A ORALIDADE E A ESCRITA NA SALA DE AULA NA LITERATURA INFANTIL

19/05/2010 • Por • 8,849 Acessos

 

INTRODUÇÃO

 

 

O trabalho de pesquisa e elaboração das práticas com a literatura infantil em sala de aula é de suma importância, pois, inicia o homem no mundo literário e deve ser utilizada como instrumento para a sensibilização da consciência, para a expansão da capacidade e interesse de analisar o mundo.

É no encontro com qualquer forma de literatura que os homens têm a oportunidade de ampliar, transformar ou enriquecer sua própria experiência de vida. Nesse sentido, a literatura apresenta-se não só como veiculo de manifestação cultural, mas também, de ideologias. Até pouco tempo a literatura infantil era considerada como gênero secundário, era vista pelos adultos como uma forma de entretenimento. Como valorização da literatura infantil; como formadora de consciência dentro da vida cultural das sociedades é bem recente.

O caminho para a redescoberta literatura infantil, em nosso século foi aberto pela psicologia experimental, que revelando a inteligência como um elemento estruturador do universo, que cada indivíduo constrói dentro de si; chama a atenção para os diferentes estágios de seu desenvolvimento da infância à adolescência. Pois a sua importância é fundamental para a evolução da personalidade do futuro adulto.

A sucessão das frases evolutivas da inteligência ou estruturas mentais é constante e igual para todos. As idades correspondentes a cada uma delas podem mudar, dependendo da criança, ou do meio que ela vive.

 

 

1-FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

 

 

A literatura infantil, por iniciar o homem no mundo literário, deve ser utilizada como instrumento para a sensibilização da consciência, para a expansão da capacidade e interesse de analisar o mundo. Sendo fundamental mostrar que a literatura deve ser encarada, sempre de modo global e complexo em sua ambigüidade e pluralidade.

Para Rubem Alves (2004)

 "A leitura e a escrita começa quando a criança fica fascinada com as coisas maravilhosas que moram dentro do livro. Pois não são as letras, as silabas e as palavras que fascinam. É a história. A aprendizagem da leitura começa antes da aprendizagem das letras: quando alguém lê e a criança escuta com prazer. Acho que as escolas só terão realizado a sua missão se forem capazes de desenvolver nos alunos o prazer da leitura. O prazer da leitura é o pressuposto de tudo o mais. Quem gosta de ler tem nas mãos as chaves do mundo".

 

Entretanto, o autor destaca que a leitura vem a ser uma forma de onde poderemos aprender a compreender as coisas que nos rodeiam. Sendo que com a leitura podemos ir longe.

 

 

2-AS DIFICULDADES DOS ALUNOS EM APRENDER

 

 

As principais dificuldades dos alunos esta voltada para a escrita e a oralidade, ou seja, a obstinação com que os educadores se fixam na escrita, para resolver as questões relativas à alfabetização. É um erro estratégico para o processo, que pode ter efeito contrário sobre os alunos, principalmente entre aqueles que provêm de ambientes pouco afeitos à leitura. Quem defende a tese é Claudemir Belintane, professor de Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa da Faculdade de Educação da USP.

O instrumental oral tem muita relação com os livros. Tem a contação de história em voz alta. A professora pode contar uma história de diversas maneiras. Pode começar contando as partes mais interessantes, voltar a ler, parar de ler, voltar a contar. Pode dividir a história em partes para que os alunos as percebam. Cada um narra um pedaço. No caso dos três porquinhos, por exemplo, cada um pode narrar a chegada do lobo a uma casa. É importante ter essa idéia de coerência e progressão do texto. Boa parte das crianças que chega à escola com 5 ou 6 anos faz uma narrativa simples e salta direto para seu motivo principal: o lobo já vai assoprar a terceira casa sem ter passado pelas outras. O repertório é muito pequeno, inclusive dos professores. Parece restrito aos textos mais conhecidos e que os alunos aprendem não pela oralidade, mas pelo cinema, pelos DVDs, como "A Branca de Neve", "A Cinderela". É o mundo Disney.

Trabalhar com a literatura infantil na escola é abrir as cortinas do mundo para uma platéia de seres que buscam a construção do ser como sujeitos de uma sociedade. Cabe ao professor deixá-los sedentos de descobertas. Através da leitura como ação haverá a reflexão, e por fim a aprendizagem. A literatura infantil fará com que essa aprendizagem sirva para a constituição de sujeitos que simplesmente não pertençam a uma sociedade, porém, a questiona e a transforma.

Antunes Irandé (2002) tem "como ponto de sustentação mais ampla, o princípio de que é o aluno o sujeito da aprendizagem que acontece, ou seja, é ele quem realiza, na interação com o objeto da aprendizagem, a atividade estruturadora da qual resulta o conhecimento".

Através do aluno se realiza a aprendizagem, ou seja, o aluno e o ponto de partida, o professor tem como objetivo incentivar o aluno para que esse possa ampliar o seu conhecimento para progredir no processo educacional. Sendo voltada para a leitura, com o intuito de provocar o interesse nos mesmos, para que eles possam buscar em livros novas descobertas. 

 

 

2.1-A ESCRITA E A ORALIDADE DA CRIANÇA

 

 

A compreensão da escrita como um sistema de representação da fala pressupõe uma dupla consciência, conforme COLELLO (1995).
Em um primeiro momento, o indivíduo deve perceber a estreita relação entre a oralidade e a escrita. Embora esta seja uma idéia bastante óbvia para o adulto alfabetizado, ela não é um consenso entre as crianças pequenas, que costumam buscar na palavra escrita algum indício do objeto. O entendimento de que o simbolismo das letras independe do objeto resulta na descoberta de que a escrita é o "desenho" das palavras, isto é, da sua estrutura sonora.

Entretanto os PCNS colocam que cabe à escola ensinar o aluno a utilizar a linguagem oral no planejamento e realização de apresentações públicas: realização de entrevistas, debates, seminários, apresentações teatrais. Trata-se de propor situações didáticas nas quais essas atividades façam sentido de fato, pois é descabido treinar um nível mais formal da fala, tomando como mais apropriado para todas as situações. A aprendizagem de procedimentos apropriados de fala e de escuta, em contextos públicos, dificilmente ocorrerá se a escola não tomar para si a tarefa de promovê-la.

Ainda que vinculada à oralidade, a escrita tem a sua própria história, cujo seu desenvolvimento é dado, pela percepção de que fala e escrita são sistemas relativamente autônomos, com características próprias, servindo a diferentes propósitos. A escola necessita de elementos que façam cumprir este ideal. Sendo assim, pode contar a principal função da literatura infantil, refletindo sobre a realidade, desmontando-a e remontando-a na busca de formação de opiniões críticas que questionem a situação real em que se vive.

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

                                                                         

A literatura infantil permeia todo o processo de construção da leitura, portanto, sua importância dentro da escola é indiscutível. Contudo, vale lembrar que o trabalho não se limita a ler histórias, é preciso preocupar-se com a qualidade da leitura, adequada à faixa etária e, sobre tudo, estimular os alunos para o momento da leitura em sala. Sabemos que existem produções de qualidade para crianças, dando muitas possibilidades de desenvolver um bom trabalho. Nesse contexto, percebe-se quanto os alunos podem aprender vivenciando as histórias infantis ou refletindo sobre elas.

 

 

REFERÊNCIAS

 

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Língua portuguesa: 3º e 4º Ciclos do Ensino Fundamental. MEC/SEF, 1998.

ANTUNES IRANDÉ. Aula de Português. 2ªed. Contexto 2002.

RUBEM ALVES. Gaiolas ou Asas- A arte do vôo ou a busca da alegria de aprender. Porto, edições Asa, 2004.