Sanção Administrativa e o Princípio da Tipicidade

Publicado em: 04/08/2008 | Acessos: 84,459 |

SANÇÃO ADMINISTRATIVA E O PRINCIPIO DA TIPICIDADE

 

Wania Brito*

 

 

 

 

1. Introdução:

 

Tratam-se aqui de brevíssimas e despretensiosas considerações sobre o princípio da tipicidade aplicado no Direito Administrativo, mais especificamente na atividade sancionadora da Administração Pública, destacando algumas questões que envolvem as sanções administrativas.

 

2. Sanção e Infração Administrativa: Princípio da Tipicidade

 

Deve-se inicialmente considerar, que toda ação da Administração Pública depende de prévia autorização legal. É o princípio da legalidade, específico do Estado de Direito.

Assim posto, temos que a Administração Pública no exercício da função administrativa poderá aplicar sanções desta mesma natureza, sanções estas que decorrem de inobservância das condutas desejadas pelo ordenamento jurídico. É o poder punitivo do Estado, que, resta inequívoco, submete-se à prévia autorização legal.

O professor Celso Antonio Bandeira de Melo (2007, p.834), considera que infração administrativa: “é o descumprimento voluntário de uma norma administrativa para o qual se prevê sanção cuja imposição é decidida por uma autoridade no exercício de função administrativa- ainda que não necessariamente aplicada nesta esfera” .

Temos então o binômio: descumprimento do dever jurídico-medida sancionadora.

Um dos enfoques a ser delineado é compreender que as sanções administrativas têm por objetivo proteger o interesse público, disciplinando a vida em sociedade, razão pela qual o administrador não pode se furtar em aplicá-las. Trata-se de poder-dever do agente público “sempre que apurem a prática de ilícito administrativo, pois somente assim o interesse público que justifica a existência da competência sancionadora será atendido”(Mello, 2003, p.71).  

Ao que se vê, podemos dizer que a competência sancionadora da Administração Pública é vinculada: ocorrendo infração administrativa o agente não pode deixar de aplicar a penalidade, tendo a mesma função pedagógica e preventiva, visando desestimular comportamentos ilícitos.

Para tanto, é o ponto nuclear aqui pretendido, faz-se necessário que os administrados compreendam exata e previamente o quê está proibido, e bem assim a correspondente sanção a ser aplicada, na hipótese de vir a realizar a conduta desabonadora.

Este é o significado do princípio da tipicidade no campo do Direito Administrativo. “Tipicidade é o atributo pelo qual o ato administrativo deve corresponder a figuras definidas previamente pela lei como aptas a produzir determinados resultados” (Di Pietro, 2007, p.190).

A tipicidade é especialmente estudada no Direito Penal, tendo a Constituição Federal mencionado a respeito, referindo-se apenas aos “crimes” (artigo 5º, XXXIX: “não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal”). No entanto, nada impede que tal princípio seja utilizado no campo do Direito Administrativo, como princípio implícito, haja vista a submissão da Administração Pública ao princípio fundamental da legalidade, do qual decorre a tipicidade. Outrossim, a própria Constituição Federal confere tal aplicação, tomando-se a “cláusula de abertura” constante do artigo 5º § 2º, a qual preceitua que os direitos e garantias constitucionalmente expressos não excluem outros decorrentes dos princípios por ela adotados.

A tipicidade constitui-se em garantia para o cidadão permitindo que o mesmo anteveja as condutas proibidas e respectivas sanções, além de impedir que a Administração Pública eventualmente atue de forma arbitrária, vez que somente imporá pena relativamente ao que estiver descrito na norma como infração.

Cabe ainda revelar, que a tipicidade é também corolário do princípio da segurança jurídica, que exige estar a conduta proibida apontada de forma precisa e unívoca na lei, não devendo a ação estatal trazer qualquer surpresa para os particulares.

Este é o quadro que ora se apresenta: ao lado do poder punitivo estatal, há um elemento a mais a ser perquirido, ou seja, o dever de estar descrito, prévia, objetiva e precisamente, tanto as condutas que podem levar à imposição de penalidades, quanto estas últimas.

Por fim, relacionado também ao tema, não se pode olvidar da cabal importância do princípio da irretroatividade das normas: não é possível a aplicação de penalidades que digam respeito a infrações criadas após a prática da conduta, ou ainda, aplicação de penalidades não previstas ou mais gravosas do que as existentes quando praticado o ato.

 

3. Conclusão:

 

Pelo exame do contexto acima, em síntese, podemos concluir que:

a) a atividade sancionadora da Administração Pública é vinculada, não se constituindo em mera faculdade: o administrador, ao constatar o ilícito, deve penalizá-lo;

b) o princípio da tipicidade também é aplicado no Direito Administrativo, constituindo-se corolário dos princípios da legalidade e da segurança jurídica;

c) referido princípio permite aos administrados conhecerem prévia e exatamente as condutas vedadas pelo ordenamento jurídico, para que possam escolher agir conforme o Direito.

 

4- Referências:

 

MELLO, Celso Antonio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 25ª. ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 21ª ed.São Paulo: Atlas, 2007.

OSÓRIO, Fabio Medina. Direito Administrativo Sancionador. 2ªed.São Paulo: RT, 2006.

MELLO, Rafael Munhoz. Princípios Constitucionais de Direito Administrativo Sancionador - As sanções administrativas à luz da Constituição Federal de 1988. São Paulo: Malheiros, 2003.

VITTA, Heraldo Garcia. A Sanção no Direito Administrativo. São Paulo: Malheiros, 2003

FERRAZ, Sergio, DALLARI, Adilson Abreu. Processo Administrativo. 2ª ed.São Paulo:Malheiros, 2007.

 

* Advogada em Curitiba/PR

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/sancao-administrativa-e-o-principio-da-tipicidade-509167.html

    Palavras-chave do artigo:

    sancao

    ,

    infracao

    ,

    tipicidade

    Comentar sobre o artigo

    A presente visa apresenta um estudo dos reflexos da sentença penal sobre o juízo cível, analisando a real independência das jurisdições, bem como a relativização destas, quando da apuração da responsabilidade civil do autor de um ilícito penal. Com especial enfoque sobre os aspectos processuais decorrentes do artigo 387, do Código de Processo Penal, em seu inc. IV, com a redação dada pela Lei nº 11.719, de 2008.

    Por: Josiel Cunhal Direito> Doutrinal 28/07/2010 lAcessos: 9,103

    Princípio da insignificância - De lege ferenda Não há no Código de Processo Penal nenhum dispositivo que autorize o juiz a absolver alguém, fazendo-o pela simples e tão só circunstância de que o crime por si praticado terá ocasionado insignificante lesão a bem jurídico, sem qualquer relevância social.

    Por: Aristides Medeirosl Direito> Doutrinal 19/04/2009 lAcessos: 471

    analisar os crimes praticados contra a ordem tributária. Para a consecução do objetivo proposto, este estudo encontra-se dividido em quatro capítulos: o primeiro capítulo versou sobre as obrigações tributárias; no segundo capítulo analisou-se a evasão, elisão, sonegação e fraude fiscal; o terceiro capítulo analisou o tipo e a ilicitude nos crimes contra a ordem tributária; no quarto e último capítulo procedeu-se à análise do artigo 1º da Lei 8137/90. O objetivo jurídico da Lei n.º 8.137/90.

    Por: James Barbosa dos Santosl Direito> Direito Tributáriol 23/10/2013 lAcessos: 109

    O presente trabalho tem por escopo a elaboração de um estudo a respeito do ilícito tributário e seus desdobramentos. Destarte ressaltar desde já que o sistema jurídico pode ser visualizado como um conjunto totalizante, dividindo-se em dois subconjuntos: um, é o da licitude, o outro é o da ilicitude. É a esse que se denomina a parte da antijuridicidade. Embora, o conjunto total compõem-se, assim, de juridicidade e antijuridicidade. Teceremos na oportunidade, tipos de sanções aplicadas à prática da ilicitude, como também os casos de extinção e exclusão da punibilidade, buscando assim, um melhor entendimento do tema abordado em tela.

    Por: RODRIGO BARBOSA DE OLIVEIRAl Direito> Direito Tributáriol 13/04/2009 lAcessos: 32,332 lComentário: 3

    Mais de 16 (dezesseis) anos depois da promulgação da Lei 9.605/98, que sepultou qualquer dúvida acerca da possibilidade de imputação penal à pessoa jurídica no âmbito formal, intensas críticas doutrinárias ainda são feitas ao instituto. Este artigo pretende analisar a razoabilidade destas críticas, principalmente à luz da atual realidade de criminalidade de crimes relacionados com as pessoas coletivas a ser combatida.

    Por: Ana Lídia Soares Vasconcelol Direito> Doutrinal 26/03/2014 lAcessos: 44
    Tales Diego de Menezes

    Diferente dos outros artigos já escritos por mim, este possui condão tão somente de tecer breves comentários à inacabável polêmica que a Lei Seca deixa transparecer. Acredito que, como eu, os leitores devem estar cansados de clicar em artigos – ou colunas – que falem da Lei Seca, mas que, a fundo, ainda deixam dúvidas quanto às questões mais interessantes. Por exemplo: Recusando-me ao uso do bafômetro, automaticamente estarei infringindo a Lei, em seus liames administrativos? Ou então: Na blitz convencional, o agente de transito pode me obrigar a assinar auto de infração, se eu me recusar aos testes? E basta-o querer me impor à sanção administrativa, não sendo necessário qualquer outro tipo de abordagem?

    Por: Tales Diego de Menezesl Direito> Legislaçãol 31/07/2009 lAcessos: 796 lComentário: 1
    Gabrieli Cristina Capelli Goes

    O presente trabalho trata de uma análise sucinta acerca da aplicação do princípio da insignificância na esfera dos bens jurídicos metaindividuais, cujo tema é gerador de vigorosos debates no mundo jurídico.

    Por: Gabrieli Cristina Capelli Goesl Direito> Doutrinal 15/08/2011 lAcessos: 107

    O referido artigo trata do conceito e características que devem estar presentes no crime ou delito.

    Por: Isabel Beckerl Direito> Doutrinal 16/07/2014 lAcessos: 24
    ALDINEI RODRIGUES MACENA

    A lei 11.343/2006 instituiu a nova politica nacional sobre drogas, trazendo mudanças importantes para o ordenamento jurídico, principalmente sobre os tipos penais equiparados ao tráfico de drogas, diferenciando o tráfico do uso, de forma que o usuário de drogas, apesar de ainda se considerar que comete no mínimo uma contravenção, recebeu tratamento adequado no artigo 28, uma vez que a sanção imposta na lei para esse tipo penal passou a ter um caráter educativo com finalidade de ressocialização.

    Por: ALDINEI RODRIGUES MACENAl Direito> Doutrinal 17/04/2012 lAcessos: 1,310
    André Silva Barroso

    O presente trabalho trata sobre os títulos de crédito eletrônicos e a possível descaracterização do princípio da cartularidade, onde, para uma melhor compreensão sobre tal instituto, buscou-se um estudo sobre seu conceito, características e princípios. Num segundo estágio foi-se abordado os títulos de crédito eletrônicos, que surgiram pelos avanços tecnológicos principalmente pelo advento da internet.

    Por: André Silva Barrosol Direito> Doutrinal 05/12/2014
    Liziane Mont'Alverne de Barros

    A "judicialização da política" ou "politização da justiça" na composição dos cenário das ciências jurídicas e sociais nos diversos países do mundo e seus efeitos na expansão do Poder Judiciário no processo decisório das democracias contemporâneas. O presente artigo tem por escopo promover uma análise crítica do desenvolvimento desse fenômeno que vem sendo desenvolvido pelo Órgão de Cúpula do Judiciário – STF.

    Por: Liziane Mont'Alverne de Barrosl Direito> Doutrinal 04/12/2014

    O código civil concede ao testador o direito não só de instituir herdeiro ou legatário em primeiro grau, mas também o de lhes indicar substituto.

    Por: DÉBORA LUCIANO DE ALMEIDAl Direito> Doutrinal 03/12/2014 lAcessos: 11

    CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO É um mecanismo previsto na lei civil, que pode-se valer o devedor que queira desonerar-se e que esteja em dificuldades para o fazer.

    Por: Fernando Bartoli de Oliveiral Direito> Doutrinal 01/12/2014

    Artigos 1962, 1963 e 1814 do Código Civil É o ato de manifestação da vontade do autor da herança que exclui da sucessão, um herdeiro necessário, tipificando, nos permissivos legais, a sua vontade. Dá-se por testamento somente.

    Por: Thais Luz Firminol Direito> Doutrinal 29/11/2014 lAcessos: 11

    A conquista, o governo e a manutenção do Estado são preocupações centrais do pensamento maquiaveliano. Essa tríade tem de ser mantida custe o que custar, ainda que para tanto não se observem questões de ordem ética e moral, pelo menos, a moral e a ética medievais e da Itália renascentista. O bom governante tem de manter o Estado e, para tanto, dadas as circunstancias tem que agir hora pela força, hora pela razão e outras vezes deve saber conjugar ambas, só assim conseguirá governar.

    Por: FRANCISCO ESDRAS MOREIRA ROCHAl Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 11

    O Direito Sucessório Brasileiro, disciplinado pelo Código Civil Brasileiro de 2002, prevê dois tipos de sucessão hereditária que podemos nos deparar quando da abertura da sucessão, qual seja: sucessão legítima e sucessão testamentária, acerca desta, mais especificamente sobre sucessão testamentária na forma pública, que discorremos no presente trabalho.

    Por: Arthur Sarilhol Direito> Doutrinal 28/11/2014

    O presente artigo objetiva fazer uma análise sobre o crime de estupro mediante a realização da perícia médico-legal. Sabe-se que, uma vez consumado o crime, a realização da perícia é de suma importância, a fim de que seja apurada a realidade mais próxima dos fatos que ocorreram. Embora não seja prova completa da ocorrência do crime, o laudo médico obtido pelo exame de corpo de delito é a prova mais profunda para a constatação do mesmo.

    Por: danilol Direito> Doutrinal 27/11/2014 lAcessos: 13
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast