A Literatura Infantil E As Relações Étnico-Raciais: Reflexões A Partir Da Lei 10.639/03*

Publicado em: 03/05/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 1,601 |

A sociedade brasileira, assim como as demais nações colonizadas é, simultaneamente, produto e produtora de desigualdades sociais e raciais, uma vez que nossa cultura patriarcal e eurocêntrica reflete o pensamento ocidental de supremacia da raça branca, e  ao longo de mais de cinco séculos não fomos capazes de reverter uma situação que, apesar de imbricar para os afro-descendentes, a eles não se restringe, antes, se estende para uma imensa população que aqui já se encontrava quando aportaram os portugueses ainda no século XVI.

Nesse sentido, e visando a reparar, pelo menos em parte, a dívida contraída para com uma parcela enorme de brasileiros e brasileiras descendentes dos negros africanos que para cá vieram como escravos, o governo brasileiro traz a público a Lei 10.639/03 alterando a Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira” nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares.

Dessa forma, e tendo em vista a importância de se discutir como essa Lei deve ser colocada em prática, e acreditando ser a temática Literatura Infantil parte integrante de nossas atividades pedagógicas pretendemos, neste trabalho, refletir sobre a necessidade de se incorporar nos currículos, já sob o efeito dessa Lei, a discussão sobre a forma como são tratados os negros e seus descendentes nos livros de historinhas infantis, marcadamente nos contos de fadas, uma vez que é notória a discriminação e o preconceito racial nos conteúdos dessas fábulas encantadas.

Assim sendo, buscamos refletir sobre a representação do negro na Literatura Infantil, acenando com sua inserção nos currículos oficiais da Educação Básica, com ênfase à Educação Infantil e ao Ensino Fundamental nos anos iniciais, uma vez que essas modalidades educacionais atendem crianças pequenas, o que favorece uma abordagem favorável às relações étnico-raciais no contexto escolar desde que são personalidades em formação.

Segundo Cavalleiro (2005) a educação brasileira, visivelmente afetada pelo projeto neoliberal, torna público a ausência de uma reflexão acerca das relações raciais no planejamento escolar, o que tem impedido a promoção de relações subjetivas respeitáveis e igualitárias entre os agentes sociais que integram o cotidiano da escola. Nesse sentido, o silêncio sobre o racismo, o preconceito e a discriminação racial em diferentes instituições educacionais e a ideologia do consumo gestada de forma hegemônica, contribuem para que as diferenças de fenótipo entre negros e brancos sejam entendidas como desigualdades naturais, e o que é mais grave, constroem e reproduzem os negros como sinônimos de seres inferiores.

Tais proposições justificam plenamente nossa intenção em discutir, à luz da Lei 10639/03, a importância de se identificar nas histórias infantis aspectos de racismo e preconceito, buscando incorporar nos currículos do ensino básico conteúdos que valorizem as relações inter-étnicas, considerando a diversidade cultural como um patrimônio de um povo, e desmistificando a suposta superioridade de uma raça sobre outra, e isso se estende também para a relação entre os “outros brasileiros” e as inúmeras etnias indígenas que povoam o território brasileiro.

Portanto, o desafio que se nos apresentam são os de que estão na educação formal, mais do que em qualquer outro setor de nossa sociedade, trazer para discussão mecanismos que favoreçam, ao mesmo tempo que sensibilizem e incorporem no imaginário infantil a importância de se exercitar desde já a alteridade, e a literatura infantil, nomeadamente os contos de fadas e suas fábulas, se apresentam como possibilidade real de se inserir nas crianças valorosas e justas formas de convivência com o diferente, para que cresçam adolescentes e jovens capazes de fazer a diferença numa sociedade marcadamente preconceituosa e carente de valores éticos e morais, para que tenhamos adultos capazes de construírem uma sociedade sustentável.

Com efeito, é cabível fazermos aqui uma ressalva de que, ao inserir a literatura como conteúdo didático, é importante se ater que a linguagem não é só denotação, ela é também conotação. Daí, deriva a criticidade pedagógica na proposição de temas que visualizem a construção de uma pedagogia inclusiva em palavras, ações e atitudes.

Nessa perspectiva, o compromisso aqui alçado, é de que os professores se sensibilizem perante os conflitos inter-raciais presentes no interior da sala de aula e que, ao propor a literatura infantil como mais uma gama de conteúdos que abordem questões étnico-raciais, possam desenvolver uma prática pedagógica que corresponda não só aos anseios da Lei 10.639/03, pois tal posicionamento, se acatado sob o viés do “fazer por fazer” teria um significado mecânico e distante do discurso que prega a educação como prática de liberdade e direito de todos.

 

REFERÊNCIAS

BRASIL. Lei Nº 10.639, de 03 de janeiro de 2003 - intitui a obrigatoriedade no currículo oficial da Rede de Ensino a temática “História e Cultura Afro-Brasileira” nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares.

______. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 - estabelce as diretrizes e bases da educação nacional.

CAVALEIRO, Eliane. (2005)

* Resumo expandido da participação na Mesa Redonda “Literatura infantil: visões e papéis”, para o VI Seminário de Educação, Gênero e Infância – Gênero e direitos humanos/UFT – Campus de Tocantinópolis, em 12/03/2009.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/a-literatura-infantil-e-as-relacoes-etnico-raciais-reflexoes-a-partir-da-lei-1063903-897740.html

    Palavras-chave do artigo:

    literatura infantil questoes etnico raciais lei 10 369 03 mec

    Comentar sobre o artigo

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11

    Acróstico em homenagem ao inesquecível, talentoso e mui amado amigo, o poeta Rômulo José Ferraz, por sua singular escrita na jornada terrena pessoal, intelectual e humana. Eis o meu louvor!

    Por: Lídia S. Cruz Ribeirol Literatural 25/02/2010 lAcessos: 138 lComentário: 1

    A matéria faz um convite crítico-reflexivo sobre a dor, por se perder um ente querido, lançando olhar, para o fato de que há circunstâncias na vida que para fazerem parte do nosso rol de aceitação pessoal é preciso entendermos que muito da vida não é pura opção e, portanto, há dadas situações que estão além do nosso direito de escolher, como a partida de alguém que amamos.

    Por: Lídia S. Cruz Ribeirol Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 25/02/2010 lAcessos: 236 lComentário: 2

    O texto retrata sentimentos de um amor que não pode mais ser vivido, mas que almeja continuidade, mesmo em outra vida.

    Por: Lídia S. Cruz Ribeirol Relacionamentosl 24/02/2010 lAcessos: 257 lComentário: 1

    O artigo centra discussão sobre a disciplina na sala de aula, convidando ao educador refletir a necessidade de se aprofundar sobre situações-problema geradoras da indisciplina. Situa, portanto, a necessidade de se conhecer o conceito de indisciplina e disciplina, bem como fatores que possivelmente contribuem para geração de atos indisciplinados (familiar, psciológico, entre outros), como forma de construir alternativas pedagógicas para trabalhar a problemática em sala de aula.

    Por: Lídia S. Cruz Ribeirol Educaçãol 03/05/2009 lAcessos: 2,083 lComentário: 1

    Comments on this article

    0
    Lauro Camata 12/03/2010
    Como você cresceu em suas discussões na área de questões etnico raciais! Já conhecia o seu trabalho, mas creio que neste você foi bem mais adiante com suas críticas bem colocadas, convidando o leitor a refletir mais seriamente sobre questões neste nível! Excelente texto!
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast