Princípio Da Precaução X Princípio Da Prevenção

Publicado em: 09/02/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 15,709 |

Muitos doutrinadores tratam de princípio da precaução e princípio da prevenção como sinônimos. O professor Celso Antonio Pacheco Fiorillo, no seu livro intitulado Curso de Direito Ambiental Brasileiro, sequer fala de princípio da precaução, limitando-se a descrever e doutrinar sobre o princípio da prevenção. Outros, ainda, fazem referência apenas ao princípio da precaução.

No que se refere à etimologia, o professor Édis Milaré traz, em seu livro Direito do Ambiente, RT, 2005, p. 165:

“Prevenção é substantivo do verbo prevenir, e significa ato ou efeito de antecipar-se, chegar antes; induz uma conotação de generalidade, simples antecipação no tempo, é verdade, mas com intuito conhecido. Precaução é substantivo do verbo precaver-se (do Latim prae = antes e cavere = tomar cuidado), e sugere cuidados antecipados, cautela para que uma atitude ou ação não venha a concretizar-se ou a resultar em efeitos indesejáveis. A diferença etimológica e semântica (estabelecida pelo uso) sugere que a prevenção é mais ampla do que precaução e que, por seu turno, precaução é atitude ou medida antecipatória voltada preferencialmente para casos concretos.”

O festejado doutrinador continua:

“Não descartamos a diferença possível entre as duas expressões nem discordamos dos que reconhecem dois princípios distintos. Todavia, preferimos adotar princípio da prevenção como fórmula simplificadora, uma vez que a prevenção, pelo seu caráter genérico, engloba precaução, de caráter possivelmente específico.”

Entendemos como mais correto tratar os princípios da precaução e da prevenção como princípios distintos, entendimento esse partilhado pelo professor Paulo Affonso Leme Machado, que em seu livro Direito Ambiental Brasileiro, Malheiros, 2006, trata de ambos separadamente, e pelo professor Marcelo Abelha Rodrigues, que em seu livro Elementos de Direito Ambiental – Parte Geral, Revista dos Tribunais, 2005, p. 204-208, diferencia ambos, conforme abaixo:

“No nosso sentir, o princípio da precaução não é a mesma coisa que o princípio da prevenção. Se a diferença semântica não parece ser muito clara, o mesmo não se dá quando a comparação recai na natureza e teleologia desses princípios. Há uma diferença fundamental entre o que se pretende por intermédio da precaução e o que se quer pela prevenção”.

E segue:

“Mais do que um jogo de palavras, a assertiva é norteada por uma política diversa da prevenção porque privilegia a intenção de não se correr riscos, até porque a precaução é tomada mesmo sem saber se existem os riscos. Se já são conhecidos, trata-se de preveni-los.”

Ou seja, podemos diferenciar os princípios de maneira simples se considerarmos a finalidade de cada um. Tratar-se-á de princípio da prevenção sempre que soubermos, antecipadamente, que determinada atividade causará danos ao meio ambiente, como no caso de uma atividade mineradora.

Falaremos de princípio da precaução quando não soubermos se determinada atividade causará danos ao meio ambiente ou não. Diante da incerteza científica do potencial dano ao meio ambiente de determinada atividade, como nos casos da utilização de organismos geneticamente modificados, incide o princípio da precaução para prevenir o meio ambiente de um risco futuro.

De acordo com Cristiane Derani, em seu livro Direito ambiental econômico, Max Limonad, 1997, o princípio da precaução:

“Se resume na busca do afastamento, no tempo e espaço, do perigo, na busca também da proteção contra o próprio risco e a análise do potencial danoso oriundo do conjunto de atividades. Sua atuação faz sentir, mais apropriadamente, na formação de políticas públicas ambientais, onde a exigência de utilização da melhor tecnologia disponível é necessariamente um corolário.”

Utilizamo-nos do princípio da precaução para evitar que, no futuro, diante da ocorrência do dano ambiental, fique evidente que determinada conduta deveria ter sido impedida. Ele não admite sequer a negociação de riscos, ou seja, no caso de dúvidas, devemos optar por defender a natureza (in dubio pro natura).

Segundo Cristiane Derani, na obra supracitada:

“Essa precaução, visando à garantia de um meio ambiente física e psiquicamente agradável ao ser humano, impõe uma série de ações básicas pelo governo. (...) Precaução é cuidado in dúbio pro securitate. O princípio da precaução está ligado aos conceitos de afastamento do perigo e segurança das gerações futuras, como também de sustentabilidade ambiental das atividades humanas. Esse princípio é a tradução da busca da proteção da existência humana, seja pela proteção de seu ambiente como pelo asseguramento da integridade da vida humana”.

O Ministro Antonio Herman Benjamin afirma que houve uma mudança funcional no Direito Ambiental, indicando que esse passou de um direito de danos, preocupado apenas em reparar ou ressarcir aquilo que, muitas vezes, sequer é quantificável, para um direito de riscos, buscando evitar a degradação ambiental.

Essa mudança apontada pelo Ministro é resultante do surgimento do princípio da precaução, conforme relatamos aqui.

Assim, de acordo com o que nos ensina Marcelo Abelha Rodrigues:

“O princípio da precaução, portanto, tem uma finalidade ainda mais nobre do que a própria prevenção, já que em última análise este último estaria contido naquele. Enquanto a prevenção relaciona-se com a adoção de medidas que corrijam ou evitem danos previsíveis, a precaução também age prevenindo, mas antes disso, evita-se o próprio risco ainda imprevisto.” (RODRIGUES 2005, p. 207).

Dessa forma, diante do exposto, concluímos que os princípios da precaução e da prevenção devem ser tratados com a devida distinção, já que, nos dizeres de Marcelo Abelha Rodrigues, o princípio da precaução “é de alcance protetivo muito maior do que a prevenção”.

 

Referências Bibliográficas

LEME MACHADO, Paulo Affonso. O Princípio da Precaução e o Direito Ambiental. In: Revista de Direitos Difusos – Vol. 8. Editor: Ricardo A. Pamplona Vaz. São Paulo: Esplanada e IBAP, 2001.

________. Direito Ambiental Brasileiro. 14ª ed., rev., at. e amp. São Paulo: Malheiros, 2006.

MILARÉ, Edis. Direito do Ambiente: doutrina – jurisprudência – glossário. 4ª ed. rev., amp. e at. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

RODRIGUES, Marcelo Abelha. A Presunção Constitucional de Degradação do Meio Ambiente pelas Atividades Econômicas. In: Revista de Direitos Difusos – Vol. 35. Coordenadores: Guilherme José Purvin de Figueiredo e Paulo Affonso Leme Machado. São Paulo: IBAP e APRODAB, 2006.

 ________. Elementos de Direito Ambiental – Parte Geral. 2ª ed. rev., at. e amp. São Paulo, Revista dos Tribunais, 2005.

SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 3. ed. rev. e amp. São Paulo: Malheiros, 2000.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/principio-da-precaucao-x-principio-da-prevencao-1840601.html

    Palavras-chave do artigo:

    precaucao

    ,

    prevencao

    ,

    principio

    Comentar sobre o artigo

    Adriana Wanderley Bartocci

    A humanidade vive uma realidade de incertezas, sob o ponto de vista ecológico, haja vista que a degradação do meio ambiente aumentou significativamente nas últimas décadas. Não é apenas a poluição atmosférica, chuvas ácidas, morte dos rios, mares e oceanos que demonstram a ação devastadora do homem. Pelo contrário, a questão ambiental traz implicações complexas e polêmicas, como a produção e a comercialização dos produtos geneticamente modificados. No Brasil, a questão ambiental passou a ter rel

    Por: Adriana Wanderley Bartoccil Direito> Doutrinal 10/08/2011 lAcessos: 134
    FABRÍCIA BATISTA DA SILVA

    O presente artigo trata da aplicabilidade "aparente" do Princípio da Precaução no Direito Ambiental, com vistas ao Norte do Estado do Mato Grosso, abordando a questão da construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte.

    Por: FABRÍCIA BATISTA DA SILVAl Direito> Legislaçãol 14/04/2012 lAcessos: 330

    A definição de quais são os princípios atinentes ao direito ambiental na Constituição Federal de 1988 sofre variações conforme interpretações de diferentes doutrinadores. Com uma definição mais sintética, Fiorillo (2012) considera que os princípios do direito ambiental previstos na Constituição Federal de 1988 são o do desenvolvimento sustentável, do poluidor-pagador (PPP), da prevenção, da participação e da ubiquidade.

    Por: João Marcelo Schonarthl Direito> Doutrinal 15/10/2013 lAcessos: 47
    Patrícia Gomes Sampaio

    O estudo dos princípios é de suma importância, servindo para orientar interpretações, completar lacunas da lei e - principalmente - motivar a estrutura do ordenamento jurídico. Na doutrina ambiental são inúmeros os princípios que regem a tutela do meio ambiente e o comportamento humano, todavia destacam-se: o princípio da prevenção, da precaução, do poluidor-pagador, usuário-pagador, da participação, da educação ambiental, do direito à informação e o princípio do desenvolvimento sustentável.

    Por: Patrícia Gomes Sampaiol Direito> Doutrinal 25/01/2011 lAcessos: 1,072
    Allisson Acioli Soares

    A política nacional do meio ambiente estabelece-se diante dos princípios que a norteiam com o único fim de alcançar os objetivos pretendidos, os quais passa-se a analisar no presente artigo.

    Por: Allisson Acioli Soaresl Direitol 28/10/2009 lAcessos: 1,838
    Agatha Gonçalves Santana

    Tradução do Texto de Olga Yastrebkova. Original: Le droit de l'environnement dans la Russie postsoviétique: responsabilité et prévention des dommages. In: Revue d'études comparatives Est-Ouest. Volume 38, 2007, N°2. Les mutations du droit et de la justice en Russie. pp. 125-142.

    Por: Agatha Gonçalves Santanal Direito> Doutrinal 26/11/2011 lAcessos: 403

    Resumo  Devido às evoluções ocorridas na década de oitenta, na área contábil, houve a necessidade de atualizações dos "Princípios Fundamentais de Contabilidade (PFC)" através da Resolução CFC 750/93. Logo, em 28 de Maio de 2010, pelo processo de convergência das Normas Internacionais de Contabilidade, foi atualizada novamente, com a Resolução CFC 1282/10, para assegurar a aplicação correta das Normas Brasileiras de Contabilidade, frente aos novos Princípios de Contabilidade.

    Por: Neide Pena Cárial Educação> Ensino Superiorl 20/05/2011 lAcessos: 4,665

    Atualmente, muito se discute sobre a situação dos alimentos geneticamente modificados, os chamados alimentos transgênicos, se devem ser liberados indiscriminadamente ou se devem ser objeto de estudos antes do consumo irrestrito. Neste artigo trataremos um pouco sobre a problemática apontada.

    Por: Daniel Marotti Corradil Direito> Doutrinal 07/11/2009 lAcessos: 2,348

    O meio ambiente bem comum de uso do povo. O tema abordado neste trabalho tem como finalidade o seguinte questionamento: há instrumentos legais e administrativos para proteger e conservar o meio ambiente? O objetivo geral: confrontar aspectos positivos e negativos sobre a preservação e conservação ambiental, uma vez que há legislações e doutrinas, que disciplinam o tema, mas não conseguem atingir essa meta legal na sua totalidade.

    Por: joão batistal Direito> Legislaçãol 15/05/2012 lAcessos: 335

    A toxicologia forense tem por fim científico identificar a presença de substâncias químicas nos casos de investigação de violência, homicídios, suicídios, acidentes e uso de drogas de abuso para aplicação legal. No Brasil observa-se um aumento no número de intoxicações e óbitos causados por substâncias químicas como medicamentos, agrotóxicos e drogas de abuso com motivos de interesse legal nos últimos anos. Diante desse quadro esse trabalho veio abordar essa grave realidade no nosso país.

    Por: danilol Direito> Doutrinal 18/11/2014 lAcessos: 12

    O presente trabalho busca explicar detalhadamente as leis de circulação e a teoria geral do direito. Procura mostrar a característica de cada uma delas, como funciona a circulação dos títulos de crédito e de que forma se faz a circulação.

    Por: Thiago Augusto Zartl Direito> Doutrinal 17/11/2014

    O estudo das Escolas Criminológicas tem como principal função demostrar as causas do crime. Primeiramente ocorreu o domínio da Escola Clássica, em seguida a Escola Positiva e por fim a Escola Crítica. Todas contribuíram para o estudo da criminologia contemporânea.

    Por: Silvana Grando dos Santosl Direito> Doutrinal 17/11/2014
    Felipe Lermen Jaeger

    A responsabilidade civil pós-contratual teve origem na doutrina alemã, no início do século XX, mais precisamente em 1910 e as primeiras decisões relativas ao tema apareceram na década de 20. Posteriormente se expandiu para os países como Portugal Argentina e Itália.

    Por: Felipe Lermen Jaegerl Direito> Doutrinal 17/11/2014
    Felipe Lermen Jaeger

    Esse artigo visa estudar o ordenamento brasileiro de normas e delimitar a aplicação da lei no tempo bem como verificar a possibilidade de sua existência em prejuízo.

    Por: Felipe Lermen Jaegerl Direito> Doutrinal 17/11/2014
    André Boaratti

    Pretende-se introduzir brevemente o Direito Internacional Privado por meio da relação entre as duas definições mais importantes e o seu objeto.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 17/11/2014
    André Boaratti

    O presente texto tem por objetivo demonstrar algumas fases que ofereceram significativas contribuições para a configuração atual do Direito Internacional Privado: A Idade Média, por meio do surgimento dos burgos, e a Idade Moderna, através das mudanças nas esferas política e econômica, e o período atual marcado pelo estabelecimento de um mercado global.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 16/11/2014

    No período pós-eleições, advogado e diretor do Sindicato dos Servidores da PGE/RS faz uma avaliação do que aconteceu durante e após às eleições, principalmente no que se refere a relacionamentos.

    Por: Sindispgel Direito> Doutrinal 16/11/2014

    Atualmente, muito se discute sobre a situação dos alimentos geneticamente modificados, os chamados alimentos transgênicos, se devem ser liberados indiscriminadamente ou se devem ser objeto de estudos antes do consumo irrestrito. Neste artigo trataremos um pouco sobre a problemática apontada.

    Por: Daniel Marotti Corradil Direito> Doutrinal 07/11/2009 lAcessos: 2,348
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast