Poder de Polícia - Administrativo

Publicado em: 21/06/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 673 |

Poder de Polícia

Introdução

Não é desconhecido o falto de que o Estado deve atuar á sombra do princípio da supremacia do interesse público. Significa dizer que o interesse particular há de curvar-se diante do interesse coletivo.

Quando o Poder Público interfere na órbita do interesse privado para salvaguardar o interesse público, restringindo direitos individuais, atua no exercício do poder de polícia.

Sentido Amplo e Estrito

A expressão poder de polícia comporta dois sentidos, um amplo e um estrito. Em sentido amplo, poder de polícia significa toda e qualquer ação restritiva do Estado em relação aos direitos individuais. É princípio constitucional o de que "ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude da lei" (art.5, II, CF).

Em seu sentido estrito, o poder de polícia se configura como atividade administrativa, que consubstancia, como vimos, verdadeiramente prerrogativa conferida aos agentes da Administração, consistente no poder de restituir e condicionar a liberdade e a propriedade.

Conceito

O Poder de polícia como a prerrogativa de direito público que, calcada na lei, autoriza a Administração Pública a restringir o uso e o gozo da liberdade e da propriedade em favor de interesse da coletividade.

Poder de Polícia Originário e Delegado

Ante o princípio de quem pode o mais pode o menos, não é difícil atribuir ás pessoas políticas da federação o exercício do poder de polícia. Afinal, sem lhes incumbe editar as próprias leis limitativas, de todo coerente que se lhes confira, em decorrência, o poder de minudenciar as restrições. Trata-se aqui do poder de polícia originário, que alcança, em sentido amplo, as leis e os atos administrativos provenientes de tais pessoas.

Quando a lei confere a uma entidade administrativa algum tipo de poder, diz-se que há na hipótese poder de polícia delegado.

Em determinadas situações em que se faz necessário o exercício do poder de polícia fiscalizatória (normalmente de caráter preventivo), o Poder público atribui a pessoas privadas, por meio de contrato, a operacionalização material de fiscalização através de máquinas especiais, como ocorre, por exemplo, na triagem em aeroportos para detectar eventual porte de objetos ilícitos ou proibidos. Aqui o Estado não se despe do poder de polícia nem procede a qualquer delegação, mas apenas atribuiu ao executor a tarefa de operacionalizar máquinas e equipamentos, sendo-lhe incabível, por conseguinte, instituir qualquer tipo de restrição; sua atividade limita-se, com efeito, á constatação de fatos.

Competência

A competência para exercer o poder de polícia é, em princípio, da pessoa federativa á qual a Constituição Federal conferiu o poder de regulamentar a matéria. Na verdade, os assuntos de interesse nacional ficam sujeitos á regulamentação e policiamento da União; as matérias de interesse regional sujeitam-se ás normas e á polícia estadual; e os assuntos de interesse local subordinam-se aos regulamentos edilícios e ao policiamento administrativo municipal.

Fundamento

No que concerne ao benefício resultante do poder de polícia, constitui fundamento dessa prerrogativa do Poder de Polícia o interesse público. A intervenção do Estado no conteúdo dos direitos individuais somente se justifica ente a finalidade que deve sempre nortear a ação dos administradores públicos, qual seja, o interesse da coletividade.

Finalidade

Deste modo, outra não poderia ser a finalidade dessa intervenção através do poder de polícia senão a de proteção dos interesses coletivos, o que denota estreita conotação com o próprio fundamento do poder, ou seja, se o interesse público é o fundamento inspirador dessa atuação restritiva do Estado, há de constituir alvo dela a proteção do mesmo interesse. Este tem que se entendido em sentido amplo, para alcançar todo e qualquer aspecto, como o material, moral, cultural, ecológico etc.

Atuação da Administração

No exercício da atividade de polícia, pode a Administração atuar de duas maneiras.

Em primeiro lugar, pode editar atos normativo, que têm como característica o seu conteúdo genérico, abstrato e imparcial, qualificando-se, por conseguinte, como atos dotados de amplo círculo de abrangência. Nesse caso, as restrições são perpetrados por meio de decretos, regulamentos, portarias, instituições e outros de idêntico conteúdo.

Além desses, pode criar também atos concretos, estes preordenados a determinados indivíduos plenamente identificados, como são, por exemplo, os veiculados por atos sancionatórios, como a multa, e por atos de consentimentos, como as licenças e autorizações.

Atos de fiscalização

A fiscalização apresenta duplo aspecto: um preventivo, através do qual os agentes da Administração procuram impedir um dano social, e um repressivo, que em faze da transgressão da norma de polícia, redunda na aplicação de uma sanção. Neste ultimo caso, é inevitável que a Administração, deparando a conduta ilegal do administrado, imponha-lhe alguma obrigação de fazer ou não fazer. Como exemplo, cite-se o caso em que o indivíduo construiu em área pública, tendo decidido o STJ que a construção clandestina em logradouro público está sujeita á demolição, não tendo o invasor de má-fé direito á retenção, nem á indenização pelo município de eventuais benfeitorias.

Limites

Bem averba Creatella JR. que a faculdade repressiva não é, entretanto, ilimitada, estando sujeita a limites jurídicos: direito do cidadão, prerrogativas individuais e liberdades públicas asseguradas na Constituição e nas leis.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/poder-de-policia-administrativo-4933949.html

    Palavras-chave do artigo:

    poder

    Comentar sobre o artigo

    Bruno Lima Rocha

    "Para uma Teoria Libertária do Poder" é uma série de resenhas elaboradas sobre artigos ou livros de autores do campo libertário que discutem o poder. Seu objetivo é apresentar uma leitura contemporânea de autores que vêm tratando o tema em questão e trazer elementos para a elaboração de uma teoria libertária do poder, que poderá contribuir na elaboração de um método de análise da realidade e de estratégias de bases libertárias, a serem utilizadas por indivíduos e organizações.

    Por: Bruno Lima Rochal Notícias & Sociedade> Polítical 01/07/2011 lAcessos: 131
    Bruno Lima Rocha

    Para uma Teoria Libertária do Poder" é uma série de resenhas elaboradas sobre artigos ou livros de autores do campo libertário que discutem o poder. Seu objetivo é apresentar uma leitura contemporânea de autores que vêm tratando o tema em questão e trazer elementos para a elaboração de uma teoria libertária do poder, que poderá contribuir na elaboração de um método de análise da realidade e de estratégias de bases libertárias, a serem utilizadas por indivíduos e organizações.

    Por: Bruno Lima Rochal Notícias & Sociedade> Polítical 02/06/2011 lAcessos: 93

    Desde os primórdios o homem demonstra sua necessidade de se expressar e para isso molda no mundo uma nova criação. Como um demiurgo, o homem visita o mundo dos possíveis e dele trás novas formas e conceitos que transcendem a natureza, transfigurando o mundo em tudo o que faz. Uma das mais elevadas manifestações humanas é a Arte que, por sua natureza alcança o infinito, e enquanto existe não deixa de impressionar. A Arte passa então a estar sob outra emanação humana: o Poder.

    Por: Cláudio Antônio Arantes Pompeul Arte& Entretenimento> Artel 30/06/2013 lAcessos: 44
    Gabriela Valério Fernandes

    Este Trabalho tem como objetivo esclarecer algumas duvidas sobre o poder familiar com relação a pessoa dos filhos, enfoca a questão histórica do Poder familiar e suas causas de perda.

    Por: Gabriela Valério Fernandesl Direitol 27/11/2012 lAcessos: 97

    Poder de Polícia: instrumento do Estado(poder público) para impor sua soberania sobre a população em seu território. Não há hierarquia de poder de polícia, pois é instrumento único para exercício da soberania do Estado.

    Por: Osmar Ventrisl Direito> Doutrinal 04/03/2012 lAcessos: 239
    Claudio Bezerra de Menezes

    O instituto da Arbitragem é apresentado em boa-fé como um relevante instrumento popular de dizer o Direito, tendo como suportes importantes a Celeridade do processo e satisfação latu e strictu sensu do jurisdicionado quanto ao acesso à justiça. A defesa ardorosa em prol da popularização do instituto da Arbitragem tem como objetivo maior suprir alternativamente a carência dos menos afortunados em recorrerem à Justiça para tentarem dirimir seus litígios.

    Por: Claudio Bezerra de Menezesl Direito> Doutrinal 16/07/2011 lAcessos: 226
    Jorge Henrique M. Evangelista

    Discorre sobre a limitação ao Poder Constituinte Originário, com ênfase na limitação decorrente dos Tratados Internacionais que versam sobre Direitos Humanos. Procura mostrar a importância das normas internacionais à efetivação da democracia dos Estados por meio da pesquisa bibliográfica, trazendo posicionamentos de doutrinadores de renome. Deste, concluiu-se pela necessidade dos Estados Democráticos adotarem as normas internacionais como legítimas defensoras da dignidade humana e direitos.

    Por: Jorge Henrique M. Evangelistal Direito> Doutrinal 15/07/2011 lAcessos: 663
    matheus henrique

    O poder familiar é um direito e um dever dos pais para com os filhos, foi criado para poder estabelecer uma relaçao melhor entre pais e filhos, tanto quanto a pessoa do filho, quanto aos bens do filho, e havendo o descumprimento dessas obrigaçoes para com os filhos, pode haver a extinçao, suspensao ate mesmo a perda do poder familiar.

    Por: matheus henriquel Direito> Doutrinal 22/06/2010 lAcessos: 1,858
    Paulo Vitor Urbano dos Santos

    A convivência familiar é um direito da criança. A família é responsável pela proteção e formação da criança, mas nem sempre esses direitos são observados, a criança ou menor pode ser vítima de negligência, exploração, violência ou crueldade, nesses casos o Estado passa a ser responsável pela proteção da criança ou adolescente e o Poder Judiciário pode inclusive, a depender do caso, destituir os genitores do Poder Familiar.

    Por: Paulo Vitor Urbano dos Santosl Direito> Legislaçãol 03/10/2014

    Artigo jurídico com o intuito de descrever resumidamente como se dão as três formas de se perder o poder familiar, sendo a suspensão, a perda e a extinção deste, observando suas particularidades. Matéria do Art. 1.634 ao 1.638 do Código Civil Brasileiro de 2002.

    Por: Fernando Jorge Roselino Netol Direito> Jurisprudêncial 11/06/2011 lAcessos: 893
    Bira Paulino

    Desaposentação, um nome tão complicado, mas com um significado simples e prático. Caros leitores, desaposentação nada mais é que a renúncia de uma aposentadoria já concedida seja ela por idade ou tempo de contribuição, em favor da concessão de um novo benefício, em razão da continuidade de contribuições pós aposentação.

    Por: Bira Paulinol Direito> Doutrinal 14/10/2014

    A Família é a base do Estado. O poder familiar resume-se em responsabilidades e direitos que envolvendo a relação entre pais e filhos. A separação judicial, o divórcio e a dissolução da união estável não alteram as relações entre pais e filhos. A Alienação Parental é uma prática de desmoralização da figura de um dos genitores para com a criança. A Síndrome da Alienação Parental é o resultado desta prática. A atuação do advogado é de extrema importância para ajudar a dar fim nessa prática.

    Por: Cleidel Direito> Doutrinal 13/10/2014
    André Boaratti

    O presente texto aborda a hierarquia das fontes do Direito Internacional Público, ressaltando a relação entre eles, principalmente entre os Tratados e os Costumes.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 07/10/2014
    Isabel Cochlar

    Advogada adverte que a Guarda Compartilhada, como direito da criança,foi suprimida no texto legal anterior, em claro desrespeito ao princípio da dignidade humana

    Por: Isabel Cochlarl Direito> Doutrinal 06/10/2014
    André Boaratti

    Qual a relação entre o Direito Internacional Público e Privado? Quais as diferenças entre Tratado, Acordo e Contratos Internacionais? Essas e outras questões serão o foco do presente texto.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 05/10/2014

    Buscando demonstrar que a mediação é um método adequado para solucionar e prevenir conflitos advindos das relações sociais, este trabalho tem como objeto de estudo a mediação no âmbito das Delegacias de Polícia do Estado do Ceará. Tendo em vista que grande parte da demanda de casos que chegam às Unidades Policiais do Estado versam sobre infrações de menor potencial ofensivo, em geral envolvendo pessoas da própria comunidade, as quais anseiam por serem ouvidas e terem suas lides solucionadas.

    Por: klezerl Direito> Doutrinal 03/10/2014

    Será abordado neste artigo além de polêmico na sociedade brasileira é também de suma importância para o futuro dos ex-detentos, ou seja, aqueles que após cumprirem suas penas, saem do sistema prisional e vão de encontro com a sociedade a busca de sua ressocialização frente a sociedade. Serão abordados os vários conceitos que o termo ressocialização recebe dos doutrinadores, e as alternativas de reinserção dos ex-detentos no mercado de trabalho.

    Por: klezerl Direito> Doutrinal 02/10/2014

    Tanto a maioria da sociedade brasileira como a mídia vê o pedófilo como um criminoso e não um doente. Quanto, ao ordenamento jurídico, não há uma definição da pedofilia como um crime, entretanto aquele pedófilo que comete ato libidinoso responde por abuso de natureza sexual cometido contra criança.

    Por: Gleidson Mateus de Melol Direito> Doutrinal 01/10/2014

    Um aprofundamento sobre um dos regimes de bens entre os cônjuges que a lei nos fornece, do regime de comunhão universal.

    Por: João Francisco Riosl Direito> Doutrinal 08/06/2011 lAcessos: 248

    Síntese dos principais pontos pertinentes sobre este título.

    Por: João Francisco Riosl Direitol 30/11/2010 lAcessos: 1,975 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast