÂNGELA LEMOS DA SILVA

    Os Direitos Fundamentais são aqueles pautados no poder estatal e ações constitucionais, na delimitação dos direitos e garantias individuais e coletivas, num Estado Democrático de Direitos aos cidadãos, vistos como indivíduos em perspectivas de reivindicações indissociáveis da condição humana, inserida na teoria jusnaturalista, que prima o reconhecimento da existência de direitos naturais da pessoa humana, conforme a historicidade e processo evolutivo.

    Por: ROSÂNGELA LEMOS DA SILVAl Direitol 23/11/2009 lAcessos: 5,778 lComentário: 1

    Este estudo tratará do direito à saúde como direito fundamental encartado na Constituição Federal de 1988, por ser dever do Estado o fornecimento dos diversos meios para garantir a saúde da população de forma ampla, o trabalho tratará do direito à saúde, seu conceito histórico, a saúde como direito fundamental, a Lei 8.080/90, bem como a reserva do possível como garantia de cumprimento do preceito constitucional.

    Por: Mateus Blumel Direitol 23/09/2011 lAcessos: 377

    Os Direitos Humanos são frutos de conquistas da humanidade ao longo do tempo. Neste sentido, estes Direitos vinculam e protegem todo e qualquer ser humano independente de seu credo religioso, cultura, etnia e nacionalidade.

    Por: Robson Stigarl Educaçãol 28/01/2010 lAcessos: 574

    O presente artigo diz respeito ao problema da efetividade das normas constitucionais, principalmente as que são denominadas de direitos fundamentais – direitos humanos normatizados na constituição brasileira. E a importância de se incluir o tema Políticas Públicas nos estudos jurídicos para a exeqüibilidade destas normas.

    Por: Laírcio Márcio Lemos e Sousal Direito> Doutrinal 21/02/2011 lAcessos: 355
    William

    O presente artigo trata sobre o que vem a ser a Cidadania, considerando o enfoque histórico, onde a cidadania tratava-se até de uma forma de discriminação, pois não todos eram detentores desse título, até chegar ao enfoque atual, com a visão voltada aos Direitos Humanos, garantindo esse título à todas as pessoas.

    Por: Williaml Direito> Doutrinal 21/05/2013 lAcessos: 47

    Os Direitos Humanos têm uma posição bidimensional, retrata a conciliação entre os direitos do indivíduo e assegura um campo autêntico para a democracia. Visa garantir ao cidadão o respeito à vida, à liberdade, à igualdade e à dignidade. Está vinculada à questão social, fundamental a ser discutida uma vez que uma quantidade significativa de cidadãos encontram dificuldade em exercer a cidadania e seus direitos.

    Por: Thayse Fernandal Direito> Doutrinal 31/05/2013 lAcessos: 48
    ana cristina da cruz santos

    ESTE TRABALHO FALA SOBRE OS DIREITOS E CONCEPÇAO E IMPORTANCIA DE UM PAIS ONDE OS INDIVIDUOS POSSAM VIVER CO DIGNIDADE

    Por: ana cristina da cruz santosl Notícias & Sociedade> Desigualdades Sociaisl 03/12/2011 lAcessos: 107

    O presente artigo tem a finalidade de relatar as principais características, em um âmbito político e social, de um período da história brasileira: a República Velha. É essencial analisar, ainda que de forma sucinta, seus antecessores e suas conseqüências. Para tal fim, buscamos um embasamento em celebres obras como "Coronelismo, Enxada e Voto", de Victor Nunes Leal e "Os Donos do Poder", de Raymundo Faoro.

    Por: Antônio Faustino Moural Direito> Doutrinal 17/12/2014
    André Silva Barroso

    O presente trabalho trata sobre os títulos de crédito eletrônicos e a possível descaracterização do princípio da cartularidade, onde, para uma melhor compreensão sobre tal instituto, buscou-se um estudo sobre seu conceito, características e princípios. Num segundo estágio foi-se abordado os títulos de crédito eletrônicos, que surgiram pelos avanços tecnológicos principalmente pelo advento da internet.

    Por: André Silva Barrosol Direito> Doutrinal 05/12/2014
    Liziane Mont'Alverne de Barros

    A "judicialização da política" ou "politização da justiça" na composição dos cenário das ciências jurídicas e sociais nos diversos países do mundo e seus efeitos na expansão do Poder Judiciário no processo decisório das democracias contemporâneas. O presente artigo tem por escopo promover uma análise crítica do desenvolvimento desse fenômeno que vem sendo desenvolvido pelo Órgão de Cúpula do Judiciário – STF.

    Por: Liziane Mont'Alverne de Barrosl Direito> Doutrinal 04/12/2014

    O código civil concede ao testador o direito não só de instituir herdeiro ou legatário em primeiro grau, mas também o de lhes indicar substituto.

    Por: DÉBORA LUCIANO DE ALMEIDAl Direito> Doutrinal 03/12/2014 lAcessos: 11

    CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO É um mecanismo previsto na lei civil, que pode-se valer o devedor que queira desonerar-se e que esteja em dificuldades para o fazer.

    Por: Fernando Bartoli de Oliveiral Direito> Doutrinal 01/12/2014

    Artigos 1962, 1963 e 1814 do Código Civil É o ato de manifestação da vontade do autor da herança que exclui da sucessão, um herdeiro necessário, tipificando, nos permissivos legais, a sua vontade. Dá-se por testamento somente.

    Por: Thais Luz Firminol Direito> Doutrinal 29/11/2014 lAcessos: 12

    A conquista, o governo e a manutenção do Estado são preocupações centrais do pensamento maquiaveliano. Essa tríade tem de ser mantida custe o que custar, ainda que para tanto não se observem questões de ordem ética e moral, pelo menos, a moral e a ética medievais e da Itália renascentista. O bom governante tem de manter o Estado e, para tanto, dadas as circunstancias tem que agir hora pela força, hora pela razão e outras vezes deve saber conjugar ambas, só assim conseguirá governar.

    Por: FRANCISCO ESDRAS MOREIRA ROCHAl Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 11

    O Direito Sucessório Brasileiro, disciplinado pelo Código Civil Brasileiro de 2002, prevê dois tipos de sucessão hereditária que podemos nos deparar quando da abertura da sucessão, qual seja: sucessão legítima e sucessão testamentária, acerca desta, mais especificamente sobre sucessão testamentária na forma pública, que discorremos no presente trabalho.

    Por: Arthur Sarilhol Direito> Doutrinal 28/11/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast