A Revolução Na Educação Brasileira

Publicado em: 19/03/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 1,146 |

A sala estava quase lotada. Era dia de reunião pedagógica no Centro do Saber, uma instituição pública que fica na cidade de Nova Aliança.

O diretor anuncia a pauta central e o tema que irá focalizar: "como podemos melhorar o ensino que oferecemos". A linha de ensino adotada pelos professores, com exceção de Pedro Paulo, é sustentada na teoria tradicionalista.

É dado início à reunião e o Sr. Diretor vai logo cobrando resultados. Ele afirma que tem recebido muitas críticas dos pais em relação ao baixo rendimento apresentado pelos alunos. Ao que imediatamente é rebatido pelo professor Jonas que considera esse fato devido à falta de interesse. Logo, imediatamente, recebe o apoio dos demais colegas, menos o Pedro Paulo que preferiu não se manifestar.

A reunião prossegue, quando alguém a interrompe. É exatamente o pai de um aluno que, insatisfeito, quer saber por que o Joãozinho fora reprovado. Mais uma vez quem toma a palavra é o professor Jonas que taxativamente diz para o pai que ele não conhece o filho que tem. A discussão continua, mas ambos não chegaram a uma conclusão do baixo rendimento do aluno em evidência. O pai se retira mais insatisfeito ainda, e a reunião tem prosseguimento.

Em seu canto, sempre em silêncio, está o Pedro Paulo. Quem é essa figura tão simplória? Pedro Paulo é o professor mais novo na escola. Ele tem apenas três anos de conclusão de curso e menos de um ano no Centro do Saber. Ele é professor de língua portuguesa. Veio do interior de Pernambuco.

Pedro Paulo é inteligente, mas um tanto quanto pacato. Sua simplicidade o faz, às vezes, tímido. Os colegas, mais "experientes" e antigos, não o consideram muito. Por conseguinte, ele tem muita dificuldade de relacionamento e de execução de seu trabalho. Muito embora já tenha percebido que algo anda errado com o ensino naquela escola.

O tempo segue e as coisas na escola continuam do mesmo jeito. São as mesmas estratégias pedagógicas ano após ano. Em conversa discreta com um colega de mais tempo na escola, o professor Pedro Paulo toma conhecimento que há pelo menos sete anos as práticas pedagógicas são as mesmas no Centro do Saber. Em contato também com alguns alunos, ele percebe que muitos estão mal acostumados a seguir estritamente as orientações dos "mestres", quando seguem, se é que seguem realmente.

Diante dessa angustia que vai tomando conta desse simples professor, resolutamente decide que precisa fazer alguma coisa.

Certo dia, em uma coordenação pedagógica ordinária, resolve falar. Seu pronunciamento parte do ponto de que essas práticas de ensino adotadas são a causa do baixo rendimento dos alunos. Mas logo é interpelado, desta vez não pelo professor Jonas, mas pela professora Matilde da Glória, que ironicamente o taxa de ridículo tudo isso que o professor Pedro Paulo estar a defender (ele falava exatamente de trocar o estilo tradicional de ensino para a aprendizagem significativa).

Mas que é isso, professor Pedro Paulo, o senhor é apenas alguém com experiência mínima no ensino. Isso é fruto de um imaginário sonhador que não conhece a realidade de nossa escola. Nós há muito tempo que estamos fazendo assim e tem dado certo. Se alguns alunos reprovam é porque não estão interessados. Desta vez foi o Jonas que bradou.

Reuniões e mais reuniões iam acontecendo e sempre o professor Pedro Paulo era combatido em suas ideias de mudança. Cansado disso, decidiu que deixaria aquela escola. Era uma decisão muito séria a que estaria para tomar, mas era preciso. Não podia mais esperar.

Decisão tomada, decisão cumprida. No dia 22 de dezembro de 2000, o professor Pedro Paulo pela última vez leciona naquela escola. Ele finalmente parte em busca de novas propostas de ensino.

Agora, desempregado, mas sonhador, nosso ilustre personagem parte para desenvolver uma acurada pesquisa sobre educação. Dia a dia ele em seu micro navegava pelos mais diversos sites que falassem de educação. Após muita dedicação em sua pesquisa, ele percebe que o ensino a distância tem crescido assustadoramente. São muitas as escolas, em todo o mundo, que estão oferecendo essa modalidade de ensino online. No Brasil há também. Mas comparado a outros grandes centros internacionais, somos muito modestos.

Ele então tem um verdadeiro Insight. Percebe claramente que essa nova modalidade de ensino irá dominar todo o mercado educacional em pouco tempo. Animado pela sua descoberta

Animado pela sua descoberta, continua visitando vários portais para melhor entender esse sistema de ensino. Em determinado site que visita,  percebe que há uma boa procura pelos cursos. Noutro, há uma boa diversidade de cursos oferecidos. Tudo isso o deixa simplesmente fascinado.

Passam-se aproximadamente seis meses desde o dia em que o Pedro Paulo deixara o Centro do Saber e cinco meses e vinte dias de sua pesquisa sobre educação. Após todo esse tempo, estudando acirradamente, muito ele aprendeu. Conheceu muitas tecnologias informatizadas para proporcionar um ensino mais eficiente e prazeroso. Dentre as suas muitas descobertas, ele percebeu que é possível tornar uma sala virtual muito próxima da realidade de uma sala tradicional, presencial, e que a tecnologia informatizada muito teria a contribuir em suas aulas presenciais. Isso lhe valeu o seu primeiro emprego depois que deixou a antiga escola.

Ele agora estava lecionando em uma escola que atuava nas duas modalidades de ensino: 70% presencial e 30% virtual. Estava gostando da nova casa, mas após 3 anos, fora demetido.

A partir daí enfrentou muitas dificuldades. Talvez porque agora estava muito dividido entre o ensino presencial e virtual. Sempre otimista, buscava uma nova colocação.

Certo dia, tomou conhecimento de que uma escola internacional estava ministrando um curso completo para EAD (educação a distância), mas como pré-requisito, tinha de saber inglês fluentemente. Perdera a vaga, pois sabia apenas parcialmente. No entanto, não desistiu. Matriculou-se em uma escola de inglês virtual. Fora sua primeira experiência como aluno em um curso totalmente online. Ao ingressar no curso, muitos o taxaram de louco. Não irá aprender nada, disseram. Ledo engano. Ele aprendeu, e muito bem. Tanto é verdade que fora convidado por uma empresa internacional para um estágio remunerado por um período de um ano.

Terminado o estágio e agora com um certificado reconhecido internacionalmente. Partiu para novos desafios. Ele agora não era apenas um  professor sem experiência, como o taxavam seus antigos colegas do Centro do Saber. Na bagagem profissional nada mais que: graduação em Letras - Habilitação Português/Inglês, pós-graduação em Linguistica Aplicada e Docência do Ensino Superior, Curso de Inglês intensivo oferecido pela Escola Novos Tempos, sediada no Brasil e Estados Unidos, experiência de ensino no Brasil e Estados Unidos, com passagem temporária também pelo Canadá e Nova Zelândia.

Depois de idas e vindas, altos e baixos, o professor Pedro Paulo é convidado por uma escola nos Estados Unidos para cursar gratuitamente o doutorado em Ciências da Educação, uma indicação de seu antigo diretor e amigo da Escola Novos Tempos.

No curso de doutorado, novas amizades, novas descobertas. A convite de um colega de curso, formam uma parceria para uma nova empreitada. A criação do primeiro Centro Internacional de Educação a Distância - CIEA - dentre os cursos oferecidos está o de Psicologia Aplicada a Educação. Após quase dez anos nos Estados Unidos, agora doutor em educação e empresário renomado decide voltar ao Brasil e visitar a antiga escola Centro do Saber. Para isso, recebe todo incentivo e apoio de seus colegas do CIEA.

De volta ao Brasil, o professor Pedro Paulo, assim gostava que o chamassem,  faz uma visita ao Centro do Saber. A sala de reunião é a mesma. Tudo no mesmo lugar, uma poucas mudanças no quadro de pessoal.

Ansioso para contar tudo o que descobrira, procura o professor Jonas e a professora Matilde da Glória. Fala-lhes das muitas descobertas e que estaria disposto a ajudá-los. Aproveitando a ocasião da reunião naquele dia fala a um número aproximadamente de 22 professores. Que decepção! Eles não deram crédito ao doutor Pedro Paulo. Na verdade, riram-se dele. Não valorizaram todo seu aprendizado.

Ainda desejoso de ajudar, resolve procurar o diretor. Este convoca reunião com todos os professores para a próxima quarta-feira em que permitiria que Pedro Paulo fizesse uma exposição de motivos.

Desta vez, mais eufórico e enfático. O doutor Pedro Paulo faz uma exposição bem ordenada de tudo que descobrira e das novas possibilidades para o ensino. Em sua fala ele deixa bem claro que a educação virtual, em pouco tempo, dominará o mercado educacional e quem não estiver preparado, simplesmente deixará de ensinar, perderá definitivamente o seu espaço.

Gargalhadas sonoras ecoam por toda a sala. Parece até um  côro musical ensaiado para aquela ocasião. Outra grande decepção sofrera o humilde professor Pedro Paulo, que jamais ostentou o título de doutor.

Em seguida, o diretor o rejeita e o critica. Isso é coisa dos Estados Unidos. No Brasil, jamais a educação presencial deixará de existir. Sempre foi assim. Por que razão haveria de mudar. Faça-nos o favor, professor Pedro Paulo, de não mais nos ocupar com essas teorias tolas. Por favor, deixe-nos em paz. Você não serve para trabalhar conosco.

Com o coração dolorido por não poder ajudar aos seus antigos colegas de profissão, o doutor Pedro Paulo volta em definitivo para os Estados Unidos onde retoma suas atividades no CIEA. Desta vez, é recebido com bastante cortesia.

O tempo passa e a cada ano o CIEA vai ganhando mais espaço no cenário mundial, ou melhor, virtual. Em quase toda parte do mundo se ouve falar no CIEA. O doutor Pedro Paulo torna-se conferencista internacional e diretor-presidente do CIEA, sendo constantemente convidado para ministrar palestras em praticamente todas as grandes metrópoles internacionais.

No Brasil, o governo começa a aderir ao sistema de ensino virtual. Muitas escolas particulares já disponibilizam cursos cem por cento online. Novas tecnologias de informatização são implantadas. A cada dia o número de computadores interligados à grande rede virtual aumenta. O Intercâmbio entre escolas de diferentes nacionalidades cresce a passos gigantescos. A língua portuguesa, devido ao avanço da tecnologia informatizada no Brasil, passa a ser o primeiro idioma mais falado no mundo. Praticamente, em todo parte tem alguem que domina o nosso idioma. Cursos em Língua Portuguesa são oferecidos a todo o mundo. A formação de professores passa a ser a grande preocupação e investimento do governo brasileiro. Ser professor no Brasil, representa agora status internacional. O menor salário pago a um professor, no Brasil, ultrapassa a cifra de 50 mil reais. O professor passa a ter tratamento com honraria.

Estes são os novos tempos. Ano de 2030 em que a tecnologia de informação propagou o Brasil aos quatro cantos do mundo. Somos referência mundial em educação e informatização. Somos um país que impõe respeito lá fora e orgulho de nossa gente.

O CIEA - Centro Internacional de Educação a Distância tem sua sede transferida para o Brasil. Seu diretor-presidente continua sendo o doutor Pedro Paulo. Sua força de vontade, seu dinamismo, e, principalmente, seu amor ao semelhante o tornaram um líder de referência internacional. Convidado a ser Ministro de Educação do Brasil, assim o respondeu: "Em nosso país temos gente nova muito mais capaz que eu, demos, portanto, preferência a esses novos talentos".

Ah! Você quer saber o que aconteceu ao Centro do Saber? Como fora previsto pelo doutor Pedro Paulo, deixou de existir. Em seu lugar fora criado um museu que retrata a história de um povo que não estava preparado para as mudanças. O guardião desse museu é o antigo professor Jonas. A servidora de limpeza é..., sim, a ex-professora  Matilde da Glória. Quanto ao senhor diretor, dizem que ele mora de favor em um asilo para velhos. Ainda está lúcido, mas muito deprimido, acreditando que o antigo sistema de ensino vai voltar.

----------------------------------------------------------------------

Rivaldo Neri

Graduado em Letras, radialista e professor da Secretaria de Educação do Distrito Federal, desde 2002.

Contato:

Sites:

www.rncursos.com

e-mails:

rivaldoneri@ig.com.br

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/a-revolucao-na-educacao-brasileira-825177.html

    Palavras-chave do artigo:

    ensino

    ,

    escola

    ,

    mudanca

    Comentar sobre o artigo

    O presente trabalho possui seu desenvolvimento baseado em pesquisas bibliográficas, acerca das dificuldades de acesso dos estudantes a formação profissional, pois os estes após o término do ensino médio devem escolher em relação a sua formação profissional, chega o momento de escolher pelo ensino técnico profissional de nível médio ou pela formação acadêmica, este trabalho se baseia em confrontar essas duas realidades.

    Por: HEBISONl Educaçãol 02/06/2011 lAcessos: 916

    O presente artigo tem por objetivo abordar algumas questões sobre a EAD, sua criação, autorização, credenciamento e suas contribuições para a formação docente e profissional, através das novas tecnologias de ensino.

    Por: marcelo donizete da silval Educação> Educação Onlinel 14/09/2009 lAcessos: 14,895 lComentário: 4

    Trata-se de um estudo de caso onde os alunos buscavam informações na internet como referenciais bibliográficos na construção coletiva de conhecimento. O sujeito da pesquisa foi os educandos de uma turma da 8ª série do ensino fundamental numa escola da rede pública estadual que já vivenciam o uso do computador no seu cotidiano. Percebe-se que durante a pesquisa a função mediadora do professor foi fundamental na busca da leitura crítica dos referenciais disponíveis nos sites.

    Por: Neivaldo Oliveiral Educaçãol 16/03/2008 lAcessos: 3,474
    Fábia Utsch

    A inclusão de surdos em escola regular é um assunto muito complexo, onde a situação deve ser pensada como um todo, a partir da realidade de cada local. Para conseguir analisar a situação amplamente, necessita-se conhecer melhor sobre o surdo, sua situação cotidiana de inclusão/exclusão na sociedade como um todo, discutir práticas e teorias partindo de uma questão sociocultural (não apenas audiológica), onde o surdo é um sujeito que possui uma língua natural, a Língua de Sinais.

    Por: Fábia Utschl Educação> Educação Infantill 28/09/2011 lAcessos: 319 lComentário: 3
    Leocádia Karache

    O presente trabalho surgiu da preocupação com o repensar do processo educacional, voltado ao ensino da matemática, onde através de recursos ministrados na aula, pode-se ter alunos ativos e participantes, para isso é preciso que haja mudanças na preparação do processo ensino-aprendizagem desses alunos. Partindo desse princípio, este trabalho tem como objetivo investigar a etnomatemática como recurso na disciplina de matemática.

    Por: Leocádia Karachel Educação> Educação Infantill 03/11/2014 lAcessos: 66
    NAYANE CARRIJO DE OLIVEIRA

    A evasão escolar tem sido um lema intensamente debatido, principalmente com relação ao ensino fundamental. O texto se propõe a discutir as questões relativas a evasão escolar no ensino superior, considerando as variáveis internas e externas ao fenômeno. Ao considerarmos os diferentes aspectos da evasão escolar em todos os níveis de ensino, especialmente no ensino superior apontamos, ao final, alguns dos aspectos mais relevantes do fenômeno. A evasão escolar é um problema muito grave desde a

    Por: NAYANE CARRIJO DE OLIVEIRAl Educação> Ensino Superiorl 19/11/2013 lAcessos: 161

    O artigo fala sobre como a tecnologia pode automatizar o ensino, abordando fatores positivos e negativos desta transição. E a importância de uma metodologia á ser criada durante este processo tanto pelos implementadores como para os usuários.

    Por: Rafael Junqueiral Educação> Educação Onlinel 01/07/2008 lAcessos: 1,841

    Após tantas mudanças na área da educação, mudanças no currículo escolar, cursos mortos, novas atribuições... Onde isso nos levará?

    Por: Carmen Lu Mirandal Educaçãol 20/10/2009 lAcessos: 556

    O presente trabalho visa abordar a importância da Interação entre Escola e Família no Processo Pedagógico para uma educação de qualidade, sobre as atuações dos profissionais em educação e o que eles tem feito para que ocorra essa interação e sobre sugestões para que ambas as partes, tanto a escola quanto a família, alcancem um objetivo em comum.

    Por: Arlete Luiza de Souzal Educação> Educação Infantill 02/11/2014 lAcessos: 51
    MARCOS ANTONIO DOS SANTOS LIMA

    O trabalho que aqui venho apresentar é parte de minhas investigações a respeito da importância da Informática no Ensino de História. Na pesquisa, que teve como um dos seus frutos meu estudo a respeito do Uso da Informática no Ensino de História, pude abordar e desvendar alguns caminhos apontados pelo referencial bibliográfico sobre a temática que abrangia. O mundo contemporâneo passa por um processo de grandes transformações provocadas pela informática e pela revolução nas telecomunicações.

    Por: MARCOS ANTONIO DOS SANTOS LIMAl Educação> Ensino Superiorl 08/12/2010 lAcessos: 2,161

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11

    Hoje desejo falar-lhe de algo diferente do que costumeiramente tenho apresentado neste site. Hoje quero falar-lhe de algo muito especial que tem acontecido comigo. Sinceramente viver esta experiência, sem sombras de dúvidas, tem sido a melhor coisa que me tem acontecido nesses quase 50 anos de existência.

    Por: Rivaldo Neril Religião & Esoterismo> Religiãol 17/12/2013 lAcessos: 38

    É comum associarmos a palavra político à corrupção. No Brasil, convencionou-se dizer que todo político é corrupto. Isso até pode ter fundo de verdade, a julgar pelas muitas informações que, a todo instante, nos chegam pelos jornais escrito e falado desse país. No entanto, em um país que já passa dos 200 milhões de habitantes não se pode pré-julgar um todo a partir de uma parte. É possível que eu esteja enganado, mas minha intenção é continuar esse texto mostrando positivamente que ser político p

    Por: Rivaldo Neril Educaçãol 12/01/2013 lAcessos: 37

    Certa vez um aluno perguntou ao seu professor por que ele era tão exigente em suas aulas. O professor fez um breve momento de reflexão, e, após uns poucos instantes, devolveu a pergunta ao aluno: Por que você é tão questionador em nossas aulas? Dessa vez, foi o aluno que fez uma pequena pausa para responder. Mas bem decidido, respondeu ao seu professor: Ah! Professor, talvez porque aprendi que uma pessoa que faz perguntas aprende mais.

    Por: Rivaldo Neril Educação> Educação Infantill 05/07/2012 lAcessos: 556

    Sem sombras de dúvidas, um dos maiores empecilho que emperra a escola pública brasileira é a falta de compromisso. Isso é visivelmente mostrado e todos temos consciência desse problema. Mas até quando vamos tratar a educação em nosso país com desdém?

    Por: Rivaldo Neril Educaçãol 22/03/2009 lAcessos: 356

    Comments on this article

    0
    Alexandre Vieira 05/05/2009
    Olá Rivaldo, meu nome é Alexandre Vieira, sou professor universitário na área de saúde no Estado de São Paulo, em especial em disciplinas direcionadas à Filosofia, Sociologia e História da Educação.
    No site artigonal na qual também faço parte como colaborador, li uma matéria sua e gostei muito, sendo a mesma fácil, de agradável leitura e linguagem acessível ao público.
    Estou com um projeto em andamento sobre educação. Se vc puder entrar em conato, ficarei grato,

    Att,

    Prof. Alexandre Vieira - vieira76@ig.com.br
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast