SUCESSÃO LEGÍTIMA

Publicado em: 02/12/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 2,527 |

SUCESSÃO LEGÍTIMA

1. CONCEITO: É a espécie de sucessão oriunda do Direito Germânico que, impõe a regra que os herdeiros só podem ser feitos por Deus. A vontade divina é demonstrada através da lei que, estabelece quem são os herdeiros, seus direitos e os efeitos do recebimento da herança.

A sucessão legítima, regulamentada por lei, ocorre nos casos em que o de cujus faleceu sem deixar testamento, se seu testamento caducou ou é ineficaz e se deixar testamento, havendo herdeiro necessário, obrigando à redução da disposição testamentária para respeitar a quota reservatória.

2. ORDEM OU HIERÁRQUIA DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA

A ordem de vocação hereditária é estabelecida pela lei e regulamenta a ordem hierárquica das pessoas que são chamadas a suceder. Consiste na distribuição dos herdeiros em classes preferenciais, baseada em relações de família e de sangue; a sucessão defere-se na seguinte ordem:

1ª Regra – Classe de Parentesco:

  • 1º Descendentes
  • 2º Ascendentes
  • 3º Cônjuge
  • 4º Colaterais

Concluímos então, a primeira regra relevante: a existência de herdeiros de uma classe exclui do chamamento à sucessão herdeiros da classe seguinte.

2ª Regra – Grau de parentesco:

Essa regra regulamenta casos em que as pessoas chamadas à sucessão estão na mesma classe de parentesco, assim a ordem será de proximidade, ou seja, parentes em grau mais próximo afastam os mais distantes.

Na sucessão legitima os herdeiros podem receber a herança através de 02 títulos:

  • Direito próprio: O herdeiro recebe a herança por Direito próprio quando a lei o está procurando, ou seja, quando observada a ordem hierárquica da vocação, identifica-se que é para esse herdeiro que a lei deve transmitir o direito hereditário.

 

  • Direito de representação: Ocorre esse direito quando a lei não procurava pelo sucessor, mas permite que ele receba o direito hereditário. Admite-se essa situação quando o sucessor que a lei procura estiver premoriente, indigno ou deserdado.

 Assim, dá-se o direito de representação quando a lei chama certos parentes do falecido a suceder em todos os direitos em que este sucederia se vivo fosse, e, em complemento acrescenta o art. 1.854 do CC que os representantes só podem herdar, como tais, o que herdaria o representado se vivo fosse.

 Em regra, o direito de representação só existe na classe dos descendentes. No entanto, na classe dos colaterais há uma única exceção, que é o direito de representação concedido aos filhos dos irmãos.

 CLASSE DOS HERDEIROS

DESCENDENTES: São chamados de herdeiros necessários e também de herdeiros por excelência, por serem as primeiras pessoas procuradas pela lei. Nesta classe impera a regra que o mais próximo exclui o mais remoto, admitindo aplicação da exceção quando existir direito a representação. Nesta classe existe a aplicação da forma geral do direito de representar.

No caso dessa classe ser chamada a sucessão, havendo cônjuge supérstite, este poderá concorrer com os descendentes desde que casado este com o falecido no regime de comunhão parcial, possuindo bens particulares, regime de separação de bens e regime de comunhão final de aquestos.

ASCENDENTES: Chamados também de herdeiros necessários, ou seja, não podem ser privados da sucessão. Não há limite de grau para vocação, no entanto herdam somente por direito próprio, sendo a eles vedada a representação.

A herança se divide primeiramente por linhas para depois ser dividida por grau de parentesco.

Havendo cônjuge sobrevivente, este concorrerá com os ascendentes, na forma da lei e independente do regime de bens em que foi realizado o casamento.

CÔNJUGE: São também chamados de herdeiros necessários, não podendo assim ser excluídos da sucessão. Os herdeiros aqui não podem estar separados (judicialmente ou extrajudicialmente), nem estarem separados de fato há mais de 02 anos. Se ocorrer os citados casos de separação, para possuir direito à herança, não podem ser culpados pela ruptura.

Ao cônjuge, também será garantido o direito real de habitação, independentemente da participação que teve na herança, desde que o imóvel seja o único bem da natureza a ser partilhado.

COLATERAIS: Essa classe é formada por sucessores legítimos não sendo eles necessários. Nesta classe a regra é todos sucederem por direito próprio, exceção feita a um caso específico de representação. Outra diferença em relação às outras classes reside no fato de existir um grau máximo para evocação.

Irmãos unilaterais têm direito a cota equivalente à metade do que receberem irmãos bilaterais.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/sucessao-legitima-3773906.html

    Palavras-chave do artigo:

    sucessao

    Comentar sobre o artigo

    Trabalho de Direto Civil IV – Sucessões. Da Abertura das Sucessões. Sucessão é a transferência, total, ou parcial, de herança, pela morte de alguém, a um ou mais herdeiros. O direito por força do qual alguém recolhe os bens da herança, chamado de sucessão causa mortis, no conceito subjetivo, e no objetivo indica a universalidade dos bens do morto ( de cujus ) , que ficaram com seus direitos e encargos.

    Por: Fábiol Direito> Doutrinal 17/05/2011 lAcessos: 1,510
    Juliana Gentilini David

    Esse trabalho tem como propósito demonstrar três maneiras de se adquirir o direito a sucessão que são: Herança, Legado e Partilha.

    Por: Juliana Gentilini Davidl Direito> Doutrinal 10/11/2010 lAcessos: 8,255

    Segundo os ensinamentos de Washington de Barros Monteiro, a palavra sucessão significa o ato pelo qual uma pessoa toma o lugar de outra, investindo-se, a qualquer título, no todo ou em parte, nos direitos que lhe competiam. O presente artigo restringe-se apenas ao estudo das normas advindas do Novo Código Civil acerca dos direitos sucessórios dos cônjuges.

    Por: Najla Pinheirol Direito> Doutrinal 31/05/2010 lAcessos: 1,144

    Das sucessões, breves considerações sobre os direitos do companheiro no Código Civil.

    Por: Eduardo H. P. Leitel Direito> Doutrinal 16/12/2010 lAcessos: 277

    O artigo aborda as distinções entre o tratamento dado pelo novo Código Civil à sucessão do companheiro e à sucessão do cônjuge e as distorções daí decorrentes.

    Por: Vitor Pereira Paschoalickl Direitol 14/12/2010 lAcessos: 288

    Uma breve análise das duas formas de afastamento do herdeiro da sucessão, quais sejam, a indignidade e a deserdação.

    Por: Najla Pinheirol Direitol 09/11/2010 lAcessos: 1,677

    No Direito de Sucessões, estuda-se a Sucessão Legítima. Sendo esta uma forma de recebimento dos bens pelos herdeiros após a morte do testador, advinda da própria lei.

    Por: Thais Midori Nakamura - UNIVERSIDADE DE RIBEIRAO PRETOl Direitol 24/11/2009 lAcessos: 1,098

    O presente artigo tem como escopo, propor algumas reflexões sobre a separação de fato na sucessão legitima. O ponto crucial de tal reflexão é a concorrência entre o cônjuge separado de fato e do convivente da união estável nessa espécie de sucessão.

    Por: Natália Cristina Marques Pimental Direitol 14/07/2009 lAcessos: 2,282
    Sonia Jordão

    Cada vez mais a gestão de pessoas vem adquirindo maior importância nas empresas. Deixou de ser um suporte para se tornar uma área de negócios. Afinal, os resultados dependem das pessoas e está cada vez mais difícil descobrir, atrair e reter os talentos.

    Por: Sonia Jordãol Carreiral 21/02/2013 lAcessos: 28

    Não raras vezes, os sócios das pessoas jurídicas de responsabilidade limitada a utilizam para obter vantagens pecuniárias mediante fraude, abuso de poder ou violação à Lei ou ao contrato social, graças à autonomia que o atual Código Civil lhes conferiu.

    Por: Rafael Rossi Morescol Direito> Doutrinal 18/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    SUMÁRIO 1. CLASSIFICAÇÃO DAS OBRIGAÇÕES. 2. OBRIGACOES DE MEIO. 3. OBRIGACAO DE RESULTADO. 4. CONCLUSAO. 5. REFERENCIAS

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    SUMÁRIO. 1 TEORIA DA IMPREVISÃO. 1.1. CONCEITO. 1.2. REQUISITOS. 2 TEORIA DA SUPERVENIENCIA. 2.1. CONCEITO E REQUISITOS. 3 CONCLUSÃO. 4 REFERENCIAS

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    Sumário. 1. INTRODUÇÃO. 2. RAZAO DA EXISTENCIA DOS TITULOS DE CREDITO. 3. CARACTERISTICAS DOS TITULOS . 4. SAQUE OU EMISSAO, ACEITE, AVAL E ENDOSSO.5. IMPOSSIBILIDADE TECNICA DE INCLUSAO EM DOCUMENTOS ASSINADOS DIGITALMENTE. 6. CONCLUSAO E CRITICA

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    Direito Ambiental. Órgão de Atuação. IAP. Atuação e História. Controle de infrações. Conceito de Direito Ambiental. O Direito Ambiental é a área do conhecimento jurídico que estuda as interações do homem com a natureza e os mecanismos legais para a proteção do meio ambiente.

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    Consultoria e modelo de contrato de lavra de empresa de sociedade por responsabilidade limitada

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    Estudo baseado no livro "Temas de Psicologia Jurídica" de Leila Maria Torraca de Brito. Nele é possível adquirir uma visão mais amplificada da utilização da Psicologia jurídica dentro da aplicação do Direito.

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014
    Rafael Antonio Pinto Ribeiro

    Direito Romano. Conjunto de regras, que regem a sociedade romana desde as suas origens.

    Por: Rafael Antonio Pinto Ribeirol Direito> Doutrinal 14/09/2014

    O TEXTO DISCORRE SOBRE AS FONTES DE CUSTEIO E ORGANIZAÇÃO DA SEGURIDADE SOCIAL.

    Por: Rosimeire Ferreiral Direito> Doutrinal 12/06/2011 lAcessos: 320
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast