SUCESSÃO LEGÍTIMA

Publicado em: 02/12/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 2,728 |

SUCESSÃO LEGÍTIMA

1. CONCEITO: É a espécie de sucessão oriunda do Direito Germânico que, impõe a regra que os herdeiros só podem ser feitos por Deus. A vontade divina é demonstrada através da lei que, estabelece quem são os herdeiros, seus direitos e os efeitos do recebimento da herança.

A sucessão legítima, regulamentada por lei, ocorre nos casos em que o de cujus faleceu sem deixar testamento, se seu testamento caducou ou é ineficaz e se deixar testamento, havendo herdeiro necessário, obrigando à redução da disposição testamentária para respeitar a quota reservatória.

2. ORDEM OU HIERÁRQUIA DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA

A ordem de vocação hereditária é estabelecida pela lei e regulamenta a ordem hierárquica das pessoas que são chamadas a suceder. Consiste na distribuição dos herdeiros em classes preferenciais, baseada em relações de família e de sangue; a sucessão defere-se na seguinte ordem:

1ª Regra – Classe de Parentesco:

  • 1º Descendentes
  • 2º Ascendentes
  • 3º Cônjuge
  • 4º Colaterais

Concluímos então, a primeira regra relevante: a existência de herdeiros de uma classe exclui do chamamento à sucessão herdeiros da classe seguinte.

2ª Regra – Grau de parentesco:

Essa regra regulamenta casos em que as pessoas chamadas à sucessão estão na mesma classe de parentesco, assim a ordem será de proximidade, ou seja, parentes em grau mais próximo afastam os mais distantes.

Na sucessão legitima os herdeiros podem receber a herança através de 02 títulos:

  • Direito próprio: O herdeiro recebe a herança por Direito próprio quando a lei o está procurando, ou seja, quando observada a ordem hierárquica da vocação, identifica-se que é para esse herdeiro que a lei deve transmitir o direito hereditário.

 

  • Direito de representação: Ocorre esse direito quando a lei não procurava pelo sucessor, mas permite que ele receba o direito hereditário. Admite-se essa situação quando o sucessor que a lei procura estiver premoriente, indigno ou deserdado.

 Assim, dá-se o direito de representação quando a lei chama certos parentes do falecido a suceder em todos os direitos em que este sucederia se vivo fosse, e, em complemento acrescenta o art. 1.854 do CC que os representantes só podem herdar, como tais, o que herdaria o representado se vivo fosse.

 Em regra, o direito de representação só existe na classe dos descendentes. No entanto, na classe dos colaterais há uma única exceção, que é o direito de representação concedido aos filhos dos irmãos.

 CLASSE DOS HERDEIROS

DESCENDENTES: São chamados de herdeiros necessários e também de herdeiros por excelência, por serem as primeiras pessoas procuradas pela lei. Nesta classe impera a regra que o mais próximo exclui o mais remoto, admitindo aplicação da exceção quando existir direito a representação. Nesta classe existe a aplicação da forma geral do direito de representar.

No caso dessa classe ser chamada a sucessão, havendo cônjuge supérstite, este poderá concorrer com os descendentes desde que casado este com o falecido no regime de comunhão parcial, possuindo bens particulares, regime de separação de bens e regime de comunhão final de aquestos.

ASCENDENTES: Chamados também de herdeiros necessários, ou seja, não podem ser privados da sucessão. Não há limite de grau para vocação, no entanto herdam somente por direito próprio, sendo a eles vedada a representação.

A herança se divide primeiramente por linhas para depois ser dividida por grau de parentesco.

Havendo cônjuge sobrevivente, este concorrerá com os ascendentes, na forma da lei e independente do regime de bens em que foi realizado o casamento.

CÔNJUGE: São também chamados de herdeiros necessários, não podendo assim ser excluídos da sucessão. Os herdeiros aqui não podem estar separados (judicialmente ou extrajudicialmente), nem estarem separados de fato há mais de 02 anos. Se ocorrer os citados casos de separação, para possuir direito à herança, não podem ser culpados pela ruptura.

Ao cônjuge, também será garantido o direito real de habitação, independentemente da participação que teve na herança, desde que o imóvel seja o único bem da natureza a ser partilhado.

COLATERAIS: Essa classe é formada por sucessores legítimos não sendo eles necessários. Nesta classe a regra é todos sucederem por direito próprio, exceção feita a um caso específico de representação. Outra diferença em relação às outras classes reside no fato de existir um grau máximo para evocação.

Irmãos unilaterais têm direito a cota equivalente à metade do que receberem irmãos bilaterais.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/sucessao-legitima-3773906.html

    Palavras-chave do artigo:

    sucessao

    Comentar sobre o artigo

    Trabalho de Direto Civil IV – Sucessões. Da Abertura das Sucessões. Sucessão é a transferência, total, ou parcial, de herança, pela morte de alguém, a um ou mais herdeiros. O direito por força do qual alguém recolhe os bens da herança, chamado de sucessão causa mortis, no conceito subjetivo, e no objetivo indica a universalidade dos bens do morto ( de cujus ) , que ficaram com seus direitos e encargos.

    Por: Fábiol Direito> Doutrinal 17/05/2011 lAcessos: 1,704
    Juliana Gentilini David

    Esse trabalho tem como propósito demonstrar três maneiras de se adquirir o direito a sucessão que são: Herança, Legado e Partilha.

    Por: Juliana Gentilini Davidl Direito> Doutrinal 10/11/2010 lAcessos: 9,155

    Este artigo acadêmico tem por grande objetivo esclarecer as duvidas referentes ao polêmico artigo 1.790 do Código Civil. Desta maneira, vários argumentos serão expostos para que haja total compreensão do texto que traz o artigo, diante a concorrência na União Estável.

    Por: Henrique Tirintan Amoriml Direitol 30/10/2014 lAcessos: 59

    Segundo os ensinamentos de Washington de Barros Monteiro, a palavra sucessão significa o ato pelo qual uma pessoa toma o lugar de outra, investindo-se, a qualquer título, no todo ou em parte, nos direitos que lhe competiam. O presente artigo restringe-se apenas ao estudo das normas advindas do Novo Código Civil acerca dos direitos sucessórios dos cônjuges.

    Por: Najla Pinheirol Direito> Doutrinal 31/05/2010 lAcessos: 1,181

    Das sucessões, breves considerações sobre os direitos do companheiro no Código Civil.

    Por: Eduardo H. P. Leitel Direito> Doutrinal 16/12/2010 lAcessos: 295

    O artigo aborda as distinções entre o tratamento dado pelo novo Código Civil à sucessão do companheiro e à sucessão do cônjuge e as distorções daí decorrentes.

    Por: Vitor Pereira Paschoalickl Direitol 14/12/2010 lAcessos: 302

    Uma breve análise das duas formas de afastamento do herdeiro da sucessão, quais sejam, a indignidade e a deserdação.

    Por: Najla Pinheirol Direitol 09/11/2010 lAcessos: 1,762

    No Direito de Sucessões, estuda-se a Sucessão Legítima. Sendo esta uma forma de recebimento dos bens pelos herdeiros após a morte do testador, advinda da própria lei.

    Por: Thais Midori Nakamura - UNIVERSIDADE DE RIBEIRAO PRETOl Direitol 24/11/2009 lAcessos: 1,126

    O presente artigo tem como escopo, propor algumas reflexões sobre a separação de fato na sucessão legitima. O ponto crucial de tal reflexão é a concorrência entre o cônjuge separado de fato e do convivente da união estável nessa espécie de sucessão.

    Por: Natália Cristina Marques Pimental Direitol 14/07/2009 lAcessos: 2,303

    O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) editou a Resolução nº 200, em 03 de março de 2015, com o intuito de ampliar o alcance do inciso IV, do artigo 134, do Código de Processo Civil (CPC), e vedar situações em que o magistrado toma decisões influenciado por parentes que não aparecem de forma expressa no processo.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direito> Doutrinal 27/03/2015

    Não há que se negar que a história do homem, principalmente do homem moderno, está interligada ao surgimento e desenvolvimento do mercado. A empresa, desde os primórdios, alterou e influenciou o comportamento da sociedade em inúmeros aspectos: sociais, políticos, jurídicos e econômicos, e com o advento da Revolução Industrial o comércio passou a dar destaque à empresa e ao papel do empresário, exigindo do direito uma regulamentação que fosse capaz de atender as necessidades daquele momento.

    Por: STEPHANIE GIRALDIl Direito> Doutrinal 24/03/2015

    TRATA-SE DE TEXTO ACERCA DA ESCASSEZ DA ÁGUA,A POLUIÇÃO E AS CONSEQUÊNCIAS DESSA SITUAÇÃO,ALIADA À FALTA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA POPULAÇÃO.

    Por: kellylisitaPeresl Direito> Doutrinal 23/03/2015 lAcessos: 14

    Advogado faz uma analogia ao Governo Dilma com referência ao contrato social de Rosseau.

    Por: João Clairl Direito> Doutrinal 21/03/2015

    o presente artigo científico procura estudar o conflito entre os tratados internacionais comuns e os tratados internacionais de direitos humanos e a ordem jurídica interna, destacando-se os posicionamentos doutrinárias e jurisprudenciais existentes acerca do assunto. Limita-se, pois, a investigar a relação existente entre o tratado e a ordem jurídica, bem como indicar os critérios utilizados pelo doutrina para resolver um possível conflito.

    Por: JANILE LIMA VIANAl Direito> Doutrinal 19/03/2015

    Será abordada a competência da Justiça do Trabalho para reconhecimento do tempo de serviço e os efeitos previdenciários dessa averbação, para, logo em seguida, estudar os requisitos exigidos pela legislação previdenciária para que o reconhecimento do tempo de serviço possa ser averbado pelo Instituto Nacional de Seguridade Social.

    Por: JANILE LIMA VIANAl Direito> Doutrinal 19/03/2015

    TRATA-SE DE TEXTO ACERCA DO DIREITO DE SUPERFÍCIE,PREVISTO NO ARTIGO 1369 DA LEGISLAÇÃO CIVIL PÁTRIA.

    Por: kellylisitaPeresl Direito> Doutrinal 19/03/2015

    O mínimo existencial encontra-se diretamente fundado no direito á vida e na dignidade da pessoa humana abrangendo, por exemplo, prestações básicas em termos de alimentação, vestimentas, abrigo, saúde ou os meios indispensáveis para a sua satisfação , assim designado mínimo sociocultural

    Por: Tcharles A. Scherer da Silval Direito> Doutrinal 18/03/2015

    O TEXTO DISCORRE SOBRE AS FONTES DE CUSTEIO E ORGANIZAÇÃO DA SEGURIDADE SOCIAL.

    Por: Rosimeire Ferreiral Direito> Doutrinal 12/06/2011 lAcessos: 342
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast