Quantos pesos e quantas medidas?

Publicado em: 21/08/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 46 |

Qualquer fato se mostra complicado quando não se consegue explicá-lo de forma coerente a uma criança. Mesmo nos assuntos de "gente grande", sempre há uma forma de se explicar para uma criança. Como nascemos? O que é universo? Por que cai o dente? Para que servem os juízes? São alguns exemplos, certo? Digamos que sim.

Nós, humanos, somos animais que necessitamos de apoio e proteção. Desde o ventre materno nos sentimos protegidos pelo liquido amniótico que nos aquece, nutre e conforta. Quando nascemos, o alimento e a proteção nós é alcançado pelos nossos pais ou tutores. Portanto, nascemos e crescemos dependentes de proteção e cuidado.

Conforme Thomas Hobbes, na impossibilidade de uma autoproteção individual, criamos o Estado (leviatã) e damos a ele o monopólio da força, ou seja, dos meios e mecanismos necessários para a proteção e estabilidade da sociedade. Já Montesquieu, nos ensina que o Estado (ao menos na atualidade, e no Brasil) tem uma tripartição de poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário.

Independente da função de cada um desses poderes, no fundo, o objetivo é o mesmo: a busca e a manutenção do "equilíbrio e paz social" (ao menos na ótica neoliberal que capeia mundo a fora na forma de discurso único gerando uma espécie de ideologia sem ideologia).

Porém, indiscutivelmente, é no Poder Judiciário que buscamos (na ausência ou falha dos outros Poderes) a última proteção. Assim, em que pese a proteção materna, da família, do médico, da escola etc., quando tudo isso (ou em muitos casos "nada disso") não é suficiente, procuramos o Poder Judiciário como última instância de guarida, de proteção.

Portanto, a uma criança poderíamos explicar (de forma muito simplificada, é claro) que o Judiciário é um "grande protetor" chamado para nos proteger e decidir nossos conflitos quando não há outra alternativa. Assim funciona quando elas, as crianças, chamam o pai ou a mãe quando brigam e não se entendem. Dessa forma, esse "grande protetor" deve tratar a todos os seus "protegidos" de forma igualitária e justa (pelo menos assim é ensinado nas escolas e é o que consta em nossa Constituição Federal).

Nos últimos dias estamos acompanhando o julgamento da Ação Penal 470, também conhecida, midiaticamente, por mensalão. Todos os 38 réus desse processo estão sendo julgados pelo Supremo Tribunal Federal, sendo que apenas três deles teriam o chamado foro "privilegiado" (e aqui não vamos adentrar na discussão desse chamado "privilégio"). Numa relação direta, não podemos deixar de lembrar o chamado mensalão mineiro (e uso esse adjetivo para mera identificação, na falta de outro melhor que não traga uma carga meritória subjetiva, ou seja, sem adentrar no mérito do objeto dos dois "mensalões").

Ocorre que, no mensalão mineiro, os réus que não teriam foro privilegiado, requereram e tiveram atendido, por parte do STF, o desmembramento do processo e o envio das denúncias daqueles "réus comuns" para a instância de primeiro grau, onde, depois, caso ocorra alguma condenação, podem recorrer das decisões para instâncias superiores, ou seja, Tribunal de Justiça e, por fim, até o próprio Supremo Tribunal Federal (mais alta corte judicial do Brasil). Diferente daqueles julgados diretamente pelo STF, que não têm outra instância superior para recorrer.  

Bem, esse mesmo pedido também foi formulado pelos defensores dos réus do mensalão que, agora, está sendo julgado pelo STF. Para o espanto de todos (ao menos para aqueles que ainda se espantam com alguma coisa), diferentemente daqueles pedidos atendidos no processo do mensalão mineiro, neste que agora está em julgamento, o pedido foi negado. Opa! Mas como assim? Sob que fundamento jurídico a mesma corte atende em um processo e nega em outro?     

            Assim, escancarou-se uma grande diferença de tratamento dispensada pelo Supremo Tribunal Federal aos réus dos processos do mensalão mineiro e os do outro mensalão. Enquanto do primeiro desmembraram, para que apenas os que efetivamente têm foro privilegiado fossem julgados pelo STF, os ministros indeferiram os mesmos pedidos reivindicados pelas defesas dos réus do segundo mensalão.

            Hã? Alguém pergunta: mas e o Estado Democrático de Direito, direitos iguais para todos previstos na Constituição? E mais: já que tudo é explicável, como explico isso para o meu filho de cinco anos de idade?     

            É verdade. Há coisas que não têm como explicar para uma criança de forma coerente. Pelos menos essa incoerência de nossa corte maior não tem explicação.

Edson Luís Kossmann

Dallagnol Advogados Associados

edsonlk@hotmail.com

www.advogadosdallagnol.com.br

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/quantos-pesos-e-quantas-medidas-6135912.html

    Palavras-chave do artigo:

    pesos

    ,

    medidas

    ,

    mensalao

    Comentar sobre o artigo

    O Brasil se tornou propriedade particular do sr Silva, que, juntamente com os seus aloprados, faz e desfaz sem dar satisfações a ninguém. Seus "cumpanheros" têm carta branca para agir e seus ilícitos são completamente ignorados pelo judiciário. Punição, só para a oposição. Esta baderna atingiu tal ponto que as palavras estão perdendo o sentido, nâo têm mais o mesmo significado. Confúcio dizia que "quando as palavras começam a perder o significado, começa-se a perder a liberdade".

    Por: Ebenézer Anselmol Notícias & Sociedade> Polítical 18/02/2010 lAcessos: 65

    Fernando Henrique: artigo diz que jeito do PT de governar esconde males morais e prejuízos materiais sensíveis para o futuro da nação. Fernando Henrique: artigo

    Por: Cristina toorl Notícias & Sociedade> Polítical 06/09/2012 lAcessos: 28
    Tom Coelho

    Temos uma tendência genética à corrupção, intensificada pela cultura, pelo meio e pelas circunstâncias.

    Por: Tom Coelhol Notícias & Sociedade> Cotidianol 12/01/2013 lAcessos: 12

    Apagão e racionamento de energia fazem Bolsa cair Apagão: mercado teme um racionamento de energia, já que o nível dos reservatórios das hidrelétricas está muito baixo. Apagão: gestão deficiente da energia

    Por: Cristina toorl Notícias & Sociedade> Polítical 08/01/2013

    Sabe que tenho pena dos políticos, pois, eles conforme acima mostra, não são ortodoxiamente honestos por sua culpa, haja visto que nós povo é que os colocamos em seus postos, portanto, somos os culpados. Todos os dias nós pagamos um preço, por isso, engraçado é que basta ter uma eleição e repitimos os mesmos erros, pagamos, pagamos e reclamamos, reclamamos... e nada fazemos, apenas esperamos uma próxima eleição para cairmos na mesma conversa.

    Por: WALDIR NORONHA DE OLIVEIRAl Literatura> Crônicasl 16/08/2011 lAcessos: 45

    Aécio: senador tem sido duro contra MP do setor elétrico. Embate já faz parte do jogo para as eleições presidenciais, diz artigo. Aécio: Cemig e eleições presidenciais

    Por: Cristina toorl Notícias & Sociedade> Polítical 30/11/2012
    André Reis

    Este artigo traz à tona alguns casos de vexames políticos que foram noticiados no Brasil em 2009, além de alertar, a toda população brasileira, sobre como a corrupção atrapalha o perfeito desenvolvimento do país. Igualmente adverte, que no Brasil, infelizmente, em boa parte dos casos divulgados, só vai para a cadeia quem não pode pagar a um bom advogado. Do mesmo modo, expõe importantíssima ferramenta a serviço do eleitor brasileiro, que são os sites sobre transparência pública.

    Por: André Reisl Notícias & Sociedade> Polítical 14/12/2009 lAcessos: 289
    lidson tomass

    Direito Eleitoral. Sistema Eleitoral. Reforma Politica. I - Eleições majoritárias e proporcionais. II - Voto Distrital. a) O que é; b) Distrital Misto e Puro; c) Efeitos e vantagens; d) Países que o adotam; e) Crítica ao Voto Proporcional. III - Lista Fechada. IV - Eleição direta Suplente de Senador e deputado do mercosul. V - Representação por Pessoa. VI - Democracia nos Partidos. VII - Foro Privilegiado. VIII - Ampliar Ficha Limpa; IX - Fim de Privilégios Politicos. X - Financiamento Publico.

    Por: lidson tomassl Direito> Doutrinal 30/09/2010 lAcessos: 1,700 lComentário: 1

    Uma análise sobre a carta que Gilberto Geraldo Garbi escreveu e que circula por e-mails e Internet, criticando pessoalmente o presidente Lula.

    Por: Márcio Camposl Notícias & Sociedadel 20/09/2009 lAcessos: 6,454 lComentário: 87

    Tanto a maioria da sociedade brasileira como a mídia vê o pedófilo como um criminoso e não um doente. Quanto, ao ordenamento jurídico, não há uma definição da pedofilia como um crime, entretanto aquele pedófilo que comete ato libidinoso responde por abuso de natureza sexual cometido contra criança.

    Por: Gleidson Mateus de Melol Direito> Doutrinal 01/10/2014

    O Direito Sucessório é o ramo do Direito, que cuida da transmissão de bens, direitos e obrigações em decorrência da morte, sendo assim, é um complexo de normas e princípios que regem a transmissão do patrimônio de alguém que morreu a seus sucessores.

    Por: Gleidson Mateus de Melol Direito> Doutrinal 01/10/2014
    Gutenberg Ives

    A inversão ou redistribuição do ônus da prova é um instituto jurídico que tem como finalidade redistribuir o encargo de provar, que se antes era da parte autora, após a inversão passa a ser da parte ré e vice versa. Tendo em vista que a legislação trabalhista não dispõe de forma expressa sobre este instituto, será abordada ao longo do trabalho a aplicação da inversão do ônus da prova no processo trabalhista.

    Por: Gutenberg Ivesl Direito> Doutrinal 30/09/2014
    André Boaratti

    O presente artigo pretende investigar de que forma a II Guerra Mundial, como um evento único na história, contribuiu para construir as condições que tornaram possível o surgimento de um novo contexto internacional, a Globalização, e qual o papel do Direito Internacional nesse processo de mudança.

    Por: André Boarattil Direito> Doutrinal 30/09/2014

    Diretor do Sindispge alerta que, em momento de campanha, todos os candidatos fazem diversas promessas sem a possibilidade de cumprir se eleitos forem

    Por: Sindispgel Direito> Doutrinal 25/09/2014

    O presente artigo tem o escopo de, em breves linhas, analisar as relações entre padrastos/madrastas e seus enteados e fazer um estudo sobre a convivência destes com os estigmas culturais e com a necessidade de conciliação entre famílias que se desconstituíram e em seguida foram reconstituídas. Trata-se de uma verificação deste novo formato familiar formalmente reconhecido pela carta magna vigente, e da convivência que se faz necessária a partir de sua existência. O intuito é esclarecer que, embo

    Por: ana karolinal Direito> Doutrinal 23/09/2014

    O presente artigo tem o escopo de, em breves linhas, estudar o que são e como se formam as famílias reconstituídas, a relação de convivência e o estabelecimento do parentesco decorrente de vínculos de afeto nas referidas famílias. Trata-se de uma verificação deste novo formato familiar formalmente reconhecido pela carta magna vigente, e da convivência que se faz necessária a partir de sua existência. O intuito é esclarecer que, a constituição Federal de 1988 passou a reconhecer essa nova forma d

    Por: ana karolinal Direito> Doutrinal 23/09/2014
    SERGIO FRANCISCO FURQUIM

    Temos que enfrentar sem medo só assim este excesso de poder por parte destas pessoas que acha que pode tudo vai acabar, mas só vai acabar se nós não acovardarmos e sim enfrentar com determinação sem medo de represália.

    Por: SERGIO FRANCISCO FURQUIMl Direito> Doutrinal 21/09/2014
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    De acordo com o advogado, a incidência do ICMS, mesmo no caso de importação, pressupõe operação de circulação de mercadoria e não ocorre nos Contratos de Arrendamento/Leasing

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 25/09/2014
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Especialista adverte que o Governo cometeu os mesmos erros do passado, passados quatro anos, ao lançar o chamado Refis da Copa. Da mesma forma, podem ser requeridos os mesmos benefícios na Justiça.

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 12/09/2014
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Advogado explica que o Imposto Sobre Serviço (ISS) sobre o valor total da nota fiscal não pode fazer distinção entre os valores do serviço e dos materiais agregados na execução da obra

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 30/07/2014
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Advogado afirma: o pagamento do imposto somente pode ser determinado após a operação de saída (fato gerador) e depois de abatido do imposto incidente na aludida saída

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 17/07/2014 lAcessos: 20
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Especialista diz que a constituição de uma Holding traz vários benefícios na seara familiar, evitando a dilapidação do patrimônio, reduzindo os custos, os litígios e a demora de um processo de inventário

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 10/06/2014 lAcessos: 14
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    "O Governo lançou este programa com o discurso de ajudar as empresas, mas tem como principal objetivo ajudar a si próprio, aumentando a arrecadação"

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 20/05/2014 lAcessos: 23
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Especialista adverte o Governo brasileiro, atualmente, elabora leis somente para favorecer os clubes brasileiros visando à Copa, desde a criação de lei emergencial para incentivos fiscais até o projeto de lei chamado Proforte

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 10/04/2014 lAcessos: 14
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    "Os serviços tributados pelo ISS previstos na legislação são apenas aqueles prestados diretamente ao usuário final, nunca para compor uma etapa da cadeia de circulação de mercadorias"

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 19/02/2014 lAcessos: 29
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast