Bem de Família

Publicado em: 23/06/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 1,494 |

Introdução

De acordo com o art. 226, da Constituição Federal, a família, que é a base da sociedade, possui especial proteção do Estado, e é dentro desta proteção que está resguardado o instituto do bem de família. Regulado pelo Código Civil de 2002 e pela Lei nº 8009/90, este preceito se vale para resguardar o domicílio familiar, tornando-o impenhorável.

 

Evolução Histórica

Primeiramente surgiu nos Estados Unidos, com a denominação de homestead. Este instituto garantia aos chefes familiares, uma proteção a uma determinada área rural, não superior a dois acres de terra, que não poderia sofrer alienações judiciárias sobre dividas posteriores a aquisição da propriedade. Posteriormente, uma lei federal no território norte-americano, no ano de 1862, tratou da matéria, isentando de penhora as pequenas propriedade familiares.

No Brasil, surgiu com o advento do Código Civil de 1916, no qual estabelecia o direito aos chefes familiares na escolha de seu domicilio para que não recaíssem sobre as execuções por dividas. Somente no novo Código Civil de 2002, é que o instituto foi para a matéria de Direito de família, ficando estabelecido que os cônjuges ou entidade familiar podem destinar parte de seu patrimônio para instituir bem de família, mantendo as regras de impenhorabilidade do imóvel residencial estabelecido.

 

Conceito

O bem de família não possui uma definição expressa no nosso ordenamento, porém a analise dos dispositivos são suficientes para tanto. Assim o bem de família, seria:

Segundo Maria Helena Diniz: "O bem de família voluntário é um instituto originário dos Estados Unidos ou, melhor, do Texas, onde, em 1839, editou-se o Homestead Excemption Act, e tem por escopo assegurar um lar à família ou meios para seu sustento, pondo-a ao abrigo de penhoras por débitos posteriores à instituição, salvo as que provierem de tributos relativos ao prédio (IPTU ou ITR, p. ex.), ou de despesas condominiais."

Segundo Carlos Roberto Gonçalves: "A instituição do bem de família é uma forma de afetação do imóvel residencial a um destino especial, tornando-o o asilo da família e, assim, impenhorável por dívidas posteriores à sua constituição."

Segundo Caio Mário: "A instituição do bem de família é uma forma da afetação de bens a um destino especial, que é ser a residência da família, e, enquanto for, é impenhorável por dívidas posteriores à sua constituição."

 

Espécies

Com base no Código Civil, art.s 1.711 a 1.722, surge o bem de família voluntário, resultante da vontade dos cônjuges, companheiros ou terceiros. Já o involuntário, surge apenas com a previsão legal, instituído pela Lei nº 8009/90.

 

- Voluntário

O Código Civil em seu art. 1.711 declara o direito que um dos cônjuges, entidade familiar ou terceiro possuem de declarar o bem de família, mediante escritura pública ou testamento. No caso de terceiro que institua, deve haver expressa aceitação entre os cônjuges ou entidade familiar. Ainda no mesmo dispositivo, há a restrição quanto ao valor do patrimônio a ser destinado, que não pode ultrapassar 1/3 (um terço) do patrimônio liquido do instituidor. Essa limitação acaba gerando uma restrição na atribuição do bem familiar, nas palavras de Maria Helena Diniz: "Fácil é perceber que somente os mais favorecidos economicamente poderão fazer uso deste instituto para garantia de sua famílias, visto que o seu objeto não pode ultrapassar um terço do patrimônio. Logo, quem possuir apenas um imóvel não poderá instituí-lo convencionalmente, visto que, pela Lei n. 8.009/90, ter-se-á o bem de família legal; quem tiver dois de valor equivalente e quem for proprietário de três imóveis não poderá instituir como bem de família o de maior valor, salvo se possuir valores mobiliários."

De acordo com o art. 1.712, Código Civil bem familiar será prédio residencial urbano ou rural, com seus acessórios, destinados ao domicilio familiar, podendo ainda abranger valores mobiliários, desde que aplicados na conservação do imóvel e no sustento da família, não podendo exceder o valor do prédio instituído, a época de sua instituição. (art. 1.713, Código Civil).

Somente será constituído com o devido registro do seu título no Registro de Imóveis, segundo o art. 1.714,
e a partir daí, segundo o art. 1.715, está declarada isenção à execução por dívidas posteriores a sua instituição, salvo as que provierem de tributos relativos ao prédio, ou de despesas de condomínio.

Por fim, o bem de família e os valores mobiliários a ele constituídos não podem sofrer destinação diversa do previsto, tão pouco serem alienados sem o consentimento dos interessados e seus representantes legais, de acordo com o art. 1.717, do Código Civil.

 

- Involuntário

É o tipo de bem de família imposto pelo Estado, por norma de ordem pública, é a proteção sobre a entidade familiar. A lei n. 8.099/90, declara que o imóvel residencial do casal, ou entidade familiar, é impenhorável, não respondendo por qualquer tipo de dívida civil, comercial, fiscal, previdenciária ou de outra natureza, contraída pelos cônjuges ou pelos pais ou filhos que sejam seus proprietários e nele residam, salvo hipóteses expressas em lei, previstas nos art.s 2º e 3º, I a VII, da referida lei.

 

Extinção

A causa de extinção do bem de família é a morte de ambos os cônjuges e a maioridade dos filhos, estes desde que não sujeitos a curatela, de acordo com o art. 1.722, do Código Civil. Ainda, em relação aos cônjuges, somente com a morte de ambos, pois a dissolução do casamento, não extingue o bem de família, como diz o art. 1.719, do referido código.

 

Conclusão

Em face do acima exposto, pode-se concluir que o bem de família é o instituto que visa resguardar a entidade base da sociedade, que é a família, com os dispostos na Constituição Federal, Código Civil e Lei n. 8009/90, através da proteção de um imóvel para residência familiar, representando segurança e desenvolvimento dos membros que ali residem.

 

Referências Bibliográficas

GONÇALVES, Carlos Roberto. Sinopses Jurídicas - Direito de Família. 13ª Ed. Editora Saraiva, 2008.

DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro – Volume 5 – Direito de Família. 24ª ed. São Paulo : Editora Saraiva, 2009.

PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de Direito Civil – Volume V – Direito de Família. 17ª Ed. Editora Forense, 2009.

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/bem-de-familia-2708532.html

    Palavras-chave do artigo:

    bem de familia

    Comentar sobre o artigo

    O bem de família ocupa posição importante no Direito Privado Contemporâneo. O instituto recebe, no ordenamento jurídico brasileiro, duplo tratamento legal, tanto na Lei 8.009/1990 quanto no Código Civil de 2002 (Lei nº 10.406/2002).

    Por: João Alós Müllerl Direito> Legislaçãol 25/10/2014 lAcessos: 55
    Karolini Tokarski

    É certo que a Lei de Impenhorabilidade do Bem de Família não pretende, em hipótese alguma, incentivar a inadimplência do devedor, dando-lhe meios para se utilizar do subterfúgio da impenhorabilidade, mas sim, garantir ao devedor e sua família que não sejam privados de sua moradia.

    Por: Karolini Tokarskil Direito> Jurisprudêncial 30/07/2011 lAcessos: 1,109

    O tema a ser abordado, tem como objetivo esclarecer o que é considerado bem de família, o porque de sua existência, quais suas modalidades e os motivos pelo qual ele visa a proteção da moradia da família e sua possível extinção.

    Por: Lorraine Laís Barrosl Direitol 10/06/2011 lAcessos: 970
    Felipe Vilela Freitas

    Breve doutrina acerca do instituto jurírico que visa à proteção da família, impedindo a penhora do seu imóvel residencial. São expostos os dois tipos de bem de família, com suas especificações quanto à forma de instituição, objeto, forma de extinção e demais relações, bem como a comparação com o Código Civil revogado.

    Por: Felipe Vilela Freitasl Direito> Doutrinal 19/12/2009 lAcessos: 5,605

    O bem de família que tenha finalidade de domicílio familiar, pode ser prédio residencial urbano rural e seus acessórios, é isento de execução por dívidas posteriores à sua instituição, exceto se tiverem relação a tributos do prédio ou despesas de condomínio. Esta isenção existirá enquanto forem vivos os cônjuges, e na falta deles, até que os filhos completem a maioridade.

    Por: PRISCILAMARTINSl Direito> Doutrinal 29/05/2011 lAcessos: 561
    Stella Dalvi

    - CABIMENTO DA DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DO ARTIGO 3º DA Lei 8.009 " Em 1991 a Lei 8.245 acrescentou ao artigo 3º da Lei 8.009 de 1990 o inciso VII, autorizando a penhora o bem de família daquele que assina o contrato de fiança em razão de um contrato de aluguel..."

    Por: Stella Dalvil Direito> Doutrinal 12/12/2011 lAcessos: 309
    Marcelo Bacchi Corrêa da Costa

    Os inadimplentes com as despesas do condomínio respondem pelo não cumprimento da obrigação, podendo o imóvel ser penhorado para garantia de pagamento da dívida, pois a regra da impenhorabilidade do bem de família não alcança dos débitos condominiais.

    Por: Marcelo Bacchi Corrêa da Costal Direito> Doutrinal 26/09/2013 lAcessos: 53

    O instituto do bem de família, impenhorável por força da lei, foi criado para proteger a entidade familiar das crises econômicas. Em 1991, a Lei nº 8.245, em seu art. 82, introduziu mais uma possibilidade de penhora do bem de família, com precisão no art. 3° da Lei 8.009/90, em que o fiador responde com seu bem de família em razão de contrato de aluguel não cumprido pelo inquilino.

    Por: João Alós Müllerl Direito> Doutrinal 25/10/2014 lAcessos: 18

    O bem de família brasileiro, está intimamente ligado a dignidade da pessoa humana, como também aborda a problemática da distribuição de terras e a conquista do lar familiar. A evolução humana consiste na evolução social e a transformação dos paradigmas ou dogmas, estamos diante de uma sociedade dinâmica que á cada dia se diferencia em um conceito plural e despida de preconceitos, em um contexto social e uma visão inovadora sobre o direito fundamental familiar.

    Por: Sávia Alves Pereiral Direitol 11/08/2012 lAcessos: 92

    O Presente artigo relata em poucas palavras o início do contexto histórico da criação da Lei 8072, descrevendo suas finalidades e um pouco da situação do país da década de 80 e no início dos anos noventa.

    Por: ALINE SOBREIRA VIANAl Direito> Doutrinal 19/01/2015

    O artigo discorre sobre as Leis de ascensão das Praças ao Oficialato, e busca encontrar um parâmetro de convergência dos dispositivos constitucionais com os atuais mecanismos de ingresso da Praça ao Oficialato, convergindo para uma ideia de carreira única a qual é a carreira policial militar.

    Por: Laciel Rabelo de Castro Costal Direito> Doutrinal 18/01/2015
    ENDERSON BLANCO

    O investigado ou indiciado a prestar esclarecimentos que não comparece ao ato não está sujeito à condução coercitiva pela polícia civil, mas pode incorrer no crime desobediência. A função de polícia judiciária e de apuração de infrações penais atribuídas às policias civil pelo art. 144, § 4º do texto magno não lhe confere poderes para decretar medidas cautelares de coação pessoal,

    Por: ENDERSON BLANCOl Direito> Doutrinal 14/01/2015

    A redução da maioridade penal envolve a questão da criminalidade praticada por adolescentes. Há um crescente envolvimento dos jovens no crime. Para grande parte da sociedade o adolescente é impune aos seus atos , sob o argumento de que a lei é muito branda.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    As medidas socioeducativas privativas de liberdade são aquelas cumpridas em meio fechado. São aplicadas diante de circunstancias graves e se dividem em Semiliberdade e e internamento.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    As medidas socioeducativas não privativas de liberdade são aquelas cumpridas em meio aberto. Estão elencadas no art. 112 e especificadas nos arts. 115 a 119 do Estatuto da Criança e do Adolescente. São elas - advertência, obrigação de reparar o dano e prestação de serviços à comunidade.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    A inimputabilidade, causa de exclusão da responsabilidade penal não significa irresponsabilidade pessoal ou social. O Estatuto da Criança e do Adolescente prevê Medidas Socioeducativas e Medidas de Proteção eficazes.Reconhece a possibilidade de privação provisória de liberdade ao infrator e oferece uma gama de alternativas de responsabilização, sendo a mais grave a imposição de internamento sem atividades externas.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    A Constituição Federal de 1988 estabelece que a idade penal inicia-se aos 18 anos de idade e que o adolescente infrator responde por seus atos perante a legislação especial. A idade penal é uma garantia constitucional, o mesmo acontece com a responsabilização especial, ambas implantadas como cláusula pétrea, na Carta Magna.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    Este artigo tem por finalidade descrever brevemente os institutos da herança jacente e da herança vacante, dentro do direito sucessório brasileiro.

    Por: Thiago Olivato Venturosol Direito> Doutrinal 14/12/2010 lAcessos: 695
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast