Propriedade Resolúvel

Publicado em: 22/06/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 1,199 |

 

1.Conceito

 

Anteriormente prevista no código cível de 1916, em seu artigo 647 e 648, sua previsão foi mantida no código civil de 2002 no artigo 1.359 e 1.360 é aplicável à bens móveis e imóveis.

Trata-se de modalidade de propriedade que traz em seu titulo, uma expressa declaração de vontade que cria uma condição ou termo, onde sua satisfação ou advento resolverá a propriedade em favor de um beneficiário, extinguindo não só a propriedade, mas todos os direitos reais sobre ela pendentes como se nunca houvessem existido.

 

2.Natureza jurídica

 

A propriedade tem como uma de suas características mais importantes a perpetuidade, e apesar de não ser absoluta em face do interesse público, se desfigura completamente pelo termo ou condição agregado à seu título, uma exceção à regra do direito real.

A condição e o termo são disciplinas da parte geral do Código Civil, e a eles não foi conferido o efeito retroativo "ex tunc", diferentemente da maneira que se encontra aplicados nesta matéria, por outro lado muito se assemelha à matéria que trata dos negócios jurídicos, também constantes da parte geral do mesmo código.

Podemos concluir que se trata de uma exceção às características de permanência e constância do direito de propriedade, muito se aproximando dos negócios jurídicos tratando-se de uma modalidade especial de domínio.

 

3.Efeitos

 

Como em todo negocio jurídico, não basta que a condição conste do termo de aquisição da propriedade, mas esta também deverá se amoldar ao art. 104, II do código civil, cuidando de que o objeto seja lícito, possível, determinado ou determinável.

Uma vez operada a condição ou termo, a propriedade é transferida ao beneficiário ou em caso de silêncio do título, retornará ao antigo proprietário, ambos com efeitos "ex tunc", retroagindo à data da aquisição pelo proprietário resolúvel.

Esta modalidade de propriedade confere ao seu titular a possibilidade de exercer todos os direitos sobre a propriedade enquanto esta não se resolver, seja usar, gozar, fruir e reaver, a menos que conste alguma restrição no título.

Destarte, tratando-se de bens imóveis, terceiros não poderão alegar ignorância sobre tal condição ou termo no momento em que for objeto de negócio jurídico, pois, com a mesma sorte das demais modalidades de direitos reais, esta também deverá ser levada à registro imobiliário.

O artigo 1360 do código civil trata da possibilidade da propriedade se resolver por condições alheias às previstas no título, com a evicção ou desapropriação, por exemplo. Neste caso o adquirente obterá a propriedade livre da condição ou termo, restando ao beneficiário, promover ação pessoal e não mais real contra o proprietário resolúvel, gerando efeitos "ex nunc", sem efeitos passados.

 

4.Do Direito expectativo e do Direito eventual

 

O beneficiário nada mais é que um proprietário diferido, titular de um direito eventual, que não pode ser confundido com uma expectativa de direito, pois este direito poderá nunca ocorrer. A este, a lei não confere qualquer ação, uma vez que ainda não existe direito a ser defendido.

Porém, pela ocasião da satisfação da condição ou advento do termo, terá o direito de ser compensado por perdas e danos causados por má-fé, culpa grave ou desídia do proprietário resolúvel, sendo a má-fé a causa do dever de indenizar em qualquer situação (art.187 C.C.), não havendo motivos para se excluir desta matéria.

Contudo, o proprietário diferido, ao ver a propriedade se deteriorar ou desaparecer por dolo do atual proprietário, poderá se valer dos princípios que regem o abuso de direito, podendo exigir caução ou qualquer outra medida acautelatória.

 

 

Referências bibliográficas

VENOSA, Silvio de Salvo, Direito Civil V: Direitos Reais - 9ª Ed. – São Paulo – Atlas, 2009

DINIZ, Maria Helena, Curso de Direito Civil Brasileiro: Direito das Coisas – 23ª Ed. – São Paulo – Saraiva, 2008

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/propriedade-resoluvel-2699405.html

    Palavras-chave do artigo:

    propriedade

    ,

    condicao

    ,

    termo

    Comentar sobre o artigo

    O presente estudo analisa a posse, domínio e propriedade no Direito Civil Brasileiro. Verificou-se que a propriedade visa garantir ao indivíduo o direito de usar, fruir, bem como dispor e reaver a coisa, enquanto que o referido direito está previsto no art. 5º, XXII da Constituição Federal, como direito fundamental, pois a mesma faz parte da dignidade da pessoa humana.

    Por: IDERLAN SOARES DO NASCIMENTOl Direitol 19/08/2014 lAcessos: 66

    O presente artigo trata da Propriedade Resolúvel,seu conceito e aplicação de forma pratica, bem como sua controvérsia Natureza Jurídica e formas de resolução,abrangendo possíveis efeitos e direitos de terceiros.

    Por: Ana Claudia Vicentel Direito> Doutrinal 21/06/2010 lAcessos: 9,481

    O propósito desse texto é perpassar o atributo da perpetuidade da propriedade, bem como na evidência de que o direito de propriedade não mais pode ser visualizado, sob a ótica constitucional e das diretrizes que regem o atual Código Civil, em especial o princípio da operabilidade, como um direito pleno, intangível, independentemente de fatores externos que possam enfraquecê-lo, posto que sofre uma gama de fatores que podem revogar tal direito.

    Por: rogeriol Direito> Doutrinal 29/11/2010 lAcessos: 809
    Claudiana Andrioli

    Esse artigo trata-se primeiramente de propriedade,para que assim seja exposto os principais temas sobre a propriedade ficuciária.

    Por: Claudiana Andriolil Direitol 10/11/2010 lAcessos: 3,497

    Apresentar definições suscintas sobre os principais termos contábeis e financeiros à luz da nova Legislação Contábil Brasileira, baseada na Lei 6.404/1976, com as alterações advindas das Lei 11.638/2007 e 11.941/2009.

    Por: LUIZ ROBERTO NASCIMENTOl Negócios> Gestãol 23/08/2010 lAcessos: 6,231 lComentário: 1

    Renúncia e abandono são formas de perda da propriedade, realizadas de forma unilateral pelo proprietário do bem.

    Por: MARIANA MARIN NAKADl Direito> Doutrinal 10/06/2011 lAcessos: 1,288

    Uma breve abordagem sobre uma das modalidades de Intervenção do Estado na Propriedade Privada que passa desapercebida, contudo é uma das mais gravosas na vida da pessoas, como se comprova pela jurisprudência.

    Por: Jadilson Albuquerquel Direito> Doutrinal 29/06/2012 lAcessos: 353
    Claudia Forlin

    O estudo teve como objetivo identificar o conhecimento técnico e científico que as enfermeiras da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) detêm sobre os efeitos maléficos que o oxigênio pode acarretar, e suas conseqüências se não for administrado adequadamente ao Recém-nascido pré-termo (RNPT).

    Por: Claudia Forlinl Saúde e Bem Estar> Medicinal 04/04/2011 lAcessos: 2,108

    Trata o artigo do terceiro interessado na cessão fiduciária de direitos sobre coisas móveis, bem como títulos de crédito.

    Por: Ana Paula Rossil Direito> Doutrinal 06/10/2013 lAcessos: 33

    Dr. Drauzio Varela relata a vida dos mais de 7 mil homens presos no maior presidio do Estado de São Paulo/SP, Ainda traz o relato do grande massacre nos meados do ano de 92.

    Por: Cristiane Duartel Direito> Doutrinal 31/10/2014

    A Lei 9.029/95 foi criada com o intuito de definir as práticas discriminatórias praticadas por empregadores contra seus empregados. A principal prática discriminatória estabelecida pela Lei é voltada para as mulheres, que ocorre quando o empregador exige da trabalhadora teste ou exame de gravidez no momento da admissão ou para efeitos de permanência na relação de trabalho, podendo este sofrer sanção pela prática do ato.

    Por: Cristine Dartoral Direito> Doutrinal 29/10/2014

    Administração Pública é o vocábulo que abrange tanto a atividade superior de planejar, dirigir, comandar, como a atividade subordinada de executar (DI PIETRO, 2010).

    Por: Rafael de Oliveiral Direito> Doutrinal 27/10/2014

    O instituto do bem de família, impenhorável por força da lei, foi criado para proteger a entidade familiar das crises econômicas. Em 1991, a Lei nº 8.245, em seu art. 82, introduziu mais uma possibilidade de penhora do bem de família, com precisão no art. 3° da Lei 8.009/90, em que o fiador responde com seu bem de família em razão de contrato de aluguel não cumprido pelo inquilino.

    Por: João Alós Müllerl Direito> Doutrinal 25/10/2014

    Advogado alerta que a nova Lei da Guarda Compartilhada pode abrir precedente da obrigatoriedade da guarda compartilhada de filhos no caso dos pais não chegarem a um acordo

    Por: João Clairl Direito> Doutrinal 23/10/2014

    Os direitos oriundos das relações trabalhistas vêm sendo discutidos conquistados com o decorrer do tempo, dentro dessa ótica verifica-se uma evolução associativa entre classes de empregadores e trabalhadores, que se encontram cada vez mais unidas para atingir fins que beneficiem a coletividade da qual fazem parte. No presente texto pretende-se alinhar as diversas linhas de raciocínio existentes e controversas a respeito do tema em questão, buscando ainda fazer relação com os valores consagrados

    Por: Vera Lucia braga Duartel Direito> Doutrinal 22/10/2014

    Esse trabalho tem como objetivo esclarecer o que são contribuições sociais e quais as contribuições que se constituem, apresentando de que forma é calculada a contribuição tanto do empregado, doméstico e trabahador avulso. Observa-se portanto, qual a aplicação da alíquota para cada tipo de contribuinte, assim como valores mínimos que devem ser colaborados. Resta saber também, quais os percentuais de contribuição.

    Por: Simone Follmerl Direito> Doutrinal 21/10/2014

    O trabalho envolve questões referente a jornada de trabalho e os direitos do trabalhador.

    Por: Simone Follmerl Direito> Doutrinal 21/10/2014

    Este trabalho tem como objetivo apresentar os crimes comuns e específicos (econômicos) contra o sistema previdenciário nacional.

    Por: Alexandre Loureiro Barreiral Direito> Legislaçãol 12/06/2011 lAcessos: 641

    Este artigo é uma apresentação do que é o ato de testar e suas características.

    Por: Alexandre Loureiro Barreiral Direito> Legislaçãol 29/11/2010 lAcessos: 233
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast