No Processo Do Trabalho, O Preposto Da Reclamada Na Audiência De Conciliação Pode Ser Testemunha Do Reclamante Na Audiência De Instrução?

Publicado em: 03/02/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 6,669 |

No Processo do Trabalho, o Preposto da Reclamada na Audiência de Conciliação pode ser testemunha do Reclamante na Audiência de Instrução?

Fernando Henrique Zanoni (OAB/PR n.° 39.444)

                            A vida profissional como advogado sempre guarda suas surpresas. A última me foi apresentada nesta semana, com um caso um tanto peculiar.

                            Veja-se: A preposta da Reclamada na audiência de conciliação fora testemunha do Reclamante por ocasião da audiência de instrução. Ocorre, porém, que tal fato não foi percebido pela Reclamada ou pelo d. Magistrado de 1.° grau. Uma das testemunhas apresentadas pela Reclamada teve sua oitiva negada pelo Juiz, mesmo diante de sua ausência justificada, tendo sido alegado o cerceamento de defesa, em Recurso Ordinário. O acórdão declarou “nulos todos os atos praticados a partir do indeferimento da oitiva de testemunha, inclusive recursos ordinários e contra-razões, permanecendo válidos, no entanto, os depoimentos das partes e demais testemunhas”.

                            Os autos retornaram ao Juízo a quo para a oitiva da testemunha antes preterida. Pergunta-se: é possível alegar, neste momento, a nulidade da oitiva da testemunha do Reclamante, preposta da Reclamada na audiência de conciliação do mesmo feito?

                            Não restam dúvidas quanto ao impedimento da testemunha no caso em tela. O art. 405 do Código de Processo Civil é categórico:

Art. 405. Podem depor como testemunhas todas as pessoas, exceto as incapazes, impedidas ou suspeitas.

(...)

2o São impedidos:

III - o que intervém em nome de uma parte, como o tutor na causa do menor, o representante legal da pessoa jurídica, o juiz, o advogado e outros, que assistam ou tenham assistido as partes. (grifei)

                            Quem já figurou como preposto em um processo não pode testemunhar a seu favor no mesmo feito. A recíproca, da mesma forma, é verdadeira. Francisco Antônio de Oliveira ensina que:

“(...) O fato de haver funcionado como preposto em determinada ação impede que também seja testemunha naquela ação. Todavia, o fato de ser preposto numa ação não o torna impedido de depor como testemunhas em outras ações distintas.”[2] (grifei)

                            Veja-se que o entendimento exarado versa sobre o preposto atuar como testemunha da Reclamada, atuando do mesmo lado. Transportando este pensamento ao caso, verdadeira “traição processual”, resta mais evidenciada a nulidade, portanto, não há falar em legalidade do procedimento. Destaque-se que o preposto é parte no processo e o fato de ter sido substituído não o descaracteriza como tal, pois una é audiência.

                            Ora, o princípio da boa-fé processual não é dirigido somente à Reclamante, Reclamado (representado pelo preposto), Magistrado e procuradores, mas também às testemunhas. Também, não cabe aqui discutir a inércia do advogado da Reclamada, que não percebeu a gritante situação irregular quando da audiência de instrução, nem a má-fé processual com que agiu o procurador do Reclamante e, principalmente, a testemunha.

                            Passo, então, a discutir o verdadeiro objeto do presente artigo, a tempestividade na argüição da nulidade.

                            Entendo, primeiramente, que tal fato caracteriza nulidade absoluta, pois a violação transcende o interesse das partes, atingindo princípio constitucional, no caso, da ampla defesa e, portanto, podendo ser argüido a qualquer tempo. Por óbvio, a “amplitude” da defesa foi restringida pela má-fé da testemunha. Como preposta da Reclamada, esta conhecia toda a linha de defesa a ser seguida pela empresa, portanto seu depoimento como testemunha do Reclamante não pode, jamais, ser considerado.

                            Não obstante existam opiniões diversas, afirmando que se trata de nulidade relativa, tal questionamento sobre a natureza desta torna-se irrelevante quando da discussão da tempestividade de sua argüição. Senão vejamos:

                            Segundo entendimento do art. 795 da CLT, as nulidades processuais devem ser argüidas no primeiro momento em que a parte deva se manifestar, em audiência ou nos autos. Como visto acima, a argüição de cerceamento de defesa acatada pelo Juízo ad quem em sede de Recurso Ordinário, reabriu a instrução processual para a oitiva da testemunha, conforme pretendido pela Recorrente.

                            Já mencionei que a audiência é uma, portanto, a oitiva da testemunha nada mais é do que a continuidade dos anteriores procedimentos conciliatório e instrutório. Sendo assim, segue-se o entendimento do art. 795 da Consolidação das Leis do Trabalho e no momento da audiência de oitiva da testemunha deverá ser argüida, tempestivamente, a nulidade processual, que será objeto, também, das razões finais.

[1] OLIVEIRA, Francisco Antônio de Oliveira. Do preposto em sede trabalhista. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 12.ª Região, n. 20. Florianópolis, Santa Catarina. p. 33-44. Neste sentido, salutar mencionar o pensamento do doutrinador Moacyr Amaral Santos, que destaca os “elementos característicos da testemunhas: a)é uma pessoa física; b) é uma pessoa estranha ao feito; c)é uma pessoa que deve saber do fato litigioso; d)a pessoa deve ser chamada a depor em juízo; e)a pessoa deve ser capaz de depor.” (grifei) (SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras Linhas de Direito Processual Civil. 2º Volume. 17ª Edição. São Paulo: Saraiva, 1995, p. 452).

 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 13 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/no-processo-do-trabalho-o-preposto-da-reclamada-na-audiencia-de-conciliacao-pode-ser-testemunha-do-reclamante-na-audiencia-de-instrucao-754402.html

    Palavras-chave do artigo:

    processo do trabalho preposto testemunha

    Comentar sobre o artigo

    Gutenberg Ives

    A inversão ou redistribuição do ônus da prova é um instituto jurídico que tem como finalidade redistribuir o encargo de provar, que se antes era da parte autora, após a inversão passa a ser da parte ré e vice versa. Tendo em vista que a legislação trabalhista não dispõe de forma expressa sobre este instituto, será abordada ao longo do trabalho a aplicação da inversão do ônus da prova no processo trabalhista.

    Por: Gutenberg Ivesl Direito> Doutrinal 30/09/2014 lAcessos: 38
    Fernando Rubin

    No presente ensaio buscar-se-á destacar os principais aspectos que circunscrevem o processamento judicial de uma demanda de reparação de dano movida pelo empregado contra o empregador para a percepção de uma indenização por danos morais e materiais em virtude de um acidente de trabalho. Para tanto, serão almagamados conhecimentos técnicos de diferentes áreas do Direito (constitucional, civil, previdenciário, trabalhista e processual), com os entendimentos jurisprudenciais mais relevantes.

    Por: Fernando Rubinl Direito> Doutrinal 19/03/2012 lAcessos: 1,381

    O procedimento sumaríssimo na Justiça do Trabalho surge com intuito de solucionar de maneira rápida os conflitos trabalhistas. Porém em virtude da celeridade surge com requisitos específicos de aplicação. E este artigo pretende analisar o procedimento sumaríssimo no que tange a sua possibilidade de conversão em ordinário nos casos em que o paradeiro do empregador torna-se incerto no decorrer do processo e nos casos de pedido ilíquido.

    Por: Camila Cantanhede Lunal Direito> Doutrinal 15/06/2012 lAcessos: 1,828
    Mauricio Flank Ejchel

    Recente decisão absolveu empresa cuja ex-funcionaria pedia dano moral. Conheça os detalhes do caso.

    Por: Mauricio Flank Ejchell Direito> Jurisprudêncial 22/02/2013 lAcessos: 140
    Ricardo Zani

    A responsabilidade técnica dos contadores aumentou com o do novo Código Civil. São os artigos 1.177 e 1.178 que tratam da responsabilidade do profissional em contabilidade:

    Por: Ricardo Zanil Direito> Direito Tributáriol 25/10/2010 lAcessos: 907
    Fábio Araújo de Holanda Souza

    O Brasil sempre regulou o uso das algemas, tácita ou expressamente. O art. 199 da Lei de Execução Penal deixou mais uma lacuna que a Súm. Vinc. 11/08 tentou preencher. Será que o STF atingiu seu intento? Precisa reformular a dicção da Súmula citada?

    Por: Fábio Araújo de Holanda Souzal Direitol 10/05/2009 lAcessos: 2,229
    Nelson B. Sousa

    Alguns Gestores (Gerentes ou Chefes),costumam ainda hoje usar um subordinado que não tenha cumprido as metas estabelecidas ou ordens dadas, como exemplo para ou outros. Chamar a atenção de um na frente de outros e dependendo do uso das palavras e da forma como é interpretada por todos poderá vir a ser caracterizado com assédio moral. Isso causa sérios danos e conflitos internos e poderá chegar aos tribunais causando prejuízos financeiros a organização.

    Por: Nelson B. Sousal Carreira> Recursos Humanosl 19/11/2008 lAcessos: 10,591
    Gisele Leite

    Artigo de cunho didático sobre a responsabilidade civil das diferentes empresas.

    Por: Gisele Leitel Direito> Doutrinal 08/12/2009 lAcessos: 829

    Em junho de 2010 passará a vigorar a Resolução 141 da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC, prevendo novos direitos dos passageiros a serem cumpridos pelas companhias aéreas, tais como oferecer informação, inclusive por escrito sempre que solicitados, refeição adequada em caso de atrasos superiores a 2 horas e eventual serviço de hospedagem. Trata-se um acréscimo aos direitos dos consumidores de serviços de companhias aéreas.

    Por: Érika Taucci Magalhãesl Direito> Legislaçãol 20/05/2010 lAcessos: 719 lComentário: 1

    O presente artigo tem a finalidade de relatar as principais características, em um âmbito político e social, de um período da história brasileira: a República Velha. É essencial analisar, ainda que de forma sucinta, seus antecessores e suas conseqüências. Para tal fim, buscamos um embasamento em celebres obras como "Coronelismo, Enxada e Voto", de Victor Nunes Leal e "Os Donos do Poder", de Raymundo Faoro.

    Por: Antônio Faustino Moural Direito> Doutrinal 17/12/2014
    André Silva Barroso

    O presente trabalho trata sobre os títulos de crédito eletrônicos e a possível descaracterização do princípio da cartularidade, onde, para uma melhor compreensão sobre tal instituto, buscou-se um estudo sobre seu conceito, características e princípios. Num segundo estágio foi-se abordado os títulos de crédito eletrônicos, que surgiram pelos avanços tecnológicos principalmente pelo advento da internet.

    Por: André Silva Barrosol Direito> Doutrinal 05/12/2014
    Liziane Mont'Alverne de Barros

    A "judicialização da política" ou "politização da justiça" na composição dos cenário das ciências jurídicas e sociais nos diversos países do mundo e seus efeitos na expansão do Poder Judiciário no processo decisório das democracias contemporâneas. O presente artigo tem por escopo promover uma análise crítica do desenvolvimento desse fenômeno que vem sendo desenvolvido pelo Órgão de Cúpula do Judiciário – STF.

    Por: Liziane Mont'Alverne de Barrosl Direito> Doutrinal 04/12/2014

    O código civil concede ao testador o direito não só de instituir herdeiro ou legatário em primeiro grau, mas também o de lhes indicar substituto.

    Por: DÉBORA LUCIANO DE ALMEIDAl Direito> Doutrinal 03/12/2014 lAcessos: 11

    CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO É um mecanismo previsto na lei civil, que pode-se valer o devedor que queira desonerar-se e que esteja em dificuldades para o fazer.

    Por: Fernando Bartoli de Oliveiral Direito> Doutrinal 01/12/2014

    Artigos 1962, 1963 e 1814 do Código Civil É o ato de manifestação da vontade do autor da herança que exclui da sucessão, um herdeiro necessário, tipificando, nos permissivos legais, a sua vontade. Dá-se por testamento somente.

    Por: Thais Luz Firminol Direito> Doutrinal 29/11/2014 lAcessos: 12

    A conquista, o governo e a manutenção do Estado são preocupações centrais do pensamento maquiaveliano. Essa tríade tem de ser mantida custe o que custar, ainda que para tanto não se observem questões de ordem ética e moral, pelo menos, a moral e a ética medievais e da Itália renascentista. O bom governante tem de manter o Estado e, para tanto, dadas as circunstancias tem que agir hora pela força, hora pela razão e outras vezes deve saber conjugar ambas, só assim conseguirá governar.

    Por: FRANCISCO ESDRAS MOREIRA ROCHAl Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 11

    O Direito Sucessório Brasileiro, disciplinado pelo Código Civil Brasileiro de 2002, prevê dois tipos de sucessão hereditária que podemos nos deparar quando da abertura da sucessão, qual seja: sucessão legítima e sucessão testamentária, acerca desta, mais especificamente sobre sucessão testamentária na forma pública, que discorremos no presente trabalho.

    Por: Arthur Sarilhol Direito> Doutrinal 28/11/2014

    Comments on this article

    0
    Luzia 07/06/2011
    E cabivel a denunciação à lide no processo do trabalho?
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast