Aprendizagem Da Leitura E Da Escrita – A Relação Entre Escola E Mundo

Publicado em: 20/09/2009 |Comentário: 4 | Acessos: 5,968 |

A CONSTRUÇÃO DA APRENDIZAGEM

A aprendizagem da leitura e escrita não se realiza da mesma forma para todos os alunos. Como professores, tenho certeza de que vocês já tiveram este tipo de experiência.
Neste artigo quero compartilhar com vocês algumas idéias de fundo sobre certos fatores que podem ocasionar dificuldades na aprendizagem da leitura e escrita, muitas vezes ocasionadas pelo processo de ensino. O primeiro fator de dificuldade é o de não saber para o que serve a língua escrita e como ela funciona, ou seja qual é a real função social da escrita?

Algumas crianças chegam à escola com idéias bastante claras a esse respeito, sabem que são lidas coisas escritas e não desenhos. Que o título do livro já nos dá certa garantia do que vai conter no texto escrito. Mas, nem todas as nossas crianças pensam dessa forma e agem assim. Para muitas crianças, a escrita ou o desenho simplesmente são a mesma coisa, para essa criança o que importa é o desejo em produzir à escrita e dessa forma essa escrita pode ter qualquer tipo de caractere seja esse caractere letra, desenho ou até mesmo números, pois nesse momento da vida dessa criança para que algo esteja escrito é necessário o uso de símbolos.

Saber como funciona a linguagem escrita é um dos primeiros passos a ser percorrido pelo professor para que essa criança construa de forma significativa, dinâmica e prazerosa a base alfabética. Nosso sistema de escrita funciona segundo um princípio alfabético: a quantidade de letras de uma palavra corresponde, praticamente, ao número de sons que compõem a palavra. Entender o princípio alfabético não é o mesmo que conhecer os sons das letras. Para as crianças fica uma hipótese que “a cada segmento do falado, corresponde uma parte do escrito” por isso algumas crianças escrevem com menos letra que a palavra tem em sua forma convencional,

Algumas crianças chegam à escola com a compreensão do princípio alfabético. Outras pensam que o número de letras de uma palavra é igual ao número de sílabas de uma palavra, enquanto outras, sequer entenderam que as letras escritas tem relação com os sons das palavras. Devemos lembrar sempre que as crianças não chegam à escola com o mesmo nível de compreensão que deseja ler e escrever, cada criança vem de um ambiente diferente com culturas diferentes e com bagagens diferentes.

Como professores, nós  precisamos ter consciência de que os conhecimentos, para poderem ser ensinados, passam necessariamente por uma transformação em relação aos seus contextos de origem, porém, é muito importante evitar que nesta transformação percam seu significado, seu sentido original. Ao mesmo tempo em que se preserva o sentido do objeto do conhecimento é indispensável que se proteja o sentido deste saber do ponto de vista do sujeito que trata de reconstruir esse objeto, isto é: a criança. Por essa razão, a transposição didática deve implicar em fidelidade ao saber de origem assim como fidelidade às possibilidades do sujeito de atribuir um sentido a esse saber.

Deste modo diante de  um conhecimento complexo tendemos a delimitá-lo em conhecimentos parciais, porque partimos da suposição que a fragmentação facilita a compreensão. Mas, ao delimitá-los em fragmentos autônomos, provocamos sua descontextualização, porque na realidade os fragmentos que separamos fazem parte de um contexto real que a criança já tem e que na escola lhe é retirado ou ignorado. Assim, instauramos uma ruptura entre o modo de ensinar e o modo de aprender, pois a criança que aprende não se depara com a realidade se a mesma for sendo trabalhada um pedaço de cada vez. A criança busca o todo, o que está ao seu redor, algo real que faz parte do seu contexto. Dessa forma os saberes ficam divididos, para uma criança que freqüenta uma escola com saberes fragmentados separa esses saberes em os que se aprendem na escola e os que se aprendem fora dela. E dessa forma fica tentando entender como funciona, analisando os aspectos que seus esquemas cognoscitivos lhe permitem observar, tratando de encontrar e dar um sentido ao que está fazendo.

Como bem o demonstram as investigações de Ferreiro e Teberosky, assim como em outros âmbitos, no âmbito da língua escrita, a criança é um sujeito ativo que se depara com a realidade, construindo conhecimentos, criando teorias e hipóteses, comparando-as entre si e modificando-as.

 Analisando uma página de caderno de um aluno que recebe orientações de um ensino chamado de "tradicional", pode-se compreender facilmente quais são as idéias que estão dirigindo a proposta didática: uma letra, uma sílaba, uma palavra por vez, seguindo uma ordem de dificuldade crescente do ponto de vista do adulto. Não passam de exercícios de escrita, que têm como objetivo memorizar a relação grafema- fonema e a coordenação viso- motora.

As crianças, nesse caso, estão escrevendo fragmentos: letras, sílabas e palavras, mas não textos. Os textos são deixados para depois, para quando, o professor acredite que os alunos já tenham aprendido a "técnica instrumental" da escrita.
Entretanto, quando se observam alguns exemplos de escrita espontânea de crianças, por exemplo, na fase da educação infantil, nota-se que independentemente do modo de escrever, o que prevalece nelas é a construção de uma mensagem, escrita com clara intenção comunicativa e não a construção de fragmentos de escrita. Deste modo, ao invés de favorecer o processo de aprendizagem da escrita por meio do uso de "fragmentos", por achá-los mais simples para a criança,  na verdade, isso pode tornar-se um obstáculo. Existe uma ruptura entre o modo de ensinar a escrever com o modo com que as crianças se apropriam da escrita.

De acordo com Teberosky (2000) investigações recentes demonstraram que a aprendizagem da escrita não é uma tarefa simples para a criança, já que requer um processo complexo de construção, em que suas idéias  nem sempre coincidem com as dos adultos.
O ensino da escrita tem se baseado em certas pressuposições que à luz das investigações se deparam com o nosso sistema alfabético de escrita. É natural que a única dificuldade consiste em aprender as regras de correspondência entre fonema e grafema, e, partindo dessa suposição, para aprender a ler e a escrever é necessário ressaltar fundamentalmente o aspecto sonoro.

As investigações de Ferreiro (1996) demonstram que as idéias das crianças não coincidem com essa pressuposição. Até os 4 anos, elas tentam compreender que tipo de objeto são as letras e os números de nosso sistema de representação convencional. As grafias, segundo Ferreiro, são consideradas somente como "letras", "números", "a, e, i, o, u", etc. Para a criança desta faixa etária as "letras" ou os "números" não substituem nada, esses símbolos são aquilo que são, um objeto a mais que como outros no mundo possuem um nome.
Essa maneira de pensar muda mais tarde. As grafias servem para substituir outra coisa, passam a ser "objetos substitutos", que têm um significado, ainda que diferentes do nosso ponto de vista de adultos alfabetizados, pois para as crianças as grafias não representam sons.

 O primeiro tipo de relação consiste em buscar alguma correspondência entre os sinais gráficos e os objetos do mundo. Como os objetos tem nome, a relação se estabelece quando para um certo conjunto de letras se atribui o nome do objeto ou imagem que o acompanha.
Porém o nome ainda não é a representação de uma pauta sonora e sim uma propriedade dos objetos que podem ser representados através da escrita, a atribuição depende muito mais das correspondências que existem na relação com o objeto do que das propriedades daquilo que está escrito. Desta forma um mesmo conjunto de letras significa VACA perto da imagem de uma vaca, sem que se exclua que pode significar também outra coisa se estiver relacionado a outras imagens.
Chega o momento no processo evolutivo que as crianças estabelecem alguma hipótese entre os sons e as letras. Ferreiro e Teberosky afirmam em sua obra Psicogênese da Língua Escrita, que essa criança vive um momento onde pode ser analisado como nível pré-silábico.

A segunda  hipótese que aparece é que as letras representam sílabas. A hipótese silábica consiste em atribuir uma sílaba a uma letra, a qualquer delas e a correspondência é mais quantitativa que qualitativa. Para um nome trissílabo são necessárias apenas  três letras (quaisquer letra). Mas, no caso de nomes monossílabos ou dissílabos, uma ou duas  letras , respectivamente, são "poucas". Com poucas letras a criança imagina “que não dá para escrever nada” (menos de três) e assim, já cede espaço, a outra hipótese da criança que consiste em exigir uma quantidade mínima para que uma coisa sirva para "ler". A criança tem muitas idéias sobre a escrita sem que encontremos a tal naturalidade e simplicidade do sistema alfabético.

A próxima etapa se dá pelo fato de a idéia quantitativa continuar a mesma, mas a qualidade das letras já se aproxima do sistema convencional, pois as letras usadas pelas crianças ao produzirem suas escritas , já são parte da palavra original. Esse momento que em que a criança está vivendo recebe o nome de Hipótese silábica com valor sonoro convencional.

"A relação entre escrita e linguagem não é um dado inicial. A criança não parte dela, mas, chega a ela". Passa de uma correspondência lógica (uma letra para cada sílaba) para uma correspondência mais estável (não mais qualquer letra para qualquer sílaba).

Portanto, a idéia de que a escrita, tem um significado, está bastante distante da redução à uma simples associação entre fonemas e sons e não depende unicamente de uma representação dos fonemas.

Nas aprendizagens envolvidas no processo de alfabetização é necessário distinguir, como o faz Emilia Ferreiro:

  1. A aprendizagem de certas convenções fixas, exteriores ao sistema de escrita, como por exemplo: orientação, tipo de letra;
  2. A aprendizagem da forma de representação da linguagem que define o sistema alfabético;
  3. Aceitar como escrita o que é  escrito de formas não convencionais ao sistema;
  4. Conhecer o conjunto de "idéias prévias", "esquemas de conhecimentos" a partir dos quais intervir no processo de aprendizagem;
  5. Fazer uso de boas intervenções problematizadoras e de uma metodologia que permita às crianças saírem de suas teorias infantis e progressivamente construir as convenções sociais que lhes abrirão as portas do mundo letrado.

A aprendizagem da leitura e escrita não se realiza da mesma forma para todos os alunos. Como professores, eu tenho certeza de que já tiveram este tipo de experiência.
Neste artigo quero compartilhar com vocês algumas idéias de fundo sobre certos fatores que podem ocasionar dificuldades na aprendizagem da leitura e escrita, muitas vezes ocasionadas pelo processo de ensino.

BIBLIOGRAFIA

FERREIRO, Emília A escrita....antes da letra. In SINCLAIR, H. (org) A produção de notações na criança.SP: Autores Associados, 1990

 FERREIRO, Emília Cultura escrita e educação: conversas de Emília Ferreiro com José Antonio Castorina, Daniel Goldin e Rosa Maria Torres ,Porto Alegre : Artmed, 2001

 FERREIRO, Emília Reflexões sobre alfabetização. SP: Cortez, 1996

 TEBEROSKY Ana e CARDOSO, Beatriz (Orgs). Reflexões sobre o Ensino da Leitura e da Escrita. Petrópolis: Vozes, 2000

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/aprendizagem-da-leitura-e-da-escrita-a-relacao-entre-escola-e-mundo-1251276.html

    Palavras-chave do artigo:

    construcao da aprendizagem

    ,

    leitura e escrita

    Comentar sobre o artigo

    Socialização da criança, leitura e escrita diz respeito a interação social e aprendizagem. Esse trabalho teve como principal interesse mostrar e compreender a socialização e interação social de crianças. Explicando o processo de desenvolvimento social, além de mostrar que algumas atividades e fatores proporcionam uma melhoria no processo de leitura e escrita. Verificando, através de questionários e entrevistas, que fatores inatos e sociais interferem no aprendizado.

    Por: Natália Menezes Rosal Educação> Educação Infantill 04/10/2011 lAcessos: 682
    shirleidy de sousa freire

    A avaliação é parte importante do processo de ensino e aprendizagem. Na atualidade pode-se observar que várias escolas estão abrindo as portas para a avaliação diagnóstica, processual, formativa, ajudando na aprendizagem e no desenvolvimento dos alunos em sala de aula. Sabe-se que os estudos têm evidenciado que na historia da humanidade mostram que desde o momento em que a comunidade primitiva procurou relatar a seus semelhantes fatos que para eles eram importantes ou de alguma maneira uteis.

    Por: shirleidy de sousa freirel Educação> Ensino Superiorl 18/12/2012 lAcessos: 207

    A linguagem oral deve ser estimulada ao longo da vida escolar de várias formas, através de apresentações de trabalhos orais, recitação de poemas, na leitura de textos e discussões em grupo sobre determinados temas propostos pelo professor. Esse tipo de trabalho estimula a oralidade, fazendo com que o aluno se expresse sem compromisso, sendo o mais espontâneo possível, mas nunca se esquecendo de contextualizar a linguagem com a situação da fala.

    Por: Maria Zilda da Silva Barbosal Educação> Educação Infantill 20/07/2014 lAcessos: 167

    Este estudo originou-se de uma experiência docente proporcionada pelo GEEMPA (Grupo de Estudos sobre Educação, Metodologia de Pesquisa e Ação) que, em parceria com o Ministério da Educação (MEC), objetiva alfabetizar crianças consideradas "desafiadoras" por não estarem inseridas na norma adequada de idade para a alfabetização. Dada a importância da aprendizagem da leitura e escrita para a plena inserção social, constata-se como fundamental investigar e compreender as contribuições da Psicopedago

    Por: Rafaela Falcãol Educação> Educação Infantill 19/10/2011 lAcessos: 319
    Vilma, Magna , Samara

    Resumo O cenário educacional brasileiro sempre foi um caso a se refletir em especial se o que esta na teoria tão presente em nossas universidades também se encontra na prática. O objetivo do presente trabalho é refletir sobre o processo de alfabetização enfocando os aspectos da oralidade, da leitura e da escrita, baseando-se em uma observação realizada em uma escola da rede pública da cidade de Fortaleza. Buscamos apresentar concepções teóricas articulando-as com o trabalho realizado pela educadora de uma turma do 1º ano, refletindo sobre a importância e o papel que a família e a sociedade desempenham no processo de construção e desenvolvimento de uma aprendizagem significativa para a vida e para a sociedade.

    Por: Vilma, Magna , Samaral Educação> Línguasl 04/10/2009 lAcessos: 12,210 lComentário: 3

    Este artigo trata do ensino de leitura e escrita na Educação de Jovens e Adultos, considerando, a escola e a sociedade com suas implicações na educação. É realizada uma análise sobre a caracterização dos alunos da EJA, levando em consideração toda sua evolução histórica e suas modificações. O texto apresenta reflexões acerca do paradigma Freireano, e outros autores como: Pinto e Carneiro; onde foram levantadas questões sobre a necessidade de formação docente especifica para esta área da educação

    Por: FRANCISCO GOMES DE ALMEIDAl Educaçãol 10/03/2010 lAcessos: 8,922 lComentário: 2

    A leitura e a escrita são caminhos importantes que levam ao desenvolvimento do conhecimento, e por consequência, o progresso pessoal e profissional.

    Por: Lucivanda Mira Coêlhol Educação> Ensino Superiorl 20/01/2011 lAcessos: 9,202
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    Dissertou-se sobre algumas concepções pedagógicas da alfabetização, por acreditar que embora exista uma grande quantidade de professores, ainda falta uma demanda de alfabetizadores reais, que conheçam os princípios da alfabetização, os medos e conflitos que rodeiam os alfabetizandos, e assim, como, de forma clara e objetiva, sanar este problema. A escrita é outro dilema, pois embora acessível a todos, há um tabu entre o educando a escrita e a leitura.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 28/12/2012 lAcessos: 192
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    O artigo discute as dificuldades de aprendizagem sintetizando a dislexia como uma das principais causas. A caracterização da pesquisa se deu por meio de pesquisa bibliográfica sobre dificuldades de aprendizagem e dislexia, apresentando os distúrbios de e na leitura, escrita e articulação. Dissertando-se sobre a origem dos problemas relativos às dificuldades de aprendizagem na visão da psicanálise, apresentaram-se os problemas que interferem na alfabetização.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 22/05/2014 lAcessos: 109
    Arabela de Oliveira Santos

    RESUMO O presente artigo tem como proposta ser instrumento de reflexão sobre o uso da leitura e escrita e sua importância voltada para o contexto social despertando nos professores e alunos do Ensino Fundamental o hábito da leitura e escrita e sua relação com o mundo.

    Por: Arabela de Oliveira Santosl Educação> Línguasl 14/01/2011 lAcessos: 15,800
    Genilda Vieira Rodrigues

    Este artigo tem por objetivo apresentar estudos aprofundados sobre a educação inclusiva dando ênfase à questão envolvida no que se refere ao trabalho do professor com alunos portadores de deficiência. No decorrer da produção serão expostos conceitos de Educação Especial e Educação Inclusiva pontuando o saber fazer e o aprender diante das dificuldades encontradas em trabalhar com alunos portadores de necessidades especiais, ressaltando ainda mostrar alguns dos recursos e as estratégias utilizados

    Por: Genilda Vieira Rodriguesl Educaçãol 21/02/2015

    Propriedade vocabular é muito importante na hora de redigir o texto, uma vez que saber empregar as palavras mais adequadas no momento enriquece muito o conteúdo do texto e, além disso, torno-o mais clara e objetivo. Mesmo que o texto seja um mero exercício escolar, antes de construí-lo, pergunte-se: para quem escrevo? O tipo de receptor determina a forma de sua mensagem. Um panfleto dirigido a crianças precisa ter uma linguagem fácil, direta, sem rebuscamento.

    Por: Professor Leol Educaçãol 19/02/2015

    Quando se ouve falar em educação, pensamos em escola, em educação formal. E quando o assunto é família temos vários pensamentos. Educação e Família são dois temas bastante complexos, porque educação é muito mais que escolarização, letramento e formação, sendo que família é a instituição mais antiga da sociedade e sofre constantes transformações. Ambas tem a função de socializar e transformar o homem biológico em um ser social.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educaçãol 16/02/2015

    Propostas Pedagógica e a Participação da Família no Resultado. A progressão escola é um instrumento que pode mudar a realidade desses estudantes que estão fora da faixa etária escolar. Determinadas escolas contemplam dentro do seu projeto político pedagógico, o sistema de progressão. Para que funcione a progressão em uma escola é necessário que haja engajamento por parte dos docentes, dos estudantes e da família. É importante ressaltar, que a família também tem um papel fundamental...

    Por: Elonir dutra terral Educaçãol 13/02/2015

    Diante dos agravos causados pela violência doméstica, tais entraves se estendem também ao processo educacional da criança e adolescente. Por outro lado, esta situação nem sempre é conhecida pelos seus educadores no campo acadêmico, causando assim uma lacuna no campo da avaliação pedagógica que, muitas vezes, abrangem somente o campo intelectual. Este trabalho tem por objetivo fazer uma análise sobre os impactos da violência doméstica no processo ensino-aprendizagem.

    Por: Jiane Martins Soaresl Educaçãol 12/02/2015
    ÁUREA MARIA SOARES LIMA

    A educação é um direito humano substancial, e como tal, precisa ser garantido universalmente. As conquistas das mulheres brasileiras em relação á educação, vêm crescendo consideravelmente e com isso, reduzindo significativamente o analfabetismo. O número de mulheres no mercado de trabalho cresceu gradativamente e isso ocorreu devido à determinação para conquistar seu espaço, milímetro a milímetro, dentro e fora de casa, e especialmente do empenho em subir novos degraus de instrução.

    Por: ÁUREA MARIA SOARES LIMAl Educaçãol 10/02/2015 lAcessos: 11
    ÁUREA MARIA SOARES LIMA

    O direito de trabalhar, obter formação intelectual e de atuar no cenário político do País, nem sempre foi concedido às mulheres. As mulheres que queriam reverter esta situação, buscando conquistar funções que tradicionalmente não lhes cabiam, devido à sociedade patriarcal, eram ridicularizadas e até difamada. A luta das mulheres brasileiras pelo reconhecimento de seus direitos políticos e civis é secular; a emancipação feminina nas ultimas décadas do séc. XIX era vista pelos mais diversos setore

    Por: ÁUREA MARIA SOARES LIMAl Educaçãol 10/02/2015 lAcessos: 15
    Carlos Henrique Araújo

    Não haverá uma educação de qualidade se não houver uma reforma do ensino no país. Um pacto entre a sociedade e os seus representantes políticos em prol de uma verdadeira reforma do ensino nacional deveria ser estabelecido. Na minha percepção, a reforma do ensino é a mãe de todas as reformas.

    Por: Carlos Henrique Araújol Educaçãol 03/02/2015 lAcessos: 12
    Iara Silvia Arfelli Martins

    O trabalho tem como objetivo avaliar o comportamento dos alunos de curso técnico de Enfermagem, traçando um paralelo entre a inteligência e comportamento em sala de aula.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educação> Ensino Superiorl 13/08/2011 lAcessos: 360
    Iara Silvia Arfelli Martins

    O presente artigo abrangerá o tema sobre avaliação e o percurso que o professor deverá percorrer para atingir o seu objetivo pretendido. Pensando a Avaliação em forma de recurso e não de produto final. Devemos então compreender a prova como mais um dos instrumentos a serem utilizados no processo de avaliação e não como produto final ou determinante de conceitos.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educação> Ensino Superiorl 25/07/2011 lAcessos: 271 lComentário: 11
    Iara Silvia Arfelli Martins

    Este levantamento diz respeito às Inteligências múltiplas e a Neurolinguistica, abordando assim a visão de inteligência que aprecia os processos mentais e o potencial humano a partir do desempenho das pessoas, em diferentes campos do saber, não de maneira simplista, visto os mistérios da mente humana.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educação> Ensino Superiorl 04/07/2010 lAcessos: 1,109
    Iara Silvia Arfelli Martins

    Este estudo tem por objetivo mostrar através de revisão da literatura a visão sobre inteligência múltipla proposta por Dr. Howard Gardner. A teoria de Gardner capacita nós professores em diferentes modos de atuar. Com base nas teorias de Gardner conseguimos avaliar vários pontos das inteligências, não somente os dois pontos cobrados pela sociedade, que são a lingüística e a lógica.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educação> Ensino Superiorl 04/07/2010 lAcessos: 1,591
    Iara Silvia Arfelli Martins

    A temática educação tem extrema importância na sociedade atual, podemos observar muitos profissionais inclusive da área da saúde estão adentrando a área educacional cada vez mais tendo que relacionar a teórica com a prática, por encontrarmos problemas nessa questão, levamos essa reflexão para a teoria das inteligências múltiplas,ou seja, capacidades humanas diferenciadas.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educação> Ensino Superiorl 04/07/2010 lAcessos: 680
    Iara Silvia Arfelli Martins

    Para Gardner, inteligência é a capacidade para resolver problemas ou elaborar produtos que sejam valorizados em um ou mais ambientes culturais ou comunitários; que na verdade são talentos, capacidades e habilidades mentais, sendo chamadas de Inteligências Múltiplas. Este estudo, de revisão de literatura, teve por objetivo analisar separadamente sete teorias das inteligências múltiplas segundo Gardner.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educação> Ensino Superiorl 04/07/2010 lAcessos: 3,851
    Iara Silvia Arfelli Martins

    No inicio da década de 1980, Howard Gardner causou forte impacto na área educacional com a divulgação da sua teoria das inteligências múltiplas. Até então, o padrão mais aceito para a avaliação de inteligência eram os testes de QI (quociente de inteligência), criados nos primeiros anos do século 20 pelo psicólogo francês Alfred Binet (1857-1911). A inteligência na visão tradicional é conceituada como a capacidade de responder a testes de inteligência, o Q.I, que media, basicamente, a capacidade

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educaçãol 04/07/2010 lAcessos: 1,872 lComentário: 1
    Iara Silvia Arfelli Martins

    Esse texto fala sobre a construção do conheimento realizada pelo aluno, onde o professor deve fazer boas intervenções e deicar por conta do seu aluno o papel de construir a sua aprendizagem de forma prazerosa, sem impor a ele nenhum conceito pré estabelecido.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educaçãol 02/11/2009 lAcessos: 3,032 lComentário: 7

    Comments on this article

    1
    katia cilene berti 07/08/2010
    OLA IARA, OBRIGADA PELA SUA COLABORAÇÃO , FICO MUITO GRATA PELA SUAS DICAS VC É MARAVILHOSA. SEUS ARTIGOS DIVINOS BJS.
    0
    telma catanduva 15/12/2009
    Muito bom é assim que todas as professoras mediadoras facilitaria a vida de tantos alunos que ñ consegue se alfabetizar...o alicerce da vida está nos primeiros anos escolar ...essa tarefa de alfabetizar realmente é uma tarefa dificil mas muito gratificante...devemos nos professores nos reciclar....adorei
    0
    TATIANE DOS SANTOS CUSTÓDIO 14/12/2009
    PARABÉNS IARA PELO ARTIGO, É MUITO BOM LER SOBRE OS NÍVEIS DE HIPÓTESE! ASSIM PODEMOS FAZER DA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA UM PROCESSO PRAZEROSO! PARABÉNS!
    0
    Katia 24/09/2009
    Todo professor deveria ler esse artigo, para ensinar as criançaas de forma mais prazerosa, para não fazer as coitadinhas ficarem decorando as famílias(sílabas) como vejo por aí. Vou recomendar...
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast