Elementos de Empresa

Publicado em: 09/10/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 6,314 |

Com a evolução do código civil de 2002 surge uma nova concepção do que são os elementos de empresa, ou seja, o direito passa a observar esta relação tão antiga, de um prisma mais evoluído tendo uma visão mais contemporânea e adequada à realidade econômica. Embora haja algumas discrepâncias entre os doutrinadores, principalmente no que tange ao conceito da finalidade da atividade empresarial, o que podemos observar é que o Direito Empresarial diferente do Comercial passa a ter uma ligação direta com o Direito Civil. Para Carvalho de Mendonça:

 

"Empresa é a organização técnico-econômica que se propõe a produzir, mediante  a combinação dos diversos elementos, natureza, trabalho e capital, bens e serviços destinados à troca (venda), com esperança de realizar lucros, correndo os riscos por conta do empresário, isto é, daquele que reúne, coordena e dirige esses elementos sob a sua responsabilidade."

 

Dessa forma a expressão elemento de empresa ganha um significado mais moderno e adequado, pois, de uma maneira mais estrita, cada fator dentro da organização empresarial passa a ser um elemento específico, dos quais podemos compreender como parte integrante de um seguimento imprescindível para a economia, a atividade empresarial. Os elementos de empresa são os bens, o capital e o trabalho, estes elementos também podem ser vistos como, o estabelecimento, o empresário e a atividade empresarial.

 

Neste caso, a gestão dos fatores de produção que constituem essa empresa e que ao mesmo tempo devem direcionar o foco da atividade para um seguimento específico do mercado, fica a cargo do empresário ou da sociedade empresária responsável pelo andamento dos negócios. Que farão com que a empresa, ou melhor, a atividade obtenha o resultado esperado. Para o legislador o empresário pode exercer toda e qualquer atividade econômica que tem por objeto a produção e circulação de bens e a prestação de serviços, desde que a atividade seja lícita. "Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços."

No entanto, de acordo com o parágrafo único do artigo 966 do Código Civil de 2002, é ressalvado o exercício de profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística.

"Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa."

Empresário:

O conceito, de empresário tem origem no código italiano, e está explícito no artigo supracitado, no qual definimos entre outras coisas a questão do profissionalismo.

O profissionalismo depende de três características básicas, são elas;

1 - A habitualidade, que é o mesmo que periodicidade, ou seja, o sujeito que corriqueiramente pratica aquela atividade.

2 - A Pessoalidade – O empresário exercer pessoalmente ou contrata pessoas que irão trabalhar em nome dele, o que não exige que o mesmo execute todas as tarefas inerentes a sua atividade.

3 – Informações necessárias à atividade – O empresário deve deter as informações necessárias sobre os produtos e serviços para a prestação de seu negócio, o que podemos chamar de conhecimento técnico necessário para a atividade.

Empresa ou Atividade Empresarial

Como foi dito anteriormente, empresa é sinônimo de atividade, ou seja, ao contrário do que a grande maioria das pessoas pensa, empresa não é a coisa, nem muito menos o imóvel, empresa é a atividade que tem por objetivo o lucro. Para Rubens Requião: empresa é:

"a organização dos fatores da produção exercida, posta a funcionar, pelo empresário. Desaparecendo o exercício da atividade organizada do empresário, desaparece, ipso facto, a empresa."

Estabelecimento e ou bens de capital

O estabelecimento é bem mais do que somente o local onde esta situada a sede da empresa.

Código Civil – art. 1.142. Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para exercício da empresa, por empresário, ou por sociedade empresária.

O estabelecimento comercial compreende um conglomerado de bens e com isso podemos citar alguns, nos quais essa relação é mais óbvia os bens móveis e imóveis;  estoque;  equipamentos; máquinas;  marcas; patentes; direitos;   pontos de vendas; arquivo de clientes  e centenas de outros itens, impossíveis de serem inteiramente relacionados, mas que  sejam utilizados para o exercício de empresa pelo empresário ou pela sociedade empresária.

No entanto, para o empresário individual, existe uma questão que deve ser observada, a de que os bens pessoais do titular da empresa, a pessoa física, eventualmente possam ser confundidos com bens da atividade empresarial.

 


Bibliografia

CARVALHO DE MENDONÇA. J. X. Tratado de Direito Comercial Brasileiro. 6a ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1957.

 

RUBENS REQUIÃO - Curso de direito comercial. Vol. 1, 24ª Ed. São Paulo: Saraiva 2000.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/elementos-de-empresa-3437698.html

    Palavras-chave do artigo:

    elementos de empresa

    ,

    empresa

    ,

    direito empresarial

    Comentar sobre o artigo

    Este artigo trás algumas definições sobre as atividades empresariais, tais como: conceito de empresa, atividades não empresariais, empresa individual, empresa individual de responsabilidade limitada, registro público de empresas, livros empresariais, atividade empresarial irregular e prepostos.

    Por: Eppensol Educação> Ensino Superiorl 23/05/2014 lAcessos: 22
    Agatha Gonçalves Santana

    Tradução do artigo: UBILLOS, Juan Maria. Eficacia horizontal de los derechos fundamentales: las teorias y la practica. In: TEPEDINO, Gustavo (org.) Direito civil contemporâneo: Novos problemas à luz da legalidade constitucional, São Paulo: Atlas, 2008, p. 219-237.

    Por: Agatha Gonçalves Santanal Direito> Doutrinal 07/03/2012 lAcessos: 376

    Nome empresarial , conceito e seus caracteres. No mundo que vivemos hoje, competitivo e capitalista, devemos ter algum modo de distinção e diferenciação para q consigamos nos destacar.Assim uns dos mecanismos usados para identificação de uma atividade econômica e não confundir com seus próprios sócios é o nome empresarial.

    Por: JOnathan Rodriguesl Direitol 09/12/2010 lAcessos: 604

    O presente trabalho procura analisar a estrutura de capital e seus reflexos nos resultados da empresa, mostrando razões para utilizar capital próprio ou de terceiros num determinado empreendimento, mesmo em tempos de crise financeira como o que estamos vivendo. Diante da crise, pessoas e empresas têm que buscar saídas criativas e inovadoras que nem sempre são pensadas ou buscadas em tempos de afluência. Em tempos de crise, empresas e pessoas empreendem mudanças que não teriam coragem de fazer e

    Por: ALAELSON CRUZ DOS SANTOSl Finanças> Créditol 24/09/2009 lAcessos: 2,251
    Sergio Lellis

    Nome Empresarial – é aquele utilizado pelo empresário para se identificar enquanto sujeito exercente de uma atividade econômica

    Por: Sergio Lellisl Direito> Doutrinal 08/12/2010 lAcessos: 212
    Alisson Lopes

    O objetivo deste artigo é analisar como a gestão do clima organizacional pode impactar nas negociações sindicais de forma positiva. Além disso, traçar os desdobramentos e resultados alcançados dentro de uma organização que possui a gestão do clima organizacional como estratégia de negócio.

    Por: Alisson Lopesl Carreira> Recursos Humanosl 24/01/2012 lAcessos: 3,271
    Dr Jeferson - Advogado

    Advogados – "Direito Imobiliário" – Dicas na Compra e venda de imóveis na planta, usados, documentação, vistoria, locação, etc. São Paulo, SP, Maio, 31, 2010 (www.advbr.com.br) – Este artigo trata sobre as principais dúvidas na compra de imóveis na planta, imóveis novos prontos e usados, bem como dá dicas sobre cuidados com a documentação e vistoria. Leia mais em www.advbr.com.br

    Por: Dr Jeferson - Advogadol Direito> Legislaçãol 31/05/2010 lAcessos: 10,978
    Ricardo Zani

    A responsabilidade técnica dos contadores aumentou com o do novo Código Civil. São os artigos 1.177 e 1.178 que tratam da responsabilidade do profissional em contabilidade:

    Por: Ricardo Zanil Direito> Direito Tributáriol 25/10/2010 lAcessos: 911
    Adriano Martins Pinheiro

    Segundo o artigo 966 do Código Civil: "Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços."

    Por: Adriano Martins Pinheirol Direito> Doutrinal 20/10/2009 lAcessos: 21,083 lComentário: 1
    Silvia Ferreira dos Santos

    O presente artigo teve como objetivo principal mensurar a utilização dos Relatórios Contábeis como instrumento de Controle Financeiro nas Organizações. Com os resultados obtidos, espera-se auxiliar na conscientização da importância de utilização dos relatórios contábeis no controle financeiro junto às organizações. A pesquisa apresentada demonstra que a Contabilidade Gerencial é uma ferramenta muito importante para os gestores na tomada de decisões.

    Por: Silvia Ferreira dos Santosl Educação> Ensino Superiorl 30/11/2011 lAcessos: 1,368

    O Presente artigo relata em poucas palavras o início do contexto histórico da criação da Lei 8072, descrevendo suas finalidades e um pouco da situação do país da década de 80 e no início dos anos noventa.

    Por: ALINE SOBREIRA VIANAl Direito> Doutrinal 19/01/2015

    O artigo discorre sobre as Leis de ascensão das Praças ao Oficialato, e busca encontrar um parâmetro de convergência dos dispositivos constitucionais com os atuais mecanismos de ingresso da Praça ao Oficialato, convergindo para uma ideia de carreira única a qual é a carreira policial militar.

    Por: Laciel Rabelo de Castro Costal Direito> Doutrinal 18/01/2015
    ENDERSON BLANCO

    O investigado ou indiciado a prestar esclarecimentos que não comparece ao ato não está sujeito à condução coercitiva pela polícia civil, mas pode incorrer no crime desobediência. A função de polícia judiciária e de apuração de infrações penais atribuídas às policias civil pelo art. 144, § 4º do texto magno não lhe confere poderes para decretar medidas cautelares de coação pessoal,

    Por: ENDERSON BLANCOl Direito> Doutrinal 14/01/2015

    A redução da maioridade penal envolve a questão da criminalidade praticada por adolescentes. Há um crescente envolvimento dos jovens no crime. Para grande parte da sociedade o adolescente é impune aos seus atos , sob o argumento de que a lei é muito branda.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    As medidas socioeducativas privativas de liberdade são aquelas cumpridas em meio fechado. São aplicadas diante de circunstancias graves e se dividem em Semiliberdade e e internamento.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    As medidas socioeducativas não privativas de liberdade são aquelas cumpridas em meio aberto. Estão elencadas no art. 112 e especificadas nos arts. 115 a 119 do Estatuto da Criança e do Adolescente. São elas - advertência, obrigação de reparar o dano e prestação de serviços à comunidade.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    A inimputabilidade, causa de exclusão da responsabilidade penal não significa irresponsabilidade pessoal ou social. O Estatuto da Criança e do Adolescente prevê Medidas Socioeducativas e Medidas de Proteção eficazes.Reconhece a possibilidade de privação provisória de liberdade ao infrator e oferece uma gama de alternativas de responsabilização, sendo a mais grave a imposição de internamento sem atividades externas.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    A Constituição Federal de 1988 estabelece que a idade penal inicia-se aos 18 anos de idade e que o adolescente infrator responde por seus atos perante a legislação especial. A idade penal é uma garantia constitucional, o mesmo acontece com a responsabilização especial, ambas implantadas como cláusula pétrea, na Carta Magna.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015
    Ulisses Lima Diniz

    A solidariedade em conta corrente, como forma de dirimir as referentes questões de Obrigação. Evitando a indevida cobrança da prestação a uma das partes.

    Por: Ulisses Lima Dinizl Direito> Doutrinal 22/04/2010 lAcessos: 1,360
    Ulisses Lima Diniz

    Tratar dos princípios e fundamentos dos fatos e atos jurídicos relacionando a casos hipotéticos e jurisprudências contextualizados no âmbito da disciplina de direito civil II, e com significativa relevância na didática jurídica.

    Por: Ulisses Lima Dinizl Direito> Doutrinal 06/01/2010 lAcessos: 594
    Ulisses Lima Diniz

    Tratá-se de uma análise sobre a culpabilidade, em sentido estrito, de forma que, a retratação do direito possa ser efetiva diante da circunstâncias apresentadas no texto.

    Por: Ulisses Lima Dinizl Direito> Doutrinal 18/12/2009 lAcessos: 2,070
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast