A educação jesuítica no Brasil

Publicado em: 29/11/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 5,196 |

1. INTRODUÇÃO

 Compreender a história da educação no Brasil é retornar aos primórdios da colonização portuguesa. Embora seja a partir da colonização que se começa a falar de educação formal em terras brasileiras, é importante salientar que a tarefa de montar uma estrutura educacional ficou sob responsabilidade dos padres da Companhia de Jesus. 

 A partir daí, os jesuítas criaram diversos estabelecimentos de ensino na colônia, destacando-se na educação, catequização, criação e expansão das missões jesuíticas. Este período de intenso trabalho jesuítico chega ao fim com as reformas pombalinas culminando na sua expulsão de Portugal e das colônias portuguesas. Levando a conseqüente desestruturação do ambicioso sistema educacional implementado no Brasil.

 

2. OS JESUITAS E A EDUCAÇÃO NO PERIODO COLONIAL

 A história da educação no Brasil tem inicio com a chegada dos jesuítas da Companhia de Jesus. Considerando o período histórico dos acontecimentos, não será difícil compreender a importância dos padres dentro do projeto português de colonizar as terras recém descobertas e as marcas deixadas durante a permanência dos jesuítas em terras brasileiras.  

 Os primeiros jesuítas chegaram com Tomé de Souza, o primeiro governador geral e sob liderança do Padre Manoel de Nóbrega. Logo de inicio fundaram a primeira escola elementar em Salvador. A partir desta iniciativa a influência jesuítica não cessou de expandir, pois no ano seguinte criaram outras escolas na Bahia e em São Vicente, com objetivos de forma padres que pudesse se dedicar ao trabalho de evangelização e mais adiante na formação das elites locais.

 Como apontado, a iniciativa jesuítica foi decisiva para se montar e expandir uma complexa estrutura educacional colonial. Não havia formalmente, por parte das autoridades portuguesas, o interesse em tal iniciativa, porém limitaram a ação dos jesuítas proibindo a abertura de universidades. A estrutura educacional estava organizada em curso elementar, humanidades, artes e teologia. Na estrutura, destacava-se o curso de artes, tendo como objetivos a formação de padres, a elite dirigente local e preparar candidatos ao ingresso na Universidade  de Coimbra, a exemplo de médicos,  cânones  e  advogados,  futuramente a elite da política brasileira.

Desta forma, é compreensível a monopolização sobre os rumos da educação na colônia, tendo como objetivo difundir a fé católica, consolidar os interesses da organização religiosa e contribuir para a formação da elite dirigente da colônia. Tal poder será mais tarde objeto de discórdia entre governo português e jesuítas.

 

3. CATEQUIZAÇÃO INDÍGENA E MISSÕES JESUITICAS

  A catequização dos povos indígenas não se constituiu em tarefa fácil para os jesuítas. Havia dificuldades de toda ordem, mas os padres souberam driblar as adversidades através da persistência e do domínio da língua nativa. Branco (2000, p. 3) assim se refere às estratégias adotadas pelos padres: "Os jesuítas tomam conhecimento da situação real do território, logo após a sua chegada. Antes de ensinar, querem aprender, e, imediatamente, um deles trata de aprender o idioma dos índios". Essa estratégia foi decisiva para desacreditar a tradição tribal amparada no pagé e convencê-los da conversão para o catolicismo. Além dessa estratégia trouxeram órfãos de Portugal com o intuito de atrair os curumins já que havia a resistência dos índios mais velhos para suas pregações religiosas.

 Com o domínio da língua utilizada pelos indígenas, o processo de aculturação vai se tornando mais intenso e determinante para o sucesso da catequização em território brasileiro. Nesse processo, praticas como pregação e batismo, com vistas a incutir em suas mentes, os ensinamentos bíblicos, a disciplina e a obediência, contribuíram gradualmente para minar a resistência ao conquistador, persuadindo-os a abandonar suas crenças e assumindo em definitivo a fé cristã.

 Outra estratégia de grande utilidade para a conversão em massa dos gentios foi à disseminação das missões jesuíticas. Os jesuítas perceberam que o sucesso da sua empreitada exigia mais tempo entre os povos a serem evangelizados. Desta iniciativa surgiram os aldeamentos indígenas para assegurar permanentemente a pregação e o controle das tribos catequizadas.

 Embora, houvesse transferido para as missões as populações indígenas, não havia a garantia de que tais aldeamentos se mantivessem livres da cobiça dos bandeirantes havidos por capturar e escravizar mais facilmente os gentios. Apesar de todas as dificuldades para a manutenção do projeto evangelizador, as missões jesuíticas foram fundamentais para o processo civilizatório gestado, por Portugal, para a conquista do Brasil.

  

4. A REFORMA POMBALINA E A DESESTRUTURAÇÃO DA EDUCAÇÃO JESUÍTICA

 Durante aproximadamente dois séculos, os jesuítas mantiveram sob seu controle a educação na colônia. Já não se ocupavam apenas da evangelização dos indígenas, agora, também da administração do patrimônio jesuítico, da instrução dos portugueses, das populações mestiças e dos escravos negros. Detinham considerável poder político e econômico que incomodava as autoridades portuguesas e até religiosas.

 Enquanto, o trabalho dos jesuítas se mostrava útil a pacificação das tribos locais, pois os custos do enfrentamento eram enormes para Portugal, o empreendimento da Companhia de Jesus, mostrava-se adequado aos interesses da coroa portuguesa de subjugar e conquistar as terras dos povos indígenas.

 A partir do momento que a tarefa já se mostrava mais favorável ao poder local e a missão jesuítica entrava em choque com os novos interesses do governo colonial, houve, então, mudança de rumo nas relações entre Estado e Companhia de Jesus. É neste momento que entra em cena a nova política colonial conduzida pelo Marquês de Pombal. Segundo Santos (2005, p. 1),

 Em 1759, depois de anos de perseguições e campanhas difamatórias, os jesuítas são expulsos do Brasil por determinação do primeiro-ministro português, o marquês de Pombal. Dos 670 missionários que se encontravam no país, 417 são deportados para os territórios pontifícios (Itália) onde permanecem até o banimento da Companhia também naquele país. Em 1773, vítima do enorme poder que acumulara rapidamente, passando  a representar uma ameaça aos poderes estabelecidos da época, a Companhia foi suprimida em todo o mundo.

 Com a expulsão dos jesuítas houve a desestruturação do sistema educacional sob a orientação da Companhia de Jesus. Portanto, "[...] não é sem razão, é quase (im)possível pensar uma história da educação brasileira sem colônia e colônia sem a Companhia de Jesus (considerada um estado dentro do Estado português)" (ROSÁRIO; SILVA, 2010, p. 1). Mesmo com as mudanças introduzidas pelo Marquês de Pombal, dificilmente conseguiram superar a estrutura educacional dos jesuítas, abrindo um vácuo na história da educação brasileira

 

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

 O legado dos jesuítas é enorme considerando as dificuldades encontradas no inicio da colonização brasileira. Um território inóspito, populações nativas arredias ao contato e que se mostraram resistente a evangelização. Mesmo assim, os padres da Companhia de Jesus se mostraram empenhados a conquistá-los, dominando a língua nativa e criando missões jesuíticas. Foram ações que contribuíram para a gradual desestruturação das tribos e seus costumes. Portanto, a missão jesuítica auxiliou para a ampliação do domínio português sobre o Brasil, contribuindo em grande parte para eliminar a rejeição dos nativos a dominação portuguesa, além de ter favorecido a construção de uma complexa e extensa base educacional de grande repercussão por mais de dois séculos.

 

6. BIBLIOGRAFIA

 BRANCO, Alberto Manuel Vara. O sentido do Brasil integrado nos objectivos da Companhia de Jesus no século XVI. Disponível em: <http://www.ipv.pt/millenium/Millenium36/6.pdf>. Acesso em: 17 out. 2010.

 ROSÁRIO, Maria José Aviz do. SILVA, José Carlos da. Educação jesuítica no Brasil Colônia. Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/36994423/A-EDUCACAO-J-ESUITICA-NO-BRASIL-COLONIA>. Acesso em: 17 out. 2010.

 SANTOS, Daniel. A expulsão do Brasil. Disponível em: A expulsão do Brasil. Acesso em: 17 out. 2010

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/a-educacao-jesuitica-no-brasil-3754350.html

    Palavras-chave do artigo:

    historia da educacao no brasil jesuitas reformas pombalinas

    Comentar sobre o artigo

    Oalid Nossabein

    AS REFORMAS POMBALINAS NOPERÍODO COLONIAL: PRÓS E CONTRAS Oalid Nossabein RESUMO Não podemos falar em educação colonial no Brasil ou em Historiografia da educação, sem mencionarmos o Período Pombalino marcado pelas drásticas reformas comandadas por Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal . Que defendendo ideais iluministas expulsa em 1759 os Jesuítas do Reino português, inclusive do Brasil.

    Por: Oalid Nossabeinl Literatura> Crônicasl 06/05/2012 lAcessos: 218

    Este trabalho tem como objetivo refletir sobre a função do coordenador pedagógico nos dias atuais e sua postura diante da educação continuada e do plano político pedagógico, uma vez que sua função vem sendo definida desde os tempos mais remotos, perpassando o contexto educacional até sua institucionalização. Destaca-se ainda o dia a dia deste profissional junto ao corpo docente, abordando elementos constitutivos do processo de ensino aprendizagem, bem como a importância do trabalho coletivo.

    Por: Vânia Marilda Scardinil Educaçãol 02/12/2014 lAcessos: 16

    Resumo Este artigo apresenta a trajetória da educação de jovens e adultos e da educação profissional no Brasil estabelecendo relações com os diversos contextos históricos a partir das políticas públicas implementadas desde a Colônia até os dias atuais e identificando os mecanismos de acesso, permanência ou exclusão nessas modalidades de ensino no que diz respeito à educação formal. A análise efetuada mostra que tanto a educação de jovens e adultos quanto à educação profissional no Brasil têm em comum o caráter discriminatório e assistencialista, e aponta o que está sendo feito para integrar essas modalidades de ensino, de modo a promover a inclusão dos indivíduos que nelas estão inseridos.

    Por: Ivonete Sacramentol Educaçãol 09/02/2009 lAcessos: 12,747 lComentário: 12

    Este texto tem por objetivo mostrar ao professor que não se deve apenas aprovar ou reprovar o aluno mas sim servir como base para o professor descobrir as dificuldades do aluno e procurar técnicas diferenciadas para ajudar o aluno na aprendizagem.

    Por: João do Rozario Limal Educaçãol 11/04/2008 lAcessos: 96,234 lComentário: 7
    Verônica Carreiro

    O presente trabalho tem como objetivo ser uma contribuição para o debate acerca da importância das brincadeiras para o desenvolvimento infantil. Nesse intuito o trabalho busca explorar as posições mais correntes acerca das atividades lúdicas e sua importância para a Pedagogia e a sociedade em geral. Para ampliar a discussão buscou-se embasamento teórico sobre o desenvolvimento da criança.

    Por: Verônica Carreirol Educação> Educação Infantill 22/02/2012 lAcessos: 784

    Apresentação de algumas questões referentes à formação docente universitária, mas precisamente, identificar as atitudes na prática docente que o transforme em um intelectual transformador. Para isso, foi tomado como base legal a legislação atual sobre a formação de professsor universitário. Destacou-se os processos seletivos nas universidades de âmbito públicas e privadas no Munícipio de Niterói, do Estado do Rio de Janeiro. Evidenciou-se as concepções de docente como intelectual transformador.

    Por: Ana Paula Moreira Machadol Educação> Ensino Superiorl 21/05/2009 lAcessos: 12,884 lComentário: 6

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11

    O aperfeiçoamento dos professores da educação básica, a nível de mestrado/doutorado nunca foram objeto de uma política pública adequada. Os atuais formatos stricto sensu não correspondem as reais necessidades da escola pública brasileira. É preciso repensar tais formatos, pois sempre foram planejados para contemplar a realidade acadêmica.

    Por: Alberto Amoriml Educação> Ensino Superiorl 01/02/2011 lAcessos: 144

    O uso de ambientes virtuais de aprendizagem é uma realidade em muitos países. Desde o ensino superior (graduação, mestrado e doutorado) até o ensino básico. Na contramão dos avanços tecnológicos na educação, o governo e as instituições públicas brasileiras ainda resistem a sua utilização nos níveis superiores, além de ser praticamente inexistente na educação básica no Brasil. Neste sentido, apresentamos o projeto de pesquisa Dokeos como ambiente virtual de aprendizagem na escola pública.

    Por: Alberto Amoriml Educação> Educação Onlinel 05/01/2011 lAcessos: 400

    Apesar das incertezas e das dificuldades cotidianas do professor brasileiro é possível inovar. Com o uso dos recursos disponilizados na internet, pode-se dinamizar e potencializar as atividades docentes em qualquer espaço escolar.

    Por: Alberto Amoriml Educaçãol 21/08/2009 lAcessos: 312 lComentário: 2

    A tecnologia, em especial aquelas associadas ao computador e a internet, tem promovido uma reviravolta na vida pessoal e profissional. Queira quer não os avanços tecnológicos tem modificado a forma como nos relacionamos com tais eventos. Com a educação não é diferente, pois ao permitir a exploração de novos campos no ensino e na aprendizagem, cria-se novas demandas educacionais que exigem uma formação sintonizada com as tecnologias da informação e comunicação.

    Por: Alberto Amoriml Educaçãol 01/08/2009 lAcessos: 1,063 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast