Direito penal - art 122 do código penal

Publicado em: 13/12/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 1,172 |

Induzimento, Instigação ou Auxílio a suicídio – art. 122.

O Direito Canônico comparava o suicídio ao homicídio. Excomunhão e negativa à sepultura cristã.

Hoje: "deliberada destruição da própria vida".

-  Repressivo: Pena a cadáver???

-  Preventivo: Ameaça inútil, podendo provocar nova tentativa.

Tentativa: não é considerada conduta delitiva.

Participação: punível. A e B como co-autores e A – induzir alguém a instigar outrem - (partícipe) de B (autor).

Obs.: Embora atípico é fato ilícito. Logo, não constitui constrangimento ilegal a coação exercida para impedi-lo (146, § 3º, II).

 Bem jurídico: vida humana. Embora não suprima a vida de outrem – através da indução, da instigação ou do auxílio – promove sua destruição pelo próprio titular da mesma. Não pode ter o caráter de verdadeira participação no crime de outrem (punível) – é crime autônomo.

 Sujeito passivo: qualquer pessoa, desde que seja determinada – capaz de entender o ato. Caso contrário: coação física/moral; debilidade mental; erro determinado por terceiro. Caso contrário teremos uma autoria mediata.

Obs.: Não há o induzimento genérico.

Tipicidade objetiva e subjetiva: doente terminal que convencido por outrem a abreviar seu sofrimento – induzir (fazer suscitar a idéia).

- no caso de instigar (motivar à decisão final): a idéia já existe. Ex.: doente desenganado (suicídio ou enfrentar a doença)

Auxiliar: fornecer meios. A ajuda é meramente acessória, caso não, será homicídio (atos de execução).

Obs.: homicídio eutanásico  (121, § 1º) # do artigo 122 (própria vítima)

Obs.: a pluralidade (induzir e auxiliar) de condutas não implica duplicidade de delitos. Na teoria da pena – art. 59 – o juiz analisará a pluralidade de ações como circunstância judicial indicativa de maior culpabilidade.

Auxílio por omissão (autor): pai relapso (posição de garante), que não impede o resultado que estava vinculado a garantir que não acontecesse. Ou carcereiro que deixa, propositadamente, o preso com o cinto, para facilitar-lhe o enforcamento, sabendo dessa intenção do suicida.

Auxílio por omissão não se configura, entretanto, poderia ser comissiva por omissão. Assim, o pai que deixa, propositadamente, filho menor, acusado de fato desonroso, ponha fim a sua vida; indivíduo que seduziu uma jovem e a abandonou em estado de gravidez assiste, impassível, ao seu suicídio; diretor de prisão deliberadamente não impede que o sentenciado morra pela greve da fome; enfermeiro que,  percebendo o desespero do doente e seu propósito de suicídio, não se lhe toma a arma ofensiva de que está munido e com que vem, realmente, a matar-se (Hungria, p. 232).

Obs.: se irrelevante a vontade de suicídio –  art121 do CP.

Suicídio em conjunto: pacto de morte e roleta russa.

- Pacto de morte: (gás/portas e janelas) caso ambas colaborem e sobrevivam – homicídio tentado. Se uma delas sobreviver – homicídio consumado.

- Suicídio em massa: "induzido genericamente", por sugestão literária. Não configura o delito em pauta.

- Maus-tratos e coação, podem configurar o art. 122 CP. Entretanto se eliminar a vontade, será art121CP.

"Duelo à americana": Um deles atirar no outro e em seguida, matar-se: homicídio para o que atirou (sobrevivente); se sobrevive o que sofreu o tiro, será instigação ao suicídio.

"Roleta russa": o sobrevivente responde pelo delito – art. 122 CP.

Tipo subjetivo: dolo (direito ou eventual). O dolo deve abranger todas as elementares do tipo. Neste caso, as atividades de induzi, instigar e auxiliar são as formas de exaurimento do crime, haja vista que, a pretensão do agente é "participar" do suicídio de outrem e não da "morte" propriamente dito. É por política criminal que não se pune quando da ausência do resultado lesivo morte; não há punibilidade para a conduta culposa.

Consumação: delito instantâneo e de mera conduta. Há controvérsias....

- Condição objetiva de punibilidade: evento morte para a aplicação da pena (in concreto)

-  A prescrição somente após a condição efetivada.

- Menor de 14 e alienado mental será homicídio (longa manus do agente).

Infanticídio: ART. 123 CP.

A Lei das XII Tábuas (séc. V a. C) autorizava a morte do filho nascido disforme ou monstruoso. Alterado pelo Cristianismo, com severas penas.

Direito Germânico: Morte dada ao filho pela mãe.

Direito Canônico: Havida como homicídio, com severas punições. Era baseado na debilidade da vítima..

Iluminismo: honoris causa – crime privilegiado.

Hoje, no Brasil: com um critério fisiológico – morte dada ao próprio filho, durante ou logo após o parto, sob a influência do estado puerperal. Não adota a posição oposta, que fundamenta a pena pelo motivo de honra.

Bem jurídico: vida humana. Protege-se a vida do nascente e do recém-nascido.

Motivos:

- Honra: gravidez resultante de relações extramatrimoniais. (desespero)

Fisiopsíquico: a causa honoris deixa de ocupar papel de destaque e cede lugar ao exame da perturbação produzida pelo fenômeno do parto. (adotado hodiernamente).

Sujeito ativo: Mãe – crime próprio.

Obs.: Parte da doutrina entende que o pai pode ser sujeito ativo do crime.

Concurso: incomunicabilidade por ser caráter pessoal.

Outra corrente, apoiada na regra do art. 30, defende posição diversa. Por ser elementar do crime, é essencial a configuração do delito. Logo, comunica-se aos co-autores e partícipes.

Hipóteses:

- Mãe e o terceiro realizam dolosamente o núcleo do tipo: co-autoria, ( art123 c/c art 29 do CP);

Ex:

- Mãe mata o nascente ou recém-nascido e é ajudada pelo terceiro (partícipe): autoria e participação.

- Terceiro mata a criança, com a participação da mãe: autor do crime de homicídio e a mãe, partícipe.

Obs.: Só haveria responsabilidade pelo homicídio se o infanticídio fosse convertido em tipo derivado (privilegiado) do homicídio. Assim, teríamos uma circunstância e não elementar. De outra forma, quem em comum acordo com a mãe, em estado puerperal e logo após o parto, realiza o tipo do art. 123, responde por infanticídio e não pelo homicídio.

Sujeito passivo: SER HUMANO NASCENTE

Tipicidade objetiva e subjetiva

-  "Logo após o parto" – elemento normativo. Antes do parto: aborto; Sem o período – homicídio.

- Recém-nascido: elemento normativo do tipo

- Não ter a parturiente ingressado no período em que se afirma o instinto maternal: quietação. (limite)

Nexo causal: entre o parto e o estado puerperal. Na comissão ou omissão (cuidados essenciais).

Art. 26: é possível.

Hipóteses:

- Mãe mata o filho, sem estar sob a influência do estado puerperal: Homicídio;

Sob a influência, durante ou logo após: infanticídio; sem a incidência cumulativa do art. 26.

Sob a influência e, também por apresentar perturbação de saúde mental: infanticídio (pena reduzida ou medida de segurança). (art. 26, parágrafo único)

Obs.: Caput, inculpabilidade.

Obs.: Erro in personam – responde pelo infanticídio – art. 20, § º, e 73.

Obs: Não há a modalidade culposa.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/direito-penal-art-122-do-codigo-penal-5480578.html

    Palavras-chave do artigo:

    induzimento

    ,

    instigacao ou auxilio a suicidio

    Comentar sobre o artigo

    Esse artigo tem a finalidade de trazer as diretrizes principais para o esclarecimento do delito descrito no artigo 122 do Código Penal Brasileiro.

    Por: Daniellal Direito> Doutrinal 01/12/2013 lAcessos: 51
    Stella Dalvi

    EUTANÁSIA E ORTOTANÁSIA - Comentários à Resolução 1.805/06 CFM ASPECTOS ÉTICOS E JURÍDICOS - As principais diferenças e conceitos de eutanásia, ortotanásia e distanásia!

    Por: Stella Dalvil Direito> Doutrinal 20/12/2011 lAcessos: 308
    ALDINEI RODRIGUES MACENA

    A Lei nº 11.1689/2008 reformou o procedimento do Tribunal do Júri, fazendo homenagens a princípios constitucionalmente assegurados, ampliando o alcance da dignidade humana. A concentração dos atos processuais e a ampliação das hipóteses de absolvição sumária trouxeram maior celeridade e economia ao processo. A plenitude de defesa foi reforçada com a obrigatoriedade apresentação de defesa prévia, porém sofreu abalo devido a vedação de julgamento por ausência do réu.

    Por: ALDINEI RODRIGUES MACENAl Direito> Doutrinal 26/12/2011 lAcessos: 290

    O presente texto, tem como escopo estudar a organização e as contradições perpetradas pelos ditames constitucionais ao Instituto Tribunal do Júri brasileiro, especialmente, no que concerne ao silenciamento e à ausência de motivação da decisão proferida, em total desarmonia com a Constituição da República que estabelece que o Brasil é um Estado Democrático de Direito fundado no exercício pleno da democracia e na dignidade da pessoa humana.

    Por: MARIANA GUIMARÃESl Direito> Legislaçãol 28/05/2012 lAcessos: 211
    Bira Paulino

    Desaposentação, um nome tão complicado, mas com um significado simples e prático. Caros leitores, desaposentação nada mais é que a renúncia de uma aposentadoria já concedida seja ela por idade ou tempo de contribuição, em favor da concessão de um novo benefício, em razão da continuidade de contribuições pós aposentação.

    Por: Bira Paulinol Direito> Doutrinal 14/10/2014

    A Família é a base do Estado. O poder familiar resume-se em responsabilidades e direitos que envolvendo a relação entre pais e filhos. A separação judicial, o divórcio e a dissolução da união estável não alteram as relações entre pais e filhos. A Alienação Parental é uma prática de desmoralização da figura de um dos genitores para com a criança. A Síndrome da Alienação Parental é o resultado desta prática. A atuação do advogado é de extrema importância para ajudar a dar fim nessa prática.

    Por: Cleidel Direito> Doutrinal 13/10/2014
    André Boaratti

    O presente texto aborda a hierarquia das fontes do Direito Internacional Público, ressaltando a relação entre eles, principalmente entre os Tratados e os Costumes.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 07/10/2014
    Isabel Cochlar

    Advogada adverte que a Guarda Compartilhada, como direito da criança,foi suprimida no texto legal anterior, em claro desrespeito ao princípio da dignidade humana

    Por: Isabel Cochlarl Direito> Doutrinal 06/10/2014
    André Boaratti

    Qual a relação entre o Direito Internacional Público e Privado? Quais as diferenças entre Tratado, Acordo e Contratos Internacionais? Essas e outras questões serão o foco do presente texto.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 05/10/2014

    Buscando demonstrar que a mediação é um método adequado para solucionar e prevenir conflitos advindos das relações sociais, este trabalho tem como objeto de estudo a mediação no âmbito das Delegacias de Polícia do Estado do Ceará. Tendo em vista que grande parte da demanda de casos que chegam às Unidades Policiais do Estado versam sobre infrações de menor potencial ofensivo, em geral envolvendo pessoas da própria comunidade, as quais anseiam por serem ouvidas e terem suas lides solucionadas.

    Por: klezerl Direito> Doutrinal 03/10/2014

    Será abordado neste artigo além de polêmico na sociedade brasileira é também de suma importância para o futuro dos ex-detentos, ou seja, aqueles que após cumprirem suas penas, saem do sistema prisional e vão de encontro com a sociedade a busca de sua ressocialização frente a sociedade. Serão abordados os vários conceitos que o termo ressocialização recebe dos doutrinadores, e as alternativas de reinserção dos ex-detentos no mercado de trabalho.

    Por: klezerl Direito> Doutrinal 02/10/2014

    Tanto a maioria da sociedade brasileira como a mídia vê o pedófilo como um criminoso e não um doente. Quanto, ao ordenamento jurídico, não há uma definição da pedofilia como um crime, entretanto aquele pedófilo que comete ato libidinoso responde por abuso de natureza sexual cometido contra criança.

    Por: Gleidson Mateus de Melol Direito> Doutrinal 01/10/2014
    Stella Dalvi

    Fazer o devedor passar vergonha é crime! O credor tem todo o direito de protestar o título não pago, cadastrar o nome do devedor em órgãos de restrição ao crédito, como SPC, SERASA, etc, além, é claro, de ajuizar ação judicial para cobrar o valor devido.

    Por: Stella Dalvil Direito> Doutrinal 20/12/2011 lAcessos: 391
    Stella Dalvi

    EUTANÁSIA E ORTOTANÁSIA - Comentários à Resolução 1.805/06 CFM ASPECTOS ÉTICOS E JURÍDICOS - As principais diferenças e conceitos de eutanásia, ortotanásia e distanásia!

    Por: Stella Dalvil Direito> Doutrinal 20/12/2011 lAcessos: 308
    Stella Dalvi

    Resumo sobre os crimes contra a honra - Difamação, Injúria e Calúnia. "Capez, Fernando. Curso de Direito Penal, pág. 268, v. 2 – Saraiva. 2007. Que exemplifica: "A" provoca de forma reprovável "B",sem que essa conduta constitua crime e "B", escolerizado, assaca-lhe uma injúria. "B" será contemplado pelo perdão judicial, e "A" nada sofrerá, pois não praticou qualquer crime..."

    Por: Stella Dalvil Direito> Doutrinal 15/12/2011 lAcessos: 1,139
    Stella Dalvi

    Aborto é o produto da interrupção da gravidez, com a expulsão do feto, ainda em formação: "abortamento"...

    Por: Stella Dalvil Direito> Doutrinal 14/12/2011 lAcessos: 863
    Stella Dalvi

    - CABIMENTO DA DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DO ARTIGO 3º DA Lei 8.009 " Em 1991 a Lei 8.245 acrescentou ao artigo 3º da Lei 8.009 de 1990 o inciso VII, autorizando a penhora o bem de família daquele que assina o contrato de fiança em razão de um contrato de aluguel..."

    Por: Stella Dalvil Direito> Doutrinal 12/12/2011 lAcessos: 296
    Stella Dalvi

    "O poder reformador é um poder de Direito. Tem, portanto, naturezas jurídicas, estando submetido às regras estabelecidas pela Constituição Federal..."

    Por: Stella Dalvil Direito> Doutrinal 12/12/2011 lAcessos: 144
    Stella Dalvi

    "O Estado é a pessoa jurídica que tem como elementos básicos a soberania, povo, território e governo. Representa a ideia de uma sociedade politicamente organizada em um limite territorial, com vistas ao bem-estar de todos..."

    Por: Stella Dalvil Direito> Doutrinal 09/12/2011 lAcessos: 343
    Stella Dalvi

    "Com o advento da Emenda Constitucional nº 66, publicada em 14 de julho de 2010, tivemos uma inovação no âmbito do Direito de Família brasileiro. A referida emenda proporcionou dinamicidade ao instituto do divórcio, já que a mesma extinguiu o requisito de prévia separação judicial por mais de um ano ou de separação de fato comprovada por mais de dois anos..."

    Por: Stella Dalvil Direito> Doutrinal 08/12/2011 lAcessos: 1,072
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast