Direito de Propriedade e suas características

Publicado em: 08/06/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 1,150 |

DIREITO DE PROPRIEDADE

Introdução

O direito de propriedade é o direito real mais amplo. Destaca-se que há uma ligação íntima entre a propriedade e a posse, pois a posse é o direito real concreto, é a exteriorização da propriedade, provocando uma relação entre a pessoa e a coisa.

Como cita o autor Carlos Roberto Gonçalves, "a configuração do instituto da propriedade recebe direta e profundamente influência dos regimes políticos em cujos sistemas jurídicos é concebida. Em conseqüência, não existe, na história do direito, um conceito único do aludido instituto."[1]

Códigos estrangeiros

Os juristas romanos não definiram o direito de propriedade em si, porém encontramos em suas fontes, indícios dos elementos que o formam. Os caracteres do direito de propriedade desenvolveram-se claramente como um direito fundamental. Sendo assim, o direito romano passou a ser profundamente representativo da idéia de propriedade.

Porém, somente em 1803, no Código de Napoleão, que encontrou sua afirmação máxima. Em seu texto, no artigo 544, definiu um conceito legal de propriedade: "a propriedade é o direito de gozar e dispor das coisas da maneira mais absoluta, uma vez que não se faça um uso proibido pelas leis e regulamentos."

Léon Duguit, considerado o precursor da idéia de que os direitos só se justificam pela missão social para a qual devem contribuir, defendeu a propriedade privada em sua teoria da função social da propriedade, que se destacou com suas teses do socialismo jurídico. Para ele, "a propriedade deixou de ser o direito subjetivo do indivíduo e tende a se tornar a função social do detentor da riqueza mobiliária e imobiliária; a propriedade implica para todo detentor de uma riqueza a obrigação de empregá-la para o crescimento da riqueza social e para a interdependência social. Só o proprietário pode executar uma certa tarefa social. Só ele pode aumentar a riqueza geral utilizando a sua própria; a propriedade não é, de modo algum, um direito inatingível e sagrado, mas um direito em contínua mudança que se deve modelar sobre as necessidades sociais às quais deve responder. "[2]

O Código Civil brasileiro e a propriedade

Já no Código Civil brasileiro dispõe em seu artigo 524 que o proprietário tem o direito de usar, gozar, dispor e reaver sobre sua propriedade e à posse. Além de estabelecer as disposições gerais e regular a propriedade nos art. 524 ao 673.

A Constituição de 1967 e na Lei Magna de 1946, definiram a função social da propriedade e ressaltam que o uso da propriedade é condicionado ao bem-estar social.

Conceito

Lafayette Rodrigues Pereira e Lacerda de Almeida foram os dois tratadistas sobre a propriedade no Brasil. Lafayette admitiu duas acepções do direito de propriedade: uma acepção genérica, que abrange todos os direitos que formam o nosso patrimônio, todos os direitos que podem ser reduzidos a valor pecuniário e admite a propriedade como o conjunto de direitos que formam o patrimônio. E outra restrita que compreende o direito que tem por objeto as coisas corpóreas. A qual recebe, geralmente, o nome de domínio, que se define como o direito real que vincula a coisa corpórea à nossa vontade, na substancia, acidentes e acessórios.

Pelo código, salvo prova em contrário, é característica do domínio presumir-se exclusivo e ilimitado. Ilimitado porque é pleno e exclusivo devido ao titular exercer os direitos nele contidos. Os frutos e demais produtos da coisa são de direito do proprietário, mesmo quando separados, salvo se couberem a outrem por motivos jurídicos.

Características

De um modo geral, a propriedade apresenta cinco características: 1- absoluta, pois é plena; 2- perpétua, significa que o direito tem uma duração ilimitada; 3- exclusiva, pois proíbe que os outros tenham ou exerçam sobre a coisa qualquer dominação; 4- aderente, significa que a coisa está submetida juridicamente ao titular; 5- ilimitada, que é comparado ao pleno.

A propriedade do solo abrange toda a sua altura e toda a profundidade úteis ao seu exercício. Ao tratar-se da extensão para cima, o espaço aéreo é considerado via de comunicação, mas esta matéria é regulada por leis especiais, em todos os países, com o direito que assiste ao proprietário de ser indenizado por causa dos danos provocados pelo exercício do direito de vôo.

No que diz respeito ao subsolo, extensão para baixo, onde se encontram riquezas como minas, que interessam à economia nacional, há diversas soluções: 1- as riquezas ou minas existentes devem ser consideradas res nullius (não tem dono); 2- pertencem ao proprietário do solo; 3-  é a adotada, as riquezas do subsolo pertencem ao Estado.

Espécies e classificações

A propriedade pode ser classificada a partir de diversas perspectivas: quanto à natureza do objeto: pode ser material, que é aquela que diz respeito a coisas corpóreas e a imaterial, aquela concerne a coisas incorpóreas.

Quanto à extensão do poder, pode ser plena ou limitada. Plena é aquela onde todos os direitos elementares que a formam se acham reunidos na pessoa do proprietário e será limitada/restrita quando algum ou alguns dos seus direitos elementares se destacam do domínio pleno, sendo atribuídos a outrem.

Em uma terceira perspectiva, a propriedade será imóvel quando não se pode transportar de um lugar para outro, sem que lhe altere a natureza e móvel quando são suscetíveis do movimento próprio ou de remoção por força alheia sem alteração de sua substância.

Aquisição e perda de propriedade móvel e imóvel

O art. 530 do CC, prevê as formas de aquisição da propriedade imóvel, que pode ocorrer pela transcrição do título de transferência no Registro de Imóveis; pela acessão; pelo usucapião; pelo direito hereditário. Podendo ser originário, quando não tem vínculo com o anterior ou, derivado, quando a aquisição atual tem relação com a aquisição anterior da propriedade. Já a perda deste tipo de propriedade pode ocorrer pela alienação; renúncia; abandono; ou perecimento do imóvel.

A aquisição da propriedade móvel se da pela simples tradição e, sua perda ocorre com a alienação contratual, a renúncia, o abandono, o perecimento e a desapropriação.

 

 

[1] Direito civil brasileiro, volume 5: direito das coisas /  Carlos Roberto Gonçalves. – 6. Ed. – São Paulo : Saraiva, 2011, p.229.

[2] Las transformaciones Del derecho público y privado, p. 236.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/direito-de-propriedade-e-suas-caracteristicas-4878968.html

    Palavras-chave do artigo:

    propriedade funcao social proprietario

    Comentar sobre o artigo

    Análise do insituto da progressividade fiscal, no tempo, a partir da perspectiva da obediência ao Princípio da função social da propriedade urbana. Para obter o artigo completo escreva ao autor.

    Por: Luiz Ricardo Bortolottol Direito> Direito Tributáriol 16/08/2012 lAcessos: 402
    Bruna Victório Bindaco

    O presente artigo analisa a Função Social da Empresa, trazendo suas previsões legais e doutrinárias, aplicações no seio da sociedade e benefícios para a nação. A partir deste ficará claro como as empresas são importantes para o desenvolvimento de um estado, vez que é ela que produz aquilo que a população consome, que gera emprego e renda para o povo, e realiza muitas outras ações.

    Por: Bruna Victório Bindacol Direito> Doutrinal 01/02/2013 lAcessos: 72

    O presente artigo visa à demonstrar como perfaz o direito à cidade no ordenamento jurídico nacional, buscando explicar suas funções sociais, diante de uma perspectiva constitucional e infraconstitucional.

    Por: Camila Albuquerque Freirel Direitol 25/06/2014 lAcessos: 12

    O imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU desde quando instituído na primeira constituição da República Federativa do Brasil, passou por várias mudanças algumas interferindo menos outras mais em sua estrutura, mas em relação aos seus aspectos objetivos estes continuaram praticamente os mesmo no decorrer do tempo e é isto que se analisará neste trabalho juntamente com sua evolução até os dias atuais.

    Por: Mauro Cesar de Cruz e Souzal Direito> Doutrinal 20/09/2008 lAcessos: 2,718 lComentário: 2
    ANGELA ACOSTA GIOVANINI DE MOURA

    A função social da cidade foi mencionada pela primeira vez na Carta de Atenas de 1933, produto do 4. ° Congresso Internacional de Arquitetura Moderna,onde ficou estabelecido que a atividade urbanística está ligada a quatro funções: habitar, trabalhar, recrear-se e circular. Por isso, a partir desse documento histórico, as funções sociais da cidade foram alcançando todas as variáveis da vida humana: saúde, educação, lazer, segurança, visando a uma sadia qualidade de vida, conforme determina o a

    Por: ANGELA ACOSTA GIOVANINI DE MOURAl Direito> Doutrinal 13/10/2009 lAcessos: 957

    O presente estudo analisa a posse, domínio e propriedade no Direito Civil Brasileiro. Verificou-se que a propriedade visa garantir ao indivíduo o direito de usar, fruir, bem como dispor e reaver a coisa, enquanto que o referido direito está previsto no art. 5º, XXII da Constituição Federal, como direito fundamental, pois a mesma faz parte da dignidade da pessoa humana.

    Por: IDERLAN SOARES DO NASCIMENTOl Direitol 19/08/2014 lAcessos: 21

    O propósito desse texto é perpassar o atributo da perpetuidade da propriedade, bem como na evidência de que o direito de propriedade não mais pode ser visualizado, sob a ótica constitucional e das diretrizes que regem o atual Código Civil, em especial o princípio da operabilidade, como um direito pleno, intangível, independentemente de fatores externos que possam enfraquecê-lo, posto que sofre uma gama de fatores que podem revogar tal direito.

    Por: rogeriol Direito> Doutrinal 29/11/2010 lAcessos: 782

    A Intervenção do Estado na propriedade: uma visão com base no Direito Constitucional e Administrativo, suas modalidades e principais características.

    Por: Juliana Castejonl Direito> Doutrinal 07/06/2011 lAcessos: 851
    Beatriz Freitas

    É a faculdade que o Estado tem de intervir na propriedade privada visando o bem estar social.

    Por: Beatriz Freitasl Direito> Doutrinal 29/06/2012 lAcessos: 258
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    SUMÁRIO 1. CLASSIFICAÇÃO DAS OBRIGAÇÕES. 2. OBRIGACOES DE MEIO. 3. OBRIGACAO DE RESULTADO. 4. CONCLUSAO. 5. REFERENCIAS

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    SUMÁRIO. 1 TEORIA DA IMPREVISÃO. 1.1. CONCEITO. 1.2. REQUISITOS. 2 TEORIA DA SUPERVENIENCIA. 2.1. CONCEITO E REQUISITOS. 3 CONCLUSÃO. 4 REFERENCIAS

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    Sumário. 1. INTRODUÇÃO. 2. RAZAO DA EXISTENCIA DOS TITULOS DE CREDITO. 3. CARACTERISTICAS DOS TITULOS . 4. SAQUE OU EMISSAO, ACEITE, AVAL E ENDOSSO.5. IMPOSSIBILIDADE TECNICA DE INCLUSAO EM DOCUMENTOS ASSINADOS DIGITALMENTE. 6. CONCLUSAO E CRITICA

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    Direito Ambiental. Órgão de Atuação. IAP. Atuação e História. Controle de infrações. Conceito de Direito Ambiental. O Direito Ambiental é a área do conhecimento jurídico que estuda as interações do homem com a natureza e os mecanismos legais para a proteção do meio ambiente.

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    Consultoria e modelo de contrato de lavra de empresa de sociedade por responsabilidade limitada

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    Estudo baseado no livro "Temas de Psicologia Jurídica" de Leila Maria Torraca de Brito. Nele é possível adquirir uma visão mais amplificada da utilização da Psicologia jurídica dentro da aplicação do Direito.

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    Direito Romano. Conjunto de regras, que regem a sociedade romana desde as suas origens.

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    Necessidade de reequilíbrio econômico-financeiro dos contratos administrativos em função de ocorrências não previstas

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast