A Concepção De Educação De Paulo Freire Para "jovens E Adultos"

Publicado em: 25/06/2009 |Comentário: 4 | Acessos: 35,898 |

PAULO FREIRE: A CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO

Jorge Elissander Novato Balbino*

A experiência de Paulo Freire não se restringe só a educação de jovens e adultos, algumas pessoas até estranham que ele não seja apenas usado por educadores nessa área. Em outras áreas do conhecimento Paulo Freire é utilizado como referência teórica para seus estudos e pesquisas.

Atualmente seus livros estão publicados em mais de 60 línguas e presente no mundo inteiro isto é, bastante universalizado, estuda-se Paulo Freire em diversos idiomas. Freire não aceitava a visão do MOBRAL que foi implantada depois dele, onde as pessoas aprendiam a escrever, mas não aprendiam a ler o mundo.

A educação de jovens e adultos na visão de Freire tinha como preocupação o analfabetismo e para ele o pior analfabeto era aquele que não ler o mundo. Destacando isso em seu livro “A importância do ato de ler.” A educação de jovens e adultos ou a educação freireana seja aqui no Brasil ou qualquer outro país, sempre esteve voltado para a conscientização em vencer primeiro o analfabetismo político, depois ensinar ao aluno ler o seu mundo a partir da sua experiência, do seu meio.

A terminologia adotada por método Paulo Freire vem a ser contestada pelo mesmo onde alega não ter escrito método algum e sim tinha uma preocupação com a educação, se tornou método na concepção de professores, mas que para ele próprio era uma concepção de educação contra outro tipo de educação, isto é, uma educação problematizadora e libertadora contra o principio de uma educação bancária, uma educação contra um tipo de educação que domesticava.

Conhecido como “Circulo de Cultura” o método ou Concepção de educação foi utilizado no Brasil, na Guiné Bissau, na Suíça, nos Estados Unidos em Harvard e em livros, ou seja, ele experimentou o “Circulo de Cultura” que segundo Freire é uma experiência que visava substituir algo maçante, isto é, aquela aula na qual os alunos estão presentes nas carteiras apenas como depositários e não tem autonomia, o professor na frente e detentor do saber, o “Circulo de Cultura” pregava uma sala com ambiente agradável onde todos nos tivéssemos o mesmo patamar, onde cada um do grupo definia pra cada um o significado de algo a partir de seu conhecimento, ou seja, não tem professor detentor do saber ali que sabe tudo. Cada grupo do circulo de cultura ele tem um orientador que ajuda com uma relação onde todos são iguais. O circulo busca em cada um, o que se entende pelos temas abordados, são feitas anotações, gravações e quando toda a discussão chega a um nível de satisfação onde todos falaram e tem o direto de falar, isto é, cada um se sente livre para dizer não tem aquela pressão do professor dizendo ou obrigando a fala. Depois deste processo encontravam-se as “Palavras Geradoras” que não eram retiradas de fora do contexto e sim de dentro do grupo.  Com essas “Palavras Geradoras” tenta-se criar um conceito, pois surgem varias palavras, onde se cria um conceito do tema abordado, partindo então do universo do educando, usando os mais diversos conhecimentos da região ou local onde o educando está inserido, isto facilita que o aluno aprenda a partir de seu meio. Freire valorizava imensamente o meio do educando, levando e conta a sua história, a cultura, a experiência anterior do aluno, não se perde nada se aproveita tudo. Sendo um ponto positivo da aprendizagem.

Segundo Freire o verdadeiro educador é aquele que não ri do seu educando não ri da ingenuidade de seu educando. A ingenuidade do aluno é só não saber, quando o educando não sabe o professor não tem que rir dele e o humilhar, o professor tem que superar junto ao aluno as suas limitações pelo não saber e na medida da mediação deste professor o aluno aprende. Freire defende que ninguém ensina nada a ninguém e ninguém aprende nada sozinho, ele diz que só se aprende consociando uns com os outros, liderizados pelo mundo que nos cerca, isto é, só somos capazes de ensinar para os adultos ou para a criança se formos capazes de aprender, sendo um professor que disposto a buscar o novo, a aprender todos os dias e não aquele que acha que sabe. Segundo Freire o bom professor é aquele que se coloca junto com o educando e procura superar com o educando o seu não saber e as suas dificuldades, com uma relação de trocas onde ambas as partes aprendem.

Existem em vários lugares do mundo, onde se tem aplicado a educação de Paulo Freire para as crianças, o grande ponto em Freire é que nós precisamos compreender, precisamos modificar para atender a crianças, atender um jovem. Mostrando-nos a preocupação com a educação em geral.

Freire dizia que se alguém quisesse trair o seu legado que o imitassem, e que se quisesse não o trair que o reinventasse.

Freire quando começa a trabalhar a educação de jovens e adultos ele esta preocupado em que o ser humano se liberte, para que seja, mas feliz, cresça, que siga em frente. Em todo o processo e em sua história Freire contribui para que o ser humano fosse mais, e isso ainda continua porque todos aqueles que descobrem Paulo freire, o percebem, o amam. O sentido de seus ensinamentos é tomar pelo estômago, é uma coisa visceral, é forte, ele vira uma luz no caminho da gente, Freire diz algo interessante: “Ai de nós se não sonharmos sonhos possíveis.”

A “Utopia” em Freire é justamente o fato de nossa inconclusão, nós somos seres inconclusos, não estamos prontos, acabados e nunca estaremos. Onde a educação freireana seja ela para o adulto, seja ela para crianças, ou para quem quer que seja, é uma educação para que nós nos completemos, isto é, somos utópicos, no sentido freireano a utopia é um sonho que se sonha acordado que esta em constante busca da realização tanto humana com profissional.

Freire foi e continua sendo um dos maiores educadores do mundo, pouco conhecido e divulgado no Brasil, mas muito utilizado no mundo e em várias e grandes universidades do mundo.

 

 

Bibliografia:

 

Freire, Paulo Régis Neves. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1967.

Freire, Paulo Régis Neves. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1997.
Freire, Paulo Régis Neves. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1970.

Freire, Paulo Régis Neves. A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez Editora, 1982.

 

 

*Graduando do Curso de Pedagogia do Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/JF)

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 27 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/a-concepcao-de-educacao-de-paulo-freire-para-jovens-e-adultos-993680.html

    Palavras-chave do artigo:

    utopia infancia terminologia concepcao

    Comentar sobre o artigo

    O Desenvolvimento Sustentável vem se pulverizando desde o Relatório Brundtland, conquistando seguidores de diferentes classes sociais. Porém o que não é abordado por esses seguidores é a verdadeira funcionalidade do conceito que vem permear um discurso ideológico de uma classe dominante vigente, se utilizando de pensamentos conservacionistas para mascarar a crise ambiental em que vivemos na atualidade. São fatos como esses que levam o ensino de geografia a refletir o termo em nossa prática.

    Por: MARCOS VINICIUS N. DE MELOl Educação> Ensino Superiorl 18/06/2010 lAcessos: 1,789
    leticia dos santos geraldo

    A essência do Construtivismo nasceu fundamentalmente da teoria da Epistemologia Genética de Jean Piaget. A hermenêutica do construtivismo designa-se hoje, a buscar, conhecer, métodos pedagógicos, sendo utilizada como determinados aspectos para a aprendizagem, pois se popularizou como "método construtivista".O objetivo deste trabalho é mostrar o real objetivo da prática construtivista e o que ela pode mudar no meio educacional.

    Por: leticia dos santos geraldol Educaçãol 11/04/2015
    Joseléia Graciano da Silva

    O presente trabalho tem por objetivo refletir sobre as contribuições do processo educativo escolar no sistema prisional, de modo a abordar a funcionalidade da escola nesse espaço singular, apontando não só o caráter legal do atendimento em educação por parte das instituições prisionais, mas também os fatores que motivam os sentenciados/detentos a procurarem a escola no presídio.

    Por: Joseléia Graciano da Silval Educaçãol 10/04/2015
    Joseléia Graciano da Silva

    Nell. Direção: Michael Apted. Produção: Renee Missel e Jodie Foster. Interprétes:Jodie Foster,Liam Neeson e Natasha Richardson e outros. Roteiro: William Nicholson e Mark Handley, 1994. (115 min).

    Por: Joseléia Graciano da Silval Educaçãol 10/04/2015
    Carlos Henrique Araújo

    Tudo ruiu como um castelo feito de cartas já no final de 2014. Com o ajuste fiscal, ficou absolutamente claro de que os programas sociais seriam essencialmente afetados. O MEC sofreu o maior corte financeiro de sua história. Segundo analistas, o ministério da Pátria Educadora teria seu orçamento diminuído em sete bilhões de reais anuais.

    Por: Carlos Henrique Araújol Educaçãol 02/04/2015 lAcessos: 17
    Elaine Peres da Silva

    É indispensável ao desenvolvimento do ser humano o trabalho de sensibilização diante da sociedade, começando pela própria escola, o local de aprendizagem e formação do indivíduo. É preciso que o estudante, enquanto cidadão perceba a importância de sua participação nas questões que envolvem o meio ambiente, desde então, as pequenas ou grandes atitudes podem amenizar, mesmo que parcialmente, a contaminação da natureza.

    Por: Elaine Peres da Silval Educaçãol 27/03/2015 lAcessos: 18
    Fernando Corrêa manarim

    afirmamos que existem outras formas de jogar xadrez além da competição, ou seja, que o xadrez é uma ferramenta que pode trabalhar o praticante pedagógica e terapeuticamente, ensinando a se conhecer, conhecer os outros e conhecer o mundo a qual pertence. Isso pode ser comprovado na Lenda de criação do xadrez, conhecida como a Lenda de Lahur Sessa, lenda que pode ser encontrada na obra de Malba Tahan, "O Homem que calculava".

    Por: Fernando Corrêa manariml Educaçãol 16/03/2015 lAcessos: 12

    1. Por que o regime de ciclos e a progressão continuada são tão criticados? 2. Qual a real eficácia da progressão continuada e quais são os problemas gerados por esta prática? 3. Quais suas implicações políticas? 4. Quais os aspectos negativos deste sistema? 5. Qual o papel do professor, do coordenador e supervisor escolar? 6. Qual a importância da avaliação neste processo?

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015 lAcessos: 18

    RESUMO A violência é sem duvida, além de uma das grandes preocupações da sociedade, o grande problema a ser enfrentado, principalmente na dura realidade das escolas públicas do Brasil. Atinge a todos na escola, contudo a grande vitima deste problema é o professor, cada vez mais desmotivado e que se encontra quase sempre acuado e de mãos atadas diante do problema. Ocorre de maneira velada e de diversos modos, sendo, obviamente causada pela falta de limites e de ações efetivas para enfrentar o pro

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015 lAcessos: 19
    JORGE ELISSANDER N. BALBINO

    A educação no ensino médio é repleta de lacunas que causam em diversos alunos a desistênciaO que o jovem que chega ao ensino médio aspira, depende de uma série de fatores o O currículo no ensino médio também depende de vários fatores, que esbarram em políticas públicas, questões sociais, que podem ou não fazer um currículo de sucesso ou retrocesso.

    Por: JORGE ELISSANDER N. BALBINOl Educaçãol 28/02/2011 lAcessos: 458
    JORGE ELISSANDER N. BALBINO

    Os índices de reprovação na primeira série do primeiro grau na década de 1970, em Juiz de Fora, eram muito elevados. A necessidade de providências urgentes para modificar esse cenário que denunciava o descaso das esferas públicas referentes à educação e a grande desigualdade social, assolava o município. A situação da educação pré-escolar na cidade encontrava-se ainda mais precária, pois existiam poucas instituições para atender à infância, principalmente carente.

    Por: JORGE ELISSANDER N. BALBINOl Educação> Ensino Superiorl 23/02/2011 lAcessos: 656
    JORGE ELISSANDER N. BALBINO

    Nesse estudo, procurou-se evidenciar a evolução do segmento de educação infantil especificamente no município de Juiz de Fora, Minas Gerais, analisando sobre a educação infantil no Brasil e no município e as relações entre os profissionais da educação infantil.

    Por: JORGE ELISSANDER N. BALBINOl Educação> Ensino Superiorl 16/02/2011 lAcessos: 2,013
    JORGE ELISSANDER N. BALBINO

    The text shows a Paulo Freire still not released in Brazil and in turn widely used abroad, warning that it is only used in the education of youngsters and adults and has been used as research in various areas and even in early childhood education.

    Por: JORGE ELISSANDER N. BALBINOl Educaçãol 14/03/2010 lAcessos: 277
    JORGE ELISSANDER N. BALBINO

    O texto mostra de forma clara e objetiva que é possivel ensinar a ler e escrever ao mesmo tempo, basta que o educador esteje comprometido com seu trabalho e que fuja do ensino tradicional proporcionando a seus alunos o conhecimento de para que serve a leitura e a escrita e sua utilização,levando a este aluno a presenciar a leitura e a escrita através de materiais diversos.

    Por: JORGE ELISSANDER N. BALBINOl Educaçãol 29/06/2009 lAcessos: 14,119 lComentário: 5
    JORGE ELISSANDER N. BALBINO

    O artigo faz uma leve critica as praticas de alguns profissionais de educação, fazendo uma sintese do filme " A sociedade dos poetas mortos;,levando ao educador e/ou futuro educador a refletir sobre o que vai ensinar, alertando ainda para se respeitar o conhecimento do aluno e ensentivando a este aluno a aprender parazerozamente e não por conceitos programados por algumas escolas, pregando a formação autocritica dos cidaãos.

    Por: JORGE ELISSANDER N. BALBINOl Educaçãol 11/06/2009 lAcessos: 1,593
    JORGE ELISSANDER N. BALBINO

    O texto é uma critica ao comodismo de alguns profissionais da educação que estão acomodados e/ou parados no tempo e não buscam alternativa ao ensino...

    Por: JORGE ELISSANDER N. BALBINOl Educaçãol 07/06/2009 lAcessos: 347

    Comments on this article

    0
    genivaldo 03/02/2011
    o desenvolvimento sustentável vem se produzito ;;;
    0
    GENIVALDO 03/02/2011
    é miuto importe estuda .
    0
    railde pereira 23/09/2010
    Ola...
    gostei muito do seu artigo e gostaria se fosse possivel me enviar alguns materiais para me ajudar a fazer o meu. Desde ja agradeço.
    1
    Rogério dantas de Souza 25/06/2009
    Seu artigo sobre paulo freire é marivilhoso,pois é bom que o Brasil saiba que produzimos cultura e metodologias para a educação..Paulo freire também é conhecido no Brasil , porém não muito reconhecido , talvez por seu método se tratar uma pedagogia libertadora que leva o educando a criticidade e politizando-o, o que talvez incomode uma parcela da elitee com isso desvalorizando sua metodologia.....Parabéns pelo artigo!!
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast