Família Homoafetiva

Publicado em: 14/07/2010 |Comentário: 3 | Acessos: 3,948 |

 

 

 

FAMÍLIA HOMOAFETIVA

ALESSANDRA ERHARDT¹

 

I – Conceito constitucional de família e família homoafetiva

Não há de se negar que o termo "família" ampliou-se, não é mais necessário que duas pessoas, homem e mulher, se unam em matrimônio para que venha existir uma família. A lei civil trouxe para a sociedade a figura da união estável, portanto existe família mesmo que não haja casamento formal, trouxe ainda a figura da família monoparental, quando apenas um dos dois, pai ou mãe convive com os filhos (naturais ou adotados).

A necessidade de um casal heterossexual para a constituição de uma família não é mais necessária e nem exigida, portanto porque não inserir no contexto de família a união de duas pessoas do mesmo sexo, que tenham a intenção de se unir por laços de afetividade e com intuito duradouro.

Se a afetividade é a base para a criação de uma família, as uniões homossexuais no contexto atual constituem famílias, devendo serem protegidas e tuteladas pelo Estado, gozando de todos os direito e deveres inerentes à esta instituição.

O afeto é a característica essencial para que haja uma família, inclusive o afeto é a base do direito à intimidade a que se refere o artigo 5ª, X da constituição federal.

A Constituição Federal é omissa em relação aos pressupostos pessoais de uma família, a Constituição não elenca expressamente que família é instituição heterossexual, portanto, se há vínculo e afetividade é família e se este vínculo e afetividade provêm de pessoas do mesmo sexo, então surge a chamada família homoafetiva, instituição dotada de direito e deveres e proteção do Estado.

Existe em âmbito nacional julgados favoráveis às família homoafetiva, sendo que a grande maioria das correntes entende de que controvérsias envolvendo casais homossexuais devem ser resolvidas por varas de família, corroborando o dito acima sobre a família homoafetiva.

"HOMOSSEXUAIS. UNIAO ESTAVEL. POSSIBILIDADE JURIDICA DO PEDIDO. E POSSIVEL O PROCESSAMENTO E O RECONHECIMENTO DE UNIAO ESTAVEL ENTRE HOMOSSEXUAIS, ANTE PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS INSCULPIDOS NA CONSTITUICAO FEDERAL QUE VEDAM QUALQUER DISCRIMINACAO, INCLUSIVE QUANTO AO SEXO, SENDO DESCABIDA DISCRIMINACAO QUANTO A UNIAO HOMOSSEXUAL. E E JUSTAMENTE AGORA, QUANDO UMA ONDA RENOVADORA SE ESTENDE PELO MUNDO, COM REFLEXOS ACENTUADOS EM NOSSO PAIS, DESTRUINDO PRECEITOS ARCAICOS, MODIFICANDO CONCEITOS E IMPONDO A SERENIDADE CIENTIFICA DA MODERNIDADE NO TRATO DAS RELACOES HUMANAS, QUE AS POSICOES DEVEM SER MARCADAS E AMADURECIDAS, PARA QUE OS AVANCOS NAO SOFRAM RETROCESSO E PARA QUE AS INDIVIDUALIDADES E COLETIVIDADES, POSSAM ANDAR SEGURAS NA TAO ALMEJADA BUSCA DA FELICIDADE, DIREITO FUNDAMENTAL DE TODOS. SENTENCA DESCONSTITUIDA PARA QUE SEJA INSTRUIDO O FEITO. APELACAO PROVIDA". (TJRS, APELAÇÃO CÍVEL Nº 598362655, 8ª CAMARA CIVEL, RELATOR: DES. JOSE ATAIDES SIQUEIRA TRINDADE, JULGADO EM 01/03/2000)."

"RELACOES HOMOSSEXUAIS. COMPETENCIA DA VARA DE FAMILIA PARA JULGAMENTO DE SEPARACAO EM SOCIEDADE DE FATO. A COMPETENCIA PARA JULGAMENTO DE SEPARACAO DE SOCIEDADE DE FATO DE CASAIS FORMADOS POR PESSOAS DO MESMO SEXO, E DAS VARAS DE FAMILIA, CONFORME PRECEDENTES DESTA CAMARA, POR NAO SER POSSIVEL QUALQUER DISCRIMINACAO POR SE TRATAR DE UNIAO ENTRE HOMOSSEXUAIS, POIS E CERTO QUE A CONSTITUICAO FEDERAL, CONSAGRANDO PRINCIPIOS DEMOCRATICOS DE DIREITO, PROIBE DISCRIMINACAO DE QUALQUER ESPECIE, PRINCIPALMENTE QUANTO A OPCAO SEXUAL, SENDO INCABIVEL, ASSIM, QUANTO A SOCIEDADE DE FATO HOMOSSEXUAL. CONFLITO DE COMPETENCIA ACOLHIDO". (TJRS, CCO Nº 70000992156, 8a CAMARA CIVEL, RELATOR: DES. JOSE ATAIDES SIQUEIRA TRINDADE, JULGADO EM 29/06/2000)."

 

II – Inovação do termo família pela Lei Maria da Penha

A Lei n.º 11.340/07 (mais conhecida como Maria da Penha) além de tipificar crimes de violência doméstica teve um outro papel, a referida Lei inovou juridicamente o conceito de família, como podemos perceber em seu art. 5º, II.

 Art. 5º Para os efeitos desta Lei, configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial:

 II - no âmbito da família, compreendida como a comunidade formada por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa (...).Perceba que no parágrafo único do artigo supramencionado lê-se que as relações pessoais a que a lei se refere independem da orientação sexual dos indivíduos que constituem uma família, ou seja, tal artigo traz ao bojo do termo "família" a união entre pessoas de um mesmo sexo.

Parágrafo único. As relações pessoais enunciadas neste artigo independem de orientação sexual".

 

A Lei Maria da Penha também protege o homossexual (homem ou mulher) vítima de violência doméstica, quando tal violência provêm de dentro de seu lar, praticada por companheiro ou companheira, portanto, família.

 

III – Direitos e deveres da família homoafetiva

 A união de duas pessoas ligadas por vínculo afetivo como já demonstrado é a base para a criação de uma família, omitindo-se a Lei Maior se são ou não pessoas do mesmo sexo. A união de duas pessoas implica em direitos e deveres.

 Um casal homossexual, base de uma família homoafetiva, é dotado dos mesmos deveres e direitos que a família chamada tradicional heterossexual (homem e mulher), estas pessoas tem direito à patrimônio, direito a alimentos, partilha de bens, direitos previdenciários, direito a exercer a paternidade ou maternidade, direito a adoção, direito a ver reconhecido civilmente a sua sociedade de fato, de ter reconhecida civilmente a sua convivência.

 Não raras vezes, duas pessoas do mesmo sexo ao terem convivido por muito tempo, com o falecimento de um dos dois, o sobrevivente se via destituído de todo o patrimônio que geralmente tinha ajudado a construir, com o não reconhecimento dos direitos do companheiro sobrevivente, na maioria das vezes este patrimônio acabava indo para a família do falecido e não para o companheiro. Um homossexual ou um casal homossexual não poderia adotar um filho por não se encaixar nos "padrões" impostos pela sociedade, um casal homossexual não poderia se beneficiar do direito previdenciário, um homossexual até então não poderia inserir seu companheiro como seu dependente em planos de previdência, saúde.

Atualmente, nossos tribunais vem julgando de maneira favorável à homoafetividade. Homossexuais são pessoas que estudam, trabalham, produzem, pagam impostos, votam, são consumidores, são formadores de opinião, estão sujeitos a lei civil e penal como qualquer outra pessoa, portanto o avanço legal que beneficia atualmente a homoafetividade não é nenhuma bondade ou favor da sociedade, mas sim o reconhecimento de um direito verdadeiro, que há muito fora negado.

 

¹Alessandra Erhardt

 

Advogada, especialista em Direito de Família, Sucessões e Direito Homoafetivo

Sócia do Escritório Erhardt e Camargo Gomes Advocacia e Consultoria Empresarial

Sócia da Alessandra Erhardt Advocacia de Família

 

Bibliografia:

DIAS, Maria Berenice – União Homoafetiva: O preconceito & a justiça – 4ª edição – Ed. Revista dos Tribunais

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/familia-homoafetiva-2830507.html

    Palavras-chave do artigo:

    homoafetividade

    ,

    familia

    ,

    homoafetiva

    Comentar sobre o artigo

    Silvio Péricles

    Sumário: Introdução; 1.0 Disposições Gerais Sobre Sexualidade; 2.0 Família Homoafetiva Sob a Ótica Constitucional; 3.0 União Homoafetiva não é Sociedade de Fato; 4.0 Necessidade ou Não de Equiparar a União Homoafetiva Como União Estável; 5.0 Conclusão

    Por: Silvio Périclesl Direito> Doutrinal 25/11/2011 lAcessos: 118
    Daiane Pompeo Barcelos

    Desde a metade do século XX o modelo de família patriarcal vem perdendo espaço para uma conjugação familiar que há muito tempo esteve oculta em diversas civilizações: as uniões homoafetivas. A partir daí, vários países passaram a reconhecer uniões entre pessoas do mesmo sexo e a garantir os mesmos direitos que são assegurados às uniões heterossexuais. Porém, no Brasil, contrariando os princípios constitucionais vigentes, inexiste dispositivo que regulamente essas uniões.

    Por: Daiane Pompeo Barcelosl Direitol 11/08/2009 lAcessos: 1,736 lComentário: 1

    O ordenamento jurídico brasileiro não prevê a união entre pessoas do mesmo sexo, a mera convivência entre um casal heterossexual pode gerar inúmeras consequências jurídicas, não há mais a necessidade de casamento para sua formação, percebe-se que existe uma mitigação de direitos dos componentes das famílias biparentais homossexuais. Falta de "boa vontade" dos componentes do legislativo no que se refere às uniões homossexuais, e foi para falar sobre a homoafetividade que escrevi esse artigo.

    Por: Débora C. Pereira Costal Direitol 06/04/2011 lAcessos: 146

    Este tarabalho aborda a possibilidade de adoção por homossexuais no ordenamento jurídico brasileiro. Os estudos demosntram que não há sustentação a proibição de tal adoção, eis que o princípio da diginidade da pessoa humana, bem como o da isonomia e o da pluralidade corroboram com o entendimento de vários doutrinadores, bem como com algumas jurisprudências, cujas sentenças proferidas aceitam a adoção por casais homoafetivos, tendo como alicerce básico o afeto e a formação de uma família.

    Por: Vanieli Paludol Direitol 03/08/2011 lAcessos: 455

    O homem possui o direito de personalidade, direito a liberdade de expressão, principalmente direito ao respeito á identidade pessoal, e integridade física, psíquica, são direitos irrefutáveis, indisponíveis, e estão inseridos nesses direitos a orientação sexual como direito fundamental, tratando-se de um prolongamento da personalidade de cada individuo inserido na sociedade.

    Por: LARA LIMA GIUDICEl Direito> Doutrinal 18/07/2008 lAcessos: 15,892 lComentário: 1

    O presente artigo trata da possibilidade de adoção por casal homoafetivo, demonstrando que, embora a legislação seja omissa, silenciando a respeito, os princípios Constitucionais da Dignidade da Pessoa Humana, da Liberdade e da Igualdade associados ao principio do melhor interesse do adotando propiciam uma interpretação extensiva e uma fundamentação legal para esta nova forma de composição familiar.

    Por: Jéssica Gaspar Mirandal Direito> Doutrinal 22/11/2012 lAcessos: 112

    O presente artigo tem a finalidade de relatar as principais características, em um âmbito político e social, de um período da história brasileira: a República Velha. É essencial analisar, ainda que de forma sucinta, seus antecessores e suas conseqüências. Para tal fim, buscamos um embasamento em celebres obras como "Coronelismo, Enxada e Voto", de Victor Nunes Leal e "Os Donos do Poder", de Raymundo Faoro.

    Por: Antônio Faustino Moural Direito> Doutrinal 17/12/2014
    André Silva Barroso

    O presente trabalho trata sobre os títulos de crédito eletrônicos e a possível descaracterização do princípio da cartularidade, onde, para uma melhor compreensão sobre tal instituto, buscou-se um estudo sobre seu conceito, características e princípios. Num segundo estágio foi-se abordado os títulos de crédito eletrônicos, que surgiram pelos avanços tecnológicos principalmente pelo advento da internet.

    Por: André Silva Barrosol Direito> Doutrinal 05/12/2014
    Liziane Mont'Alverne de Barros

    A "judicialização da política" ou "politização da justiça" na composição dos cenário das ciências jurídicas e sociais nos diversos países do mundo e seus efeitos na expansão do Poder Judiciário no processo decisório das democracias contemporâneas. O presente artigo tem por escopo promover uma análise crítica do desenvolvimento desse fenômeno que vem sendo desenvolvido pelo Órgão de Cúpula do Judiciário – STF.

    Por: Liziane Mont'Alverne de Barrosl Direito> Doutrinal 04/12/2014

    O código civil concede ao testador o direito não só de instituir herdeiro ou legatário em primeiro grau, mas também o de lhes indicar substituto.

    Por: DÉBORA LUCIANO DE ALMEIDAl Direito> Doutrinal 03/12/2014 lAcessos: 11

    CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO É um mecanismo previsto na lei civil, que pode-se valer o devedor que queira desonerar-se e que esteja em dificuldades para o fazer.

    Por: Fernando Bartoli de Oliveiral Direito> Doutrinal 01/12/2014 lAcessos: 11

    Artigos 1962, 1963 e 1814 do Código Civil É o ato de manifestação da vontade do autor da herança que exclui da sucessão, um herdeiro necessário, tipificando, nos permissivos legais, a sua vontade. Dá-se por testamento somente.

    Por: Thais Luz Firminol Direito> Doutrinal 29/11/2014 lAcessos: 12

    A conquista, o governo e a manutenção do Estado são preocupações centrais do pensamento maquiaveliano. Essa tríade tem de ser mantida custe o que custar, ainda que para tanto não se observem questões de ordem ética e moral, pelo menos, a moral e a ética medievais e da Itália renascentista. O bom governante tem de manter o Estado e, para tanto, dadas as circunstancias tem que agir hora pela força, hora pela razão e outras vezes deve saber conjugar ambas, só assim conseguirá governar.

    Por: FRANCISCO ESDRAS MOREIRA ROCHAl Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 12

    O Direito Sucessório Brasileiro, disciplinado pelo Código Civil Brasileiro de 2002, prevê dois tipos de sucessão hereditária que podemos nos deparar quando da abertura da sucessão, qual seja: sucessão legítima e sucessão testamentária, acerca desta, mais especificamente sobre sucessão testamentária na forma pública, que discorremos no presente trabalho.

    Por: Arthur Sarilhol Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 11

    Um breve resumo sobre duas novas modalidades jurídicas elencadas no Direito de Família, os alimentos gravídicos e a alienação parental.

    Por: Alessandra Erhardtl Direito> Doutrinal 02/09/2010 lAcessos: 334

    Comments on this article

    1
    Euler Sidney 07/03/2011
    Olá Alessandra. Tudo bem?
    Estou no 7º período de Serviço Social e estou pretendendo fazer um trabalho de conclusão de curso sobre família homoafetiva, pois além ser um tema sempre muito atual é também polêmico e sempre surgem questões que precisam ser esclarecidas a esse respeito.
    Gostaria de envolver questões como: União, direitos, preconceito,adoção e guarda.
    Desde já agradeço ,

    Obrigado;
    Euler Sidney
    0
    Alessandra Erhardt 16/02/2011
    Prezada Paula, lhe envio sim com todo prazer, me mande um e-mail ou seu contato para o meu e-mail.

    Abraços
    0
    Paula de Campos 15/02/2011
    Olá Alessandra. Tudo bem?
    Estou no 4º ano de direito e pretendo fazer meu trabalho de conclusão de curso sobre união homoafetiva, por ser um assunto atual.
    Será que você poderia me mandar alguns assuntos relevantes sobre este caso?
    Obrigada, desde já.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast