A Importância Do Contexto Cultural Para A Cidadania

Publicado em: 12/05/2009 |Comentário: 2 | Acessos: 21,125 |

1. INTRODUÇÃO

O referido trabalho de cunho científico é um artigo que tem como ênfase a estruturação da sociedade em meio aos respaldos e as contribuições que os aspectos culturais podem constar na formação de dado povo objetivando discutir e analisar o comportamento da sociedade em relação aos aspectos culturais e suas raízes, bem como suas influências no que se refere aos costumes, hábitos, crenças e etc.

Este trabalho de pesquisa intitulado “A importância do contexto cultural para a cidadania”, volta-se para o estudo do conhecimento teórico como suporte enriquecedor para uma melhor análise das práticas a serem realizadas, que serão relacionadas na pesquisa em foco. Através de estudos e pesquisas serão realizadas anotações, fichas para levantamento de hipóteses, assim como uma entrevista estruturada em um campo assistencial que trabalha com crianças e adolescentes que tem por objetivo a estruturação de reforço escolar e desenvolvimento da personalidade com práticas esportivas e culturais. A entrevista será realizada com uma amostra de cinco docentes da instituição, que por vez trabalham com a propagação e dinamização da cultura através da dança, teatro, música, artes plásticas, dentre outras, e com alguns alunos dos respectivos docentes (aproximadamente três alunos para cada oficina de cultura), sendo útil como estrutura para as concepções relatadas neste trabalho.

A pesquisa pretende contribuir para a discussão dos aspectos culturais e para tanto são abordados os aspectos históricos da cultura e cidadania, os quais terão pressupostos na construção do ser cidadão em contexto ao meio cultural, como fator contribuinte para a formação cidadã, ou seja, as influências culturais na sociedade decorrentes no processo do sujeito histórico; e o ser humano como um ser protagonista da produção cultural, como construtor da sua própria rede de cultura, das modificações sofridas no contexto social com o decorrer do processo.

2. CULTURA E CIDADANIA: Aspectos Históricos

 “Nós humanos fazemos parte da natureza. Comemos, bebemos, respiramos, temos filhos, envelhecemos. (...). Porém apenas os seres humanos são capazes de produzir cultura”. (SCHMIDT)

O termo cultura, segundo Luft (2005), perante um conceito antropologista significa “conjunto de experiências humanas (conhecimentos, costumes, instituições, etc.) adquiridas pelo contato social e ábumuladas pelos povos através dos tempos” (p. 250). Desde os primórdios que a existência cultural contribui para os paradigmas da existência humana como sendo refletida nas atitudes e habilidades desenvolvidas pelo homem. “No sentido antropológico do termo, afirma-se que todo e qualquer indivíduo nasce no contexto de uma cultura, não existindo homem sem cultura” (BRASIL, 2001, p. 43). A cultura está inserida no contexto social desde o momento em que o ser é concebido, todos os valores e códigos reconhecíveis pelo grupo social são apreendidos, principalmente durante a infância em que a criança tem mais sensibilidade para abduzir desses códigos, sendo mais tarde introduzido na vivência adulta, da mesma forma em que cada grupo a formaliza (BRASIL, 2001).

Na Idade Antiga é com os gregos que a civilização torna-se um berço para as questões culturais, principalmente no campo da filosofia, no surgimento da matemática, do teatro, da língua poética, em que esses são apenas alguns dos muitos exemplos de como a civilização ocidental, atualmente desenvolvida nos blocos de primeiro mundo acolheram influências importantíssimas advindas da Grécia Antiga, do grande berço da civilização (SCHMIDT, 1999), no que se refere as questões da razão (forma de pensar), concepção de beleza, da forma de ver o mundo. A cultura é um termo em diferentes níveis de profundidade e diferente especificidade,

São práticas e ações sociais que seguem um padrão determinado no espaço. Se refere a crenças, comportamentos, valores, instituições, regras morais que permeiam e identifica uma sociedade. Explica e dá sentido a cosmologia social, é a identidade própria de um grupo humano em um território e num determinado período (WIKIPÉDIA, 2008).

Durante o período medieval, com a ascensão do cristianismo as sociedades medianas viviam sobre os regimentos da igreja, em que até mesmo a filosofia medieval tinha como filósofos mais importantes os que estavam ligados à igreja, ou seja, os grupos da época exibiam códigos que eram concebidos e estruturados pelo poder do clero, da igreja, tendo como base o cristianismo. No contexto educacional, as crianças eram vistas como adultos em miniaturas. Os responsáveis pela educação (igreja) disciplinavam as crianças em conjunto aos adultos e da mesma forma para todos, e as crianças como construtoras da própria cultura e sensíveis a recepção e percepção do que está a sua volta reproduziam os hábitos, costumes e valores da mesma forma que os pais e o grupo social em que conviviam. “O cristianismo proporcionou aos europeus da Idade Média o sentimento de que pertenciam à mesma civilização. O homem medieval era muito religioso e obediente à igreja. Toda a vida cultural girava em torno dos temas religiosos” (SCHMIDT, 1999, p. 260).

A igreja constituiu-se forte durante muito tempo, mas com o advento da tecnologia, as transformações que decorrem ao longo do processo histórico, essa influência da igreja sobre a cultura e o pensamento das pessoas, conhecido como teocentrismo cultural, aos poucos vai saindo dos dogmas da igreja, passando a centralizar nos novos valores culturais.

Ao longo do processo, com o grande avanço das máquinas suplantando o trabalho humano, uma nova relação entre capital e trabalho se impôs, novas relações entre nações se estabeleceram e surgiu o fenômeno da cultura de massa, um fenômeno de manifestações culturais conjuntas contribuídas pelas camadas populares, em que nesse contexto as questões artísticas e propriamente culturais tiveram submersão quanto aos novos movimentos de transformação que mudariam a economia e as relações mundiais, o que chamamos de capitalismo, termo utilizado por Chauí (2002) como indústria cultural, que baseava-se na estrutura ideológica e na praticidade consumista da produção cultural.

Concomitante ao processo de mudanças decorrentes no mundo surge uma contradição do capitalismo com o que chamamos de cidadania, em que o primeiro é favorável apenas à minoria da população, tendo que existir a camada popular de baixa renda (operários), já a segunda atende a constituição e a vários acordos e estatutos em que todos devem ser iguais e ter os mesmos direitos, ser cidadãos.

O contexto relevante à cidadania tem surgimento na Idade Antiga, período em que apenas os homens eram reconhecidos como cidadãos, pois eram proprietários de terras e trabalhavam com a mesma, sendo também considerados os donos da casa. Já na Grécia Antiga, com os almejos de Platão e Aristóteles, eram cidadãos aqueles que participavam ativamente das atividades sociais, que discutiam os assuntos e problemas, que opinavam e até mesmo discordavam de algumas tendências, não havendo necessidade alguma de trabalhar para sustento da família, é tanto que os proprietários de terras não se enquadravam mais como cidadãos, assim como também mulheres e artesãos.

Na Idade Média a questão cidadã segue parâmetros já mencionados, em que a igreja fazia a monopolização dos dogmas, portanto os cidadãos reconhecidos como tais faziam parte do clero, nenhum homem medieval que fosse servo, vassalo, da camada mais baixa seria um ser cidadão.  Com a decadência do império o contexto cidadania só ganha créditos durante a modernidade, em que uma das inovações foi justamente a inserção das palavras cidadão e cidadã como símbolo da igualdade de todos.

Neste período as mulheres já passam a serem realçadas como partícipes nas movimentações políticas e sociais, ocorrentes durante a Revolução Francesa. Para tanto, foi publicado um documento intitulado como Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, que objetivava com caráter universal, direitos a igualdade e liberdade para todos, contando ainda com respaldos fundamentais constando como direitos (DALLARI, 2004, p. 20).

Atualmente o conceito de cidadania, apesar de conceitualizado, ainda compõe alterações, transformações. Com a implantação da Constituição e com a mais atual de 1988, tratando-se de Brasil, “assegura aos cidadãos brasileiros os direitos já tradicionalmente reconhecidos, como o direito de votar, de se candidatar. (...), sendo importante assinalar que essa Constituição ampliou bastante os direitos da cidadania” (DALLARI, 2004, p. 24).

Esses valores que são exercícios práticos do nosso dia-a-dia são indícios para o nascimento da cidadania, é a partir destas vivências que vão sendo construídos nossos direitos e deveres, os quais devem ser respeitados pressupondo defesas de relações dignas.

O respeito à cidadania pressupõe a defesa da dignidade humana – contra a violência, a exploração e a miséria – para todos, sem exceção. Trata-se do reconhecimento universal de que, em razão dessa radical igualdade, ninguém – nenhum individuo, gênero, etnia, classe social, grupo religioso ou nação – pode afirmar-se superior aos demais. A observância dessas idéias, no entanto, nem sempre norteou as relações sociais e de poder entre as pessoas (ALVES, 2007, p. 10).

É a partir desse contexto que se imbricam como importantes na concepção da formação cidadã os aspectos culturais, envolventes e relacionados a todo e qualquer tipo de sociedade, levando em consideração as diversidades existentes. Todas as sociedades possuem história, características e costumes, crenças, hábitos, que são relativos a cada sociedade, o que temos como cultura, pois, esta é uma relação que acontece com a natureza e entre si, o ser humano é produtor de cultura e formador da cidadania, isto é, insere e se insere entre valores, normas de conduta, manifestações artísticas, religiosas, etc (FERREIRA, 1995).

A percepção de relação entre cultura e cidadania se faz importante até mesmo para analisar melhor o contexto da sociedade atual, que deriva de fatores importantes e contribuintes da historicidade humana, pois se deve levar em conta que a humanidade está inerente a seu contexto cultural, ao seu modo de vida, e a partir desta razão o ser humano pode ser contribuinte e formador de seus próprios conceitos enquanto cidadão e enquanto ser que produz cultura, o ser humano é a sua estruturação participativa com a sociedade, desenvolvendo-se em meio ao contexto vivenciado.

3. O SER HUMANO COMO PROTAGONISTA DA PRODUÇÃO CULTURAL

As ocorrências que permeiam a sociedade em seus aspectos culturais se estruturam mediante as transformações que o ser humano faz em sua camada social, atuando como construtor e mediador de cultura. Enquanto construtor o ser humano atua nas ações que estreitam as sociedades em seus contextos culturais, como crenças, religiões, e etc., viabilizando mudanças e respaldando-as para que a sociedade adentre nesse relacionamento, focalizando as estruturas de comunicação e de ação social conjunta para a formação de um cidadão com características próprias e apto a mudanças. Enquanto mediador possibilita o conhecimento cultural através das construções e usa as mesmas como ensinamentos e fundamentos que percorrem por todas as gerações, sendo adaptadas para cada grupo e época, de acordo com as transformações da natureza e do próprio ser humano. Para tanto, tais relações se apresentam de forma diferenciada em distintos aspectos, pois dentro de um mesmo grupo pode existir costumes, hábitos e crenças diversas, pluralizando o contexto cultural da sociedade, que por conseqüência contribui beneficamente para outras culturas e vice-versa, estabelecendo uma relação estável, sem constrangimentos, de inter-relação perante os grupos (METODISTA, 2009).

O ser humano em seu meio histórico, de vivência, consegue transformar o ambiente, assim como a sua forma de agir, de pensar, de lidar com diversos fatores e situações de necessidades que são constituídos por si próprio. Essa diversidade de elementos que constituem uma sociedade, que se delimita como cultura não surge do nada, apesar de ao inicio o ser humano ser produto cultural, cultura é construção, é produto que advém do ser humano, pois,

Ao nascermos somos um ser não cultural. Quando crescemos transformamo-nos em indivíduos membros do grupo onde estamos inseridos, condicionados pelos valores e normas do seu grupo, adquirindo assim os seus modelos de comportamento. O homem torna-se assim produto da cultura onde está inserido, que por sua vez vai acrescentar as suas contribuições tornando-se assim produtor de cultura (FOUNDATION, 2009).

Seguindo esse pensamento percebe-se o quanto a cultura se faz importante na vida do ser humano, desde quando é considerado como objeto de cultura, até o ponto em que suas transformações são contribuintes para a produção da mesma, propiciando assimilação, desenvolvimento e adequação do ser, assim como possibilitando estímulos para transformar aquilo que o compõe historicamente, em seus respectivos períodos de desenvoltura e também em seus aspectos culturais referenciados para cada grupo em uma camada social com distintos valores culturais.

Em se tratando da diversidade cultural, focalizado numa estrutura de idéias de docentes e discentes de um projeto assistencial (Projeto Cidadão do Amanhã), foi possível destacar as grandes dificuldades de se conceber um papel de socializador e mediador de cultura, assim como perceber cada aluno em seu respectivo papel de agente multiplicador cultural, pois para os docentes a multiplicidade de fatores do grupo social vivenciado por cada aluno torna o papel de socializador mais difícil, justamente por ter que compreender e aceitar o modo de vida de cada um, percebendo seus costumes, hábitos, crenças, que são características de um povo. Contudo, o PCA (Projeto Cidadão do Amanhã), tem uma forte contribuição na sociedade, principalmente na camada social de baixa renda, pois a partir do que se conhece dos discentes matriculados no mesmo, as vertentes do contexto pedagógico e cultural são estruturadas com cunho de sistematização e aperfeiçoamento das teorias e práticas tanto esportivas quanto culturais, visto nas oficinas de cultura regidas na proposta de trabalho deste projeto.

O projeto também “permite uma interação com a cultura regional e até mesmo contribui para que os alunos possam mudar a cara de nossa cidade com a expansão da mesma através das manifestações culturais existentes” (Rafael Pereira, professor de dança folclórica no PCA), e tal interação promove e interfere diretamente no pensamento e formação do educando quanto a propagação do trabalho desenvolvido, pois muitos dos cidadãos que atuaram no PCA atualmente tem se auto-profissionalizado perante a estruturação básica sistematizada,  estabelecendo assim elos com o PCA e focalizando seu trabalho a partir do que foi concebido, ou seja, parte dos alunos deste projeto estão no mercado de trabalho fazendo aquilo que aprenderam, almejando especializações no ramo artístico-cultural.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O processo histórico do ser humano está pautado na pluralidade cultural que se insere no mundo. Todo seu conhecimento é baseado no contexto cultural, em que a família do indivíduo socializa para com o mesmo objetivando o conhecimento sobre as práticas e vivências daquele povo. O indivíduo com a vivência e experiências que atua vai se desenvolvendo, se modificando e estruturando seu próprio pensamento sobre os valores, regras, crenças e costumes repassados para o mesmo pelos pais, pelo grupo, pela sociedade que o rodeia, e dessa forma vai inserindo sua próprias características de pensamento e prática.

A sociedade sofre constantes transformações, assim como todo o universo, tendo que se adaptar as modificações do meio, que são construções do ser humano, criando necessidades, problemas e soluções. Cabe ressaltar que se deve levar em consideração que o ser humano tem suas peculiaridades e tem por obrigação respeitar o próximo, sabendo delimitar seu campo de origem, cultural, assim como de outros diversos grupos sociais, com múltiplas características e costumes, adentrando nesse ponto a cidadania, com seus atributos de deveres e direitos sociais, que se respaldam na Constituição.

Portanto, os aspectos culturais que se imbricam na sociedade contribuem e são de suma importância para a estruturação do ser humano, na investida do mesmo para as políticas públicas, com o dever de cidadão, que tanto são mencionados ao ser humano enquanto objeto de cultura, que se estrutura, se modifica e conseqüentemente produz cultura, sendo o protagonista desta ação.

REFERÊNCIAS

ALVES, Ciara Núbia de Carvalho. Cidadania: uma conquista de todos. Recife: Prazer de Ler, 2007.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: pluralidade cultural: orientação sexual / Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. – 3. ed. – Brasília: A Secretaria, 2001.

CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2002.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Direitos humanos e cidadania. 2. ed. Reform. São Paulo: Moderna, 2004.

FERREIRA, Roberto Martins. Sociologia da educação. São Paulo: Moderna, 1995.

FOUNDATION, National Patient Safety. O homem como produto/produtor. Disponível em: http://npsf0.tripod.com/new_page_4.htm Acesso em: 21 de jan de 2009.

LUFT, Celso Pedro. Minidicionário Luft. – 21. ed. – São Paulo: Ática, 2005.

METODISTA, Universidade de São Paulo. Cultura : uma produção e um direito humano. Disponível em: http://www.metodista.br/catedracidades/publicacoes/boletim/09/cultura-uma-producao-e-um-direito-humano/ Acesso em: 21 de jan 2009.

SCHMIDT, Mario Furley. Nova história crítica. 2. ed ver. e atual. São Paulo: Nova Geração, 2002.

WIKIPEDIA, A enciclopédia livre. Cultura. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura. Acesso em 19 de dez de 2008.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/a-importancia-do-contexto-cultural-para-a-cidadania-913310.html

    Palavras-chave do artigo:

    cultura cidadania produtor de cultura e transformacao

    Comentar sobre o artigo

    Cosme de Jesus Souza

    Este trabalho monográfico tem por finalidade verificar e mostrar com deve ser vista e aplicada a Gestão Ambiental dentro e fora das empresas. Reconhecer que o meio ambiente vem sofrendo uma série de prejuízos ao longo dos séculos, causados pela intervenção humana, pois o homem na ânsia de progredir, cada vez mais tem se apropriado dos recursos naturais de forma inadequada. Observar que as medidas de proteção ambiental não foram criadas para impedir o desenvolvimento econômico. Enfatizar que uma

    Por: Cosme de Jesus Souzal Educação> Ensino Superiorl 10/01/2011 lAcessos: 4,572
    Patricia Cassia Pereira Porto

    O discurso oral é um tecido social coletivo. Somos herdeiros das tradições orais que formaram vários povos, herdamos das tradições simbólicas as histórias que tecem toda cultura oral nascida no seio da coletividade. As vozes que ecoam das classes populares, dos griôs, dos oprimidos, dos iletrados – é a voz da memória mítica que ao ressurgir como força motriz de uma memória coletiva nos faz mergulhar na nossa História brasileira feita de muitas histórias singulares.

    Por: Patricia Cassia Pereira Portol Educação> Línguasl 05/03/2011 lAcessos: 927

    A partir de uma revisão de literatura que possui como objeto de estudo a motivação e a mudança, este artigo científico pretende abordar o processo de mudança organizacional à luz dos aspectos motivacionais e de comunicação organizacional, tendo como base a percepção dos autores acadêmicos e a opinião de pessoas envolvidas, no intuito de indicar quais as ações que deveriam ser adotadas por uma Instituição de modo a facilitar o processo de mudança e estimular a adesão dos servidores .

    Por: Carlos Coutol Negócios> Gestãol 19/03/2012 lAcessos: 1,776
    Tania Maria da Silva Nogueira

    Esta pesquisa trata-se de um estudo qualitativo e visa investigar a motivação dos alunos em uma escola pública do Distrito Federal, Centro de Apoio Integral à Criança Santa Maria - CAIC, quanto as suas produções artísticas, assim como a dinâmica de incentivo oportunizada a estes alunos diante da realização de trabalhos desenvolvidos no âmbito escolar com a exposição desses trabalhos na comunidade escolar. Para viabilizar esse estudo, utilizou-se a entrevista por meio de roteiro de pesquisa com o

    Por: Tania Maria da Silva Nogueiral Educação> Ensino Superiorl 05/03/2014 lAcessos: 38
    Antonio Cunha

    Este artigo tem como objetivo geral o reconhecimento da forma como as políticas públicas culturais (ações, programas e projetos culturais) do governo municipal de Curitiba, entre 1970 e 2004, contemplaram a pluralidade étnica da cidade, sob responsabilidade da Fundação Cultural de Curitiba. No contexto urbano da cidade de Curitiba, observa-se a inserção das diversas etnias e multiculturalismo visto que a população curitibana apresenta interfaces étnico-culturais e que as políticas pública

    Por: Antonio Cunhal Notícias & Sociedade> Polítical 10/08/2009 lAcessos: 2,207 lComentário: 1

    Esta investigação almeja uma reflexão sobre o contexto do ludismo como proposta metodológica capaz de promover situações significativas na construção do conhecimento na modalidade da EJA - Educação de Jovens e Adultos.

    Por: Iracilda Gabriell Educação> Ensino Superiorl 20/01/2011 lAcessos: 2,159
    Elizeu Vieira Moreira

    ...reflete filosoficamente e sociologicamente sobre a necessidade de mudanças na gestão do espaço e da espacialidade urbanos, tendo em vista, o atual estado de crise social e ambiental vivenciada nas cidades, notadamente, naquelas cuja infraestrutura de provimento das necessidades está intimamente relacionada ao processo de estratificação social provocado pelo sociometabolismo do capital...

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 27/09/2011 lAcessos: 500
    RICHARD E. S. D'AVILA

    É preciso observar que a contradição é intrínseca a qualquer instituição social e que, ainda que se considerem todas essas questões, não se pode pretender eliminar a presença de práticas e valores contraditórios na atuação da escola e dos educadores. O resultado desse processo não é controlável nem pela escola, nem por nenhuma outra instituição: será forjado no processo histórico social o que pode justificar a negação do racionalismo dando espaço ao empirismo desenfreado conseqüente de...

    Por: RICHARD E. S. D'AVILAl Educaçãol 27/06/2010 lAcessos: 941
    ADILSON MOTTA

    Este artigo aborda o histórico e aspecto geográfico de Bom Jardim - Maranhão

    Por: ADILSON MOTTAl Notícias & Sociedade> Polítical 25/06/2011 lAcessos: 384
    Antonio Cunha

    O presente trabalho de pesquisa tem por objetivo principal demonstrar que a linguagem afeta sobre maneira a qualidade do processo decisório, considerando as circunstâncias temporais, análise ambiental, relacionamento inter-pessoal e aspectos políticos inerentes ao contexto em que são tomadas. O processo decisório envolve cognição, e a linguagem é especializada para cada campo de conhecimento, como na Administração e Direito aqui apresentada. Correlações sob diferentes aspectos foram coletadas no desenvolvimento teórico da pesquisa, assim como buscou-se informações num bairro curitibano, conhecido como Cabral. Dez empresas em que se consultou empregadores e empregados sobre problemas relacionados com o uso da linguagem.

    Por: Antonio Cunhal Negócios> Gerêncial 10/08/2009 lAcessos: 5,052 lComentário: 1

    O presente artigo é um estudo bibliográfico que tem como objetivo principal abordar conceitos educacionais e metodologias desenvolvidas em sala de aula usando o lúdico como alternativa de metodologia. O trabalho justifica-se pela necessidade de se entender e adequar a aprendizagem às atuais demandas da educação é necessário conhecer alguns caminhos já percorridos pelo ensino e que se levam a uma redefinição dos objetivos, conteúdo e metodológicos.

    Por: Graciele de Miranda Oliveiral Educaçãol 21/10/2014
    Alinne do Rosário Brito

    O artigo busca pesquisar e relatar o que é o Programa Mesa Brasil SESC e dialogar com as ações do Governo do Estado do Amapá para que a segurança alimentar seja implementada atendendo as leis nacionais e as respectivas atuações das politicas públicas que o regem quanto a tentativa de diminuição da miséria na cidade de Macapá.

    Por: Alinne do Rosário Britol Educaçãol 21/10/2014 lAcessos: 12
    Tania R. Steinke

    Promover a valorização da formação continuada dos docentes e coordenadores pedagógicos que atuam no Ensino Médio das escolas públicas.

    Por: Tania R. Steinkel Educaçãol 19/10/2014

    Este artigo analisa de forma breve a teoria das Representações sociais, realizada por alguns estudiosos que contribuíram para a o avanço das representações sociais, bem como, os teóricos que tinham como base as investigações de como as pessoas transformam os conhecimentos científicos em conhecimento de senso comum na década de 60, e também a forma como adota a perspectiva comunicativa "genética" na apreensão do conhecimento veiculado a dinâmica do cotidiano.

    Por: Elizabeth Almeida dos Santosl Educaçãol 14/10/2014
    Erineia nascimento da Silva

    Resumo O aumentou consideravelmente do número de alunos especiais matriculados no ensino regular foi de aproximadamente 70% em 2014, em relação aos anos anteriores. Essa chegada dos alunos nas instituições públicas de ensinos promoveu serias mudanças de paradigmas em todos os profissionais da educação, mas seguiu junto um profissional fundamental na implementação desse novo olhar sobre a educação especial e principalmente sobre a inclusão.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 10/10/2014

    O SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) ajuda a milhões de brasileiros todos os anos através de seus Cursos Gratuitos oferecendo modalidades presenciais ou EAD (Ensino a Distância) para realização dos mesmos. Conheça alguns cursos grátis para 2015

    Por: sitesjoaoepaulol Educaçãol 09/10/2014

    A avaliação na Escola Ciclada já vem redefinida, ou seja, já está incorporada com novas idéias e nas aspirações, sua perspectiva está muito além de atribuir uma nota por simples burocracia institucional ou por simplesmente conferir o que foi "aprendido" ou não.

    Por: Delimar da S. F. Magalhãesl Educaçãol 02/10/2014

    A MATEMÁTICA E A MÚSICA POSSUEM LAÇOS MUITO FORTES DESDE A ANTIGUIDADE E O INTERESSANTE É QUE TEM MUITOS ALUNOS QUE GOSTAM DE MÚSICA E DIZEM QUE NÃO GOSTAM DE MATEMÁTICA. ENTÃO, SENDO ASSIM, É BEM INTERESSANTE MOSTRÁ-LOS A ELES ESTA FORTE RELAÇÃO.

    Por: Josimara L. Furtado dos Santosl Educaçãol 02/10/2014 lAcessos: 11

    Comments on this article

    -2
    jessica 11/03/2011
    Bom achei otimo mais num vi nada interecansa
    -3
    andre 23/10/2010
    que ajente teja um pais melhor
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast