Princípios Constitucionais de Direito Penal

Publicado em: 12/03/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 2,736 |

Princípios Constitucionais de Direito Penal

                 Este artigo tem por objetivo trazer uma visão geral e objetiva sobre os princípios de direito penal. A importância do entendimento destes princípios é indiscutível, não há como compreender o direito penal sem conhecer seus parâmetros basilares. Seria como construir sem ter os alicerces da obra.

                A palavra "princípio" pode expressar vários significados, dentre os quais, início, origem, base, fundamento, o que regula um comportamento, base de uma ciência.  Levando estes significados para a esfera jurídica podemos considerar que princípios são uma ordenação que serve como parâmetro interpretativo para a concreta e correta  aplicação do direito.

                Os princípios poderão estar explícitos ou implícitos na Constituição Federal. Os explícitos são os que estão escritos, expressos em lei, os implícitos, ainda que não expressos, figuram subentendidos no ordenamento jurídico.   No direito penal brasileiro encontramos os seguintes princípios:

1-      Dignidade da Pessoa Humana

  • ·         É constitucional explícito Art. 1º, inciso III da Constituição Federal
  • ·         Considerado o princípio vetor, o alicerce, a base de onde se emanam os demais princípios.
  • ·         A doutrina diverge quanto a Dignidade da Pessoa Humana ser um princípio, defendendo a idéia de que seria uma meta a ser alcançada no estado democrática de direito (Guilherme Nucci).
  • ·         Garantidor da defesa da dignidade do ser humano, protegendo o indivíduo de ações arbitrárias e indevidas do por parte do Estado. Limitador do poder do Estado ou daqueles que detém poder sobre outrem.

 2-      Princípio da Legalidade

  • ·         É constitucional explícito Art. 5º XXXIX da Constituição Federal – Garantia Individual Constitucional
  • ·         Art. 1º do Código Penal -
  • ·         Estabelece que o Estado deva se submeter ao império da Lei. No direito Penal desdobra-se em outros dois princípios, o da Reserva Legal e o da Anterioridade.

                                                                          i.      O postulado (sub-princípio) da Reserva Legal significa a necessidade de Lei Formal que determine o fato típico e a respectiva pena, destacando a formalidade legal prevista, só podendo ser criados pelo processo legislativo previsto na Constituição Federal.

                                                                         ii.      Princípio da Anterioridade – necessidade de uma lei anterior ao fato que se quer punir. "Lex Praevia". Conhecido pelo brocardo latino (criação de Feurbach) "nullun crimem, nulla poena sine lege praevia"

 3-      Princípio da Retroatividade da Lei mais Benéfica ou da Irretroatividade da Lei Penal

  • ·         É constitucional explícito Art. 5º XXXIX da Constituição Federal
  • ·         Art. 2º parágrafo único do Código Penal
  • ·         A Lei penal não pode retroagir salvo quando para beneficiar o Réu. De regra a Lei Penal não retroagirá, porém quando a nova lei beneficiar o réu, mesmo que transitada em julgado sentença condenatória, poderá este ser beneficiado.
  • ·         Não podemos deixar de abordar o instituto da "abolitio criminis", Art. 2º caput do Código Penal.  Ocorre quando um fato deixa de ser crime em virtude de lei posterior. Nessa situação, o agente não poderá ser ou permanecer condenado, pois o fato, anteriormente praticado, deixou de ser crime. Apagam-se assim os efeitos penais, persistindo os civis (ex. dever de indenizar).
  • ·         Será possível combinar leis utilizando as partes mais benéficas (parte boa da lei revogada + parte boa da lei nova posterior) a determinado fato sob a égide do princípio da retroatividade da lei mais benéfica. Há posições doutrinárias contrárias (Nelson Hungria) sob o argumento de que estaríamos frente a uma terceira Lei  "lex  tertia" e, nesse sentido, estaria o Juiz legislando, invadindo um poder  que não lhe compete. Os que aceitam a hipótese ( argumentam que não seria a criação de uma terceira lei e sim uma integração de leis (Francisco Assis Toledo). Do mesmo modo o informativo 525 do STF que aplicou a integração de duas leis (art. 12 da Lei 6368/76 com o Art. 33 § 4º da Lei 11343/06) utilizando-se dos  princípio da retroatividade benéfica e da ultratividade da lei penal. Nesta situação foi utilizado a pena do art. 12 que era menor integrada com o § 4º do Art.33 admitindo a redução de 2/3 da pena.

 4-      Princípio da Personalidade ou (Princípio da Responsabilidade Pessoal, Princípio da Pessoalidade da Pena, da Intransmissibilidade)

  • ·         É constitucional explícito Art. 5º XLV da Constituição Federal
  • ·         Significa que a lei não poderá ultrapassar a pessoa do condenado. Não podem os seus familiares, seus herdeiros responder por algo que não fizeram.
  • ·         Não se inserem neste princípio a indenização civil e o confisco de produto do crime.

 5-      Princípio da Individualização da Pena

  • ·         É constitucional explícito Art. 5º XLVI da Constituição Federal
  • ·         A pena não deve ser padronizada, o que significa seguir os parâmetros da lei, mas considerando as circunstâncias individuais do agente bem como as do fato em si. Objetivamente  cada um terá a pena exata que lhe cabe.

 6-      Princípio da Humanidade (Princípio da Humanidade das Penas)

  • ·         É constitucional explícito Art. 5º, III, XLVI,  XLVII e XLIX da Constituição Federal
  • ·         Decorre também da Declaração dos Direitos do Homem - ONU (1948), do Pacto de San José da Costa Rica.
  • ·         O Direito Penal deve tratar com benignidade vislumbrando sempre a coletividade social. Seria inaceitável tratar de forma desumana o indivíduo mesmo quando tenha  sido condenado por transgredir o ordenamento penal.
  • ·         Não se admitem penas cruéis como  as penas de caráter perpétuo, de morte (salvo em caso de guerra declarada), de trabalhos forçados, de banimento ou toda e qualquer pena de castigos corporais.
  • ·         Qualquer pena que possa atingir a condição físico -psicológica do ser humano é inconstitucional (Zaffaroni).
  • ·         Este princípio não vem sendo cumprido na atualidade brasileira. O simples fato do não cumprimento da Lei de Execuções Penais demonstra esta realidade. A conseqüência é que o STF e o STJ têm mitigado, relativizado alguns institutos da LEP por não haver possibilidade de cumprimento. Exemplo é a possibilidade de prisão domiciliar na falta de albergue para cumprimento da sua pena no regime semi-aberto (Informativo nº 512 do STF- Não pode o Estado impor regime prisional mais rigoroso do que a pena permite).  

 7-      Princípio da Intervenção Mínima

  • ·         É princípio implícito também conhecido como da subsidiariedade ou da fragmentariedade.  Alguns autores dizem que a Intervenção Mínima se subdivide em duas dimensões, a subsidiariedade e fragmentariedade.
  • ·         O Princípio da subsidiariedade traz a idéia de que o direito penal só deverá ser utilizado quando não houver alternativa, quando já tiverem se esgotado todas as outras hipóteses de solução, afirmando ser o direito penal a "ultima ratio"
  • ·         O Direito Penal não deve ser a primeira opção "prima ratio", existem outros ramos do direito preparados para solucionar as lides, as desavenças, compondo-as sem maiores conseqüências. 
  • ·         Na dimensão da Fragmentariedade interessa ao direito Penal punir as ações mais graves praticadas contra os bens jurídicos mais importantes, aquelas verdadeiramente lesivas a vida em sociedade. É constante nos julgados do STF e do STJ a utilização da Fragmentariedade como razão para a aplicação do Princípio da Insignificância.

 8-      Princípio da Culpabilidade (Princípio da Responsabilidade Subjetiva).

  • ·         Art. 18 do Código Penal
  • ·         Ninguém poderá ser punido se não houver agido com dolo ou culpa. A responsabilidade no direito penal deverá ser subjetiva "nullun crimem cine culpa".  O parágrafo do Art. 18 do Código Penal ainda estabelece que, ninguém poderá ser punido se não agir com dolo, salvo se houver previsão expressa em lei. De regra só se pune aquele que agiu com dolo, a condenação por crime culposo é exceção e só cabe quando prevista em lei.
  • ·         É uma exigência do estado democrático de direito. Inadmitindo a responsabilidade penal objetiva (que dispensa o exame do elemento subjetivo, culpando o sujeito pelo mero nexo causal de sua conduta).
  • ·          Em hipóteses extremas previstas em lei se aceita a responsabilidade penal objetiva.

 9-      Princípio da Taxatividade

  • ·         As leis Penais devem ser claras,  precisas e bem elaboradas de forma que seus destinatários possam compreendê-las, Não podem aqueles que devem cumprir a Lei terem dúvidas pelo modo como foram elaboradas.Não se admite a criação de tipos que contenham conceitos vagos ou imprecisos.
  • ·         Impõe-se ao Poder Legislativo, na elaboração das leis, que redija tipos penais com a máxima precisão de seus elementos. É nitidamente decorrente da legalidade, logo, Constitucional Implícito.

 10-   Princípio da Proporcionalidade (Princípio da Proibição do Excesso)

  • ·         Princípio implícito, embora não esteja expresso na constituição, está nos fundamentos da Constituição Federal  que em seu artigo 1º, III como forma de garantir a dignidade da pessoa humana e também nos objetivos da República Federativa do § 2º do art. 5º .
  • ·         Por esse princípio, a aplicação de uma pena deve estar adequada, de acordo com a gravidade da infração penal. O "quantum" de pena deve ficar estabelecido de forma proporcional à gravidade do delito cometido. Não se pode aceitar o exagero, tampouco a generosidade da pena, ela deve ser proporcional.

 11-   Princípio da Vedação da Punição pelo mesmo Fato

  • ·         Previsão implícita na Convenção Americana de Direitos Humanos.
  • ·         Conhecido como "ne bis in idem" e significa que ninguém deve ser processado e punido duas vezes pela mesma infração penal.
  • ·         Este princípio  veda a dupla incriminação, assim, não se pode punir alguém duas vezes pelo mesmo fato. Encontra-se fundamento no artigo 8.º, 4 da Convenção Americana sobre Direitos Humanos: "O acusado absolvido por sentença passada em julgado não poderá ser submetido a novo processo pelos mesmos fatos".

 

Referências Bibliográficas

Nucci, Guilherme de Souza, Código Penal Comentado, 10ª Ed. Atualizada e Ampliada, São Paulo, Editora Revista dos Tribunais, 2010.

Silva, Davi André Costa, Compêndio de Direito Penal, Porto Alegre, Editora Sapiens, 2010.

SALIM, Alexandre, Aranalde. Teoria da Norma Penal. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2008.

Farias, Demerval, Princípios Penais Constitucionais Implícitos e Explícitos - SaberDireito, 2009.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/principios-constitucionais-de-direito-penal-4397792.html

    Palavras-chave do artigo:

    direito penal

    ,

    principios

    ,

    principio

    Comentar sobre o artigo

    Alessandra Palladino

    Este trabalho tem por finalidade apresentar as principais características do Direito Penal Garantista, objetivando despertar o raciocino crítico sobre o sistema processual repressor, principalmente no que diz respeito às prisões cautelares, especialmente a prisão em flagrante, chamando a atenção basicamente para as irregularidades e a necessidade de verdadeiras mudanças à luz do modelo Garantista, visto não como a necessidade de se programar a “luta contra o crime”, para assegurar a “ordem social”, mas como um legítimo instrumento a serviço de um direito penal democrático e, acima de tudo, a serviço dos direitos fundamentais do cidadão. Neste estudo utilizou-se o método dedutivo, fundado em pesquisas bibliográficas, envolvendo livros especializados, artigos publicados em revistas e na internet, bem como pesquisa documental baseada em decisões de Tribunais.

    Por: Alessandra Palladinol Direitol 27/07/2009 lAcessos: 7,747 lComentário: 1

    Buscar-se-á neste artigo apresentar o desenvolvimento da sociedade, apontando os traços marcantes e relevantes da sociedade de risco apresentando o motivo para uma nova releitura do princípio da legalidade, apontador seus pontos de tensão e interpretação ante esta nova perspectiva social.

    Por: VERONICA FIORESE DE LIMAl Direitol 18/06/2014
    Carlos Alexandre Costa Leite

    Argüição quanto a falha dentro do Sistema Penal Brasileiro ao firmar em seu ordenamento o tipo vadiagem que, dentro dos preceitos normativos basilares para a criação da norma penal, encontra-se totalmente desconexo com o que deveria ser, proporcionando até mesmo antinomia no caso de uma interpretação sistêmica. O que pode ocasionar, em casos concretos, um enfraquecimento na visão de provável segurança dentro do que é visto como sendo o Estado Democrático de Direito Brasileiro.

    Por: Carlos Alexandre Costa Leitel Direito> Doutrinal 30/06/2009 lAcessos: 1,188 lComentário: 7

    O presente artigo tem como objetivo trazer à discussão a questão da aplicação do dolo presumido no Direito Penal brasileiro, uma vez que tal fato consiste, por sua natureza, em contraste com a essência do direito penal, que em seu processo evolutivo busca não somente a vingança, mas sim a pena enquanto medida que possibilite a reintegração do agente à vida social, bem como o cerceamento da liberdade como último recurso do Estado.

    Por: Sérgio Ricardo F. de Azevedol Direitol 09/02/2010 lAcessos: 2,659

    A definição de quais são os princípios atinentes ao direito ambiental na Constituição Federal de 1988 sofre variações conforme interpretações de diferentes doutrinadores. Com uma definição mais sintética, Fiorillo (2012) considera que os princípios do direito ambiental previstos na Constituição Federal de 1988 são o do desenvolvimento sustentável, do poluidor-pagador (PPP), da prevenção, da participação e da ubiquidade.

    Por: João Marcelo Schonarthl Direito> Doutrinal 15/10/2013 lAcessos: 47

    O presente artigo tem o objetivo de analisar o arranjo contextual histórico do Direito Penal Econômico, visualizar a economia como bem jurídico penalmente protegido. A escolha do tema, se dá pela atual importância do Direito Penal Econômico, sobretudo nesse momento histórico, que vivemos constante escândalos, uma verdadeira farra, a sociedade.

    Por: nelson q goesl Direitol 07/06/2012 lAcessos: 139
    Carlos Alexandre Costa Leite

    Sob a sombra da árvore da razão humana, desde as mais remotas civilizações, nunca se ouviu falar em alguma que permitisse a ofensa a bens preponderantemente necessários à vida, tutelados ou não por normas. Com o passar do tempo e a modernização da humanidade, tal como com o contacto havido entre povos mais e men

    Por: Carlos Alexandre Costa Leitel Direito> Doutrinal 04/04/2010 lAcessos: 1,670
    Carlos Alexandre Costa Leite

    Continuação e conclusão do artigo: A DISCREPÂNCIA DO TIPO VADIAGEM DENTRO DO SISTEMA BRASILEIRO DE DIREITO PENAL DO FATO PARTE 02

    Por: Carlos Alexandre Costa Leitel Direito> Doutrinal 07/07/2009 lAcessos: 280 lComentário: 1

    O presente artigo pretende estabelecer a influência da mídia sobre a opinião pública em relação às decisões legislativas no âmbito do Direto Penal Brasileiro.

    Por: Helius Keunecke Netol Direitol 05/05/2009 lAcessos: 5,183

    A toxicologia forense tem por fim científico identificar a presença de substâncias químicas nos casos de investigação de violência, homicídios, suicídios, acidentes e uso de drogas de abuso para aplicação legal. No Brasil observa-se um aumento no número de intoxicações e óbitos causados por substâncias químicas como medicamentos, agrotóxicos e drogas de abuso com motivos de interesse legal nos últimos anos. Diante desse quadro esse trabalho veio abordar essa grave realidade no nosso país.

    Por: danilol Direito> Doutrinal 18/11/2014

    O presente trabalho busca explicar detalhadamente as leis de circulação e a teoria geral do direito. Procura mostrar a característica de cada uma delas, como funciona a circulação dos títulos de crédito e de que forma se faz a circulação.

    Por: Thiago Augusto Zartl Direito> Doutrinal 17/11/2014

    O estudo das Escolas Criminológicas tem como principal função demostrar as causas do crime. Primeiramente ocorreu o domínio da Escola Clássica, em seguida a Escola Positiva e por fim a Escola Crítica. Todas contribuíram para o estudo da criminologia contemporânea.

    Por: Silvana Grando dos Santosl Direito> Doutrinal 17/11/2014
    Felipe Lermen Jaeger

    A responsabilidade civil pós-contratual teve origem na doutrina alemã, no início do século XX, mais precisamente em 1910 e as primeiras decisões relativas ao tema apareceram na década de 20. Posteriormente se expandiu para os países como Portugal Argentina e Itália.

    Por: Felipe Lermen Jaegerl Direito> Doutrinal 17/11/2014
    Felipe Lermen Jaeger

    Esse artigo visa estudar o ordenamento brasileiro de normas e delimitar a aplicação da lei no tempo bem como verificar a possibilidade de sua existência em prejuízo.

    Por: Felipe Lermen Jaegerl Direito> Doutrinal 17/11/2014
    André Boaratti

    Pretende-se introduzir brevemente o Direito Internacional Privado por meio da relação entre as duas definições mais importantes e o seu objeto.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 17/11/2014
    André Boaratti

    O presente texto tem por objetivo demonstrar algumas fases que ofereceram significativas contribuições para a configuração atual do Direito Internacional Privado: A Idade Média, por meio do surgimento dos burgos, e a Idade Moderna, através das mudanças nas esferas política e econômica, e o período atual marcado pelo estabelecimento de um mercado global.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 16/11/2014

    No período pós-eleições, advogado e diretor do Sindicato dos Servidores da PGE/RS faz uma avaliação do que aconteceu durante e após às eleições, principalmente no que se refere a relacionamentos.

    Por: Sindispgel Direito> Doutrinal 16/11/2014

    Publicada em 2006, a lei 11343/06 "Lei de drogas" trouxe questões controvertidas que podem causar inúmeras interpretações. Aproveitando anotações que fiz durante as aulas do Professor Davi André Costa Silva, um dos melhores penalistas da atualidade, escrevi este artigo na intenção de fornecer um material que contemple os conhecimentos necessários para o entendimento da referida Lei. O texto trata de questões importantes e que freqüentemente são abordadas em concursos e nos Exames de Ordem.

    Por: Marcelo Santin Gonçalvesl Direito> Doutrinal 10/04/2011 lAcessos: 1,580

    Anotações sobre o Concurso de Pessoas Arts. 29 a 31 do Código Penal - Matéria imprescindível para o estudo do Direito Penal e Processual Penal.

    Por: Marcelo Santin Gonçalvesl Direito> Doutrinal 25/03/2011 lAcessos: 1,691
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast