A ORALIDADE E A ESCRITA NA SALA DE AULA NA LITERATURA INFANTIL

Publicado em: 19/05/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 8,598 |

 

INTRODUÇÃO

 

 

O trabalho de pesquisa e elaboração das práticas com a literatura infantil em sala de aula é de suma importância, pois, inicia o homem no mundo literário e deve ser utilizada como instrumento para a sensibilização da consciência, para a expansão da capacidade e interesse de analisar o mundo.

É no encontro com qualquer forma de literatura que os homens têm a oportunidade de ampliar, transformar ou enriquecer sua própria experiência de vida. Nesse sentido, a literatura apresenta-se não só como veiculo de manifestação cultural, mas também, de ideologias. Até pouco tempo a literatura infantil era considerada como gênero secundário, era vista pelos adultos como uma forma de entretenimento. Como valorização da literatura infantil; como formadora de consciência dentro da vida cultural das sociedades é bem recente.

O caminho para a redescoberta literatura infantil, em nosso século foi aberto pela psicologia experimental, que revelando a inteligência como um elemento estruturador do universo, que cada indivíduo constrói dentro de si; chama a atenção para os diferentes estágios de seu desenvolvimento da infância à adolescência. Pois a sua importância é fundamental para a evolução da personalidade do futuro adulto.

A sucessão das frases evolutivas da inteligência ou estruturas mentais é constante e igual para todos. As idades correspondentes a cada uma delas podem mudar, dependendo da criança, ou do meio que ela vive.

 

 

1-FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

 

 

A literatura infantil, por iniciar o homem no mundo literário, deve ser utilizada como instrumento para a sensibilização da consciência, para a expansão da capacidade e interesse de analisar o mundo. Sendo fundamental mostrar que a literatura deve ser encarada, sempre de modo global e complexo em sua ambigüidade e pluralidade.

Para Rubem Alves (2004)

 "A leitura e a escrita começa quando a criança fica fascinada com as coisas maravilhosas que moram dentro do livro. Pois não são as letras, as silabas e as palavras que fascinam. É a história. A aprendizagem da leitura começa antes da aprendizagem das letras: quando alguém lê e a criança escuta com prazer. Acho que as escolas só terão realizado a sua missão se forem capazes de desenvolver nos alunos o prazer da leitura. O prazer da leitura é o pressuposto de tudo o mais. Quem gosta de ler tem nas mãos as chaves do mundo".

 

Entretanto, o autor destaca que a leitura vem a ser uma forma de onde poderemos aprender a compreender as coisas que nos rodeiam. Sendo que com a leitura podemos ir longe.

 

 

2-AS DIFICULDADES DOS ALUNOS EM APRENDER

 

 

As principais dificuldades dos alunos esta voltada para a escrita e a oralidade, ou seja, a obstinação com que os educadores se fixam na escrita, para resolver as questões relativas à alfabetização. É um erro estratégico para o processo, que pode ter efeito contrário sobre os alunos, principalmente entre aqueles que provêm de ambientes pouco afeitos à leitura. Quem defende a tese é Claudemir Belintane, professor de Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa da Faculdade de Educação da USP.

O instrumental oral tem muita relação com os livros. Tem a contação de história em voz alta. A professora pode contar uma história de diversas maneiras. Pode começar contando as partes mais interessantes, voltar a ler, parar de ler, voltar a contar. Pode dividir a história em partes para que os alunos as percebam. Cada um narra um pedaço. No caso dos três porquinhos, por exemplo, cada um pode narrar a chegada do lobo a uma casa. É importante ter essa idéia de coerência e progressão do texto. Boa parte das crianças que chega à escola com 5 ou 6 anos faz uma narrativa simples e salta direto para seu motivo principal: o lobo já vai assoprar a terceira casa sem ter passado pelas outras. O repertório é muito pequeno, inclusive dos professores. Parece restrito aos textos mais conhecidos e que os alunos aprendem não pela oralidade, mas pelo cinema, pelos DVDs, como "A Branca de Neve", "A Cinderela". É o mundo Disney.

Trabalhar com a literatura infantil na escola é abrir as cortinas do mundo para uma platéia de seres que buscam a construção do ser como sujeitos de uma sociedade. Cabe ao professor deixá-los sedentos de descobertas. Através da leitura como ação haverá a reflexão, e por fim a aprendizagem. A literatura infantil fará com que essa aprendizagem sirva para a constituição de sujeitos que simplesmente não pertençam a uma sociedade, porém, a questiona e a transforma.

Antunes Irandé (2002) tem "como ponto de sustentação mais ampla, o princípio de que é o aluno o sujeito da aprendizagem que acontece, ou seja, é ele quem realiza, na interação com o objeto da aprendizagem, a atividade estruturadora da qual resulta o conhecimento".

Através do aluno se realiza a aprendizagem, ou seja, o aluno e o ponto de partida, o professor tem como objetivo incentivar o aluno para que esse possa ampliar o seu conhecimento para progredir no processo educacional. Sendo voltada para a leitura, com o intuito de provocar o interesse nos mesmos, para que eles possam buscar em livros novas descobertas. 

 

 

2.1-A ESCRITA E A ORALIDADE DA CRIANÇA

 

 

A compreensão da escrita como um sistema de representação da fala pressupõe uma dupla consciência, conforme COLELLO (1995).
Em um primeiro momento, o indivíduo deve perceber a estreita relação entre a oralidade e a escrita. Embora esta seja uma idéia bastante óbvia para o adulto alfabetizado, ela não é um consenso entre as crianças pequenas, que costumam buscar na palavra escrita algum indício do objeto. O entendimento de que o simbolismo das letras independe do objeto resulta na descoberta de que a escrita é o "desenho" das palavras, isto é, da sua estrutura sonora.

Entretanto os PCNS colocam que cabe à escola ensinar o aluno a utilizar a linguagem oral no planejamento e realização de apresentações públicas: realização de entrevistas, debates, seminários, apresentações teatrais. Trata-se de propor situações didáticas nas quais essas atividades façam sentido de fato, pois é descabido treinar um nível mais formal da fala, tomando como mais apropriado para todas as situações. A aprendizagem de procedimentos apropriados de fala e de escuta, em contextos públicos, dificilmente ocorrerá se a escola não tomar para si a tarefa de promovê-la.

Ainda que vinculada à oralidade, a escrita tem a sua própria história, cujo seu desenvolvimento é dado, pela percepção de que fala e escrita são sistemas relativamente autônomos, com características próprias, servindo a diferentes propósitos. A escola necessita de elementos que façam cumprir este ideal. Sendo assim, pode contar a principal função da literatura infantil, refletindo sobre a realidade, desmontando-a e remontando-a na busca de formação de opiniões críticas que questionem a situação real em que se vive.

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

                                                                         

A literatura infantil permeia todo o processo de construção da leitura, portanto, sua importância dentro da escola é indiscutível. Contudo, vale lembrar que o trabalho não se limita a ler histórias, é preciso preocupar-se com a qualidade da leitura, adequada à faixa etária e, sobre tudo, estimular os alunos para o momento da leitura em sala. Sabemos que existem produções de qualidade para crianças, dando muitas possibilidades de desenvolver um bom trabalho. Nesse contexto, percebe-se quanto os alunos podem aprender vivenciando as histórias infantis ou refletindo sobre elas.

 

 

REFERÊNCIAS

 

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Língua portuguesa: 3º e 4º Ciclos do Ensino Fundamental. MEC/SEF, 1998.

ANTUNES IRANDÉ. Aula de Português. 2ªed. Contexto 2002.

RUBEM ALVES. Gaiolas ou Asas- A arte do vôo ou a busca da alegria de aprender. Porto, edições Asa, 2004.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 5 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/a-oralidade-e-a-escrita-na-sala-de-aula-na-literatura-infantil-2408294.html

    Palavras-chave do artigo:

    literatura infantil escola professor crianca

    Comentar sobre o artigo

    A pesquisa faz uma abordagem autobiográfica, aplicando a literatura infantil na sala de aula. Fundamenta-se em autores como Marisa Lajolo, Lígai Cadermatori e Regina Zilberman. O livro infantil na sala de aula proporciona à criança a educação, o desenvolvimento da imaginação, o incentivo á leitura de forma prazeirosa e a construção da sua identidade.

    Por: Geraldo Francisco dos Santosl Educação> Educação Infantill 22/04/2011 lAcessos: 9,858
    ELMA DOURADO NERY

    Este artigo emerge da necessidade em entender o desenvolvimento infantil partindo da contribuição dos estudos de Vygotsky, que são subsídios fundamentais para o professor que deseja estimular o conhecimento da criança, através do processo da interação sócio-histórica vygotskyana, estabelecendo uma relação dialógica com o aluno, com sua cultura e com sua realidade. Trabalhando a contação de história como elemento facilitador para uma instigação de sentidos que auxilie no desenvolvimento emocional

    Por: ELMA DOURADO NERYl Educação> Educação Infantill 23/05/2012 lAcessos: 3,729

    Este artigo realiza uma reflexão sobre a literatura infantil, focando sua análise na questão da função da mesma. Faz um rápido levantamento diacrônico, após abordar o problema conceitual e conclui que a literatura infantil ideal tem como função específica ajudar no despertar crítico dos futuros leitores adultos. Convida você para uma viagem ao universo da literatura infanto-juvenil.

    Por: Darci Martinsl Educação> Educação Infantill 01/06/2012 lAcessos: 1,937

    O presente artigo tem como objetivo reconhecer a importância da literatura infantil e incentivar a formação do hábito de leitura na idade em que todos os hábitos se formam, isto é, na infância, é o que este artigo vem propor. Neste sentido, a literatura infantil é um caminho que leva a criança a desenvolver a imaginação, emoções e sentimentos de forma prazerosa e significativa

    Por: Sandra Maria dos Reis Bernardol Educação> Educação Infantill 31/10/2012 lAcessos: 409
    Paulo marcos Ferreira Andrade

    Tal qual o brincar, a literatura infantil é essencial às crianças pois além de ser uma ótima ferramenta pedagógica também constitui um forte auxílio na boa formação infantil, nas esferas emocional, intelectiva e social. Quanto mais cedo a criança tem contato com a literatura infantil mais rico e produtivo será o seu aprendizado, posto que este dependa daquele para que tenha um resultado salutar.

    Por: Paulo marcos Ferreira Andradel Educaçãol 21/09/2011 lAcessos: 410
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    O artigo analisa documentos que abordam o tema literatura infantil. Os autores consultados se complementam através de suas teorias sobre a visão da criança no mundo da literatura infantil com enfoque nos contos de fadas, foi realizada a análise de contos de fadas de escritores que retomam os contos "Os sapatos vermelhos" de Andersen e "Cinderela" dos escritores e irmãos Grimm. Desta maneira, pode-se afirmar que o mito, a fantasia, o inusitado fazem parte da formação da pessoa humana.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 26/05/2011 lAcessos: 5,297

    O texto discute a oportunidade do professor trabalhar questões étnico-raciais, logo nos primeiros ingressos da criança ao cenário escolar, tendo como conteúdo norteador para essa prática a forma excludente como o negro é apresentado na literatura infantil, sob uma iniciativa respaldada pelo advento da Lei Nº 10.639/03 - MEC, ao instituir a obrigatoriedade do ensino da cultura e história da África na educação básica.

    Por: Lídia S. Cruz Ribeirol Educaçãol 03/05/2009 lAcessos: 1,593 lComentário: 1
    Ana Maricélia de Oliveira

    O presente trabalho se constitui no estudo do tema O poder da Literatura Infantil na formação de leitores mirins. Teve como fundamentação teórica vários autores como: Alves, Villardi, Zilberman e outros. O mesmo tem como objetivo fundamental apresentar a importância que as obras literárias infantis tem na vida dos futuros leitores. Assim como, mostrar a função que a escola e o educador desempenham, enquanto peças fundamentais na formação de crianças leitoras.

    Por: Ana Maricélia de Oliveiral Educaçãol 02/04/2013 lAcessos: 205
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Ao ingressar na escola, a criança adquire novas experiências, novos valores, que irão enriquecer o aprendizado já estabelecido e trazido do seu convívio familiar, ou seja, do seu mundo. Já que, cada criança é um ser único com sua bagagem pessoal de vivências.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 15/02/2010 lAcessos: 5,239 lComentário: 3
    Erineia nascimento da Silva

    O aluno especial tem algumas necessidade de auto realização igual aos demais alunos, assim como ele precisa ter sua autoestima valorizada para contribuir na definição de suas habilidades intelectuais, a interação social com a comunidade escola lhe dará segurança, o apoio dos pais e fundamental nesse processo.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 11/09/2014
    Erineia nascimento da Silva

    Cérebro é o órgão onde se forma a cognição, o órgão mais organizado do corpo humano. Portando a cognição pode emergir no cérebro e nele acontece dinâmicas evolutivas que permitem ao ser humano revelar-se como um ser auto-eco-organizador, para isso e necessário o envolvimento das funções bio-psico-sociais ou bioantropologicas.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 08/09/2014
    Formacerta.pt

    Este artigo informa sobre o curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores, uma formação frequentemente procurada (e essencial) por indivíduos que querem entrar no mercado de formação profissional.

    Por: Formacerta.ptl Educaçãol 08/09/2014

    O presente texto aborda sobre Saúde em Educação, como incentivo entre desenvolvimento social, psicológico, cultural e saúde educacional. Pois o artigo preocupa-se e questiona-se sobre a formação de crianças e adolescentes e a saúde pública escolar.

    Por: Reginaldo Posol Educaçãol 07/09/2014

    O presente texto possui uma abordagem reflexiva simples e ao mesmo tempo um foco informativo sobre as três áreas de "ciências" Psicopedagogia, Psicologia Transpessoal e Educação, numa prespectiva relacionada á Educação de maneira prática e explicativa.

    Por: Reginaldo Posol Educaçãol 07/09/2014

    O objetivo deste estudo foi verificar como a mídia influencia o desenvolvimento moral da criança, quando da sua exposição nos meios de comunicação a partir de uma denúncia não verídica de violência sexual em uma escola infantil do município de Vila Velha, Espírito Santo. Trata de um estudo descritivo, desenvolvido na Unidade Municipal de Educação Infantil "José Silvério Machado", Jardim Marilândia, Vila Velha, ES. Participaram do estudo 10 professores.

    Por: ADRIANA CHAGAS MEIRELES ZURLOl Educaçãol 28/08/2014 lAcessos: 12

    O objetivo deste estudo foi contribuir para o entendimento de quais são os fatores que determinam o sucesso escolar de alunos dos meios populares, por meio da percepção dos educadores. Trata de um estudo descritivo, quantitativo e qualitativo. O instrumento de coleta dos dados foi um questionário estruturado com perguntas objetivas e subjetivas As perguntas objetivas se relacionam a identidade dos professores e vivência no ambiente escolar. As subjetivas buscam conhecer quais os fatores que poss

    Por: SANDRA MARIA TEIXEIRA GRADIMl Educaçãol 28/08/2014

    O objetivo deste artigo é relatar a experiência de participação no projeto de psicologia escolar, denominado Mundo Imaginário, que ocorreu entre maio e junho de 2013. A proposta de intervenção em Psicologia Escolar/Educacional envolveu basicamente a aplicação de atividades para as crianças que fazem parte do preparatório para o primeiro ano do ensino fundamental, em uma escola filantrópica de Teresina-Pi, a partir de demandas relatadas e observadas pelos professores de tais turmas.

    Por: Daniel Soaresl Educaçãol 26/08/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast