Quantos pesos e quantas medidas?

Publicado em: 21/08/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 51 |

Qualquer fato se mostra complicado quando não se consegue explicá-lo de forma coerente a uma criança. Mesmo nos assuntos de "gente grande", sempre há uma forma de se explicar para uma criança. Como nascemos? O que é universo? Por que cai o dente? Para que servem os juízes? São alguns exemplos, certo? Digamos que sim.

Nós, humanos, somos animais que necessitamos de apoio e proteção. Desde o ventre materno nos sentimos protegidos pelo liquido amniótico que nos aquece, nutre e conforta. Quando nascemos, o alimento e a proteção nós é alcançado pelos nossos pais ou tutores. Portanto, nascemos e crescemos dependentes de proteção e cuidado.

Conforme Thomas Hobbes, na impossibilidade de uma autoproteção individual, criamos o Estado (leviatã) e damos a ele o monopólio da força, ou seja, dos meios e mecanismos necessários para a proteção e estabilidade da sociedade. Já Montesquieu, nos ensina que o Estado (ao menos na atualidade, e no Brasil) tem uma tripartição de poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário.

Independente da função de cada um desses poderes, no fundo, o objetivo é o mesmo: a busca e a manutenção do "equilíbrio e paz social" (ao menos na ótica neoliberal que capeia mundo a fora na forma de discurso único gerando uma espécie de ideologia sem ideologia).

Porém, indiscutivelmente, é no Poder Judiciário que buscamos (na ausência ou falha dos outros Poderes) a última proteção. Assim, em que pese a proteção materna, da família, do médico, da escola etc., quando tudo isso (ou em muitos casos "nada disso") não é suficiente, procuramos o Poder Judiciário como última instância de guarida, de proteção.

Portanto, a uma criança poderíamos explicar (de forma muito simplificada, é claro) que o Judiciário é um "grande protetor" chamado para nos proteger e decidir nossos conflitos quando não há outra alternativa. Assim funciona quando elas, as crianças, chamam o pai ou a mãe quando brigam e não se entendem. Dessa forma, esse "grande protetor" deve tratar a todos os seus "protegidos" de forma igualitária e justa (pelo menos assim é ensinado nas escolas e é o que consta em nossa Constituição Federal).

Nos últimos dias estamos acompanhando o julgamento da Ação Penal 470, também conhecida, midiaticamente, por mensalão. Todos os 38 réus desse processo estão sendo julgados pelo Supremo Tribunal Federal, sendo que apenas três deles teriam o chamado foro "privilegiado" (e aqui não vamos adentrar na discussão desse chamado "privilégio"). Numa relação direta, não podemos deixar de lembrar o chamado mensalão mineiro (e uso esse adjetivo para mera identificação, na falta de outro melhor que não traga uma carga meritória subjetiva, ou seja, sem adentrar no mérito do objeto dos dois "mensalões").

Ocorre que, no mensalão mineiro, os réus que não teriam foro privilegiado, requereram e tiveram atendido, por parte do STF, o desmembramento do processo e o envio das denúncias daqueles "réus comuns" para a instância de primeiro grau, onde, depois, caso ocorra alguma condenação, podem recorrer das decisões para instâncias superiores, ou seja, Tribunal de Justiça e, por fim, até o próprio Supremo Tribunal Federal (mais alta corte judicial do Brasil). Diferente daqueles julgados diretamente pelo STF, que não têm outra instância superior para recorrer.  

Bem, esse mesmo pedido também foi formulado pelos defensores dos réus do mensalão que, agora, está sendo julgado pelo STF. Para o espanto de todos (ao menos para aqueles que ainda se espantam com alguma coisa), diferentemente daqueles pedidos atendidos no processo do mensalão mineiro, neste que agora está em julgamento, o pedido foi negado. Opa! Mas como assim? Sob que fundamento jurídico a mesma corte atende em um processo e nega em outro?     

            Assim, escancarou-se uma grande diferença de tratamento dispensada pelo Supremo Tribunal Federal aos réus dos processos do mensalão mineiro e os do outro mensalão. Enquanto do primeiro desmembraram, para que apenas os que efetivamente têm foro privilegiado fossem julgados pelo STF, os ministros indeferiram os mesmos pedidos reivindicados pelas defesas dos réus do segundo mensalão.

            Hã? Alguém pergunta: mas e o Estado Democrático de Direito, direitos iguais para todos previstos na Constituição? E mais: já que tudo é explicável, como explico isso para o meu filho de cinco anos de idade?     

            É verdade. Há coisas que não têm como explicar para uma criança de forma coerente. Pelos menos essa incoerência de nossa corte maior não tem explicação.

Edson Luís Kossmann

Dallagnol Advogados Associados

edsonlk@hotmail.com

www.advogadosdallagnol.com.br

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/quantos-pesos-e-quantas-medidas-6135912.html

    Palavras-chave do artigo:

    pesos

    ,

    medidas

    ,

    mensalao

    Comentar sobre o artigo

    O Brasil se tornou propriedade particular do sr Silva, que, juntamente com os seus aloprados, faz e desfaz sem dar satisfações a ninguém. Seus "cumpanheros" têm carta branca para agir e seus ilícitos são completamente ignorados pelo judiciário. Punição, só para a oposição. Esta baderna atingiu tal ponto que as palavras estão perdendo o sentido, nâo têm mais o mesmo significado. Confúcio dizia que "quando as palavras começam a perder o significado, começa-se a perder a liberdade".

    Por: Ebenézer Anselmol Notícias & Sociedade> Polítical 18/02/2010 lAcessos: 67

    Vejam o que é política feita com interesses escusos: Supremo Tribunal Federal (STF), o perigo de a entrada no tribunal de uma maioria de magistrados chancelados pelo Partido dos Trabalhadores (PT) ter como efeito subjugar a corte a interesses do partido. Nos próximos quatro anos, Dilma indicará seis ministros ao STF. Ao final de seu mandato, dez dos onze ministros terão sido nomeados pelo PT

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 04/12/2014 lAcessos: 11

    Fernando Henrique: artigo diz que jeito do PT de governar esconde males morais e prejuízos materiais sensíveis para o futuro da nação. Fernando Henrique: artigo

    Por: Cristina toorl Notícias & Sociedade> Polítical 06/09/2012 lAcessos: 31
    Tom Coelho

    Temos uma tendência genética à corrupção, intensificada pela cultura, pelo meio e pelas circunstâncias.

    Por: Tom Coelhol Notícias & Sociedade> Cotidianol 12/01/2013 lAcessos: 22

    Apagão e racionamento de energia fazem Bolsa cair Apagão: mercado teme um racionamento de energia, já que o nível dos reservatórios das hidrelétricas está muito baixo. Apagão: gestão deficiente da energia

    Por: Cristina toorl Notícias & Sociedade> Polítical 08/01/2013 lAcessos: 11

    Sabe que tenho pena dos políticos, pois, eles conforme acima mostra, não são ortodoxiamente honestos por sua culpa, haja visto que nós povo é que os colocamos em seus postos, portanto, somos os culpados. Todos os dias nós pagamos um preço, por isso, engraçado é que basta ter uma eleição e repitimos os mesmos erros, pagamos, pagamos e reclamamos, reclamamos... e nada fazemos, apenas esperamos uma próxima eleição para cairmos na mesma conversa.

    Por: WALDIR NORONHA DE OLIVEIRAl Literatura> Crônicasl 16/08/2011 lAcessos: 52

    Aécio: senador tem sido duro contra MP do setor elétrico. Embate já faz parte do jogo para as eleições presidenciais, diz artigo. Aécio: Cemig e eleições presidenciais

    Por: Cristina toorl Notícias & Sociedade> Polítical 30/11/2012
    André Reis

    Este artigo traz à tona alguns casos de vexames políticos que foram noticiados no Brasil em 2009, além de alertar, a toda população brasileira, sobre como a corrupção atrapalha o perfeito desenvolvimento do país. Igualmente adverte, que no Brasil, infelizmente, em boa parte dos casos divulgados, só vai para a cadeia quem não pode pagar a um bom advogado. Do mesmo modo, expõe importantíssima ferramenta a serviço do eleitor brasileiro, que são os sites sobre transparência pública.

    Por: André Reisl Notícias & Sociedade> Polítical 14/12/2009 lAcessos: 297
    lidson tomass

    Direito Eleitoral. Sistema Eleitoral. Reforma Politica. I - Eleições majoritárias e proporcionais. II - Voto Distrital. a) O que é; b) Distrital Misto e Puro; c) Efeitos e vantagens; d) Países que o adotam; e) Crítica ao Voto Proporcional. III - Lista Fechada. IV - Eleição direta Suplente de Senador e deputado do mercosul. V - Representação por Pessoa. VI - Democracia nos Partidos. VII - Foro Privilegiado. VIII - Ampliar Ficha Limpa; IX - Fim de Privilégios Politicos. X - Financiamento Publico.

    Por: lidson tomassl Direito> Doutrinal 30/09/2010 lAcessos: 1,714 lComentário: 1

    O Presente artigo relata em poucas palavras o início do contexto histórico da criação da Lei 8072, descrevendo suas finalidades e um pouco da situação do país da década de 80 e no início dos anos noventa.

    Por: ALINE SOBREIRA VIANAl Direito> Doutrinal 19/01/2015

    O artigo discorre sobre as Leis de ascensão das Praças ao Oficialato, e busca encontrar um parâmetro de convergência dos dispositivos constitucionais com os atuais mecanismos de ingresso da Praça ao Oficialato, convergindo para uma ideia de carreira única a qual é a carreira policial militar.

    Por: Laciel Rabelo de Castro Costal Direito> Doutrinal 18/01/2015
    ENDERSON BLANCO

    O investigado ou indiciado a prestar esclarecimentos que não comparece ao ato não está sujeito à condução coercitiva pela polícia civil, mas pode incorrer no crime desobediência. A função de polícia judiciária e de apuração de infrações penais atribuídas às policias civil pelo art. 144, § 4º do texto magno não lhe confere poderes para decretar medidas cautelares de coação pessoal,

    Por: ENDERSON BLANCOl Direito> Doutrinal 14/01/2015

    A redução da maioridade penal envolve a questão da criminalidade praticada por adolescentes. Há um crescente envolvimento dos jovens no crime. Para grande parte da sociedade o adolescente é impune aos seus atos , sob o argumento de que a lei é muito branda.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    As medidas socioeducativas privativas de liberdade são aquelas cumpridas em meio fechado. São aplicadas diante de circunstancias graves e se dividem em Semiliberdade e e internamento.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    As medidas socioeducativas não privativas de liberdade são aquelas cumpridas em meio aberto. Estão elencadas no art. 112 e especificadas nos arts. 115 a 119 do Estatuto da Criança e do Adolescente. São elas - advertência, obrigação de reparar o dano e prestação de serviços à comunidade.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    A inimputabilidade, causa de exclusão da responsabilidade penal não significa irresponsabilidade pessoal ou social. O Estatuto da Criança e do Adolescente prevê Medidas Socioeducativas e Medidas de Proteção eficazes.Reconhece a possibilidade de privação provisória de liberdade ao infrator e oferece uma gama de alternativas de responsabilização, sendo a mais grave a imposição de internamento sem atividades externas.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015

    A Constituição Federal de 1988 estabelece que a idade penal inicia-se aos 18 anos de idade e que o adolescente infrator responde por seus atos perante a legislação especial. A idade penal é uma garantia constitucional, o mesmo acontece com a responsabilização especial, ambas implantadas como cláusula pétrea, na Carta Magna.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direito> Doutrinal 08/01/2015
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Advogado adverte que é possível reduzir a taxa de juros remuneratórios que estiver estipulada em percentuais mais altos do que a média praticada no mercado em revisional bancária

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 04/12/2014
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Advogado faz um alerta para empresários sobre pedido de revisão de consolidação sobre tributos devidos no Simples Nacional

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 21/11/2014
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    De acordo com o advogado, a incidência do ICMS, mesmo no caso de importação, pressupõe operação de circulação de mercadoria e não ocorre nos Contratos de Arrendamento/Leasing

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 25/09/2014 lAcessos: 14
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Especialista adverte que o Governo cometeu os mesmos erros do passado, passados quatro anos, ao lançar o chamado Refis da Copa. Da mesma forma, podem ser requeridos os mesmos benefícios na Justiça.

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 12/09/2014 lAcessos: 21
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Advogado explica que o Imposto Sobre Serviço (ISS) sobre o valor total da nota fiscal não pode fazer distinção entre os valores do serviço e dos materiais agregados na execução da obra

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 30/07/2014
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Advogado afirma: o pagamento do imposto somente pode ser determinado após a operação de saída (fato gerador) e depois de abatido do imposto incidente na aludida saída

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 17/07/2014 lAcessos: 33
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    Especialista diz que a constituição de uma Holding traz vários benefícios na seara familiar, evitando a dilapidação do patrimônio, reduzindo os custos, os litígios e a demora de um processo de inventário

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 10/06/2014 lAcessos: 26
    Nagel & Ryzeweski Advogados

    "O Governo lançou este programa com o discurso de ajudar as empresas, mas tem como principal objetivo ajudar a si próprio, aumentando a arrecadação"

    Por: Nagel & Ryzeweski Advogadosl Direito> Direito Tributáriol 20/05/2014 lAcessos: 35
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast