A inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais e o papel do professor itinerante

Publicado em: 19/03/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 862 |

A inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais e o papel do professor itinerante

 

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais, no Brasil, tem assumido uma posição importante nos debates educacionais. Contudo, apesar dos avanços recentes em termos de legislação e diretrizes pró-inclusão, as experiências nessa direção ainda são pouco disseminadas.

Dentre os muitos fatores que obstaculizam a concretização da inclusão escolar, diversos autores têm destacado a ausência nos cursos de formação de professores, de conteúdos específicos sobre o processo de ensino e aprendizagem das pessoas com necessidades especiais (Bueno, 2001; Glat & Nogueira, 2003; Glat, Ferreira, Oliveira & Senna, 2003; Glat & Pletsch, 2004; Pletsch & Fontes, 2006).

 

A busca de uma escola inclusiva que atenda alunos com necessidades

especiais, nos leva ainda a pensar sobre as modalidades de atendimento e a

demanda de alunos presentes nas escolas, objetivando uma educação de qualidade onde o professor valorize o potencial dos educandos e não suas limitações.Nesse contexto a escola deve possibilitar o acesso e a permanência dos alunos com deficiências dentro da rede regular de ensino com serviços de apoio especializados, dentre estes destacamos o professor itinerante.

O professor itinerante tem por objetivo prestar assessoria às escolas regulares que possuem alunos com necessidades especiais incluídos, contribuindo com a produção de materiais pedagógicos necessários ao trabalho com estes alunos e também pode realizar atendimento educacional domiciliar, quando alunos com necessidades especiais estiverem impossibilitados de frequentar a escola por razões físicas ou de saúde.

A atual lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN), Nº. 9394/96, traz um capítulo voltado para a educação especial, objetivando a permanência de pessoas com necessidades especiais na escola regular. As Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica cita a itinerância como um serviço de orientação e supervisão pedagógica, desenvolvida por professores especializados.

O serviço do professor itinerante tem como objetivo "atender as necessidades educacionais especiais dos alunos por ele atendido complementando, suplementando e servindo de apoio ao ensino comum" (BÜRKLE & REDIG, 2009,p.1).

O profissional itinerante atua junto ao professor e demais envolvidos no processo, inclusive aos alunos, dando suporte prático e teórico à aprendizagem dos mesmos. O atendimento, geralmente, se dá no interior da sala de aula; com serviço de orientação e de supervisão pedagógicas às escolas que possuem alunos incluídos.

 

Em Bauru o serviço de itinerância  como serviço de orientação e supervisão pedagógica desenvolvida por professores especializados, que fazem visitas semanais às escolas para trabalhar com os alunos que apresentam necessidades educacionais especiais e com seus respectivos professores de classe comum, da Rede Regular de Ensino, pautado no trabalho cooperativo entre o professor do ensino regular e o professor especializado, os quais, através de atuação conjunta, deverão avaliar o desempenho dos alunos com necessidades educacionais especiais e planejar ações que favoreçam sua inclusão escolar.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/a-inclusao-dos-alunos-com-necessidades-educacionais-especiais-e-o-papel-do-professor-itinerante-4438723.html

    Palavras-chave do artigo:

    inclusao

    ,

    alunos com necessidades educaionis especiais

    ,

    professor itinerante

    Comentar sobre o artigo

    Erineia nascimento da Silva

    O aluno especial tem algumas necessidade de auto realização igual aos demais alunos, assim como ele precisa ter sua autoestima valorizada para contribuir na definição de suas habilidades intelectuais, a interação social com a comunidade escola lhe dará segurança, o apoio dos pais e fundamental nesse processo.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 11/09/2014
    Erineia nascimento da Silva

    Cérebro é o órgão onde se forma a cognição, o órgão mais organizado do corpo humano. Portando a cognição pode emergir no cérebro e nele acontece dinâmicas evolutivas que permitem ao ser humano revelar-se como um ser auto-eco-organizador, para isso e necessário o envolvimento das funções bio-psico-sociais ou bioantropologicas.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 08/09/2014
    Formacerta.pt

    Este artigo informa sobre o curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores, uma formação frequentemente procurada (e essencial) por indivíduos que querem entrar no mercado de formação profissional.

    Por: Formacerta.ptl Educaçãol 08/09/2014

    O presente texto aborda sobre Saúde em Educação, como incentivo entre desenvolvimento social, psicológico, cultural e saúde educacional. Pois o artigo preocupa-se e questiona-se sobre a formação de crianças e adolescentes e a saúde pública escolar.

    Por: Reginaldo Posol Educaçãol 07/09/2014

    O presente texto possui uma abordagem reflexiva simples e ao mesmo tempo um foco informativo sobre as três áreas de "ciências" Psicopedagogia, Psicologia Transpessoal e Educação, numa prespectiva relacionada á Educação de maneira prática e explicativa.

    Por: Reginaldo Posol Educaçãol 07/09/2014

    O objetivo deste estudo foi verificar como a mídia influencia o desenvolvimento moral da criança, quando da sua exposição nos meios de comunicação a partir de uma denúncia não verídica de violência sexual em uma escola infantil do município de Vila Velha, Espírito Santo. Trata de um estudo descritivo, desenvolvido na Unidade Municipal de Educação Infantil "José Silvério Machado", Jardim Marilândia, Vila Velha, ES. Participaram do estudo 10 professores.

    Por: ADRIANA CHAGAS MEIRELES ZURLOl Educaçãol 28/08/2014 lAcessos: 11

    O objetivo deste estudo foi contribuir para o entendimento de quais são os fatores que determinam o sucesso escolar de alunos dos meios populares, por meio da percepção dos educadores. Trata de um estudo descritivo, quantitativo e qualitativo. O instrumento de coleta dos dados foi um questionário estruturado com perguntas objetivas e subjetivas As perguntas objetivas se relacionam a identidade dos professores e vivência no ambiente escolar. As subjetivas buscam conhecer quais os fatores que poss

    Por: SANDRA MARIA TEIXEIRA GRADIMl Educaçãol 28/08/2014

    O objetivo deste artigo é relatar a experiência de participação no projeto de psicologia escolar, denominado Mundo Imaginário, que ocorreu entre maio e junho de 2013. A proposta de intervenção em Psicologia Escolar/Educacional envolveu basicamente a aplicação de atividades para as crianças que fazem parte do preparatório para o primeiro ano do ensino fundamental, em uma escola filantrópica de Teresina-Pi, a partir de demandas relatadas e observadas pelos professores de tais turmas.

    Por: Daniel Soaresl Educaçãol 26/08/2014
    Ana Paula Alves dos |Santos

    Pequenos, de saúde frágil, desconfiados e carentes. Assim são os filhos do crack, nascidos de uma geração assolada por uma droga que corrói o usuário. Até quem lida com o problema no dia-a-dia sabe que o número é impressionante. São crianças que dificilmente ficam com a mãe ou com familiares. Na maior parte dos casos são levados pelo Conselho Tutelar ou pela Justiça para abrigos.

    Por: Ana Paula Alves dos |Santosl Educaçãol 21/03/2011 lAcessos: 556
    Ana Paula Alves dos |Santos

    O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e freqüentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Ele se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. Ele é chamado às vezes de DDA (Distúrbio do Déficit de Atenção). Em inglês, também é chamado de ADD, ADHD ou de AD/HD.

    Por: Ana Paula Alves dos |Santosl Educaçãol 19/03/2011 lAcessos: 1,797
    Ana Paula Alves dos |Santos

    A dificuldade de comunicação pode acarretar muitos problemas para a criança, tanto na sua sua adaptação escolar quanto no seu desenvolvimento de maneira geral. Muitas crianças simplesmente não falam na escola e isso é uma queixa comum de professores e pais. Uma atuação precoce pode ajudar no tratamento deste problema que causa sofrimento para o aluno e seus familiares.

    Por: Ana Paula Alves dos |Santosl Educação> Educação Infantill 18/03/2011 lAcessos: 1,959
    Ana Paula Alves dos |Santos

    Para que ocorra modificações à nível de sistema nervoso central e a aprendizagem aconteça, é necessário que após avaliações dos déficits e disfunções, as atividades sejam estruturadas de forma a oferecer oportunidade de informações ricas a partir de atividades significativas que facilite o planejamento, organização e finalmente desencadeie um comportamento adaptativo frente ao objetivo propostas

    Por: Ana Paula Alves dos |Santosl Educação> Educação Infantill 26/11/2010 lAcessos: 887
    Ana Paula Alves dos |Santos

    Terapia sensório-motora: desenvolver no indivíduo capacidade de sentir e perceber, aprender e organizar sensações recebidas do ambiente e esboçar gradativamente respostas, no decorrer da estimulação através da plasticidade neural.

    Por: Ana Paula Alves dos |Santosl Educação> Educação Infantill 25/11/2010 lAcessos: 1,015
    Ana Paula Alves dos |Santos

    A investigação na literatura existente sobre estimulação precoce, possibilitou constatar que, apesar do crescente número de estudos sobre o tema e a considerável oferta de serviços e programas de intervenção existentes, as iniciativas são isoladas e tem sido organizadas de maneiras diversas, havendo ainda a necessidade de uniformizar princípios que possam nortear as propostas.

    Por: Ana Paula Alves dos |Santosl Educação> Educação Infantill 21/11/2010 lAcessos: 998
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast