Dos excluidos da sucessão - indignidade

Publicado em: 08/06/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 435 |

O sucessor que receber os direitos sucessorios com a abertura da secessão, possui direitos adquiridos a ela. Para que ele venha perder esse direito, torna-se necessário que ele cometa uma ilicitude, para que assim haja a retirada do direito trasmitido, através de uma enumeração taxativa.

De acordo com o nosso Codigo Civil, em seu artigo 1.814, descreve as duas formas que podem provocar a exclusão:

a) Indignidade;

b) Deserdação.

INDIGNIDADE 

É considerada uma pena civil, que priva o herdeiro ou legatário do direito à herança, caso pratique ato contra o de cujos considerados ofensivos. Não é qualquer ato ofensivo, entretanto, que a lei considera capaz de acarretar tal exclusão, sendo eles:

I) atentado contra a vida -  homicídio (doloso) ou sua forma tentada contra o autor da herança, seu cônjuge, companheiro, ascendente ou descendente;

II) contra a honra - denunciação caluniosa, calúnia, difamação ou injúria contra o autor da herança, seu cônjuge ou companheiro;

III) contra a liberdade de testar do de cujus - criação de óbices à efetivação de legado ou testamento pelo autor da herança. Neste ato o herdeiro ou legáritário poderá inibir a vobtade do testador ou abstrar (sumir)  o testamento.

Portanto, tomando como exemplo o inciso I do art. 1.814 do Código Civil, indiscutível que se um dos herdeiros for autor de homicídio doloso, ou de tentativa, contra a pessoa de cuja sucessão se tratar, ser-lhe-á imputada, como penalidade, a exclusão da sucessão, após o devido processo legal (já que para a concretização da exclusão, necessária se faz a instauração de processo próprio, na vara de sucessões, ou, na falta dessa, na vara cível (por se tratar de matéria de alta indagação, não se faz possível sua discussão nos autos do processo de inventário), com a propositura da ação no prazo decadencial de 04 anos (art. 1815, Parágrafo único, CC), contados da abertura da sucessão.

Como conseqüência da exclusão da sucessão, temos: a) os descendentes do excluído sucedem, por representação, como se o indigno já fosse falecido à data da sucessão (art. 1816, CC); b) efeitos ex tunc da sentença. Assim, o indigno deverá restituir os frutos e os rendimentos percebidos (art. 1817, Parágrafo único, CC), equiparando-se ao possuidor de má-fé, salvo eventuais direitos de terceiros de boa-fé que com ele contrataram.

Para ocorrer a Indignidade, é necessário que a ela seja reconhecida por sentença, proferida em Ação Ordinaria intentada com esse escopo pelo interessado. A indignidadde, portanto, depende de procedimento judicial, sendo pronunciada officio judicis. A sentença não é um título constitutivo, mas apenas declarativo da incapacidade para suceder.

A morte do indigno extingue a ação. Seus sucessores são partes ilegítimas para a demanda. Todavia, se iniciada em vida do herdeiro, pode prosseguir contra os respectivos sucessores. Assim se manifesta Clovis. Contudo, segundo parece, não é essa a melhor opinião. Sustenta Carvalho Santos, iniciada ou não, extingue-se a ação com o falecimento do herdeiro ameaçado, porque a indignidade constitui pena que nao deve passar além do criminoso. Sobrevindo a morte deste, antes que se declare a indignidade, o herrdeiro visado, que até essa data exercia em plena capacidade seu direito hereditário, transmite-o aos próprios sucessores, não havendo razões que justifiquem deverem os herdeiros ser acionados por obrigação que se formara em vida do autor da herença. O contrário seria afirmar que a indignidade opera de pleno direito, tese terminantemente repelida pelo nosso Código.

Referida ação é de natureza estritamente privada, jamais poderá ser ajuizada pelo representante do Ministério Público.

Reabilitação do Indigno  

O perdão deve ser expresso e constar de testamento, ou de outro ato autêntico, como a escritura pública. Não existe perdão tácito ou presumido, nem pode ele ser concedido oralmente, ou por instrumento particular despido de autenticidade.

Entretanto, para formalizá-lo, não se exigem palavras sacramentais e, uma vez concedido, torna-se irretratável, sob pena de tolerar-se arrependimento no perdão, o que não seria moral.

Referencias Bibliograficas

1) Carlos Roberto Gonçalves, Direito Civil Brasileiro VII - Direito das  Sucessões, editora Saraiva, 2007.

2) Washington de Barros Monteiro, Curso de Direito Civil vol. 6 - Direito das Sucessões, editora Saraiva, 2006.

3) Vade Mecum, Acadêmico de Direito, editora Rideel, 2011.

4) João Araujo, Fichamento - aula, 2011.

 TRABALHO REALIZADO PELA ALUNA: MICHELE AP. ALVES DE SOUZA , SL 16B - DIREITO CIVIL - SUCESSÕES ( 1º SEMESTRE DE 2011)

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/dos-excluidos-da-sucessao-indignidade-4879192.html

    Palavras-chave do artigo:

    trabalho de direito civil sucessoes sl 16b unaerp prof joao araujo

    Comentar sobre o artigo

    Bira Paulino

    Desaposentação, um nome tão complicado, mas com um significado simples e prático. Caros leitores, desaposentação nada mais é que a renúncia de uma aposentadoria já concedida seja ela por idade ou tempo de contribuição, em favor da concessão de um novo benefício, em razão da continuidade de contribuições pós aposentação.

    Por: Bira Paulinol Direito> Doutrinal 14/10/2014

    A Família é a base do Estado. O poder familiar resume-se em responsabilidades e direitos que envolvendo a relação entre pais e filhos. A separação judicial, o divórcio e a dissolução da união estável não alteram as relações entre pais e filhos. A Alienação Parental é uma prática de desmoralização da figura de um dos genitores para com a criança. A Síndrome da Alienação Parental é o resultado desta prática. A atuação do advogado é de extrema importância para ajudar a dar fim nessa prática.

    Por: Cleidel Direito> Doutrinal 13/10/2014
    André Boaratti

    O presente texto aborda a hierarquia das fontes do Direito Internacional Público, ressaltando a relação entre eles, principalmente entre os Tratados e os Costumes.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 07/10/2014
    Isabel Cochlar

    Advogada adverte que a Guarda Compartilhada, como direito da criança,foi suprimida no texto legal anterior, em claro desrespeito ao princípio da dignidade humana

    Por: Isabel Cochlarl Direito> Doutrinal 06/10/2014
    André Boaratti

    Qual a relação entre o Direito Internacional Público e Privado? Quais as diferenças entre Tratado, Acordo e Contratos Internacionais? Essas e outras questões serão o foco do presente texto.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 05/10/2014

    Buscando demonstrar que a mediação é um método adequado para solucionar e prevenir conflitos advindos das relações sociais, este trabalho tem como objeto de estudo a mediação no âmbito das Delegacias de Polícia do Estado do Ceará. Tendo em vista que grande parte da demanda de casos que chegam às Unidades Policiais do Estado versam sobre infrações de menor potencial ofensivo, em geral envolvendo pessoas da própria comunidade, as quais anseiam por serem ouvidas e terem suas lides solucionadas.

    Por: klezerl Direito> Doutrinal 03/10/2014

    Será abordado neste artigo além de polêmico na sociedade brasileira é também de suma importância para o futuro dos ex-detentos, ou seja, aqueles que após cumprirem suas penas, saem do sistema prisional e vão de encontro com a sociedade a busca de sua ressocialização frente a sociedade. Serão abordados os vários conceitos que o termo ressocialização recebe dos doutrinadores, e as alternativas de reinserção dos ex-detentos no mercado de trabalho.

    Por: klezerl Direito> Doutrinal 02/10/2014

    Tanto a maioria da sociedade brasileira como a mídia vê o pedófilo como um criminoso e não um doente. Quanto, ao ordenamento jurídico, não há uma definição da pedofilia como um crime, entretanto aquele pedófilo que comete ato libidinoso responde por abuso de natureza sexual cometido contra criança.

    Por: Gleidson Mateus de Melol Direito> Doutrinal 01/10/2014
    Michele de Souza Calura

    O que acontece com o segurado que ao se paosentar, continua trabalhando para complementar a sua renda mensal.

    Por: Michele de Souza Calural Direito> Doutrinal 10/12/2010 lAcessos: 2,241 lComentário: 5
    Michele de Souza Calura

    Explicar o significado do penhor, diferença entre penhor e penhora e suas finalidades.

    Por: Michele de Souza Calural Direito> Doutrinal 06/12/2010 lAcessos: 3,163
    Michele de Souza Calura

    Explicar o que significa o codicilo, qual a sua finalidade e seus requisitos.

    Por: Michele de Souza Calural Direito> Legislaçãol 05/12/2010 lAcessos: 784
    Michele de Souza Calura

    De acordo com os artigos do Codigo Civil, suas finalidades e requisitos. Breve Relato; Síntese; Qual o papel do Juiz e o do Tabelião e um pequeno modelo.

    Por: Michele de Souza Calural Direito> Doutrinal 08/06/2010 lAcessos: 2,170
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast