As Duas Fridas (1939) - Frida Kahlo

Publicado em: 30/09/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 7,735 |

AS DUAS FRIDAS (1939)

FRIDA KAHLO

Edevânio Francisconi Arceno

Prof.ª Regina Küster Moraes

Curso de Pós-Graduação em História Cultural – AUPEX

História e Artes Visuais

16/09/09

http://1.bp.blogspot.com/_FZsBYyXgvEA/SiRLlhdsNyI/AAAAAAAAA9E/pyvUVT347w0/s400/Frida_AsDuasFridas.jpg

Las dos Fridas, 1939.  ( As duas Fridas )
Lienza em óleo 173,5 X 173 cm. ( Tira de pano = Tela em Óleo)

"pensavam que eu era uma surrealista, mas eu não era. Nunca pintei sonhos. Pintava a minha própria realidade[1]”. (Kahlo, Frida. O diário de Frida Kahlo: p. 287).

Filha do fotógrafo judeu-alemão Guillermo Kahlo e de Matilde Calderón e Gonzalez, uma mestiça mexicana, Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón nasceu no dia 6 de julho de 1907 em Coyoacán, na Cidade do México. Em 1914 sofre de poliomielite. Em 1922, na escola onde estuda, conhece Diego Rivera, que lá estivera pintando um mural. Em 1925 estuda pintura com o pintor comercial Fernando Fernández, amigo de seu pai. No mesmo ano, em 17 de setembro, ao retornar da escola sofre um acidente de trânsito no qual quebra a bacia e a coluna dorsal, além de graves ferimentos. Começa a pintar durante a convalescença. Em 1928 quando Frida Kahlo entra no Partido comunista mexicano, revê o muralista Diego Rivera, com quem se casa no ano seguinte. Entre 1930 e 1933 passa a maior parte do tempo em Nova Iorque e Detroit com Rivera. Entre 1937 e 1939 Leon Trotski vive em sua casa de Coyoacan. Frida sofre vários abortos, submetendo-se, ainda, a duas cirurgias: uma no pé e outra para retirar o apêndice. Ao longo da vida, a pintora será submetida a mais de 35 cirurgias, numa das quais teve amputada a perna direita. Depois de algumas tentativas de suicídio com facas e martelos, em 13 de julho de 1954, Frida Kahlo, que havia contraído uma forte pneumonia, foi encontrada morta.

A vida e obra de Frida Kahlo são impossíveis de resumir em um simples enredo. Uma Mulher à frente de seu tempo, que lutou contra a debilidade física de seu corpo e social do seu gênero. Afinal quem era Frida Kahlo? Um vulcão preste a entrar em erupção que nunca se preocupou com o puritanismo hipócrita que a cercava, mulher de muitas paixões, apaixonados e apaixonadas. Assim como era apaixonada pelo México e o partido comunista, esta dualidade de sentimentos fez deste ícone mexicano uma mulher diferente. Alguns a definem como bi-sexual ousamos dizer que Frida estava, além disso, pois nem Ela própria sabia o que era e tão pouco queria saber, e quem disse que temos que ser Homem ou Mulher!A moral, os bons costumes?E quem diz que os costumes são bons ou ruins? Quem ousaria dizer a Frida o que fazer!Tudo isto ela retrata em sua obra, sentimentos conflituosos, desesperanças, saudades, frustrações, mas ainda assim ela deixa bem claro: “Frida está no domínio de tudo”.

Esta forma irreverente de ser, viver e pintar fez com que o galanteador e eternamente infiel muralista Diego Rivera se apaixonasse por ela. Da mesma forma Frida viu em Rivera o parceiro perfeito para suas aspirações políticas, seu desejo de liberdade e principalmente a companhia perfeita para sua arte. Frida e Diego escandalizariam muitos casais liberais do século XXI. Um casamento onde a fidelidade foi substituída pela lealdade, pelo menos esta era a vontade de Frida, sabendo que seria impossível esperar fidelidade do insaciável Rivera.

Os encontros com amantes eram comum para o casal. Diego sabia de todas as variações e desejos sexuais de Frida, porém ela não sabia de todos os desejos de Rivera. Entre idas e vindas o casamento foi resistindo, até o dia em que Diego seduz e conquista sua irmã mais nova Cristina. O pacto de lealdade não resistiu a este golpe, então Frida separou-se de Diego. Mesmo separados, ele procura Frida como companheiro pedindo ajuda para exilar Leon Trotski, um dos líderes da revolução Russa, com quem ela se envolve sentimentalmente, porém logo Trotski se vê obrigado a mudar de endereço novamente.

Frida aceitou um convite para expor suas obras em Paris na galeria Renón et Colle, em 1939.Ao retornar para o México recebeu dois grandes golpes. O primeiro foi o pedido de separação judicial de Diego Rivera, que iria para os Estados Unidos e o segundo foi a notícia da morte de Trotski, mais que um amigo era símbolo do autêntico comunismo de Frida. Neste contexto Frida Kahlo pintou em 1939 o quadro: “As duas Fridas”, o qual será objeto de análise neste trabalho.

ANÁLISE DO QUADRO

O quadro mostra duas Fridas sentadas sobre um sofá de cordas sem encosto, uma ao lado da outra de mãos dadas. Ao fundo temos um céu muito escuro e talvez tempestuoso dando-nos a idéia de que naquele instante a autora não vislumbrava um horizonte claro, um futuro, mas sim uma eminente tempestade. O piso parece sem vida, sem cor, somente areia e mais nada. Nem uma grama, flor ou canteiro, nenhuma cor vibrante, apenas barro, quase tão sem vida ou apenas com meia vida como uma das duas Fridas.

As duas Fridas olham para o mesmo lugar, com olhar altivo, concentrado e enigmático. Suas peles se diferenciam através da tonalidade, uma é um pouco mais escura do que a outra, assim como suas expressões faciais. A de pele mais clara tem um rosto mais suave e feminino, enquanto que a outra não.

Outra vez Frida usou um vestido como diferencial em sua obra, os vestidos sempre foram peças importantes na composição dos seus quadros. Em seu diário está relatado que no dia do seu casamento, ela optou por um vestido verde com uma capa vermelha, cores da bandeira do México. Em outra obra ela delimitou as fronteiras do México e Estados Unidos com um vestido no varal.

Agora ela aparece sentada duplamente em um banco vestida com diferentes vestidos. Um deles veste a Frida de pele mais clara com expressões mais femininas e este é diferente de todos outros que ela pintou. Um vestido branco, com detalhes florais em vermelho, gola alta, com peitoral e mangas trabalhadas, talvez influência da recente viagem da autora a Paris. A outra Frida veste um cotidiano, com cores fortes, poucos detalhes e uma barra enfeitada, tipicamente um vestido “Fridiano”.

Um detalhe marcante no quadro é a exposição do coração em ambas Fridas, que se interligam por uma artéria. O coração da Frida tipicamente vestida aparece inteiro, ainda que fora do corpo, mas inteiro, enquanto que a outra está com o coração partido. A autora mostra o coração do lado externo do corpo, fazendo referência do que Diego falou de suas obras, quando disse que pintava o que é aparente, enquanto Frida externa o que se passa por dentro. Diante disto acreditamos que ela quis demonstrar e Diego compreendeu o que estava sentido.

O detalhe das mãos demonstra quem estava apoiando quem. A Frida de coração inteiro é quem segura à mão da outra, e na mão esquerda ela segura um pequeno retrato de Diego, que em muitas obras e por muito tempo foi retratado como seu terceiro olho, apesar de reconhecer que a recíproca não existia. Com a expressão menos feminina e queimada pelo sol, arranca este terceiro olho, mas quem rompe a ligação com o coração é a sensível Frida, pois ela é quem está com o instrumento cirúrgico na mão para romper as lembranças de Diego. As marcas de sangue que salpicam o vestido branco demonstram o quanto foi difícil e dolorosa esta ruptura.

Mesmo com o coração partido, a parte feminina e delicada de Frida Kahlo, não está morta. A forte, masculinizada através de expressões e o modo de sentar-se de pernas abertas, ainda mantém uma artéria ligada e levando vida ao coração partido da doce Frida. E a mesma mão que desligou a artéria da imagem de Rivera, ainda está ali, bem como a imagem. Apesar da autora não vislumbrar um futuro no horizonte, no céu ainda há nuvens brancas e esperança de que tudo pode ser religado.

Diante disto concluímos que a porção feminina de Frida está momentaneamente abalada. Esta foi nossa análise superficial da obra: “As duas Fridas”. Ainda que não seja nada disso que a autora quis nos dizer, arriscamo-nos sem medo de errar, ousamos e talvez, contradissemos muitas outras análises acadêmicas. Porém como revolucionários vislumbramos a possibilidade de esperança e dias melhores mesmo em céus tempestuosos. Também acreditamos que uma ruptura por mais dolorosa e sofrida que tenha sido, pode ser apenas momentânea. Por tudo isto, cremos que agindo desta forma, fomos um pouco, FRIDA KAHLO.

REFERÊNCIAS

FRIDA. Direção: Julie Taymor. Produção: Salma Hayek, Lindsay Flickinger, Sarah Green, Nancy Hardin e outros. Roteiro: Clancy Sigal, Diane Lake, Gregory Nava, Anna Thomas. Intérpretes: Salma Hayek como Frida Kahlo, Alfred Molina, Antonio Bandeira. Distribuidora: Miramax Films / Lumière. Drama, 2002. 1DVD (123 min)

Kahlo, Frida. O diário de Frida Kahlo: um auto-retrato íntimo. Introdução Carlos Fuentes; comentários Sarah M. Lowe; tradução Mário Pontes. - 2ª. ed. - Rio de Janeiro: José Olympio, 1996. p. 287.

WIKIPÉDIA. Frida Kahlo. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Frida_Kahlo. Acesso em 10/09/2009.

[1] Kahlo, Frida. O diário de Frida Kahlo: um auto-retrato íntimo. Introdução Carlos Fuentes; comentários Sarah M. ..Lowe; tradução Mário Pontes. - 2ª. ed. - Rio de Janeiro: José Olympio, 1996. p. 287.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/as-duas-fridas-1939-frida-kahlo-1286612.html

    Palavras-chave do artigo:

    frida

    ,

    kahlo

    ,

    artes

    Comentar sobre o artigo

    Laura Rodrigues Noehles

    A subjetividade expressa nos textos sobre Frida Kahlo pode ser enriquecedora. Para o historiador de arte, ou para a pessoa por trás do hisoriador.

    Por: Laura Rodrigues Noehlesl Arte& Entretenimento> Artel 11/09/2009 lAcessos: 302
    Laura Rodrigues Noehles

    A comemoração dos vinte anos da queda do muro de Berlin é um bom momento para se refletir o sobre estado atual das artes e sobre a participação do artista na História e na sociedade.

    Por: Laura Rodrigues Noehlesl Arte& Entretenimento> Artel 16/11/2009 lAcessos: 102
    Laura Rodrigues Noehles

    O papel do Surrealismo como incentivador da arte feminina e suas restrições.

    Por: Laura Rodrigues Noehlesl Arte& Entretenimento> Artel 21/08/2009 lAcessos: 483

    Considerado um dos países mais visitados do mundo, segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT), o México, situado ao sul da América do Norte, é um país rico em belezas naturais, culturais e infraestrutura. Destinos como Cidade do México, Cancun, Playa Del Carmen e Oaxaca, são algumas das paradas obrigatórias para quem deseja conhecer o país. Pensando nisso, a Experimento Intercâmbio Cultural listou 10 curiosidades sobre o principal adversário do Brasil na 1° fase da Copa do Mundo.

    Por: Marianal Press Releasel 16/06/2014

    Esta investigação teve como propósito o estudo sobre o dilema da teoria social, por meio de pesquisas bibliográficas e documental, com base nos artigos científicos de Dalbosco (2010), Carvalho (2013), Lília (2009), Morigi (2004), Netto (2012 e Maia in Connell (2009). Assim, este trabalho abordou sobre os dilemas que implicam a teoria social nas questões de definição do método que é um dos problemas centrais e polêmicos da teoria social, sua relação entre o estado de natureza e o estado social e

    Por: Carla Anne Marques Fariasl Educaçãol 28/09/2014

    RESUMO Este trabalho tece um dialogo sobre o dilema da teoria social, filosofia política, crise da teoria social, o problema do método e da ordem social e o problema da modernidade. Para dar inicio a essa pesquisa houve uma busca exaustiva a livros e revistas para uma leitura do tema abordado em seguida uma pesquisa nos sites da internet. E a leitura da apostila recomendada para embasamento do assunto abordado, na qual contem seis capítulos.

    Por: estelal Educaçãol 26/09/2014

    Os motivos para fazer um curso técnico são tantos que é difícil de entender o quando jovens concluintes do ensino médio não começam suas carreiras profissionais por este ponto de partida.

    Por: Thonny Siqueiral Educaçãol 19/09/2014

    São inúmeros, mas iremos apontar os que consideramos como mais importantes: 1 – A qualidade de ensino em uma escola técnica (Etec) é considerada excelente. 2 – As Etec´s contam com equipes de Professores e Coordenadores muito bem preparadas e comuma estrutura completa de salas, laboratórios e equipamentos de última geração.

    Por: Thonny Siqueiral Educaçãol 17/09/2014
    Erineia nascimento da Silva

    O aluno especial tem algumas necessidade de auto realização igual aos demais alunos, assim como ele precisa ter sua autoestima valorizada para contribuir na definição de suas habilidades intelectuais, a interação social com a comunidade escola lhe dará segurança, o apoio dos pais e fundamental nesse processo.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 11/09/2014
    Erineia nascimento da Silva

    Cérebro é o órgão onde se forma a cognição, o órgão mais organizado do corpo humano. Portando a cognição pode emergir no cérebro e nele acontece dinâmicas evolutivas que permitem ao ser humano revelar-se como um ser auto-eco-organizador, para isso e necessário o envolvimento das funções bio-psico-sociais ou bioantropologicas.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 08/09/2014 lAcessos: 11
    Formacerta.pt

    Este artigo informa sobre o curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores, uma formação frequentemente procurada (e essencial) por indivíduos que querem entrar no mercado de formação profissional.

    Por: Formacerta.ptl Educaçãol 08/09/2014

    O presente texto aborda sobre Saúde em Educação, como incentivo entre desenvolvimento social, psicológico, cultural e saúde educacional. Pois o artigo preocupa-se e questiona-se sobre a formação de crianças e adolescentes e a saúde pública escolar.

    Por: Reginaldo Posol Educaçãol 07/09/2014 lAcessos: 11

    A Professora Maria Corrêa Saad, vislumbrou o nascimento de um município ajudando-o a construir sua História. Perseverante e abnegada, sempre lutou pelo direito à educação para todos. Por tudo isso, a Professora Maria Corrêa Saad é o trabalho Nº 01 da Série: Garuvenses Ilustres.Esta Série visa resgatar a vida e a obra das personalidades pioneiras qua ajudaram a construir um lar em meio à Natureza. Você vai se emocionar com ela!

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educação> Educação Infantill 05/02/2011 lAcessos: 94

    No sábado de 09 de Abril de 1966, o novo município de Garuva, juntou seus legisladores para uma reunião extraordinária. A ordem do dia era fazer uma Moção de Repúdio a um dos deputados mais conceituados de Santa Catarina, o Dr. Pedro Paulo Hings Colin.

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educação> Educação Onlinel 21/01/2011 lAcessos: 155

    Podemos responder filosoficamente dizendo que a Diferença é o inominável, restando-nos apenas saber que ela existe, ou seja, Diferença é um conceito em construção. Também podemos ser práticos e dizer que a Diferença é tudo aquilo que não é igual, porém a igualdade é subjetiva, pois nem sempre o igual é igual, e o diferente é totalmente diferente.Mas, o que nós torna iguais ou diferentes? Seria a Cultura?

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educação> Ensino Superiorl 26/06/2010 lAcessos: 780

    Muitas vezes dizemos e fazemos coisas, que não sabemos ao certo o porquê as dissemos e fazemos!Isto é incrível, pois reproduzimos conceitos, comportamentos e posturas como se fossem verdades absolutas sem sequer refletir sobre elas. Quantas vezes ouvimos indagações como: “Isto é roupa de menino?”; “Jeito de menino?”; “Cor de menino?”, etc. Muitos creditam estas credencies aos livros didáticos, que insistem em demonstrar os meninos usando calça com boné azul, jogando bola na frente de casa, enquanto espera seu pai vir do trabalho. Na verdade estas distinções ilustrativas são mais remotas do que os tais livros, pois fazem parte de uma construção histórica “natural” da superioridade masculina contraposto à “natural” inferioridade feminina.

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educaçãol 05/12/2009 lAcessos: 535

    Atualmente quando ouvimos a música que diz: “Você não vale nada, mas eu gosto de você”, automaticamente vem à nossa memória o casal Norminha e Abel, personagens da novela global Caminho das Índias. Aproveitando à popularidade deste casal fictício, que conquistou o Brasil, mencionaremos seu relacionamento contraditório com a relação intensa e conflituosa entre História e Memória.

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educaçãol 30/09/2009 lAcessos: 349

    O que fabrica um historiador? É a pergunta que norteia o trabalho do historiador Durval Muniz de Albuquerque Júnior. Quando Michel de Certeau fez o mesmo questionamento, obviamente estava tentando passar a visão de que o historiador é um construtor, alguém que cria a partir de algo, pois toda construção surgi a partir de algo, enquanto Marx diz que a própria História é a máquina de construção, ao historiador cabe apenas o papel de engrenagem.

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educaçãol 30/09/2009 lAcessos: 230

    Quem não desejou um dia atravessar a “Ponte para Terabítia” e viver as mais loucas aventuras em um mundo completamente imaginário. Quem quiser ousar, não precisa ir muito longe, pois este mundo pode estar a sua frente, talvez não tenha nem que atravessar o rio. Basta abrir um livro e viajar por reinos fantásticos, repleto das mais variadas culturas em qualquer tempo e espaço. Nesta viagem quem determina o tempo é o leitor.

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educaçãol 30/09/2009 lAcessos: 299

    Analisar o “Mito da Caverna” é sempre desafiador, pois força-nos a uma hermenêutica onde a matéria prima está entre a sensibilidade e o imaginário. Até mesmo o autor do Mito, o intelectual Platão, mergulhou neste dilema tentando racionalizar essa incrível viagem surreal de Sócrates, mas como racionalizar ou sistematizar o inatingível abstrato? Todo aquele que ousou e ousar, terá grande possibilidade de errar, mas todo erro aponta para um novo caminho onde possivelmente encontraremos o acerto. Nesta busca incansável pela verdade, alvo do “Mito”, muitos intelectuais contribuíram e contribui com seus erros e acertos, encaixando algumas peças deste intrigante quebra-cabeça.

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educaçãol 13/08/2009 lAcessos: 4,011 lComentário: 1

    Comments on this article

    0
    Freedom 30/05/2010
    Caro Edvânio,

    parabéns pela análise da obra de Frida Kahlo, simplesmente PERFEITO!!!

    Sinceramente: essa foi uma das matérias mais interessantes que já li.

    Talvez seja pelo momento que estou vivenciando (me deixou mais sensível)...

    Porém, sem palavras...

    Sensacional!!!
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast