A LÚDICO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Publicado em: 04/12/2010 |Comentário: 1 | Acessos: 4,653 |


A criança se encontra com o mundo de corpo e alma através das brincadeiras, recebendo elemento importante para a sua vida, desde os mais insignificantes hábitos, até fatores determinantes da cultura de seu tempo.

Certamente encontraremos professores que utilizam as palavras jogo, brinquedo e brincadeira como sinônimos. Outros, no entanto, marcam uma diferença entre elas que remonta à sua própria história de vida.

Há, pelo menos, dois aspectos implicados nessa questão. O primeiro diz respeito às palavras poderem assumir diferentes significados desde a nossa infância, bem como ao longo da fase adulta. O segundo aspecto refere-se aos diferentes significados que uma mesma palavra pode assumir ao longo dos tempos. Se pegarmos um dicionário de 50 anos atrás certamente a acepção das palavras jogo, brinquedo e brincadeira estarão impregnadas de uma visão da época. Nos dias de hoje, observamos que há uma clara brincadeira e brinquedo. No entanto, tanto jogo e brincadeira, podem ser sinônimos de divertimento.

É claro, porém, que, além das diferenças, esses conceitos também possuem pontos em comum. Um jogo deles é o de que tanto o jogo quanto a brincadeira são culturais. É difícil encontrarmos exemplos de um jogo ou uma brincadeira que sendo originário de uma cultura, tenha sido assimilado por outra.

Segundo FROEBEL,

A brincadeira é a atividade espiritual mais pura do homem neste estágio e, ao mesmo tempo, típica da vida humana enquanto um todo da vida natural interna no homem e de todas as coisas. Ela dá alegria, liberdade, contentamento, descanso externo e interno, paz com o mundo... A criança que brinca sempre, com determinação auto-ativa, preservando, esquecendo sua fadiga física, pode certamente tornar-se um homem determinado, capaz de auto-sacrificio para a promoção do seu bem e de outros... Como sempre indicamos, o brincar em qualquer tempo não é trivial, é altamente sério e de profunda significação. (1992, p. 55).

Através das brincadeiras, a criança mostra que é naturalmente dotada de criatividade, habilidade, imaginação e inteligência. Ela vai compreendendo o que é ser ela mesma e ao mesmo tempo, pertencer a um grupo social.

Brincar é uma das necessidades básicas de uma criança. Brincando ela desenvolve seus músculos, sua mente,, sua sensibilidade e sua coordenação motora.

Brincar é um ato imperioso. A criança cria, a todo o momento, oportunidades para brincar. Esta é a sua tarefa. Relaciona-se com o mundo dos objetos e das pessoas brincando. O não brincar é um alerta, pois ele faz parte do rol de atividades da criança sadia.

Ao brincar a criança descobre e vivencia a realidade de forma prazerosa. Pode ainda experimentar várias vezes e de diferentes maneiras as situações que tenta compreender, fazendo, refazendo, trocando de papéis. O brincar lhe propicia o aprendizado e isto representa que se ensaia em regras sociais que vão variando em complexidade À medida que cresce.

No ato de brincar ela (a criança), fala às vezes sem utilizar palavras, expressando de forma autentica aspectos que são mobilizados dentro de si. Esta é também uma oportunidade onde refugia das pressões exteriores, recebendo a seu modo e segundo suas condições (cognitivas e afetivas) estas solicitações.

Brincando, no seu faz-de-conta, vive o mundo concretamente e desta forma faz de verdade, pois confere aos brinquedos sentimentos reais de amor e agressão.

No entanto quando se pensa em brinquedos parece também existir um lugar especial para que essa relação entre a criança e o objeto se identifica.

Mas interessante ainda tem sido observar essa integração em espaços ainda não muito explorados pela brincadeira, e que, no entanto pode, através do ato de brincar, devolver À criança o estímulo perdido por conta da ausência de saúde.

Assim, é preciso refletir a respeito da atividade que pode se relacionar com reforçar um rótulo que a criança já ingeriu. Por isso, o cuidado com as atividades é de fundamental importância, na busca de melhorar o estado em que se encontra a criança, tomando sempre o cuidado para, no lugar de uma perspectiva feliz, não consolidar um trauma, levando-a perceber sua incapacidade frente a uma brincadeira ou tarefa proposta.

Nem sempre dispomos de espaço para que as atividades aconteçam e isto não pode se tornar um empecilho na linha de trabalho, pois se nos falta o espaço adequado, temos a possibilidade de realizar um trabalho de adaptação, envolvendo a criança para atividades que possam se desenvolver neste local.

O acompanhamento da criança é uma responsabilidade permanente de todos os adultos que convivem com ela. O seu desenvolvimento depende fortemente de um ambiente favorecedor, da disponibilidade dos adultos em conversar, brincar com ela, prestar-lhe, de fato, atenção.

Segundo Sans & Domingues,

Através do lúdico, a criança realiza aprendizagem significativa. Assim, podemos afirmar que o jogo e a brincadeira propõem à criança um mundo do tamanho de sua compreensão, no qual ela experimenta várias situações, entre elas o fazer comidinha, o limpar a casa, o cuidar dos filhos, etc. O ato de brincar (jogo, brinquedo, brincadeira) proporciona às crianças relacionarem as coisas umas com as outras, e ao relacioná-las é que elas constroem o conhecimento. Esse conhecimento é adquirido pela criação de relações e não por exposição a fatos e conceitos isolados, e é justamente através da atividade lúdica que a criança o faz.A participação ativa da criança, a natureza lúdica e prazerosa tem servido de argumento para fornecer dados relevantes no nosso agir, enquanto educadores.O brinquedo é uma oportunidade para encorajar a criança a reconhecer as limitações do elemento competitivo.

O ser humano naturalmente já nasce com o espírito para brincar e dá-se com ardor aos jogos que inventa ou àqueles que aprenderam por tradição, através de seus companheiros. Porém, esses jogos livres ou de iniciativas das próprias crianças podem apresentar defeitos que lhe prejudicam o êxito e o valor educativo, visto que lhes faltam variedades, não sabem descobrir coisas novas e canalizá-las; falta-lhes estabilidade, borboleteiam sem preservar numa determinada forma; faltam-lhes organizações e coordenações, perdem-se pela má direção de um líder natural, falta-lhes acima de tudo o espírito de cooperação e, por causa dessa pouca qualidade social, provocam brutalidade entre os meninos e subterfúgio entre as meninas acusando os fracos e louvando os fortes, os menos capazes não recebem ajuda e cada um joga por si. Assim, esses jogos ou divertimento, sem orientação de um animador consciente, em vez de educar ou proporcionar alegria sadia entre as crianças, podem estimular a delinqüência infantil e juvenil.

Mas os jogos são valiosos não apenas pelo interesse, que universalmente despertam nas crianças, ou pela alegria que elas experimentam na sua execução. Trazem, ainda, a grande vantagem de oferecer, aos que deles participam excelentes oportunidades para o desenvolvimento físico, mental, emocional e social.

Além disto, cada um de nós tem necessidade de alcançar algum sucesso e. se dermos apenas jogos que exijam habilidades físicas, estaremos, de antemão, negando a uma porção de indivíduos a possibilidade de êxito. O mesmo sucederia, em relação a outras pessoas, num programa em que predominassem as atividades recreativas de cunho mais intelectual, como os jogos de adivinhação, de memória, de vocabulário, etc.

Uma criança, que não consegue bons resultados na sala de aula, porque já vem de casa com problemas de ajustamento e insegurança, é capaz de encontrar os jogos um bom meio para a satisfação das suas necessidades emocionais.

O pequenino entrega-se ao jogo com naturalidade, exprimindo, através dele, as suas alegrias e temores, sem restrições artificiais e, no abandono com que se dá à atividade recreativa, revela alguns dos seus problemas e desejos mais íntimos, mostrando, também, várias das suas possibilidades.

Os jogos e recreações têm sido reconhecidos com fator essencial de equilíbrio harmônico à vida do homem e fator vital para o desenvolvimento integral da criança.

Dessa maneira, entendemos que a recreação é um elemento do lazer, onde viabiliza a possibilidade de interferir na personalidade do individuo, que pode agir na realidade de maneira mais equilibrada, mais em conformidade com os princípios humanos.

Segundo PERRENOUD, Quando as crianças de origem popular que freqüentam uma sala de aula ativa contam sua jornada na escola, seus pais podem ter a impressão que os filhos brincam o dia inteiro, que não se exige deles nenhum esforço, que não se impõe a eles nenhum limite e, portanto, que não aprendem nada. A escola em que se aprende brincando, em que a aquisição dos conhecimentos não é sinônimo de sofrimento, de esforço e de competição, é uma escola que, geralmente, a geração dos pais não conheceu. Para aqueles que não estão familiarizados com as psicologias da moda, para aqueles cuja experiência do trabalho escolar e profissional torna pouco crível e mesmo incompreensível a idéia de que é possível aprender brincando, as novas pedagogias parecem pouco sérias.sabe-se, em todas as classes sociais, que ela sem dúvida pretende tornar as crianças mais felizes, fazer com que elas vão à escola sem angustia, com prazer. (A pedagogia na escola das diferenças, p. 129).

Está se perdendo no tempo a época em que se separava a "brincadeira", o jogo pedagógico, da atividade "séria". Hoje a maioria dos pensadores concorda em compreender o jogo como uma atividade que contem em si mesmo o objetivo de decifrar os enigmas da vida e de construir um momento de entusiasmo e alegria na aridez da caminhada humana.

O lúdico é uma atividade essencial ao ser humano, onde possibilita ao educando uma aprendizagem significativa, despertando interesses pelas atividades individuais e coletivas, proporcionando assim, crescimento intelectual e a integração de todos participantes.

A descoberta de novas formas de ensinar e aprender é um desafio extremamente motivador, principalmente no que se refere ao desenvolvimento cognitivo e emocional dos alunos.

Os trabalhos realizados com os alunos que apresentam deficiência mental através do lúdico demonstram que podem ajudá-los a desenvolverem habilidades importantes, para que de maneira independente, possam explorar e exercitar suas próprias ações, enriquecendo assim, a sua capacidade intelectual e sua auto-estima.

As crianças com deficiência mental, na grande maioria das vezes, são vistas como incapazes de obter aprendizagens formais. Por isso em grande parte o seu tratamento está relacionado às suas dificuldades.

Por serem considerados "sem inteligência", são submetidos a métodos respectivas cujo método é a automatização.

Segundo D'Antino (1997, p. 102),

Na educação ainda se reflete a ideologia político-social de qualquer sociedade, há de se tentar compreender a educação especial que hoje temos de conformidade com a sociedade em que vivemos. Sociedade essa que tende a excluir as minorias e delas esperar sempre muito pouco. (...) Sabe-se que a idéias de isolar e segregar está presente em muitos que pensam na educação dos portadores de deficiência menta, por considerar que sua plena integração social jamais se consolidará numa sociedade competitiva que preconiza o desempenho, a produtividade, o vigor, a beleza, etc.

Como relata o referido autor, a integração do individuo com deficiência dependerá das relações dialéticas com o seu grupo de vivência. É preciso que haja aceitação da deficiência, pois a deficiência é um aspecto que faz parte de sua vida, devendo assim ser valorizados e considerados importantes.

Todavia, a integração desses alunos requer uma nova mentalidade sobre eles, dando-lhes a oportunidade de despertar seu interesse e suas potencialidades.

Apesar de possuir um ritmo lento de aprendizagem e dificuldades de abstração é preciso que as propostas pedagógicas sejam adequadas as suas condições.

O ensino desses alunos deverá partir de atividades concretas, lúdicas, diversificadas e funcionais, despertando o interesse e a motivação para aprender. Além disso, deve ser considerado o caráter dispersivo que eles demonstram, selecionando atividades de curta duração, visando o tempo gradualmente de acordo com suas possibilidades, buscando sempre a progressão da aprendizagem.

Um ambiente lúdico potencializa ao máximo o ato de aprender, oportunizando a construção de conhecimento e exercitando suas potencialidades.

Nesse contexto, as situações lúdicas desafiam a criança e provocam o funcionamento do pensamento, estimulando-as a alcançarem excelentes níveis de desempenho, apesar de suas dificuldades. Brincando, a criança aprende fazendo, sem medo de errar e com pleno interesse pela aquisição do conhecimento.

A criança deficiente mental embora seja capaz de atingir um pensamento lógico, necessita de um mediador facilitando a sua relação com o outro, baseada no respeito e reciprocidade. Para que possam observar as condições que mudaram na situação presente e compara-la com as anteriores.

Portanto, é evidente que esse trabalho se realizará com êxito através de atividades lúdicas, onde contribuirá para a melhoria do ensino e a formação do educando.

BRASIL. Secretaria de Educação Especial Deficiência Mental – Erenice Natália Soares Carvalho. – Brasília: SEESP, 1997, p. 97.

D'ANTINO, M.E.F. A questão da integração do aluno com deficiência mental na escola regular. In: MANTOVAN, M.T.E. A integração de pessoas com deficiência. São Paulo: memom: SENAC, 1997.

PERRENOUD, Philippe. A Pedagogia na Escola das Diferenças. Fragmentos de uma sociologia do fracasso. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/a-ludico-na-educacao-especial-3787523.html

    Palavras-chave do artigo:

    inclusao ludicidade educacao

    Comentar sobre o artigo

    Amanda Fraga

    O presente artigo tem como abordagem a defesa da inclusão de alunos com deficiência visual na escola regular, com a introdução do lúdico para a interação e desenvolvimento desses discentes, salientando, aqui, a importância de crianças e jovens com demais deficiências estarem igualmente inseridas no contexto social como um todo, o que abrange a instituição de ensino. Para isso, a Legislação que tanto defende a prática inclusiva existe para assegurar o direito de ir e vir, o direito

    Por: Amanda Fragal Educaçãol 05/12/2011 lAcessos: 306
    marilene ferreira lemes

    Este trabalho tem por objetivo a conclusão do curso de Pós-graduação em Educação Inclusiva, de caráter bibliográfico, que vise uma profunda meditação sobre a importância do lúdico no processo de socialização das crianças, assim como no processo ensino e aprendizagem, através dos jogos, dos brinquedos e das brincadeiras.

    Por: marilene ferreira lemesl Educação> Ensino Superiorl 22/04/2013 lAcessos: 113
    Alinne do Rosário Brito

    A função educativa por ter-se mostrado capaz, em diversos experimentos empíricos realizados, desenvolveM níveis diferentes de experiências pessoais e coletivas e a propiciar novas descobertas, além de contribuir na socialização. Neste trabalho, buscou-se aproximar as representações históricas do jogo, ás teorias que o balizam como atividade rica, prazerosa e motivadora da aprendizagem .

    Por: Alinne do Rosário Britol Educaçãol 18/07/2012 lAcessos: 1,422

    Entende-se por Educação ambiental o ato de direcionar educandos com relação ao meio ambiente, suas funcionalidades, o ato de degradar, poluir, entre outras ações. Estimular o respeito desde criança nas escolas durante o processo de ensino aprendizagem pode refletir positivamente no futuro desses pequenos cidadãos,os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente

    Por: Magda Pinheiro da Silval Educação> Ciêncial 30/10/2013 lAcessos: 78
    Marcelo Gomes González

    O Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil é um documento que equivale aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), já que foi criado pelo MEC em 1998. No entanto, há um debate ferrenho entre as grandes esferas da administração é o fato desse nível de ensino compor a Educação Básica, mas ser posta de forma facultada, fazendo com que, muita das vezes, não seja cursada pela criança, que fica com um ensino deficitário na base do conhecimento.

    Por: Marcelo Gomes Gonzálezl Educação> Educação Infantill 17/10/2012 lAcessos: 601

    Esse artigo tem como objetivo analisar a importancia do brinquedo para o desenvolvimento infantil, através do jogo simbolico as crianças constroem uma ponte entre a fantasia e a realidade.Nesse sentido, a escola desempenha o papel de levar esse aluno a pensar e construir seu aprendizado.

    Por: Ana Carla Vale Lagol Educação> Educação Infantill 27/07/2010 lAcessos: 5,470
    Eliane Barros de Oliveira

    O artigo teve como objetivo coletar dado que demonstrassem a importância das atividades lúdicas, visto que jogos e brincadeiras são, conforme os estudiosos, experiências afetivas que correlacionam ao ambiente e devem ser explicadas nas crianças em fase pré-escolar. Baseado em referências teóricas, a proposta de trabalho permite afirmar a existência de jogos e brincadeiras infantis, que se bem aplicadas ajudarão no desenvolvimento da educação psicomotora e conseqüentemente no processo escolar.

    Por: Eliane Barros de Oliveiral Educação> Educação Infantill 31/10/2012 lAcessos: 617
    Joaquim Rangel Lucio da Penha

    Os jogos são constituídos de maneira autônomas em relações as crianças, e ainda ajuda a desenvolver as suas capacidades físicas e motoras, com isso, ele se torna cada vez mais cômodo para as crianças, por que é através dos jogos que as crianças melhoram sua coordenação motora e física e reforçando a sua auto-estima.

    Por: Joaquim Rangel Lucio da Penhal Educação> Educação Infantill 19/04/2010 lAcessos: 10,091 lComentário: 5
    Rosimeire Moreira Quintela

    RESUMO Esta pesquisa visa transformar métodos tradicionais contidos na escola levando os professores a participarem de pesquisas, práticas pedagógicas, inovações para que suas aulas se tornem mais criativas e produtivas. O objetivo é de auxiliar na superação do fracasso escolar em relação à leitura, pois se acredita na possibilidade de sucesso de todas as crianças...

    Por: Rosimeire Moreira Quintelal Educação> Educação Infantill 11/01/2012 lAcessos: 1,180
    Erineia nascimento da Silva

    O lúdico proveniente da palavra latina "ludus" que significa jogos. Que segundo DANTAS, 1988, representa liberdade para brincar livremente, gratuitamente, prazerosamente. Tornando a brincadeira uma expressão máxima do lúdico, desde da antiga Roma e Grécia em períodos remotos da civilização ocidental utilizava os brinquedos na educação com base nas idéias de Platão e Aristóteles.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 28/10/2014
    Sebastiana Braga

    A formação profissional não consiste apenas em ouvir palestra ou fazer determinados cursos. Pelo contrario, ela é um processo continuo e progressivo, onde através da aprendizagem se acumula conhecimento e este por sua vez vai sendo transformado em práticas bem sucedidas. Dessa forma deve ser pensado numa multiplicidade de saberes que através de um projeto para formação continuada que se complemente e que aborde um tema central a todas as áreas no intuito do melhoramento do ensino aprendizagem.

    Por: Sebastiana Bragal Educaçãol 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Sei o quanto. Tudo isso não significa nada. Apesar da interminável beleza dos universos. Contínuos. Sei do insignificado das coisas. Do delírio dos deuses. Das franquezas das razões não lógicas. A metafísica não indutiva.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educaçãol 25/10/2014
    Amanda Souza Machado

    Este trabalho é uma continuação das discussões, pesquisas e reflexões ocorridas durante a elaboração do artigo científico sobre como os educadores exploram as fantasias das crianças, produzidas a partir dos programas de televisão. O artigo propõe-se a apresentar as influências da TV no imaginário das crianças e qual é o papel dos educadores neste momento.

    Por: Amanda Souza Machadol Educaçãol 23/10/2014

    O presente artigo é um estudo bibliográfico que tem como objetivo principal abordar conceitos educacionais e metodologias desenvolvidas em sala de aula usando o lúdico como alternativa de metodologia. O trabalho justifica-se pela necessidade de se entender e adequar a aprendizagem às atuais demandas da educação é necessário conhecer alguns caminhos já percorridos pelo ensino e que se levam a uma redefinição dos objetivos, conteúdo e metodológicos.

    Por: Graciele de Miranda Oliveiral Educaçãol 21/10/2014 lAcessos: 14
    Alinne do Rosário Brito

    O artigo busca pesquisar e relatar o que é o Programa Mesa Brasil SESC e dialogar com as ações do Governo do Estado do Amapá para que a segurança alimentar seja implementada atendendo as leis nacionais e as respectivas atuações das politicas públicas que o regem quanto a tentativa de diminuição da miséria na cidade de Macapá.

    Por: Alinne do Rosário Britol Educaçãol 21/10/2014 lAcessos: 17
    Tania R. Steinke

    Promover a valorização da formação continuada dos docentes e coordenadores pedagógicos que atuam no Ensino Médio das escolas públicas.

    Por: Tania R. Steinkel Educaçãol 19/10/2014

    Este artigo analisa de forma breve a teoria das Representações sociais, realizada por alguns estudiosos que contribuíram para a o avanço das representações sociais, bem como, os teóricos que tinham como base as investigações de como as pessoas transformam os conhecimentos científicos em conhecimento de senso comum na década de 60, e também a forma como adota a perspectiva comunicativa "genética" na apreensão do conhecimento veiculado a dinâmica do cotidiano.

    Por: Elizabeth Almeida dos Santosl Educaçãol 14/10/2014 lAcessos: 12
    Iracema Gonçalves da Silva

    Atualmente fala-se muito em Educação Inclusiva, algumas vezes de forma aleatória, portanto faz-se necessário entendermos esse processo de educação tanto com relação ao indivíduo quanto ao profissional que estará dando o atendimento ao mesmo, pois é um momento de desafio na construção do sujeito enquanto cidadão.

    Por: Iracema Gonçalves da Silval Educação> Educação Infantill 19/07/2011 lAcessos: 182

    Comments on this article

    -1
    Anonimo 27/12/2010
    SEM HABILIDADE COM NÚMEROS
    Junia Oliveira, O Estado de Minas, 08/06/2010
    http://wwo.uai.com.br/EM/html/sessao_18/2010/06/08/interna_noticia,id_sessao=18&id_noticia=141062/interna_noticia.shtml
    Consta em
    http://www.exkola.com.br/scripts/noticia.php?id=34579041
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast