Axiologia: Os Valores

Publicado em: 17/03/2008 |Comentário: 11 | Acessos: 36,077 |

Axiologia: os valores

O que nos leva a decidirmos por uma quando nos encontramos entre duas ou mais realidades de que gostamos ou desejamos? O que nos move a fazer escolhas?
A primeira resposta poderia ser: decidimos por que somos livres. E, por sermos livres fazemos escolhas as quais são determinadas pelo valor que atribuímos àquilo que escolhemos.
Mas isso ainda não é tudo. Nossa decisão se deve a algo que vai além da liberdade ou que dá sentido à liberdade. Decidimos por que somos capazes de determinar o valor das realidades com as quais nos relacionamos. Não esquecendo que a liberdade também é um valor que prezamos.
Quando nos perguntamos o que nos leva a valorizarmos alguma coisa em detrimento de outra, observaremos que além de livres e com capacidade de fazermos escolhas, a partir dos valores que desenvolvemos, somos capazes, também, de hierarquizar nossas observações e nossas relações. Relacionamo-nos com as coisas e com as pessoas a partir de uma hierarquização que chamamos de “valores”. E, neste ponto perceberíamos que estamos diante de questões culturais.
Os valores que desenvolvemos nascem da cultura. Essa é a razão pela qual povos diferentes valorizam realidades distintas. É a razão pela qual muitos elementos que são valorizados por alguns grupos humanos não o são por outros. Os valores, portanto não são absolutos, mas condicionados pela cultura espaço-temporal. Nem todos os valores de antigamente permanecem sendo valores atualmente. Nem todos os valores para nos são valores para outros.
Concordamos com o professor Manuel Garcia Morente, no livro: “Fundamentos de Filosofia: lições preliminares”, (editora Mestre Jou, 1967). Nas páginas 293-94 afirma que nossas relações com as realidades se desenvolvem a partir de seu significado para nós, ou seja, as coisas não nos são indiferentes. “Não há coisa alguma diante da qual não adotemos uma posição positiva ou negativa, uma posição de preferência (...) não há coisa alguma que não tenha valor. Uma serão boas, outras más, umas úteis, outras prejudiciais; porém nenhuma absolutamente indiferente”. Ou seja, sempre estamos emitindo juízos sobre as realidades. Ou nos relacionando com elas a partir da valoração que lhe atribuímos.

Notemos, também, que o conceito “valor” é empregado para diferentes realidades: quando falamos em valores econômico-financeiros referimo-nos à qualificação de coisas ou serviços. Esses, em nosso padrão sócio-cultural, são completamente distintos dos valores sociais, humanos, morais. Enquanto os valores econômico-financeiros são aplicados a coisas ou situações específicas e objetivas, os valores sociais, culturais, humanos e morais demandam certa subjetividade que torna mais difícil sua classificação. Há que se considerar, também, os elementos estéticos, e religiosos. Nessa amalgama de relações emerge o que chamamos de valores ético-morais.
Esse é o centro da reflexão que, de alguma forma, precede a discussão sobre ética e moral: nossa capacidade de escolha, que se deve, como estamos afirmando, não à nossa liberdade, mas à nossa capacidade de formar juízos. E isso se dá em função de nossa capacidade de estabelecermos ou percebermos os valores. Podemos retomar as palavras do Professor Morente:
“A filosofia atual emprega muitas vezes a distinção entre juízos de existência e juizes de valor; é esta uma distinção freqüente na filosofia, e assim os juízos de existência serão aqueles juízos que enunciam de uma coisa aquilo que essa coisa é [...]. Em frente a estes juízos de existência, a filosofia contemporânea põe ou contrapõe os juízos de valor. Os juízos de valor enunciam acerca de uma coisa algo que não acrescenta nem tira nada do cabedal existencial e essencial da coisa. Enunciam algo que não se confunde nem com o ser enquanto existência nem com o ser enquanto essência de coisa..” (Morente, 1967, p. 294). O professor Espanhol mostra que quando dizendo que algo é justo ou injusto nesse julgamento não está a coisa em si, mas ao seu significado para nós. Depende de como valoramos aquilo que consideramos justo/injusto.
Em síntese, podemos dizer que aquilo que nos leva a tomar decisões, não é, em primeiro lugar a liberdade, mas nosso quadro de valores. E este, em grande parte, é determinado pela cultura. Além de formarmos nossos juízos sobre a existência, (os juízos de fato), a partir da constatação da existência caracterizada no tempo e no espaço, formamos também os juízos de valor a partir de uma relação intencionada com os elementos que absorvemos. E fazemos isso ao escolher o que nos interessa e ao rejeitarmos o que não nos interessa. Assim sendo, podemos dizer que viver é fazer escolhas e fazemos escolhas porque atribuímos valores aos elementos e realidades que circundam nossas vidas.
Concluímos com o professor espanhol que o “critério de valor não consiste no agrado ou desagrado que nos produzem as coisas, mas em algo completamente distinto; porque uma coisa pode produzir-nos agrado, e, não obstante, ser para nós considerada como má e pode produzir-nos desagrado e ser por nós considerada como boa”. O bem pode não ser agradável, da mesma forma que o mal pode não ser desagradável. Em ambos os casos, o que nos leva a fazer o bem ou o mal é a capacidade de escolher.

Prof. Ms. Neri de Paula Carneiro
Filósofo, Teólogo, Historiador
Leia mais: http://falaescrita.blogspot.com/
http://ideiasefatos.spaces.live.com
http://www.webartigos.com/

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 11 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/axiologia-os-valores-361953.html

    Palavras-chave do artigo:

    axiologia

    ,

    etica

    ,

    escolhas

    Comentar sobre o artigo

    O artigo trata da ausência do comportamento ético em nossos dias, e observa da Ética do ponto de vista cultural. Defendendo a tese de que a eticidade pode ou não, existir no âmbito social, porque se correlaciona com a aceitação da comunidade como um todo. Além disto, aponta a Ética como um segmento da Lógica, mais especificamente da Estética, haja vista que a finalidade máxima do agir humano consiste na conduta de criar o "belo" universal, que de maneira clara é representação do bem comum.

    Por: Suzana J. de Oliveira Carmol Direito> Doutrinal 06/08/2009 lAcessos: 16,172 lComentário: 6
    Rita de Cássia Santos Almeida

    Este artigo trata de questões relativas à constituição do homem como ser social, a necessidade e a importância da comunicação nas relações sociais, bem como o papel da linguagem nessa circunstância. Desperta para a forma de se expressar, uma vez que a palavra, por carregar um conteúdo ideológico, em determinadas situações envolve não só o racional, mas principalmente o emocional. Assim, enfatiza a dimensão axiológica, em especial, na relaçãoprofessor-aluno em sala de aula.

    Por: Rita de Cássia Santos Almeidal Educação> Ensino Superiorl 16/03/2012 lAcessos: 131

    Depressão é uma doença psiquiátrica, crônica e recorrente, que altera o humor e costuma estar associada com baixa autoestima e culpa, e normalmente traz consigo distúrbios do apetite (comer demais, ou praticamente nada), e de sono (dormir demais, ou quase nada), entretanto um dos aspectos mais nocivos é a falta de perspectivas, um sentimento de ausência de futuro, de impossibilidade de solução dos problemas, que muitas vezes leva até ao suicídio.

    Por: Central Pressl Educaçãol 31/10/2014

    O presente artigo discorre contribuição da literatura infantil no desenvolvimento social, emocional e cognitivo da criança.

    Por: neide figueiredo de souzal Educaçãol 29/10/2014

    Faz-se necessário que a avaliação seja orientada pela lógica da continuidade dos processos de formação.

    Por: neide figueiredo de souzal Educaçãol 29/10/2014
    Erineia nascimento da Silva

    O lúdico proveniente da palavra latina "ludus" que significa jogos. Que segundo DANTAS, 1988, representa liberdade para brincar livremente, gratuitamente, prazerosamente. Tornando a brincadeira uma expressão máxima do lúdico, desde da antiga Roma e Grécia em períodos remotos da civilização ocidental utilizava os brinquedos na educação com base nas idéias de Platão e Aristóteles.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 28/10/2014
    Sebastiana Braga

    A formação profissional não consiste apenas em ouvir palestra ou fazer determinados cursos. Pelo contrario, ela é um processo continuo e progressivo, onde através da aprendizagem se acumula conhecimento e este por sua vez vai sendo transformado em práticas bem sucedidas. Dessa forma deve ser pensado numa multiplicidade de saberes que através de um projeto para formação continuada que se complemente e que aborde um tema central a todas as áreas no intuito do melhoramento do ensino aprendizagem.

    Por: Sebastiana Bragal Educaçãol 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Sei o quanto. Tudo isso não significa nada. Apesar da interminável beleza dos universos. Contínuos. Sei do insignificado das coisas. Do delírio dos deuses. Das franquezas das razões não lógicas. A metafísica não indutiva.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educaçãol 25/10/2014
    Amanda Souza Machado

    Este trabalho é uma continuação das discussões, pesquisas e reflexões ocorridas durante a elaboração do artigo científico sobre como os educadores exploram as fantasias das crianças, produzidas a partir dos programas de televisão. O artigo propõe-se a apresentar as influências da TV no imaginário das crianças e qual é o papel dos educadores neste momento.

    Por: Amanda Souza Machadol Educaçãol 23/10/2014

    O presente artigo é um estudo bibliográfico que tem como objetivo principal abordar conceitos educacionais e metodologias desenvolvidas em sala de aula usando o lúdico como alternativa de metodologia. O trabalho justifica-se pela necessidade de se entender e adequar a aprendizagem às atuais demandas da educação é necessário conhecer alguns caminhos já percorridos pelo ensino e que se levam a uma redefinição dos objetivos, conteúdo e metodológicos.

    Por: Graciele de Miranda Oliveiral Educaçãol 21/10/2014 lAcessos: 14

    Sugestões com técnicas de estudo e leitura. Texto destinado a estudantes do ensino médio. pode ser aproveitado por todo leitor

    Por: NERI P. CARNEIROl Educação> Ciêncial 10/08/2014 lAcessos: 15

    A III Conferencia Nacional da Cultura nos propõe algumas reflexões não só sobre cultura, mas principalmente sobre o direito à cultura

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 07/07/2013 lAcessos: 38

    Percebeste o crescimento da violência em nossa sociedade? para minimizar a violência nos tornamos mais violentos. Isso não é novo, apenas evidencia uma característica do ser humano: a crueldade que produz violência. Produz situações de maldade e age violentamente de forma intencional. Não falo apenas pelo que fazem os bandidos, mas também a partir dos tiros da polícia, institucionalisando a violência. Maquiavel e Nietzsche, comentam isso.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 12/10/2009 lAcessos: 461

    Faço aqui um manifesto ecológico em favor das sacolas de plástico. E não estou louco – a não ser de ira contra os aproveitadores!!! Um equívoco está se alastrando: a necessidade de por fim às sacolas plásticas, no comércio. Isso é engodo em nome do lucro.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 09/10/2009 lAcessos: 716 lComentário: 1

    Para nós que as enfrentamos ou sofremos suas conseqüências, as crises, catástrofes, cataclismos, tragédias, ou grandes acidentes – depende de como as queiramos denominar – não são bem vindas. Mas as tragédias são o prato principal, do qual se nutre a imprensa e são esperadas ou buscadas – ou fabricadas – para deleite do sensacionalismo, principalmente televisivo. Exemplo típico está ocorrendo agora.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educação> Ciêncial 11/05/2009 lAcessos: 385

    No livro de Atos dos Apóstolos encontramos uma das passagens mais controvertidas, discutidas e, ao mesmo tempo, belas, do Novo testamento. Trata-se At, 2,1-11 que se popularizou como fundamentação para a festa do Pentecostes.

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 1,104 lComentário: 2

    Em se tratando de estudos bíblicos nem tudo são certezas e unanimidade. Existem contradições em relação às opiniões e conclusões. Uma delas é em relação a Lucas e à autoria do evangelho de Lucas e os Atos dos Apóstolos. A tradição cristã atribui tanto o texto do quarto Evangelho como o de Atos dos Apóstolos a Lucas, médico mencionado por Paulo em 2Tm 4,11; Cl 4,14 e Fm 24. Alguns autores, entretanto, preferem dizer que ambos são personagens distintos

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 4,241

    A historicidade da Bíblia é, muitas vezes, colocada como argumento de fé. Muitas vezes a Bíblia é usada de forma definitiva, sem considerar elementos simbólicos e textuais que não podem ser desconsiderados. Se for encarada dessa forma tanto a fé como a razão tem que se submeter a algumas contradições textuais que estão presentes no texto bíblico.

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 1,731 lComentário: 1

    Comments on this article

    0
    tonilson 05/08/2011
    gostei muito deste tema que é muito interesante e pelo que eu pude ler consegui entender melhor o que é a axiologia.
    0
    LEONARDO 15/04/2011
    Muito bom, professor..!
    0
    Mildrita Jamba Sanches 15/04/2011
    goatei do tema gostaria que me indica-se alguns livros que podem me ajudar tudo que tem haver com a formação axiolgica do professor. gostaria de ter os nome das livrarias
    1
    cheila damasceno furtado 01/12/2010
    gostei muito do que li meu projeto é sobre axiologia na escola e sua importancia multidisciplinar posso saber mais de você? me ajude esse será meu tema dotcc posso contar com sua ajuda? me ligue se poder ou me envie email tel 9299021452/9292874662
    0
    marcia antonino 16/08/2010
    parabens,geralmente nao gosto de ler ,mas me atraiu por ser bem explicado abordando o assunto em varias situaçoes como exemplo,assim fica mais facil de definir .
    0
    Nelson 03/08/2010
    Mais claro do que isso,impossivel!
    0
    Joseph 30/07/2010
    Ache algo interessante
    1
    ' Mariana 25/09/2009
    Neri,
    Não cheguei a ler o seu artigo todo. Me interessei pelo tema "Axiologia", porque estudei no ínicio do ano em Filosofia. E achei o seu texto muuito boom,apesar de não ter lido todo. Que pena que não cheguei a ler o seu artigo antes para um trabalho, isso iria me ajudar a construir um conceito de Axiologia.
    Goostei muito!
    0
    Luciano 20/08/2009
    Não gostei, onde não é confuso é desnecessário.
    2
    furabi 12/08/2009
    Gostei, bastante claro até para uma leiga no assunto como eu :)
    1
    Mauricio Morais 04/02/2009
    Achei o texto bem redigido, embasado e esclarecedor, feito com uma linguagem clara e objetiva.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast