ASSÉDIO MORAL NAS EMPRESAS

Publicado em: 21/05/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 1,301 |

Muito se comenta sobre "Assédio Sexual", mas quase nunca se toca no assunto do que é "Assédio Moral" e muito deveria ser falado sobre esse assunto tão importante na nossa atualidade.

 

Assédio Moral no trabalho é a exposição dos trabalhadores e trabalhadoras a situações humilhantes, constrangedoras, sendo mais comuns em relações hierárquicas autoritárias e assimétricas. O objetivo é desestabilizar a relação da vítima com o ambiente de trabalho e à sua organização, podendo ser iniciada e manifestada por atos, palavras e gestos que venham atentar contra a dignidade física, psíquica e a auto-estima das pessoas.

 

Muitas vezes sofremos assédio moral e não nos damos conta de que estamos tendo nossa moral afesta. São inúmeras situações que os Tribunais do Trabalho estão revisando e com acerto estão punindo as empresas e por vezes fixando condenações pelos Danos acarretados.

 

São situações comuns a funcionários de bancos, a funcionários de áreas financeiras e fiscais, a vendedores, a frentistas, a controladores de acesso e a empregados domésticos, entre tantas profissões. Profissionais dessas atividades são colocados em situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho e no exercício de suas funções, sendo mais comuns em relações hierárquicas autoritárias e assimétricas, em que predominam condutas negativas, relações desumanas e aéticas de longa duração, de um ou mais chefes dirigida a um ou mais subordinado(s), desestabilizando a relação da vítima com o ambiente de trabalho e a organização, forçando-o a desistir do emprego.

 

E o caráter maléfico dessas atitudes é obvio: forçando o empregado a demitir, a Empresa deixará de recolher as multas do FGTS (40% para o trabalhador), além de ser obrigado a pagar o aviso prévio indenizado(1 mês de salário).

 

E os métodos altamente eficazes das empresas estão cada vez mais elaborados por políticas de Departamentos de Recursos Humanos procurando "ficar bem na fita"  com a Diretoria e minimizando os impactos do desligamento do funcionário, por vezes contratando um empregado mais barato que o anterior, no entanto, maximizando os efeitos na vida do trabalhador, gerando a longo prazo um passivo trabalhista para a empresa.

 

São os seguintes métodos comumente empregados:

 

  • Escolher a vítima e isolar do grupo.
  • Impedir de se expressar e não explicar o porquê.
  • Fragilizar, ridicularizar, inferiorizar, menosprezar em frente aos colegas de trabalho.
  • Culpabilizar/responsabilizar publicamente, podendo os comentários de sua incapacidade invadir, inclusive, o espaço familiar.
  • Desestabilizar emocional e profissionalmente. A vítima gradativamente vai perdendo simultaneamente sua autoconfiança e o interesse pelo trabalho.
  • Destruir a vítima (desencadeamento ou agravamento de doenças pré-existentes). A destruição da vítima engloba vigilância acentuada e constante. A vítima se isola da família e amigos, passando muitas vezes a usar drogas, principalmente o álcool.
  • Livrar-se da vítima que são forçados/as a pedir demissão ou são demitidos/as, freqüentemente, por insubordinação.
  • Impor ao coletivo sua autoridade para aumentar a produtividade.

 

Certamente o Judiciário Especializado da Justiça do Trabalho está coibindo essa prática, mas com cuidado, evitando assim que a indústria do dano moral invada os tribunais do Trabalho. A consulta a um bom advogado, centrado em suas ações e que trabalhe com seriedade no assessoramento do trabalhador fará a diferença, cumlinando com o sucesso.

 

De outro lado, as Empresas precisam se cercar de advogados com experiência em negociação e reestruturação de negócios. É necessário ainda rever os procedimentos, principalmente no que tange aos relacionamentos com os empregados da empresa e com suas obrigações trabalhistas, previdenciárias e fundiárias, enfim, ajudando as empresas a gestar o seu ativo e passivo trabalhista, bem como trabalhando de forma pró-ativa em face do quadro de instabilidade ético-financeira que assola nosso País.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/assedio-moral-nas-empresas-2421417.html

    Palavras-chave do artigo:

    assedio moral empresa

    Comentar sobre o artigo

    Especialista destaca que a empresa é a responsável por oferecer condições de trabalho adequadas a todos os trabalhadores, individual ou coletivamente

    Por: Eduardo Gastaudl Direito> Doutrinal 18/03/2014 lAcessos: 30

    A presente pesquisa foi elaborada tendo por objetivo estudar o fenômeno assédio moral nas relações de trabalho educacional em face de sua relevância na sociedade. Desta forma pretende-se conhecer, analisar e compreender este mal que atinge as instituições de ensino, buscando contribuir para o esclarecimento do fenômeno, como preveni-lo e reprimi-lo.

    Por: Arianal Educação> Ensino Superiorl 02/04/2011 lAcessos: 1,252
    Antonio de Jesus Trovão

    A previsibilidade do tema do ponto de vista jurídico e normativo.

    Por: Antonio de Jesus Trovãol Direito> Doutrinal 01/09/2010 lAcessos: 498 lComentário: 1

    O artigo, resultado de pesquisa bibliográfica, destaca o assédio moral no trabalho, a ação do agente ativo e as conseqüências do comportamento sobre o trabalhador, com ênfase para as questões psicológicas de ambos os agentes. Aborda ainda a prática do assédio moral, na qual a vítima se vê por repetidas vezes submetida a situações constrangedoras e humilhantes, isolada e ridicularizada perante terceiros, durante a jornada de trabalho e dentro da própria empresa, gerando sequelas negativas não ape

    Por: Charline Rennerl Direitol 25/11/2009 lAcessos: 3,704
    Fred Filho

    Desde quando existe o trabalho, existe o assédio. Mas foi apenas no final dos anos 80 que ele começou a ser estudado e combatido.

    Por: Fred Filhol Direitol 12/01/2014 lAcessos: 18
    Antonio de Jesus Trovão

    Um pequeno estudo sobre o assédio moral e suas repercussões no mundo social.

    Por: Antonio de Jesus Trovãol Direito> Doutrinal 01/09/2010 lAcessos: 251
    Raphael Freire Santos

    O presente artigo traz os principais conceitos referente a dois temas muito importante e pouco tratado na literatura administrativa: diversidade na organização e assédio moral e sexual. Sobral e Peci (2008) comentam o assunto com clareza em sua obra, principalmente quanto à diversidade e a políticas adotadas pelas organizações contra o assédio e o preconceito. Junto a estes, o texto também menciona Robbins, Judge e Sobral (2010), autores importantes da temática.

    Por: Raphael Freire Santosl Negócios> Administraçãol 26/01/2013 lAcessos: 263

    O trabalhador tem na sua reputação, conquistada muitas vezes em anos acumulados de esforço, profissionalismo e dedicação, como seu grande patrimônio. Na relação de trabalho o respeito mútuo entre funcionários ou entre estes e os patrões é um dever de urbanidade, oriundo da capacidade de raciocínio que possuímos. Porém como sabido, tal respeito em muitos casos é ignorado, o que acaba por atingir a honra, a imagem e a dignidade da pessoa, causando-lhe sofrimento.

    Por: Renato Melol Direitol 27/11/2009 lAcessos: 997
    Fred Filho

    O ano de 2013 terminou com uma constatação, no mínimo, preocupante: os casos de assédio moral no trabalho têm sido cada vez mais frequentes na Justiça do Trabalho.

    Por: Fred Filhol Direitol 12/01/2014 lAcessos: 23

    Tanto a maioria da sociedade brasileira como a mídia vê o pedófilo como um criminoso e não um doente. Quanto, ao ordenamento jurídico, não há uma definição da pedofilia como um crime, entretanto aquele pedófilo que comete ato libidinoso responde por abuso de natureza sexual cometido contra criança.

    Por: Gleidson Mateus de Melol Direito> Doutrinal 01/10/2014

    O Direito Sucessório é o ramo do Direito, que cuida da transmissão de bens, direitos e obrigações em decorrência da morte, sendo assim, é um complexo de normas e princípios que regem a transmissão do patrimônio de alguém que morreu a seus sucessores.

    Por: Gleidson Mateus de Melol Direito> Doutrinal 01/10/2014
    Gutenberg Ives

    A inversão ou redistribuição do ônus da prova é um instituto jurídico que tem como finalidade redistribuir o encargo de provar, que se antes era da parte autora, após a inversão passa a ser da parte ré e vice versa. Tendo em vista que a legislação trabalhista não dispõe de forma expressa sobre este instituto, será abordada ao longo do trabalho a aplicação da inversão do ônus da prova no processo trabalhista.

    Por: Gutenberg Ivesl Direito> Doutrinal 30/09/2014
    André Boaratti

    O presente artigo pretende investigar de que forma a II Guerra Mundial, como um evento único na história, contribuiu para construir as condições que tornaram possível o surgimento de um novo contexto internacional, a Globalização, e qual o papel do Direito Internacional nesse processo de mudança.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 30/09/2014

    Diretor do Sindispge alerta que, em momento de campanha, todos os candidatos fazem diversas promessas sem a possibilidade de cumprir se eleitos forem

    Por: Sindispgel Direito> Doutrinal 25/09/2014

    O presente artigo tem o escopo de, em breves linhas, analisar as relações entre padrastos/madrastas e seus enteados e fazer um estudo sobre a convivência destes com os estigmas culturais e com a necessidade de conciliação entre famílias que se desconstituíram e em seguida foram reconstituídas. Trata-se de uma verificação deste novo formato familiar formalmente reconhecido pela carta magna vigente, e da convivência que se faz necessária a partir de sua existência. O intuito é esclarecer que, embo

    Por: ana karolinal Direito> Doutrinal 23/09/2014

    O presente artigo tem o escopo de, em breves linhas, estudar o que são e como se formam as famílias reconstituídas, a relação de convivência e o estabelecimento do parentesco decorrente de vínculos de afeto nas referidas famílias. Trata-se de uma verificação deste novo formato familiar formalmente reconhecido pela carta magna vigente, e da convivência que se faz necessária a partir de sua existência. O intuito é esclarecer que, a constituição Federal de 1988 passou a reconhecer essa nova forma d

    Por: ana karolinal Direito> Doutrinal 23/09/2014
    SERGIO FRANCISCO FURQUIM

    Temos que enfrentar sem medo só assim este excesso de poder por parte destas pessoas que acha que pode tudo vai acabar, mas só vai acabar se nós não acovardarmos e sim enfrentar com determinação sem medo de represália.

    Por: SERGIO FRANCISCO FURQUIMl Direito> Doutrinal 21/09/2014

    O trabalho enfoca os cuidados com as obrigações acessórias no Estado de São Paulo e as penalidades que se sujeitam as empresas que não se adequam a estas exigências.

    Por: Erick Alfredo Erhardtl Direito> Direito Tributáriol 09/09/2010 lAcessos: 1,261 lComentário: 1

    Eestudo sobre a obrigatoriedade e consequencias da não abertura da CAT no prazo adequado pelo empregador; obrigatoriedade da SIPAT

    Por: Erick Alfredo Erhardtl Direito> Doutrinal 07/07/2010 lAcessos: 3,861 lComentário: 3

    Conceituação de mão de obra, adiantamento de pagamentos e retenção previdenciária na fonte, hipóteses de emissão de Nota Fiscal e Inidoneidade

    Por: Erick Alfredo Erhardtl Direito> Direito Tributáriol 05/07/2010 lAcessos: 7,387

    Notas Fiscais, cuidados e penalidades por má conservação

    Por: Erick Alfredo Erhardtl Direito> Direito Tributáriol 05/07/2010 lAcessos: 953

    A atenta adequação de procedimentos fiscais da empresa quanto aos estoques ilide penalidades fiscais.

    Por: Erick Alfredo Erhardtl Direito> Direito Tributáriol 03/07/2010 lAcessos: 3,611

    A pratica de repassar impostos ao consumidor é ilegal e fere o Codigo de Defesa do Consumidor

    Por: Erick Alfredo Erhardtl Direito> Direito Tributáriol 10/06/2010 lAcessos: 496
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast