DESERDAÇÃO

Publicado em: 26/11/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 4,265 |

 

DESERDAÇÃO

 

Trata-se da exclusão dos herdeiros necessários feita pelo autor da herança tendo em vista o fato de que esse herdeiro praticou um ato reprovável definido em lei. Essa manifestação da vontade tem que ser feita por testamento, onde existirá a declaração expressa da causa.

 O indigno pode ser o herdeiro necessário e testamentário. Diferente do deserdado que só pode ser herdeiro necessário. O herdeiro necessário tem a garantia legal de receber a parte indisponível da herança, para não recebê-la, tem que ser indigno ou deserdado. Já na deserdação autor da herança diz que não quer que tal pessoa receba herança. Tem que ser feita, obrigatoriamente, através de testamento. Deve constar a causa da deserdação, que deve ser um ato reprovável e a lei tem que permitir a deserdação. A

Deserdação é pena, portanto, depende de ação, de sentença, como a Ação Declaratória de Deserdação, cuja inicial deve ser instruída com o testamento. O ônus da prova da causa da deserdação é do autor da ação, porque ao testador cabe tão somente indicá-la e dizer que quer deserdar a pessoa. Um exemplo:  Ao autor da herança basta dizer "Deserdo meu filho X porque tentou contra minha vida". Se o autor da ação não provar a causa da deserdação, ou seja, não provar a tentativa de homicídio, o herdeiro não perde seus direitos.

Autor da ação declaratória de deserdação pode ser qualquer pessoa interessada na exclusão.

 

Podemos ver o artigo do Código de Processo Civil:

 

Art. 1.961. Os herdeiros necessários podem ser privados de sua legítima, ou deserdados, em todos os casos em que podem ser excluídos da sucessão.

 

                                CAUSAS QUE A LEI PERMITE A DESERDAÇÃO – são dois grupos:

 

  • Todos os motivos da indignidade servem como causa da deserdação.
  • Art. 1962 e 1963 – são as causas particulares de deserdação.

 

                                 CAUSAS QUE DESERDAM A DESCENDÊNCIA – ascendente deserdando seu descendente.

 

  • Ofensa física – genericamente é qualquer lesão no corpo da pessoa (ex.: um tapa) – QUALQUER OFENSA FÍSICA é motivo de deserdação – dolosa ou culposa, tentada ou consumada (independentemente de ação penal).
  • Injúria grave – aqui, diferente da indignidade, não precisa de ação penal, basta a injúria.
  • Relações ilícitas com a madrasta ou padrasto (esposa ou companheiro) = relações sexuais – o ato de deserdação quem comete é o filho, quem deserda é o pai. Assim, se o filho transar com a própria mãe ou com a mulher de seu avô, não há a causa para deserdar.
  • Desamparo do ascendente em grave enfermidade ou alienação mental – amparo aqui é financeiro, emocional, espiritual, etc.
    • Mas, e no caso de alienado mental, como deserdar? O alienado mental não tem capacidade civil. Testamento é ato personalíssimo, portanto, o curador ou procurador não pode fazê-lo pelo autor da herança. Se o alienado testar, é nulo o testamento. Então, essa hipótese só haverá no caso de ex-louco. Agora, p.ex., o pródigo pode testar porque tem a capacidade civil, só não pode gastar.

 

                                CAUSAS QUE DESERDAM A ASCENDÊNCIA – aqui, é o filho que deserda o pai, ou o neto que deserda o avô, p.ex.

  • Ofensa física – qualquer uma.
  • Injúria grave – basta haver a injúria e esta ser grave.
  • Relações ilícitas com a mulher ou com o marido (companheira ou companheiro) do filho ou do neto.
  • Desamparo do filho ou neto com deficiência mental ou grave enfermidade – filho deserdando pai, e neto deserdando avô.

 

 

NÃO TEM CAUSAS PARA DESERDAR O CÔNJUGE DE FORMA PARTICULAR – este só poderá ser deserdado pelos motivos da indignidade.

 

O prazo para provar a causa da deserdação é de 04 anos da abertura do testamento ≠ da indignidade, que o prazo começa com a morte.

 

Todos os efeitos da indignidade aplicam-se à deserdação.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/deserdacao-3738989.html

    Palavras-chave do artigo:

    deserdacao

    ,

    herdeiros

    Comentar sobre o artigo

    A deserdação é um instituto que visa a exclusão do herdeiro necessário da herança, quer da parte legítima ou da parte disponível. Esse instituto, no decorrer dos anos vem sido muito discutido e, em alguns ordenamentos, até não admitido. Contudo, a deserdação visa dar ao testador a opção de escolher, diante da forma pela qual seus herdeiros se relacionam com ele, quais deles poderão usufruir ou não do seu acervo patrimonial após a sua morte.

    Por: Auster Abilio Monteirol Direito> Legislaçãol 18/11/2010 lAcessos: 765

    O objetivo, deste trabalho é permitir ao leitor maiores esclarecimentos quanto a deserdação. como quem pode deserdar? e suas consequências entre outras...

    Por: João Paulo Souza Pinal Direito> Doutrinal 23/05/2011 lAcessos: 386

    Herdeiros necessários são assim chamados por não poderem ser retirados da sucessão, tendo sempre direitos na sucessão aberta, salvo nos casos previstos em lei de indignidade e deserdação. Os herdeitos necessários estão definidos no Código Civil em seu artigo 1845 como sendo, os descendentes, os ascendentes e os cônjuges.

    Por: Calil Marques Faissall Direito> Doutrinal 14/06/2011 lAcessos: 1,329

    Uma breve análise das duas formas de afastamento do herdeiro da sucessão, quais sejam, a indignidade e a deserdação.

    Por: Najla Pinheirol Direitol 09/11/2010 lAcessos: 1,713

    Trata-se o presente estudo de um pequeno apanhado de diversos autores famosos daquilo que vem a ser o direito das sucessões.

    Por: Silvana Aparecida Wierzchónl Direitol 16/04/2008 lAcessos: 23,231
    Juliana Gentilini David

    Esse artigo é para ressaltar o Princípio da Liberdade de Testar que tem como base a doutrina e jurisprudência predominante sobre o assunto, devendo ressaltar o direito dos herdeiros necessários.

    Por: Juliana Gentilini Davidl Direito> Doutrinal 11/06/2011 lAcessos: 1,202 lComentário: 3

    Texto que lida sobre a extinção da adoção. Suas possibilidade de ocorrência e parte da legislação seca.

    Por: Geovanni de V. C. Santosl Direito> Doutrinal 21/06/2010 lAcessos: 285
    Nelson B. Sousa

    Este trabalho que encontrei durante pesquisas na internet, que acredito que sirva para todos os leitores entenderem o que regra o novo CC sobre Direito de Sucessões.

    Por: Nelson B. Sousal Direitol 16/12/2008 lAcessos: 29,362 lComentário: 1

    Este trabalho tem por finalidade abordar matéria respectiva a aceitação e a renúncia na herança em direito civil, no tocante a matéria de sucessões.

    Por: Fábio Barroso Gentilinil Direitol 24/11/2009 lAcessos: 3,232

    Administração Pública é o vocábulo que abrange tanto a atividade superior de planejar, dirigir, comandar, como a atividade subordinada de executar (DI PIETRO, 2010).

    Por: Rafael de Oliveiral Direito> Doutrinal 27/10/2014

    O instituto do bem de família, impenhorável por força da lei, foi criado para proteger a entidade familiar das crises econômicas. Em 1991, a Lei nº 8.245, em seu art. 82, introduziu mais uma possibilidade de penhora do bem de família, com precisão no art. 3° da Lei 8.009/90, em que o fiador responde com seu bem de família em razão de contrato de aluguel não cumprido pelo inquilino.

    Por: João Alós Müllerl Direito> Doutrinal 25/10/2014

    Advogado alerta que a nova Lei da Guarda Compartilhada pode abrir precedente da obrigatoriedade da guarda compartilhada de filhos no caso dos pais não chegarem a um acordo

    Por: João Clairl Direito> Doutrinal 23/10/2014

    Os direitos oriundos das relações trabalhistas vêm sendo discutidos conquistados com o decorrer do tempo, dentro dessa ótica verifica-se uma evolução associativa entre classes de empregadores e trabalhadores, que se encontram cada vez mais unidas para atingir fins que beneficiem a coletividade da qual fazem parte. No presente texto pretende-se alinhar as diversas linhas de raciocínio existentes e controversas a respeito do tema em questão, buscando ainda fazer relação com os valores consagrados

    Por: Vera Lucia braga Duartel Direito> Doutrinal 22/10/2014

    Esse trabalho tem como objetivo esclarecer o que são contribuições sociais e quais as contribuições que se constituem, apresentando de que forma é calculada a contribuição tanto do empregado, doméstico e trabahador avulso. Observa-se portanto, qual a aplicação da alíquota para cada tipo de contribuinte, assim como valores mínimos que devem ser colaborados. Resta saber também, quais os percentuais de contribuição.

    Por: Simone Follmerl Direito> Doutrinal 21/10/2014

    O trabalho envolve questões referente a jornada de trabalho e os direitos do trabalhador.

    Por: Simone Follmerl Direito> Doutrinal 21/10/2014

    O adiantamento de contrato de cambio está conceituado nos informativos da BACEN como uma antecipação parcial ou total da moeda nacional relativa ao preço da moeda estrangeira vendida ao banco autorizado a operar no mercado de câmbio, pelo exportador, para entrega futura, feita antes do embarque da mercadoria ou da prestação do serviço.

    Por: Simone Follmerl Direito> Doutrinal 21/10/2014

    Projeto de monografia quais ações cautelares são passiveis de registrar ou averbar nos Registros de Imoveis, que podem ser Arresto Sequestro, Caução Penhora

    Por: Cristiane Duartel Direito> Doutrinal 19/10/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast