A Leitura E O Desenvolvimento Infantil

Publicado em: 15/02/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 2,075 |

A leitura favorece a remoção das barreiras educacionais de que tanto se fala, concedendo oportunidades mais justas de educação, principalmente através da promoção, do desenvolvimento da linguagem e do exercício intelectual, e aumenta a possibilidade de normalização da situação pessoal de um indivíduo (BAMBERGER, 2000, p 11)

Com isso, o aprendizado da leitura depende de habilidades como percepção, memória, consciência, para compreender que as letras do alfabeto simbolizam sons diferentes e de que sons podem ser agrupados para formar palavras.

A leitura também envolve o aprendizado das regras e suas exceções, além das deduções lingüísticas na leitura em contexto, assim, a leitura e a escrita, que são usos secundários da língua, não são competências adquiridas natural e espontaneamente como a língua oral, o que significa que tem que ser ensinadas.

A aprendizagem da leitura é um processo complexo e moroso que requer motivação, esforço e prática por parte do aprendiz e explicitação sistematizada por parte de quem ensina.

Aprender a ler deve ser um processo contínuo que não se esgota temporalmente no momento em que se domina a tradução dos sons em letras, característica das línguas de escrita alfabética. Saber ler significa ser capaz de extrair informação de material escrito, qualquer que seja o suporte, qualquer que seja o tipo de texto e qualquer quer seja a finalidade da leitura, transformando essa mesma informação em conhecimento.

Ler não é somente identificar as palavras, mas compreender o que foi lido, o indivíduo precisa adquirir informações gerais suficientes para que possa aplicar a muitos textos diferentes. Portanto, a leitura envolve a ativação e o uso da informação pala memória, num processo de interação das diversas habilidades.

Freire (1988, p.11) destaca que “a leitura de mundo precede a leitura da palavra”.

A leitura de mundo é significativa, podendo trazer experiências que se façam necessárias quando o individuo está na fase de escolarização. Todas as experiências de vida da criança, desde o nascimento até seu primeiro contato com a palavra escrita, expressa a primeira leitura. Estas experiências permitem que a criança tenha facilidade na compreensão da palavra escrita e  que dê significado a tudo que lhe é apresentado, facilitando a aprendizagem.

Faz-se necessário acreditar que a leitura de mundo caminha lado a lado com a leitura da palavra, direcionando o leitor para este ou aquele caminho da compreensão.

A compreensão de um texto não depende somente das características intrínsecas do mesmo, mas também do conhecimento prévio compartilhado entre o autor e o leitor.

O indivíduo tem dentro de si uma representação do mundo, e compreender um texto é relacionar elementos dessa representação com elementos do texto.

A leitura envolve uma série de requisitos como: conhecer, analisar, decodificar, entender, compreender, tirar conclusões, opinar etc. Assim os componentes da leitura são paralelamente a aprendizagem da decodificação e o aprendizado da compreensão.

Para Gadotti (in Zilbermann, 1991, p. 08) ler é interpretar por meio da leitura, ler é compreender o que está escondido por um sinal exterior.

Quando o indivíduo começa a conhecer o mundo, começa também a despertar o espírito de curiosidade e analisa tudo o que está a sua volta, tentando compreender o mundo e a si mesmo.

Por meio da leitura, há um desenvolvimento pleno do sujeito, uma vez que:

É na infância pré-escolar que se formam as atitudes fundamentais diante do livro. A criança que toma contato, costuma associar a leitura com a situação escolar, principalmente se não há leitura no meio familiar. Se o trabalho escolar é difícil e pouco compensador, a criança pode adquirir aversão pela leitura e abandoná-la completamente quando deixar a escola. É conveniente então que o livro entre para a vida da criança antes da idade escolar e passe a fazer parte de seus brinquedos e atividades cotidianas. (ZILBERMAN & SILVA, 1988, p. 07)

Ler é básico para o progresso na aprendizagem de qualquer assunto: a capacidade de ler está intimamente ligada à motivação.

Os autores Zilbermam & Silva (1988, p 07) mencionam o que diz Paulo Freire, “a leitura do mundo procede a leitura da palavra”.

É o que diz Moacir Gadotti (in Zilberman, 1991, p. 08), “ler é ver o que está escrito, interpretar o que está escondido por um sinal exterior, descobrir, tomar conhecimento do conteúdo de um texto pela leitura”.

Por isso, para saber o que é ler, tenho que saber, antes de mais nada, o que é um texto e o que é compreender um texto.

Valentini (1999, p. 72), salienta que a leitura é um processo no qual o leitor realiza um trabalho ativo de compreensão e interpretação do texto, a partir de seus objetivos, de seu conhecimento sobre o assunto, sobre o autor e de tudo que sabe sobre a linguagem; trata-se de uma atividade que implica seleção, antecipação, inferência e verificação.

Para o autor Valentini, o trabalho com a leitura deve estar ligado à realidade do aluno e essa postura deve passar a dirigir os planejamentos e a prática escolar do dia-a-dia. Para tanto, são necessários dinâmicas de leitura que:

 

Estimulem a prática de leitura em sala de aula;

Incentivem a criatividade, a organização e a expressão de idéias;

Auxiliem o desenvolvimento de habilidades, de atenção e observação;

Estimulem o aumento e a fixação de vocabulário;

E, diversifiquem atividades de ensino-aprendizagem. (VALENTINI, 1999, p. 72),

Desde a alfabetização até os níveis mais complexos de encontro com textos, a leitura é uma forma de atribuição contínua de significados, pois é através da leitura (seja ela verbal ou não-verbal) que o indivíduo entra em contato com novas informações que propiciará o desenvolvimento de suas habilidades, bem como a construção de seu conhecimento.

Assim, o leitor seja ele criança que inicia na alfabetização ou adulto já na universidade está num contínuo de atribuição de significados, de expectativas e de visão do que está sendo mostrado pelos diferentes tipos de textos.

A leitura não só desperta na criança o gosto pelos bons livros e pelo hábito de ler como, também, contribui para despertar a valorização exata das coisas, desenvolver suas potencialidades, estimular sua curiosidade, inquietar-se por tudo que é novo, ampliar seus horizontes e progredir.

O hábito da leitura constitui-se em preocupação dos professores. No entanto, eles encontram dificuldades para implementação, porque não dispõem de recursos bibliográficos. A própria formação de magistério é feita na maioria das vezes desprovida da prestação de serviços bibliotecários adequados, característica das escolas brasileiras". (Freitas et al., 1986, p. 37)

A leitura e a escrita são, portanto, construídas ao longo da vida escolar com respeito à individualidade, incentivo à narração pessoal, desejo de ser lido ou ouvido.

O hábito da leitura é essencial para a compreensão de todas as disciplinas, seja o enunciado de um problema de física, de química, de matemática e, é claro, nas aulas de Língua Portuguesa e Literatura, em que os alunos são preparados para a interpretação de textos, além de praticarem a linguagem escrita formal.

É preciso ser capaz de ler e compreender o significado da leitura para usá-la no dia-a-dia. Além disso, a leitura tem uma função social: a pessoa só se sentirá leitora se for capaz de se apropriar do que leu, ou seja, transformar as informações em conhecimento.

O aluno com hábito da leitura tem maior capacidade de argumentação, de produção de textos; possui um vocabulário vasto e sofisticado e, também, questiona os fatos e acontecimentos do dia-a-dia.

No mundo do conhecimento, caracterizado pela circulação na sociedade de um grande e diversificado volume de informações, a capacidade de ler e interpretar textos em múltiplas linguagens – formal, jornalística, publicitária, etc. – é fundamental. Sem ela torna-se mais difícil ter acesso às informações e, principalmente, estabelecer relações entre aquelas que já estão ao alcance.

Ler é essencial. Através da leitura, pode-se testar os próprios valores e experiências. No final de cada livro surgem novas experiências, novas idéias, novas pessoas. Eventualmente, conhece melhor o mundo e um pouco melhor de si próprio.

Ler é estimulante. Tal como as pessoas, os livros podem ser intrigantes, melancólicos, assustadores, e por vezes, complicados. Os livros partilham sentimentos e pensamentos, feitios e interesses. Os livros colocam os indivíduos em outros tempos, outros lugares, outras culturas. Os livros fazem com que as pessoas participem de situações e dilemas que nunca poderiam imaginar que encontrariam. Os livros ajudam a sonhar e fazem pensar.

Nada desenvolve mais a capacidade verbal que a leitura de livros. Na escola aprende-se gramática e vocabulário. Contudo, essa aprendizagem nada é comparada com o que se pode absorver de forma natural e sem custo através da leitura regular de livros.

A leitura pode exigir mais dos leitores: consciência das coisas implicadas em vez de meramente descritas, sensibilidade às nuances da linguagem, paciência com situações ambíguas e personagens complicadas, vontade de pensar mais profundamente sobre determinados assuntos. Mas esse esforço vale a pena, pois estes autores podem proporcionar-nos aventuras que ficam na nossa memória para toda a vida.

É a leitura compreensiva, isto é, ler e entender o que se lê, descobrir o propósito do escritor, que irá desenvolver a capacidade de aprender das crianças.

A aprendizagem da leitura depende, principalmente, do querer aprender a ler, o equivalente a uma formação de atitudes do educando de se dispor a ler. Esta disposição pode ser refletida nas formas de expectativas, interesses, motivação, atenção, compreensão e participação. Querer aprender a ler é o primeiro passo para se ler para aprender. Para se desenvolver em leitura é preciso, antes, envolver-se em leitura, gostar de ler, isto é, a obra está no centro de seu interesse (dentro do ser) em ler a obra.

Se há disposição para aprender a ler, há possibilidade de chegarmos à capacidade de aprender a ler, e sobretudo, do educando, considerar que pode aprender lendo. Aqui vale o ditado: querer é poder. A partir da leitura de uma obra regional ou nacional, uma criança pode desenvolver aptidões ou competências ou competências e habilidades de natureza intelectiva e procedimental. A aptidão intelectual ajuda a ler para aprender a pensar a prática social e aptidão procedimental a ler para aprender a atuar no mundo do trabalho.

Para aprender a ler, portanto, é preciso interagir com a diversidade de textos escritos, negociando o conhecimento que já se tem e o que é apresentado pelo texto, o que está atrás e diante dos olhos, recebendo incentivo e motivação.

Desta forma,  o educador precisa ter um olho novo para ver coisas velhas de maneiras diferentes, precisa ser protagonista do conhecimento, ser um eterno aprendiz, curioso e despertar isso no aluno, deve ser um provocador e não deve ter receio de ser provocado. Ele deve ser inquieto, um aguçador de nossa sensibilidade, um sujeito que amplia e torna mais complexa a nossa visão de mundo.

O professor protagonista orienta, conduz, mas também sabe se colocar no lugar do coadjuvante permitindo que seus alunos sejam protagonistas (construtores) de seus processos educativos enquanto seres íntegros (seres pensantes, sensíveis, sociais). Esse educador oferece instrumentos para que o aluno caminhe com autonomia. Ele pontua, interfere, ajuda a ver o que não se via antes.

Para tornar os alunos bons leitores, para desenvolver, muito mais do que a capacidade de ler, o gosto e compromisso com a leitura, os professores devem mobilizá-los internamente, pois aprender a ler, é também ler para aprender. Precisará, ainda, fazê-los achar que a leitura é algo interessante e desafiador, algo que conquistado plenamente, dará autonomia e independência, tornando-os confiantes, condição para poderem se desafiar a aprender fazendo.

 

 

BAMBERGER, Richard. Como incentivar o hábito de ler. 2 ed. São Paulo: Ática, 2000.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. 22. ed. São Paulo: Cortez, 1988.

FREITAS, Maria Terezinha N. et al. Educação pela leitura: uma experiência. Florianópolis, v.3, n. 7, p. 26-40, jun./dez. 1986.

VALENTINI, Nilza Guidini. Teoria e prática da educação. Contribuições de uma prática pedagógica para o aprendizado da leitura. Paraná, ISSN, 1999. Setembro de 1999.

ZILBERMAN, Regina (org) Leitura em crise na escola. 10. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1991.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/a-leitura-e-o-desenvolvimento-infantil-1863654.html

    Palavras-chave do artigo:

    desenvolvimento infancia leitura

    Comentar sobre o artigo

    Socialização da criança, leitura e escrita diz respeito a interação social e aprendizagem. Esse trabalho teve como principal interesse mostrar e compreender a socialização e interação social de crianças. Explicando o processo de desenvolvimento social, além de mostrar que algumas atividades e fatores proporcionam uma melhoria no processo de leitura e escrita. Verificando, através de questionários e entrevistas, que fatores inatos e sociais interferem no aprendizado.

    Por: Natália Menezes Rosal Educação> Educação Infantill 04/10/2011 lAcessos: 548

    Um artigo retrata a importância da leitura em sala de aula, além disso, oferece suporte aos educadores e alunos na utilização de diversos recursos como fonte de estímulo aos mesmos, tendo como base neste trabalho acadêmico os seguintes teóricos: Paulo Freire (1989), Mercedes Justos (2010), Izaides Pereira (2007), Elisa Meirelles (2010), Renata Junqueira de Souza (1992), Ângela Fronckowinak (2010), Ana Maria Machado (2010) e outros reconhecidos na área pedagógica.

    Por: Diana Pereira Leitel Educaçãol 17/12/2013 lAcessos: 18
    luciana Souza

    O tema em estudo trata da importância crítica e reflexiva. como ocorre esse processo de aquisição de leitura, já que acreditamos ser necessário um aprofundamento maior nessa etapa de escolaridade?

    Por: luciana Souzal Educaçãol 09/04/2013 lAcessos: 40

    Nos dias de hoje. percebe-se que as crianças começam a formar sua leitura de mundo e despertar para rabiscos, traços e desenhos desde cedo, conforme as oportunidades que lhes são oferecidas.

    Por: edilma de moura de oliveiral Educação> Educação Infantill 04/02/2013 lAcessos: 113
    noeli flor

    Reconhecer a importância da literatura e incentivar a formação do hábito de leitura na criança, idades esta que todos os hábitos se formam, isto é, na infância. Neste sentido, a literatura infantil é um caminho que leva a criança a desenvolver a imaginação, emoções e sentimentos de forma prazerosa e significativa. O presente estudo inicia com um breve histórico sobre o valor da leitura na vida, enfoca a importância de ouvir histórias e do contato da criança desde cedo com o livro para desenvolve

    Por: noeli florl Educação> Educação Infantill 28/08/2012 lAcessos: 257
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A leitura exerce papel relevante na vida de qualquer indivíduo, seja durante a vida estudantil ou depois dela. A pessoa que lê exercita o cérebro, alimenta a intelectualidade, enriquece a linguagem, expande sua visão e compreensão das coisas e do mundo, abrindo horizontes para o raciocínio, a contextualização e a argumentação.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 15/02/2010 lAcessos: 2,815

    A Leiura e a Escrita são essenciais para o desenvolvimento de qualquer criança. Veja como desenvolver hábitos de Leitura e Escrita em seu filho desde pequenos.

    Por: Beatriz Gonzalesl Educação> Educação Infantill 08/12/2009 lAcessos: 1,788 lComentário: 1

    Este artigo tem como tema "A importância dos contos para a formação de valores e o desenvolvimento psíquico Infantil", abordando, a relevância que a contação de história demonstra na dimensão lúdica nos aspectos que favorecem o desenvolvimento infantil. Apresenta uma abordagem teórica, que favorece a reflexão e análise do tema. O questionamento que motivou a escolha dessa temática foi: qual é a importância da fantasia no desenvolvimento infantil? A pesquisa bibliográfica fundamentou a elaboração

    Por: Vilma vianal Educação> Educação Infantill 27/02/2014 lAcessos: 27
    coraci machado araujo

    meu pai, a pessoa mais importante no meu processo de leitura, escrita e compreensão, mais importante na formação de meu caráter. O carinho, dedicação e inteligencia de minha mãe nas labutas para driblar nossa extrema pobreza e ainda ser feliz

    Por: coraci machado araujol Literatural 03/11/2011 lAcessos: 124
    Matt Rosar

    Ao passar um saber, um conhecimento, ou mesmo uma informação é necessário técnicas que seja necessária para estabelecer a compreensão entre emissor e emitente. No caso será tratado professores e alunos. O grande entrave na educação brasileira encontra-se na dificuldade da aplicação de certas técnicas de ensino, ou como dizem muito colegas, há falta de didática de muitos professores, embora tenham grande domínio de suas áreas do saber.

    Por: Matt Rosarl Educaçãol 19/04/2014

    Aqui você poderá ver algumas considerações sobre avaliação escolar e principalmente sobre a possibilidade de avalizar os alunos de forma virtual.

    Por: Josimar Souzal Educaçãol 29/03/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Foi aluno do ilustre professor Frege, ele mesmo admitia ter sido profundamente influenciado. Mas tarde tornou se doutor pela mesma universidade, isso no ano de 1921. Desenvolveu grandes estudos posteriormente, sendo que o filósofo Schilick ao saber do seu exuberante conhecimento convidou para ocupar o cargo de professor assistente na famosa universidade de Viena.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educaçãol 25/03/2014

    O Ministério da Educação anuncia a criação de gratificação de 200 reais mensais para professores que participarem de programa de requalificação, para obter melhorias na atuação dos alunos em exames como o ENEM

    Por: Central Pressl Educaçãol 24/03/2014

    A prática pedagógica de todo professor é analisada frequentemente. No sucesso ou no fracasso do processo de aprendizagem, a prática educacional é sempre o foco dos questionamentos. Diante desta pressão, a conscientização de alguns fatores é o principal indicador do que deve ser, de fato, repensado.

    Por: Claudia Gonçalves da Silval Educaçãol 17/03/2014 lAcessos: 24

    Considerações críticas acerca da educação/saúde e a vaquinha dos mensaleiros que pagou suas multas.

    Por: Julio César Cardosol Educaçãol 10/03/2014
    Adão Martins

    Ser professor é uma dádiva divina, sem essa categoria nunca chegaríamos a ser o que hoje somos. Precisamos sempre valorizar essas pessoas. Estão presentes em todas nossas etapas de aprendizado. Deus abençoe vocês.

    Por: Adão Martinsl Educaçãol 09/03/2014
    Eliana Márcia Barbosa

    O texto aborda uma das crises cruciais na escola: a busca constante por autonomia e democratização dos processos de gestão os principais desafios para o enfrentamento dessa realidade.

    Por: Eliana Márcia Barbosal Educaçãol 07/03/2014
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Empreendedores são pessoas que desejam participar ativamente da construção de um mundo novo, não apenas como expectadores, mas como atores das mudanças globais da atualidade. De modo geral a pesquisa busca conhecer as ações dos empreendedores nas organizações e dessa forma, saber como eles podem e devem contribuir para o crescimento e desenvolvimento. Especificamente buscou-se: diagnosticar o perfil "empreendedor"; identificar os desafios que a administração propõe ao gestor público.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 20/08/2013 lAcessos: 58
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Educação Especial é uma modalidade da Educação Básica, fundamentada no princípio da atenção à diversidade. Integram-se o Ensino Regular e a Educação Especial numa concepção da Educação Inclusiva, buscando a participação e permanência de todos os alunos na escola, numa educação de qualidade, onde o atendimento as pessoas com necessidades especiais não requer um ambiente especifico e único, mas sim necessita de recursos físicos, humanos e materiais para que seja possível atender a todos, adaptan

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 2,190
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Tecnologia Educacional é entendida como a área que estuda a aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação - TIC - na educação, a partir de um embasamento da didática, psicologia da aprendizagem e desenvolvimento tecnológico. Assim, as alterações no sistema educativo visam levar em conta as diferenças pessoais, estilos cognitivos, ritmos de aprendizagem, afinidades, áreas de interesse, estratégias de pensamento e motivação.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 134
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Não existe uma única concepção sobre a EaD, pois o conceito evoluiu ao longo do tempo, influenciado pelo avanço das tecnologias da informação e da comunicação. Além disso, a concepção de educação a distância pode variar conforme o autor, sua base teórico-conceitual e sua concepção do que significam educação, ensino e aprendizagem.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 155
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A expectativa é ao mesmo tempo ligada a pessoa e ao interpessoal, também a expectativa se realiza no hoje, e futuro presente, voltado para o ainda-não, para o não experimentado, para o que apenas pode ser previsto. Assim, percebe-se que a expectativa é um sentimento que surge diante de novidades, do diferente.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 68
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Com os anos as análises históricas sofreram inúmeras mudanças, tendo historiadores como Jules Michelet que se preocupavam com histórias nacionais, espírito do povo, representando heróis. Tal autor chamou a atenção por identificar um agente sem rosto – o povo, as massas, como personagem da história e como protagonista dos acontecimentos.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 125
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Conforme o texto "Correntes, campos temáticos e fontes", a escrita e a leitura são indivisíveis e estão contidas no texto, permitindo a comunicação e veicula representações, onde o historiador pergunta sobre quem fala e de onde fala, discutindo sobre ela. As relações entre essas instancias não são diretas nem reflexas, mas sim intermediadas pelo discurso narrativo, e para o entendimento da História Cultural pode ser o da metáfora, pois o discurso explica, fala de algo que se percebe e se entende

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 160
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Entende-se que a História é construída conforme as práticas, as culturas de um determinado povo, uma organização social, onde o habitus integra os espaços de experiências, funcionando a cada momento vivido como matriz de sensações.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 54
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast