SUCESSÃO LEGÍTIMA

Publicado em: 02/12/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 2,705 |

SUCESSÃO LEGÍTIMA

1. CONCEITO: É a espécie de sucessão oriunda do Direito Germânico que, impõe a regra que os herdeiros só podem ser feitos por Deus. A vontade divina é demonstrada através da lei que, estabelece quem são os herdeiros, seus direitos e os efeitos do recebimento da herança.

A sucessão legítima, regulamentada por lei, ocorre nos casos em que o de cujus faleceu sem deixar testamento, se seu testamento caducou ou é ineficaz e se deixar testamento, havendo herdeiro necessário, obrigando à redução da disposição testamentária para respeitar a quota reservatória.

2. ORDEM OU HIERÁRQUIA DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA

A ordem de vocação hereditária é estabelecida pela lei e regulamenta a ordem hierárquica das pessoas que são chamadas a suceder. Consiste na distribuição dos herdeiros em classes preferenciais, baseada em relações de família e de sangue; a sucessão defere-se na seguinte ordem:

1ª Regra – Classe de Parentesco:

  • 1º Descendentes
  • 2º Ascendentes
  • 3º Cônjuge
  • 4º Colaterais

Concluímos então, a primeira regra relevante: a existência de herdeiros de uma classe exclui do chamamento à sucessão herdeiros da classe seguinte.

2ª Regra – Grau de parentesco:

Essa regra regulamenta casos em que as pessoas chamadas à sucessão estão na mesma classe de parentesco, assim a ordem será de proximidade, ou seja, parentes em grau mais próximo afastam os mais distantes.

Na sucessão legitima os herdeiros podem receber a herança através de 02 títulos:

  • Direito próprio: O herdeiro recebe a herança por Direito próprio quando a lei o está procurando, ou seja, quando observada a ordem hierárquica da vocação, identifica-se que é para esse herdeiro que a lei deve transmitir o direito hereditário.

 

  • Direito de representação: Ocorre esse direito quando a lei não procurava pelo sucessor, mas permite que ele receba o direito hereditário. Admite-se essa situação quando o sucessor que a lei procura estiver premoriente, indigno ou deserdado.

 Assim, dá-se o direito de representação quando a lei chama certos parentes do falecido a suceder em todos os direitos em que este sucederia se vivo fosse, e, em complemento acrescenta o art. 1.854 do CC que os representantes só podem herdar, como tais, o que herdaria o representado se vivo fosse.

 Em regra, o direito de representação só existe na classe dos descendentes. No entanto, na classe dos colaterais há uma única exceção, que é o direito de representação concedido aos filhos dos irmãos.

 CLASSE DOS HERDEIROS

DESCENDENTES: São chamados de herdeiros necessários e também de herdeiros por excelência, por serem as primeiras pessoas procuradas pela lei. Nesta classe impera a regra que o mais próximo exclui o mais remoto, admitindo aplicação da exceção quando existir direito a representação. Nesta classe existe a aplicação da forma geral do direito de representar.

No caso dessa classe ser chamada a sucessão, havendo cônjuge supérstite, este poderá concorrer com os descendentes desde que casado este com o falecido no regime de comunhão parcial, possuindo bens particulares, regime de separação de bens e regime de comunhão final de aquestos.

ASCENDENTES: Chamados também de herdeiros necessários, ou seja, não podem ser privados da sucessão. Não há limite de grau para vocação, no entanto herdam somente por direito próprio, sendo a eles vedada a representação.

A herança se divide primeiramente por linhas para depois ser dividida por grau de parentesco.

Havendo cônjuge sobrevivente, este concorrerá com os ascendentes, na forma da lei e independente do regime de bens em que foi realizado o casamento.

CÔNJUGE: São também chamados de herdeiros necessários, não podendo assim ser excluídos da sucessão. Os herdeiros aqui não podem estar separados (judicialmente ou extrajudicialmente), nem estarem separados de fato há mais de 02 anos. Se ocorrer os citados casos de separação, para possuir direito à herança, não podem ser culpados pela ruptura.

Ao cônjuge, também será garantido o direito real de habitação, independentemente da participação que teve na herança, desde que o imóvel seja o único bem da natureza a ser partilhado.

COLATERAIS: Essa classe é formada por sucessores legítimos não sendo eles necessários. Nesta classe a regra é todos sucederem por direito próprio, exceção feita a um caso específico de representação. Outra diferença em relação às outras classes reside no fato de existir um grau máximo para evocação.

Irmãos unilaterais têm direito a cota equivalente à metade do que receberem irmãos bilaterais.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/sucessao-legitima-3773906.html

    Palavras-chave do artigo:

    sucessao

    Comentar sobre o artigo

    Trabalho de Direto Civil IV – Sucessões. Da Abertura das Sucessões. Sucessão é a transferência, total, ou parcial, de herança, pela morte de alguém, a um ou mais herdeiros. O direito por força do qual alguém recolhe os bens da herança, chamado de sucessão causa mortis, no conceito subjetivo, e no objetivo indica a universalidade dos bens do morto ( de cujus ) , que ficaram com seus direitos e encargos.

    Por: Fábiol Direito> Doutrinal 17/05/2011 lAcessos: 1,662
    Juliana Gentilini David

    Esse trabalho tem como propósito demonstrar três maneiras de se adquirir o direito a sucessão que são: Herança, Legado e Partilha.

    Por: Juliana Gentilini Davidl Direito> Doutrinal 10/11/2010 lAcessos: 9,024

    Este artigo acadêmico tem por grande objetivo esclarecer as duvidas referentes ao polêmico artigo 1.790 do Código Civil. Desta maneira, vários argumentos serão expostos para que haja total compreensão do texto que traz o artigo, diante a concorrência na União Estável.

    Por: Henrique Tirintan Amoriml Direitol 30/10/2014 lAcessos: 49

    Segundo os ensinamentos de Washington de Barros Monteiro, a palavra sucessão significa o ato pelo qual uma pessoa toma o lugar de outra, investindo-se, a qualquer título, no todo ou em parte, nos direitos que lhe competiam. O presente artigo restringe-se apenas ao estudo das normas advindas do Novo Código Civil acerca dos direitos sucessórios dos cônjuges.

    Por: Najla Pinheirol Direito> Doutrinal 31/05/2010 lAcessos: 1,174

    Das sucessões, breves considerações sobre os direitos do companheiro no Código Civil.

    Por: Eduardo H. P. Leitel Direito> Doutrinal 16/12/2010 lAcessos: 292

    O artigo aborda as distinções entre o tratamento dado pelo novo Código Civil à sucessão do companheiro e à sucessão do cônjuge e as distorções daí decorrentes.

    Por: Vitor Pereira Paschoalickl Direitol 14/12/2010 lAcessos: 302

    Uma breve análise das duas formas de afastamento do herdeiro da sucessão, quais sejam, a indignidade e a deserdação.

    Por: Najla Pinheirol Direitol 09/11/2010 lAcessos: 1,746

    No Direito de Sucessões, estuda-se a Sucessão Legítima. Sendo esta uma forma de recebimento dos bens pelos herdeiros após a morte do testador, advinda da própria lei.

    Por: Thais Midori Nakamura - UNIVERSIDADE DE RIBEIRAO PRETOl Direitol 24/11/2009 lAcessos: 1,122

    O presente artigo tem como escopo, propor algumas reflexões sobre a separação de fato na sucessão legitima. O ponto crucial de tal reflexão é a concorrência entre o cônjuge separado de fato e do convivente da união estável nessa espécie de sucessão.

    Por: Natália Cristina Marques Pimental Direitol 14/07/2009 lAcessos: 2,303

    Em um passado não tão distante a família era constituída pelo pai, pela mãe e pelos filhos. O afeto não era um assunto de muita importância, já que o vínculo sanguíneo era o fator principal da instituição familiar. Mas hoje notamos que a sociedade não mais se comporta desta forma

    Por: Edna Andradel Direito> Doutrinal 04/03/2015

    O presente artigo trata da mediação e como essa se torna tão eficaz na resolução de conflitos, se apresentando como uma forma de "desafogar" o judiciário e ao mesmo tempo da uma resposta mais imediata às partes. Dessa forma, apresento o conceito, as características e outros relevante aspectos da mediação.

    Por: LEONNE GOMES SARAIVAl Direito> Doutrinal 28/02/2015
    André Silva Barroso

    As empresas não são mais vistas somente como agentes de produção, com o intuito único de auferir lucro dentro de suas atividades, sem se preocuparem com seus colaboradores. Durante as últimas décadas, os colaboradores são tratados como peças fundamentais nas organizações empresariais. A Lei N.º 11.101/2005 prioriza a recuperação sobre a liquidação, devendo ser aplicada a liquidação somente nos casos em que a empresa seja inviável, sendo isso a consagração do Princípio da Preservação da Empresa.

    Por: André Silva Barrosol Direito> Doutrinal 24/02/2015

    O presente artigo versa sobre os crimes hediondos e também àqueles equiparados a hediondos, como o tráfico ilícito de entorpecentes, o terrorismo e o crime de tortura. Para uma melhor análise do tema, será abordada a lei nº 8072/90, abordando todos os seus artigos, em especial o artigo primeiro, do qual trazemos comentários de todos os seus incisos que nos apresentam todos os crimes constantes no rol legal.

    Por: Antônio Faustino Moural Direito> Doutrinal 23/02/2015 lAcessos: 12

    O presente artigo tem por objetivo demonstrar a mediação como uma alternativa para a resolução dos conflitos, apresentando suas vantagens em comparação a um processo judicial. A metodologia utilizada no artigo teve por base um estudo descritivo-analítico, desenvolvido através de pesquisa bibliográfica. Concluiu-se que a apropriação das formas em tela pelo Poder Judiciário é influenciada pela utilização do discurso da ideologia da harmonia para o convencimento das pessoas.

    Por: antonia karinyl Direito> Doutrinal 21/02/2015

    O referido artigo visa mencionar algumas noções sobre as Obrigações no campo Civilista.

    Por: kellylisitaPeresl Direito> Doutrinal 18/02/2015

    Para um entendimento global do procedimento cível, é indispensável que o jurista tenha conhecimento dos atos processuais que formam a sua estrutura. Assunto cobrado na maioria dos concursos públicos hodiernos, os atos processuais possuem importância substancial para aqueles que pretendem entender o processo como um todo. Assim, o presente artigo visa desobscurecer o conhecimento dos leitores acerca das comunicações realizadas entre os juízos, fragmento basilar dos atos processuais.

    Por: Maria Isabell Direito> Doutrinal 16/02/2015

    O povo brasileiro vive em uma sociedade democrática, caracterizada por tudo que é tipo de trabalhadores, sejam eles formados por grupos majoritários ou não. E esses trabalhadores precisam de proteção.

    Por: Gleidson Mateus de Melol Direito> Doutrinal 14/02/2015

    O TEXTO DISCORRE SOBRE AS FONTES DE CUSTEIO E ORGANIZAÇÃO DA SEGURIDADE SOCIAL.

    Por: Rosimeire Ferreiral Direito> Doutrinal 12/06/2011 lAcessos: 339
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast