As terras devolutas

Publicado em: 09/07/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 253 |

AS TERRAS DEVOLUTAS

 

Objetiva o artigo apresentar o conceito, histórico das terras devolutas.

 Abstract: This aims to present the concept, historical and legal situation of this kind of property.

 Palavras chave: Terras devolutas

 

            A colonização portuguesa adotou o sistema sesmarial para a distribuição de terras, a estilo de Portugal através das capitanias hereditárias. Vigorou no país até o ano de 1822, consolidando com a criação da Lei de Terras em 1850. Considera-se terras devolutas as terras públicas que não foram registradas e não estão na posse do poder público e não foram a estes incorporadas. Inicialmente o termo literal da expressão devoluta originou das terras que improdutivas devolvidas ao Reino de Portugal. No ano de 1850, a Lei 601 asseverou:

      A lei nº 601 de 17/09/1850

         

"Dispõe sobre as terras devolutas no Império, e acerca das que são possuídas por titulo de sesmaria sem preenchimento das condições legais. bem como por simples titulo de posse mansa e pacifica; e determina que, medidas e demarcadas as primeiras, sejam elas cedidas a titulo oneroso, assim para empresas particulares, como para o estabelecimento de colônias de nacionaes e de extrangeiros, autorizado o Governo a promover a colonisação extrangeira na forma que se declara D. Pedro II, por Graça de Deus e Unanime Acclamação dos Povos, Imperador Constitucional e Defensor Perpetuo do Brasil: Fazemos saber a todos os Nossos Subditos, que a Assembléa Geral Decretou, e Nós queremos a Lei seguinte..:" ( texto em original)

            Com o advento da lei 6.383/76 através do processo discriminatório pouco modificou o conceito.

Constituição Brasileira esclarece:

 

Art. 26: Incluem-se entre os bens dos Estados:

IV - as terras devolutas não compreendidas pela União.

Art. 20: São bens da União:

II - as terras devolutas indispensáveis à defesa das fronteiras, das fortificações e construções militares, das vias federais de comunicação e à preservação ambiental, definidas em lei;

            Pontes de Miranda contribui em sua tese que: Terra que não está registrada em nome de ninguém é terra adéspota, sem dono e pode ser usucapida".

            Neste conflito aparente de conceitos, mas observando a constituição entende-se: As terras que não foram devolvidas ao Reino, mas se enquadraram no texto da Carta Magna são as consideradas  terras devolutas.

            Aquelas que não têm uma destinação pública definida, e não estão sendo utilizadas pelo Estado. São portanto as terras que não estão sob o domínio privado nem tampouco uma destinação pública.

            A legislação prevê portanto que não basta a não existência de registro para se considerar a terra devoluta, sendo também necessário o poder público provar que esta lhe pertence. Logo, o ônus desta comprovação pertence ao poder público.

            Sob a literalidade do Decreto-lei nº. 9.760, de 05.09.1946, que dispões sobre os bens imóveis da União, deu o seguinte conceito de terras devolutas:

 
"Art. 5º - São terras devolutas, na faixa de fronteiras, nos Territórios Federais e no Distrito Federal, as terras que, não sendo próprias nem aplicadas a algum uso público federal, estadual, territorial ou municipal, não se incorporaram ao domínio privado:

a) por força da Lei nº 601, de 18 de setembro de 1850, Decreto nº. 1318, de 30 de janeiro de 1854, e outras leis e decretos gerais, federais e estaduais;

b) em virtude de alienação, concessão ou reconhecimento por parte da União ou dos Estados;

c) em virtude de lei ou concessão emanada de governo estrangeiro e ratificada ou reconhecida, expressa ou implicitamente, pelo Brasil, em tratado ou convenção de limites;

d) em virtude de sentença judicial com força de coisa julgada;

e) por se acharem em posse contínua e incontestada, por justo título e boa fé, por termo superior a 20 (vinte) anos;

f) por se acharem em posse pacífica e ininterrupta, por 30 (trinta) anos, independentemente de justo título e boa-fé;

g) por força de sentença declaratória proferida nos termos do art. 148, da Constituição Federal, de 10 de novembro de 1937.

Parágrafo único - A posse a que a União condiciona a sua liberalidade não pode constituir latifúndio e depende do efetivo aproveitamento e morada do possuidor ou do seu preposto, integralmente satisfeitos por estes, no caso de posse de terras situadas na faixa da fronteira, as condições especiais impostas na lei".

            Para o sapiente Juiz Federal, Dirley da Cunha Júnior, os conceitos utilizados por renomados juristas nacionais apontam interessantes, veja-se:

PAULO GARCIA dá um conceito genérico e um restrito, quando declara que "em sentido genérico, terras devolutas são as que integram o patrimônio dos Estados, como bens dominicais. Em sentido restrito, são as terras que, tendo passado ao domínio dos Estados, por força do art. 64, da Constituição de 1891, não se achavam, em 1850, no domínio particular nem haviam sido objeto de posse por qualquer do povo".

Para BEVILÁCQUA, devolutas "são as terras desocupadas, sem dono". Teixeira de Freitas, na Consolidação das leis civis, opina que são devolutas "as terras desocupadas, não possuídas". Do mesmo modo é o pensamento de Epitácio Pessoa.

Segundo MESSIAS JUNQUEIRE, "terras devolutas são as que não estão incorporadas ao patrimônio público, como próprias, ou aplicadas ao uso público, nem constituem objeto de domínio ou de posse particular, manifestada esta em cultura efetiva e morada habitual".

PONTES DE MIRANDA oferece-nos dois conceitos distintos. Num primeiro momento, diz que "terras devolutas são as terras devolvidas ao Estado (União, Distrito Federal, Estado-Membro, Território ou Município), se não estão ainda ocupadas, ou se estão na posse de particulares".

Num segundo momento, revela que "devoluta é a terra que, devolvida ao Estado, esse não exerce sobre ela o direito de propriedade, ou pela destinação ao uso comum, ou especial, ou pelo conferimento de poder de uso ou posse a alguém".

LUÍS DE LIMA STEFANINI entende "as terras devolutas como sendo aquelas espécies de terras públicas (sentido lato) não integradas ao patrimônio particular, nem formalmente arrecadadas ao patrimônio público, que se acham indiscriminadas no rol dos bens públicos por devir histórico-político".

        Encerro o presente artigo concluindo que são devolutas as terras  que não estão sob domínio privado e estão sem utilização pública específica, sendo estas pertencentes aos Estados e à União aquelas necessárias a defesa de fronteira e campos militares e demais estampadas na Constituição da República, artigo 20.

Artigo Elaborado em 25/05/2011

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 BORGES, Paulo Torminn. Institutos Básicos de Direito Agrário. 10ª ed. São Paulo: Saraiva, 1996.

LIMA, Getúlio Targino. A Posse Agrária Sobre Imóvel Rural. São Paulo: Saraiva, 1992.

MARQUES, Benedito Ferreira. Direito Agrário Brasileiro. Goiânia: AB Editora, 1996.

http://forum.jus.uol.com.br/4527/terras-devolutas/  acessado em 24.05.2011 as 21:21

 http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070427080014AAQFh4D  acessado em 24.05.2011 as 21:30

 http://www.jfse.jus.br/obras mag/artigoterrasdevdirley.html Acessado em 25.05.2011 as 21:50

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/as-terras-devolutas-5005454.html

    Palavras-chave do artigo:

    terra devolutas

    Comentar sobre o artigo

    Breve explanação da Reforma Agrária no Brasil nos últimos governos e a necessidade da mesma enquanto desenvolvimento do país.

    Por: Fábia dos Santos Freirel Notícias & Sociedade> Desigualdades Sociaisl 11/11/2011 lAcessos: 98
    Adilson Duque Estrada

    RESUMO A Guerra do Contestado poderia ser analisada por diversas vertentes , a questão da exclusão da mão de obra dos chamados caboclos, seria uma delas, onde a contratação de funcionários vindo do exterior causa uma ruptura que culminará em um conflito que se estendem durante anos, e esta questão de valorização da mão de obra exterior, analisando esta problemática, é notavel que, isso perdura até os dias atuais , exclusão da mão de obra menos qualificada, e o desenteresse em qualifica-los.

    Por: Adilson Duque Estradal Educação> Educação Onlinel 16/03/2011 lAcessos: 732

    O presente trabalho vem tratar do instituto da usucapião de bens públicos que não cumpre com sua função social. A posição majoritária de nossa doutrina não considera a possibilidade da usucapião de bens públicos, por entender que bens públicos são imprescritíveis, contudo alguns autores como Nelson Rosenval comungão da mesma idéia que apresento nesse breve estudo

    Por: alexandre alves ramosl Direito> Doutrinal 17/11/2010 lAcessos: 1,681
    Patricia Braun

    "São públicos os bens de domínio nacional pertencentes às pessoas jurídicas de direito público interno; todos os outros são particulares, seja qual for a pessoa a que pertencerem" (art. 98 do CC/2002). Da leitura do artigo supra citado, tem-se que Bens Públicos, são todos aqueles que integram o patrimônio da Administração Pública direta e indireta. Todos os demais são considerados particulares.

    Por: Patricia Braunl Direito> Doutrinal 08/04/2014 lAcessos: 54
    ADILSON MOTTA

    Este artigo aborda o histórico e aspecto geográfico de Bom Jardim - Maranhão

    Por: ADILSON MOTTAl Notícias & Sociedade> Polítical 25/06/2011 lAcessos: 384
    Romulo José Ferraz

    Esta é uma história verídica de uma família que veio de Mina Gerais para uma aventura no Rio Arinos (Porto dos Gauchos)norte de Mato Grosso com finalidade de criar rais. Isso foi num passado distânte ainda na década de 50 em que foram a oitava família a chegar numa abertura na beira do Rio Arinos sendo que o vizinho mais próximo estava a 500 quilômetros ao sul

    Por: Romulo José Ferrazl Literatural 27/05/2009 lAcessos: 2,248 lComentário: 7
    Romulo José Ferraz

    É praticamente um conto verídico onde na década de 50 uma familia de Minas Gerais Brasil, resolve encarar o sertão norte de Mato Gosso, que nessa época era compretamentente selvagem e eu Romulo Jose Ferraz, conhecido por Rominho faço parte desta históra

    Por: Romulo José Ferrazl Literatural 23/04/2009 lAcessos: 6,965 lComentário: 4
    Romulo José Ferraz

    A segunda parte do conto da Família Ferraz no sertão de Mato Grosso é a continuação da primeira parte, Desde que sentiu que não mais poderia ficar com a família nessas terras, por causa das doenças que estava sendo constante e na continuação dos acontecimentos deixaram Porto dos Gaúcho, tão logo foi arrumado o dinheiro para a viagem e recapitulando que essa família veio de Minas Gerais com o propósito de ficar ricos em Mato Grosso, e que por ironia do destino, um sonho que virou pesadelo.

    Por: Romulo José Ferrazl Literatural 10/06/2009 lAcessos: 304 lComentário: 2

    O presente trabalho procura dentro de uma análise dos fatos e contextualizando com o período em que eles ocorreram verificar, entender e compreender as diversas lutas que os garimpeiros de Serra Pelada travaram com o objetivo de conquistar seus direitos de lavrar o garimpo como categoria, transformando-o em um Palco de Lutas.

    Por: Eraldo Madeirol Educação> Ensino Superiorl 04/03/2012 lAcessos: 1,419

    Administração Pública é o vocábulo que abrange tanto a atividade superior de planejar, dirigir, comandar, como a atividade subordinada de executar (DI PIETRO, 2010).

    Por: Rafael de Oliveiral Direito> Doutrinal 27/10/2014

    O instituto do bem de família, impenhorável por força da lei, foi criado para proteger a entidade familiar das crises econômicas. Em 1991, a Lei nº 8.245, em seu art. 82, introduziu mais uma possibilidade de penhora do bem de família, com precisão no art. 3° da Lei 8.009/90, em que o fiador responde com seu bem de família em razão de contrato de aluguel não cumprido pelo inquilino.

    Por: João Alós Müllerl Direito> Doutrinal 25/10/2014

    Advogado alerta que a nova Lei da Guarda Compartilhada pode abrir precedente da obrigatoriedade da guarda compartilhada de filhos no caso dos pais não chegarem a um acordo

    Por: João Clairl Direito> Doutrinal 23/10/2014

    Os direitos oriundos das relações trabalhistas vêm sendo discutidos conquistados com o decorrer do tempo, dentro dessa ótica verifica-se uma evolução associativa entre classes de empregadores e trabalhadores, que se encontram cada vez mais unidas para atingir fins que beneficiem a coletividade da qual fazem parte. No presente texto pretende-se alinhar as diversas linhas de raciocínio existentes e controversas a respeito do tema em questão, buscando ainda fazer relação com os valores consagrados

    Por: Vera Lucia braga Duartel Direito> Doutrinal 22/10/2014

    Esse trabalho tem como objetivo esclarecer o que são contribuições sociais e quais as contribuições que se constituem, apresentando de que forma é calculada a contribuição tanto do empregado, doméstico e trabahador avulso. Observa-se portanto, qual a aplicação da alíquota para cada tipo de contribuinte, assim como valores mínimos que devem ser colaborados. Resta saber também, quais os percentuais de contribuição.

    Por: Simone Follmerl Direito> Doutrinal 21/10/2014

    O trabalho envolve questões referente a jornada de trabalho e os direitos do trabalhador.

    Por: Simone Follmerl Direito> Doutrinal 21/10/2014

    O adiantamento de contrato de cambio está conceituado nos informativos da BACEN como uma antecipação parcial ou total da moeda nacional relativa ao preço da moeda estrangeira vendida ao banco autorizado a operar no mercado de câmbio, pelo exportador, para entrega futura, feita antes do embarque da mercadoria ou da prestação do serviço.

    Por: Simone Follmerl Direito> Doutrinal 21/10/2014

    Projeto de monografia quais ações cautelares são passiveis de registrar ou averbar nos Registros de Imoveis, que podem ser Arresto Sequestro, Caução Penhora

    Por: Cristiane Duartel Direito> Doutrinal 19/10/2014

    Responsável pela produção de grande parte dos alimentos consumidos pelos brasileiros, o Produtor Rural Familiar é de sumaríssima relevância para a economia interna. O presente artigo visa elencar conceitos e dados para interpretação didática deste grupo.

    Por: Antonio Rodrigo C Freirel Direito> Doutrinal 09/07/2011 lAcessos: 102 lComentário: 2
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast