VERBA DE GABINETE

Publicado em: 03/12/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 3,761 |

 

 VERBA INDENIZATÓRIA DE GABINETE

Verba significa consignação de uma quantia para determinados fins (FERREIRA 2001).

Indenização são reparações, compensações ou ressarcimentos a que tem o agente público no exercício de suas atribuições (BRAZ 2006).

A verba indenizatória de gabinete serve para a manutenção do gabinete dos parlamentares, ou seja, reserva-se determinada quantia para ressarcir aos vereadores por eventuais despesas com seu gabinete, como se observa pela consulta feita ao Tribunal de Contas de Minas Gerais:

 

"A verba de ‘Auxílio Gabinete' é uma fonte de custeio de despesas do Gabinete que [...] não é entregue ao agente político como remuneração, mas como objeto de movimentação orçamentária pelo ordenador da despesa que prestará, ao término do prazo estabelecido, contas da destinação dada à verba, com a comprovação dos gastos feitos."

(Consulta TCMG 483.478/98)

 

 

A verba de gabinete tem natureza indenizatória e, portanto, não se incorpora ao limite do subsídio destinado constitucionalmente como retribuição pelo exercício de cargo ou função eletiva.

 

Assim, deve ela ser paga a vereadores que tiverem gastos com seus gabinetes e devem ser suportados pelos recursos orçamentários ordinários do Município, a título de indenização e mediante a devida prestação de contas.

 

A verba indenizatória de gabinete serve para o vereador custear a remuneração da assessoria parlamentar, conjunto de pessoas que ajudam no trabalho do vereador, garantindo a qualidade do exercício do mandato, e também as despesas decorrentes da atividade (material de escritório, por exemplo). A verba é para o exercício de seu múnus público e não pelo exercício, pois pelo serviço da vereança a retribuição é o subsídio.

A responsabilidade pelo processo legislativo é muito grande, exige muito estudo, pois  por meio dele o vereador estabelece normas que influenciarão na vida de toda a sociedade, e não é só legislar a função do vereador, tem ele o dever de fiscalizar a administração pública, portanto deve o vereador estar bem assessorado para cumprir com suas obrigações. 

Assim, a verba indenizatória de gabinete tem sua fundamentação em norma constitucional.

In verbis:

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

(...)

§ 11. Não serão computadas, para efeito dos limites remuneratórios de que trata o inciso XI do caput deste artigo, as parcelas de caráter indenizatório previstas em lei. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 47, de 2005)

 

Como regra geral, remuneração é uma contraprestação paga em retribuição ao trabalho, já verba indenizatória é o ressarcimento de eventuais prejuízos sofridos em razão da atividade prestada.

 

 

 

 

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/doutrina-artigos/verba-de-gabinete-3781889.html

    Palavras-chave do artigo:

    verba

    ,

    indenizatoria

    ,

    subsidios

    Comentar sobre o artigo

    O partido dos trabalhadores(PT) por suas ações indignas, sorrateiras, destruidoras, vem causando um furor sem proporções a população brasileira. Contrariando a estratégia eleitoral que levou o partido ao poder com o "Molusco" em 2002, campanha de Dilma Rousseff, a guerrilheira e terrorista, tenta disseminar o pânico para estancar a queda de popularidade. A história ensina porém, que a perigosa tática costuma fracassar quando o leitor anseia por mudanças, como agora.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 20/05/2014

    Considerações críticas acerca do reajuste salarial dos parlamentares federais, que se autorreajustam.

    Por: Julio César Cardosol Notícias & Sociedadel 17/12/2014
    Marcello Fernandes Leal

    A isenção é causa de exclusão do crédito tributário, nos termos do art. 175, do CTN. Contudo, a facilidade no estudo sobre este instituto cessa com essa afirmação, pois quando se avança para definir sua natureza jurídica, percebe-se que a doutrina pátria não é uníssona quanto a este ponto. Apesar de aparentemente pacificado o tema por conta de posicionamento antigo e consolidado do STF, é importante entender melhor a discussão, especialmente em razão de suas consequências práticas.

    Por: Marcello Fernandes Leall Direito> Direito Tributáriol 06/07/2013 lAcessos: 40

    O presente artigo tem a finalidade de relatar as principais características, em um âmbito político e social, de um período da história brasileira: a República Velha. É essencial analisar, ainda que de forma sucinta, seus antecessores e suas conseqüências. Para tal fim, buscamos um embasamento em celebres obras como "Coronelismo, Enxada e Voto", de Victor Nunes Leal e "Os Donos do Poder", de Raymundo Faoro.

    Por: Antônio Faustino Moural Direito> Doutrinal 17/12/2014
    André Silva Barroso

    O presente trabalho trata sobre os títulos de crédito eletrônicos e a possível descaracterização do princípio da cartularidade, onde, para uma melhor compreensão sobre tal instituto, buscou-se um estudo sobre seu conceito, características e princípios. Num segundo estágio foi-se abordado os títulos de crédito eletrônicos, que surgiram pelos avanços tecnológicos principalmente pelo advento da internet.

    Por: André Silva Barrosol Direito> Doutrinal 05/12/2014
    Liziane Mont'Alverne de Barros

    A "judicialização da política" ou "politização da justiça" na composição dos cenário das ciências jurídicas e sociais nos diversos países do mundo e seus efeitos na expansão do Poder Judiciário no processo decisório das democracias contemporâneas. O presente artigo tem por escopo promover uma análise crítica do desenvolvimento desse fenômeno que vem sendo desenvolvido pelo Órgão de Cúpula do Judiciário – STF.

    Por: Liziane Mont'Alverne de Barrosl Direito> Doutrinal 04/12/2014

    O código civil concede ao testador o direito não só de instituir herdeiro ou legatário em primeiro grau, mas também o de lhes indicar substituto.

    Por: DÉBORA LUCIANO DE ALMEIDAl Direito> Doutrinal 03/12/2014 lAcessos: 11

    CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO É um mecanismo previsto na lei civil, que pode-se valer o devedor que queira desonerar-se e que esteja em dificuldades para o fazer.

    Por: Fernando Bartoli de Oliveiral Direito> Doutrinal 01/12/2014 lAcessos: 11

    Artigos 1962, 1963 e 1814 do Código Civil É o ato de manifestação da vontade do autor da herança que exclui da sucessão, um herdeiro necessário, tipificando, nos permissivos legais, a sua vontade. Dá-se por testamento somente.

    Por: Thais Luz Firminol Direito> Doutrinal 29/11/2014 lAcessos: 12

    A conquista, o governo e a manutenção do Estado são preocupações centrais do pensamento maquiaveliano. Essa tríade tem de ser mantida custe o que custar, ainda que para tanto não se observem questões de ordem ética e moral, pelo menos, a moral e a ética medievais e da Itália renascentista. O bom governante tem de manter o Estado e, para tanto, dadas as circunstancias tem que agir hora pela força, hora pela razão e outras vezes deve saber conjugar ambas, só assim conseguirá governar.

    Por: FRANCISCO ESDRAS MOREIRA ROCHAl Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 12

    O Direito Sucessório Brasileiro, disciplinado pelo Código Civil Brasileiro de 2002, prevê dois tipos de sucessão hereditária que podemos nos deparar quando da abertura da sucessão, qual seja: sucessão legítima e sucessão testamentária, acerca desta, mais especificamente sobre sucessão testamentária na forma pública, que discorremos no presente trabalho.

    Por: Arthur Sarilhol Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 11

    As relações jurídicas de direito privado que possuem conexão internacional são regidas pelo direito doméstico ou por um direito alienígena, tendo em vista o que determina a lex fori (Lei interna de cada país) de Direito Internacional Privado. As normas de Direito Internacional Privado, como regra, não solucionam o caso em questão, simplesmente indicam qual direito será aplicado, e por essa razão são denominadas normas indicativas ou indiretas.

    Por: Adriano Damascenol Direito> Doutrinal 01/06/2011 lAcessos: 1,346

    Assim, a relação de cunho internacional que gera o denominado conflito de leis no espaço encontra sua resolução dentro do Direito Internacional Privado. Este é composto por normas criadas pelo sistema jurídico de cada país, que serão conectadas àquelas relações jurídicas que tenham vínculo com mais de um sistema jurídico.

    Por: Adriano Damascenol Direito> Doutrinal 01/06/2011 lAcessos: 361

    O TSE quando votou a consulta 1.398, ponderou que a perda do mandato eletivo não poderia ocorrer de forma automática, ou seja, a simples saida do mandatário do partido não poderia ser motivo direto para que fosse devolvido o mandato ao partido político, pois o candidato poderia ter motivos justificantes para seu desligamento.

    Por: Adriano Damascenol Direito> Doutrinal 31/05/2011 lAcessos: 767

    Direito Eleitoral é uma ramo bastante diferenciado dos demais ramos do direito e que qualquer ato normativo criado para fazer parte da legislação eleitoral causa um reflexo muito grande na vida dos cidadãos, pois, a política é inerente a todo o ser humano.

    Por: Adriano Damascenol Direito> Doutrinal 30/05/2011 lAcessos: 920

    O presente trabalho tem o propósito de estabelecer um parâmetro mínimo conceitual do termo interesse local, o qual é extraído do artigo 30, inc. I da Constituição da República de 1988. Logicamente que este estudo está restringido pela capacidade dos autores, mas a esperança é de que ele venha contribuir de algum modo e também atingir o seu escopo.

    Por: Adriano Damascenol Direito> Doutrinal 14/04/2011 lAcessos: 669

    A definição de fidelidade partidária não apresenta muita complexidade, pois qualquer ser humano sabe o que é fidelidade, segundo Ferreira (2001) fidelidade é aquele que é digno de fé, leal, honrado, nestes termos fidelidade partidária é a lealdade a um partido ao qual uma pessoa escolheu para participar na vida efetiva e diretamente na vida pública, seguindo sempre o ideário proposto por aquele partido

    Por: Adriano Damascenol Direito> Doutrinal 14/04/2011 lAcessos: 340

    A presente pesquisa realiza uma análise bibliográfica acerca da duplicidade da natureza jurídica do interrogatório do acusado, que se encontra regulamentado nos artigos 185 a 196 do Código de Processo Penal Brasileiro para se verificar os sentidos que o apontam como meio de prova ou como meio de defesa, ou, ainda, sobre a forma mista, como meio de prova e defesa. Nesse sentido, o objetivo da pesquisa é a análise das causas e efeitos da duplicidade constante no Código de Processo Penal Brasileiro

    Por: Adriano Damascenol Direito> Doutrinal 14/04/2011 lAcessos: 403

    O princípio da legalidade está diretamente vinculado ao conceito de Estado Democrático de Direito, ou seja, o Estado que se subordina à lei por ele criada.

    Por: Adriano Damascenol Direito> Doutrinal 02/12/2010 lAcessos: 433
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast