A Mulher Conquistando Seu Espaço

15/02/2010 • Por • 7,121 Acessos

A Constituição Federal de 1988 assegura em seu Capitulo I - Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos - que “homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações”, mas a realidade da mulher, seja no convívio social, na família ou no seu trabalho, é a luta diária para conquistar o seu espaço.

Longe vai o tempo em que a mulher permanecia relegada às obrigações domésticas, não tendo poder de decisão sobre si ou sobre seu lar e submetendo-se aos ditames do marido.

Hoje, a mulher já conquistou seu espaço em muitos setores de trabalho, porém, mesmo já tendo galgado inúmeros e importantes degraus na ocupação desse mercado, a mulher ainda tem de lutar contra as discriminações relativas ao seu sexo.

É fato que a legislação do País tem evoluído, atendendo às mudanças no comportamento da sociedade brasileira, porém a mulher já tem garantido o seu percentual de candidaturas nas eleições.     

É difícil definir o feminino porque o significado do termo se tece cotidianamente. Ele envolve a vida no dia-a-dia, o trabalho, a família, a saúde, a educação, as relações sexuais e afetivas.

As mulheres, durante muito tempo, foram consideradas o segundo elemento. E é através da reflexão do ser secundário que há interesse na cultura e na sociedade, considerando os pensamentos desenvolvidos como um fator de críticas a subordinação feminina.

Este capítulo tratou da exploração e do avanço da mulher através de muita força que traça o objetivo de analisar como as mulheres modificaram seus papéis, atingindo e examinando os problemas de significado humano, ou seja, no mundo tudo poderá ser modificado, criado e salientado.

A mulher vai se libertando do excesso de opressão, desencadeando o processo de emancipação no qual a sociedade ganha uma dimensão mais humana, abrindo espaços para um complemento inovador. A mulher abrange perspectiva de democracia com uma visão estratégica de combate à exclusão social entre a igualdade de gêneros, ela deixa seu lugar no âmbito privado e conquista seu caminho rumo ao mercado de trabalho, criando nova relação de igualdade no ambiente familiar, onde passam a crescer seus direitos. Assumindo também, perante a sociedade o desenvolvimento da ação voluntária em favor das classes sociais, papel este que com certeza, ganhará grande êxito nos próximos anos.

A mulher tem o dever de aprofundar-se na ruptura com padrões de comportamento e atitudes marcadas no mercado de trabalho e na sociedade na qual está a cada dia que se passa, registrando uma reta para sua conquista, enfrentando desafios, pois ela sabe que não haverá desenvolvimento social e econômico com justiça se não houver igualdade de oportunidades entre homens e mulheres, direitos e deveres para todos sem discriminação e desigualdades.

As mulheres estão cada vez mais numerosas nas escolas, no mercado de trabalho e no comando, estão mostrando sua responsabilidade, mas não deixam de demonstrar que são femininas, acreditam no amor e esperam encontrar seu complemento através do seu “príncipe”. São femininas, delicadas, charmosas, tudo isso sem serem submissas. Ser mulher, com todos os adjetivos que o seu sexo mostra: frágil, delicada, sensível, ponderada, é o máximo.

A mulher vem mostrando seus valores femininos, sua capacidade de trabalho em equipe, que vai contra o antigo individualismo, a cooperação entra no lugar da competição. Hoje sabemos que há poucos grupos masculinos onde a mulher ainda não tenha conquistado seu lugar. O mais interessante é que, nesse processo de conquista, elas não deixam de cultivar seu lado sedutor, de mãe e de dona-de-casa.

Perfil do Autor

SANDRA VAZ DE LIMA

Nascida no município de Telêmaco Borba - Paraná. Graduada em Letras/ Inglês/Espanhol e Pedagogia. Especialista em Educação Especial e...