JUSNATURALISMO, POSITIVISMO E PÓS - POSITIVISMO: BREVE REFLEXÃO

Publicado em: 28/05/2010 | Acessos: 7,235 |

Introdução

Iniciaremos uma breve reflexão sobre as correntes jusnaturalista, positivista e pós-positivista visando o entendimento do contexto histórico, político e social de cada época - que certamente, influenciaram, e muito, a cada pensamento.

 

Jusnaturalismo

A corrente jusnaturalista se desenvolve a partir do século XVI, com o intuito de aproximar a lei da razão, em busca de um Direito mais justo, mais perfeito; objetivando a proteção do homem contra quaisquer arbítrios dos governantes. Tratava-se de uma importantíssima ferramenta, capaz de impor limites ao absolutismo Estatal.

 O movimento jusnaturalista, inclusive, serviu de paradigma para as revoluções liberais (Revolução Americana de 1776; a Revolução Francesa, em 1789; a Revolução liberal do Porto, em 1826; a Revolução Nacionalista Francesa, em 1830 etc.).

Por ser considerado abstrato e anti-científico, o jusnaturalismo cedeu espaço para o surgimento do positivismo jurídico.

 

Positivismo

Com a ascensão do positivismo jurídico o Direito fora equiparado à legislação e completamente afastado da filosofia. Tratava-se de um movimento que reconhecia tão somente a "letra fria da lei". Direito seria o que estaria positivado em texto legal. A ética, a moral e os princípios eram sempre esquecidos.

Exemplos clássicos de desvirtuamento do direito posto foram, o surgimento do fascismo - na Itália e do nazismo - na Alemanha; regimes de governo que, sob a proteção da lei, promoveram a barbárie; considerando como justas guerras de ocupações genocidas.

A decadência do movimento é asseveradamente ligada à derrota dos dois regimes. Desse modo, com o fim da Segunda Guerra, os valores morais começam a retornar ao Direito.

Nesse contexto surgem os ideais pós-positivistas.

 

Pós-positivismo

No pós-positivismo há uma compreensão do Direito muito além da "letra fria da lei", porém sem desprezar o direito positivo. Trata-se de uma leitura ética, moral do Direito; todavia, sem recorrer ao abstrato, ao metafísico. No pós-positivismo, além haver a limitação do poder do governante, também ocorre o surgimento do conceito de direito fundamental, tendo como base a dignidade da pessoa humana, promovendo, desse modo, a aproximação do Direito aos princípios, à Filosofia.

 

Conclusão

Com base na leitura proposta e considerando tudo que por ela foi abordado, podem-se acompanhar as diversas correntes filosóficas que cercaram o Direito e como a ideologia aplicada a esses pensamentos influenciou, de forma positiva ou não, a sociedade de cada época.

Percebe-se, igualmente, como uma interpretação strictu sensu do Direito - apenas levando em consideração o texto posto, torna-se altamente perigosa para a população e vulnerável às intenções do chefe de Estado; que poderá a qualquer momento, promover a barbárie, estando amparado pela lei.

 

Referências

LENZA, Pedro, Direito Constitucional esquematizado, 13ª ed. rev., atual. e ampl..Ed. Saraiva, 2009.

 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 10 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/jusnaturalismo-positivismo-e-pos-positivismo-breve-reflexao-2485414.html

    Palavras-chave do artigo:

    jusnaturalismo

    ,

    positivismo

    ,

    pos positivismo

    Comentar sobre o artigo

    Quando na estada em Fortaleza (CE), 15/05/2009 - um dos maiores juristas do país, o professor Paulo Bonavides afirmou em palestra de abertura do 3° Congresso Latino-Americano de Estudos Constitucionais, que o Brasil está à beira de um colapso institucional motivado por uma grave crise de legitimidade que atinge os Três Poderes. "O Brasil se acha bem perto de uma comoção institucional, que levará o povo às ruas, em protesto. Só a cegueira governante das elites políticas, que atraiçoam o povo e a

    Por: Rosangela Teixeiral Direito> Legislaçãol 31/08/2013 lAcessos: 34

    Trata-se de um artigo que pretende fornecer breves apontamentos acerca da Escola da Exegese. No início do Século XIX, surgiu a Escola da Exegese em meio ao caos político e social da França revolucionária.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 21/10/2014 lAcessos: 37
    jose eduardo p f vaz

    A partir do momento que deixamos nossa residência, somos constantemente monitorados por câmaras públicas e privadas instaladas na via pública. Muitas vezes é através das imagens de tais câmaras que há possibilidade de se resolverem crimes e punir seus responsáveis, ou seja, há uma vigilância aprimorada da que é descrita por Foucault na obra "Vigiar e Punir". O presente artigo tem como espoco questionar até que ponto o direito à privacidade é respeitado em face da constante vigilância humana.

    Por: jose eduardo p f vazl Direito> Doutrinal 29/03/2011 lAcessos: 752

    Trabalho acadêmico voltado para discutir na seara jurídica as questões atinentes ao choque entre princípios, momento em que se aplica o princípio da proporcionalidade.

    Por: Marcelo Passianil Direito> Doutrinal 03/11/2008 lAcessos: 3,171
    Jonathan Reginnie de Sena Lima

    Este artigo tem como objetivo analisar social, histórica e antropologicamente os Direitos Humanos e Garantias Fundamentais com ênfase no direito à educação, sob a égide constitucional, buscando compreender as políticas educacionais, inclusive no sentido de promover ações afirmativas objetivando a inclusão social das classes não pertencentes às correntes hegemônicas através das políticas afirmativas das cotas, instrumento pelo qual se desempenham funções sociais integrativas.

    Por: Jonathan Reginnie de Sena Limal Direitol 23/12/2011 lAcessos: 366

    A presente monografia trata da relação de utilização de células-tronco embrionárias para tratamento de doenças degenerativas como doenças cardíacas, doença de Alzheimer, câncer, além da reconstituição de medula óssea, de tecidos queimados ou tecidos destruídos. Analisamos o contexto histórico dos direitos fundamentais e sua supra importância ao convívio humano. Em seqüência abordamos a dignidade da pessoa humana, pois, sem este, não existiriam os direitos fundamentais.

    Por: LUCAS WILLERl Direito> Jurisprudêncial 14/06/2010 lAcessos: 1,253

    O Presente artigo relata em poucas palavras o início do contexto histórico da criação da Lei 8072, descrevendo suas finalidades e um pouco da situação do país da década de 80 e no início dos anos noventa.

    Por: ALINE SOBREIRA VIANAl Direito> Doutrinal 19/01/2015

    O artigo discorre sobre as Leis de ascensão das Praças ao Oficialato, e busca encontrar um parâmetro de convergência dos dispositivos constitucionais com os atuais mecanismos de ingresso da Praça ao Oficialato, convergindo para uma ideia de carreira única a qual é a carreira policial militar.

    Por: Laciel Rabelo de Castro Costal Direito> Doutrinal 18/01/2015
    ENDERSON BLANCO

    O investigado ou indiciado a prestar esclarecimentos que não comparece ao ato não está sujeito à condução coercitiva pela polícia civil, mas pode incorrer no crime desobediência. A função de polícia judiciária e de apuração de infrações penais atribuídas às policias civil pelo art. 144, § 4º do texto magno não lhe confere poderes para decretar medidas cautelares de coação pessoal,

    Por: ENDERSON BLANCOl Direito> Doutrinal 14/01/2015

    A redução da maioridade penal envolve a questão da criminalidade praticada por adolescentes. Há um crescente envolvimento dos jovens no crime. Para grande parte da sociedade o adolescente é impune aos seus atos , sob o argumento de que a lei é muito branda.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    As medidas socioeducativas privativas de liberdade são aquelas cumpridas em meio fechado. São aplicadas diante de circunstancias graves e se dividem em Semiliberdade e e internamento.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    As medidas socioeducativas não privativas de liberdade são aquelas cumpridas em meio aberto. Estão elencadas no art. 112 e especificadas nos arts. 115 a 119 do Estatuto da Criança e do Adolescente. São elas - advertência, obrigação de reparar o dano e prestação de serviços à comunidade.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    A inimputabilidade, causa de exclusão da responsabilidade penal não significa irresponsabilidade pessoal ou social. O Estatuto da Criança e do Adolescente prevê Medidas Socioeducativas e Medidas de Proteção eficazes.Reconhece a possibilidade de privação provisória de liberdade ao infrator e oferece uma gama de alternativas de responsabilização, sendo a mais grave a imposição de internamento sem atividades externas.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    A Constituição Federal de 1988 estabelece que a idade penal inicia-se aos 18 anos de idade e que o adolescente infrator responde por seus atos perante a legislação especial. A idade penal é uma garantia constitucional, o mesmo acontece com a responsabilização especial, ambas implantadas como cláusula pétrea, na Carta Magna.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015
    André Reis

    Este material foi produzido a partir da leitura do Curso de Direito de Trabalho, de Luciano Martinez, editora Saraiva. Tem como objetivo principal auxiliar o leitor na compreensão da referida obra; por esse motivo, foi elaborado de modo esquematizado, identificando e selecionando as ideias principais, agrupando-as de forma concisa e objetiva.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 05/10/2011 lAcessos: 411
    André Reis

    Este trabalho traz um estudo da matéria educação em todas as Constituições brasileiras considerando o cenário social, econômico e político de cada período. A finalidade deste artigo é proporcionar um entendimento de como o assunto se desenvolveu até culminar na atual Constituição - cuja temática educacional é tratada como direito fundamental e incluída no rol de direitos sociais.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 18/01/2011 lAcessos: 1,433
    André Reis

    Este trabalho traz, de forma concisa e objetiva, algumas considerações sobre a jurisdição no Estado liberal e no Estado constitucional. Além de articular sobre a função do magistrado – antes um aplicador da letra da lei e, atualmente, um intérprete que leva em consideração, além da legislação vigente, princípios constitucionais e realidades sociais.

    Por: André Reisl Direitol 14/09/2010 lAcessos: 590
    André Reis

    Este trabalho traz esclarecimentos sobre a importância da cidadania, alteridade, tolerância e pluralismo. Fundamentos indissossiáveis a todo e qualquer país que deseje, de fato, instituir um Estado Democrático de Direito.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 12/06/2010 lAcessos: 1,742
    André Reis

    Constituição de 1988: finalmente, a temática da educação recebe a relevância de que necessita, sendo tratada como direito fundamental e incluída no rol de direitos sociais.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 11/05/2010 lAcessos: 6,385
    André Reis

    O artigo traz esclarecimentos acerca o Princípio do Devido Processo Legal, como: conceito, evolução histórica etc. Igualmente, informa sobre alguns corolários a esse princípio: Princípio do contraditório e ampla defesa; Duplo grau de jurisdição; Princípio da Publicidade, do Juiz Natural e Assistência jurídica integral e gratuita.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 27/03/2010 lAcessos: 1,683
    André Reis

    Este trabalho traz esclarecimentos acerca do Princípio da demanda - que é igualmente conhecido como, Princípio da ação ou da iniciativa das partes. Como este é fundamental à prestação jurisdicional e indispensável à imparcialidade.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 5,937
    André Reis

    Este trabalho utiliza-se do julgamento do maior filósofo de todos os tempos, Sócrates, para ilustrar a importância de não aceitarmos, com tanta facilidade, o que nos é imposto. Igualmente adverte, que existem bens muito mais valorosos, na vida de um homem, do que, dinheiro, status ou poder. Valores estes que, infelizmente, hoje em dia ficam em segundo plano, que são: a ética, a moral, o altruísmo e a personalidade.

    Por: André Reisl Direitol 27/02/2010 lAcessos: 502
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast