Cidadania E Ética Na Escola Na Busca Da Formação Moral

Publicado em: 21/10/2009 |Comentário: 2 | Acessos: 16,507 |

Introdução

            A palavra ética e moral costumam ser usadas quase como sinônimas, mas há diferenças entre elas, pois a moral se refere aos costumes que determinada sociedade possui e, portanto, se reveste de um sentido, digamos mais conformista, mais no rumo de adequar o individuo ao seu grupo social, já a ética, diria respeito as diferenças presentes em qualquer sociedade, onde cada individuo buscaria seu próprio caminho.

             Segundo Cabanas (1996), a questão central da ética é a de responder à pergunta sobre o que nos obriga a sermos bons? Ou seja, é a ética que nos possibilita critérios para definirmos o que é ser bom, correto ou moralmente certo e que nos fornece explicações para nosso senso de dever moral.

 

No entanto, lembremos que quando falamos de ética (ou moral), consideramos as ações humanas no contexto escolar. Essas ações devemos aprová-las, censurá-las ou moldá-las?

Segundo Piaget o método mais efetivo para a educação moral é o ativo, onde a criança participa de experiências morais através do ambiente proporcionado pela escola. Quanto a isso, o autor diz que a criança deve estar em contato com outras crianças e com situações onde possa experimentar a cooperação, a democracia, o respeito mútuo e, assim, construir paulatinamente sua moralidade.

Uma das questões cruciais, hoje, quando discutimos a moral ou a ética esta aqui: acreditamos que existe uma tábua de valores pronta e acabada, mas falhamos, pois tais valores são construídos de acordo com a relação do homem com o mundo, e esta relação pode ser aprimorada no ambiente escolar, quando podemos proporcionar a criança situações para ela vivenciar a partilha, a cooperação, o respeito mútuo, exercer a cidadania e assim construir a sua autonomia.

O convívio escolar é um espaço rico para que o aluno desenvolva o diálogo, aprenda a ser solidário, a ouvir e ser ouvido, a submeter suas idéias ao juízo dos outros. Assim o trabalho pedagógico terá sentidos e significados para quem aprende e para quem organiza o processo, e o objetivo principal de construção da cidadania se torna possível.

O resgate da cidadania significa assumir a causa dos direitos humanos como direitos de todos, pessoas educadas não manipulam nem são manipuladas, e o espaço escolar proporciona situações para que tudo aconteça.

 

Desenvolvimento

            A ética é elemento integrante de nosso ser e estar no mundo. Falar da essência da pessoa humana é falar do amor, da liberdade, da solidariedade, da prática da justiça, portanto é falar da cidadania.

            A luta pela conquista de espaço nessa sociedade competitiva e excludente tem desencadeado entre as pessoas alguns comportamentos preocupantes. As pessoas estão perdendo o respeito pelo próximo, o prazer e o diálogo, o sentimento de solidariedade e a humildade, daí a preocupação que desenvolver na escola um trabalho que possa desenvolver esses valores, buscando um comportamento mais ético dos alunos.

Sabemos que a educação tem como responsabilidade a formação de cidadãos autônomos, críticos e participativos, para tanto, as situações criadas na escola para tal formação pode também estar relacionada com as atividades que desenvolvem a ética moral. Essas trocas de experiências estão ligadas a atividades desenvolvidas em equipe, pois a criança não constrói sua personalidade num ambiente isolado, mas sim num espaço participativo, onde existe troca de opiniões, e discussões das idéias sendo aprovadas ou censuradas.

Para Piaget, a educação moral não constitui uma matéria especial de ensino, mas um aspecto particular da totalidade do sistema, dessa maneira, as crianças e os jovens não devem ter "aulas" de educação moral, mas vivenciar a moralidade em todos os aspectos e ambientes presentes na escola. Nesse sentido, os trabalhos em grupo (ou trabalho por equipes, como prefere Piaget) são uma atividade facilitadora para a construção da autonomia, pois as crianças, ao trabalharem juntas, podem trocar pontos de vista, discutir, ganhar em algumas idéias e perder em outras, enfim, podem exercer a democracia.

Portanto, cabe aos professores propiciar questões e atividades em que os educandos, agentes ativos no processo ensino-aprendizagem, possam dialogar, discutir, questionar, compartilhar informações e viabilizar um espaço para as transformações, as diferenças, o erro, o que é certo e o que é errado, as contradições, a colaboração mutua e a criatividade.

O desenvolvimento humano se constitui por meio das interações da criança com outras pessoas mais experientes, e é por meio das aprendizagens decorrentes que os indivíduos desenvolvem as funções psicológicas, com capacidade de abstrair, interpretar e criar. (KOHL,1995,p.60)

 

            Assim, o processo de desenvolvimento humano é decorrente das aprendizagens que o individuo internaliza a partir das interações com os outros indivíduos da sua espécie.

            Segundo Puig, a educação moral deve apresentar-se como um espaço de reflexão individual e coletiva que possibilite a elaboração autônoma de valores e que auxilie a:

· Detectar e criticar os aspectos injustos da realidade cotidiana e das normas sociais vigentes.

· Construir formas de vida mais justas, tanto nos âmbitos interpessoais como nos coletivos.

· Elaborar autônoma, racional e dialogicamente princípios de valor que ajudem a julgar criticamente a realidade.

· Conseguir que os jovens façam seus aqueles tipos de comportamentos coerentes com os princípios e normas que pessoalmente construíram.

· Fazer com que adquiram também aquelas normas que a sociedade, de

 

modo democrático e visando a justiça, lhes deu. (PUIG, 1998b, p.17 apud Lepre2001)

Para esse autor, a educação moral pressupõe uma tarefa construtiva e deve levar em consideração as diferenças e os valores culturais de todos os grupos sociais. É necessário, ainda, atentar para alguns elementos presentes na moralidade, como por exemplo, as emoções e os sentimentos.

"Por fim, a construção da personalidade moral conclui com a construção da própria biografia como cristalização dinâmica de valores, como espaço de diferenciação e de criatividade moral." (PUIG, 1998 a, p.75) Assim, o último momento da educação moral com vistas à construção da personalidade, seria o de tomar conhecimento de sua própria biografia moral, conhecer seus valores e ter as habilidades necessárias para viver uma vida que "valha a pena ser vivida e que produza felicidade a quem a vive." (PUIG, 1998a, p.75/76)

Severino (1994: 149) entende que:

Só se compreende educação enquanto forma de mediação histórica da existência humana, como uma luta de condições sempre melhores de trabalho, desociabilidade e de vivência da cultura simbólica, portanto ela só se legitima como mediação na construção da cidadania. Em relação ao indivíduo, a educação se propõe a construir e desenvolver a cidadania. Em relação à sociedade a construir a democracia, entendida como garantia a todos os indivíduos da efetivação universalizada dessas mediações.

 

Dessa forma, toda a escola deve estar engajada em seu programa de educação moral, caso tenha optado por ele de forma democrática. Esse trabalho não pode ser desenvolvido apenas na sala de aula, entre professor e alunos, mas em toda a escola, que deve constituir-se como um ambiente sócio-moral que permita a

 

construção da cidadania. ( Lepre,2001).

 

 

Conclusão

 

Devemos buscar soluções que atendam aos pressupostos da educação pautada nesta ética. Educar é uma tarefa dificílima e deve gerar compromissos sociais, preservando a identidade de cada um, sua consciência sobre si mesmo e sobre o mundo exterior.

Ter um modelo em que o próprio educando vá traçando seu caminho, para enfim chegar a um estágio onde sua moral, cidadania está interligada voltada a um sentimento que o leva a ser feliz. Trata-se de elaborar uma nova ética do sujeito consciente e livre buscando o que há de melhor para seres concretos e históricos, que somente tornar-se-ão plenamente humanos quando voltados para a transcendência.

Nesta perspectiva é interessante a preocupação de Paulo Freire, já no livro Educação como Prática da Liberdade, em redefinir tais conceitos: “De acordo com as teses centrais que vimos desenvolvendo, pareceu-nos fundamental fazermos algumas superações, na experiência que iniciávamos. Assim, em lugar de escola, que nos parece um conceito, entre nós, demasiado carregado de passividade, em face de nossa própria formação (até mesmo quando se dá o atributo de ativa), contradizendo a dinâmica fase de transição, lançamos o Círculo de Cultura. Em lugar de professor, com tradições fortemente “doadoras”, o coordenador de debates. Em lugar de aulas discursiva , o diálogo. Em lugar de aluno, com tradições passivas, o participante do grupo. Em lugar dos “pontos” e de programas alienados, programação compacta, "reduzida" e "codificada" em unidades de aprendizagem. (Freire. 1996. Nota 12, p. 11)

Mas, para primeiro destacar esta ética dentre os alunos temos que lembrar o papel da área pedagógica, que este é o responsável por desencadear este processo dentro da escola. A proposta dos Parâmetros Curriculares Nacionais referente ao trabalho com a ética é justamente evitar essa dicotomia entre “pregar valores” e “vivenciar valores”.

Sabemos que a escola, em outros tempos trabalhava com os conteúdos sobre valores na disciplina Moral e Cívica, no entanto, os alunos não desenvolveram o sentido moral e muito menos de civismo. Nesse sentido, o tema transversal “Ética” é sugerido para que seja trabalhada a construção da autonomia moral dos alunos.

A educação para a liberdade não pode reduzir-se a ensinar a ser comedidos nas reivindicações e sim respeitosos com os direitos dos outros.

Não podemos mais propor um rol do que é certo e do que é errado, a de que as pessoas simplesmente o repitam em suas vidas. Por isso mesmo, a ética não pode ser mais uma relação de condutas honestas, corretas; isso é bem pouco e não garante que uma pessoa haja bem.

            Uma conduta ética exige responsabilidade de todos, no sentido negativo de limpar o que está sujo, mas também e sobretudo, no sentido ( este, positivo) de construir uma sociedade que escolha determinados fins comuns.

 

 

 

 

 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 18 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/cidadania-e-etica-na-escola-na-busca-da-formacao-moral-1364875.html

    Palavras-chave do artigo:

    cidadania

    ,

    educacao moral

    ,

    etica na escola

    Comentar sobre o artigo

    MARCOS ANTONIO DOS SANTOS LIMA

    O presente artigo tem como objetivo evidenciar a aproximação da Ética na Educação, bem como o grande valor e o efeito da aplicabilidade desse tema na educação. Sendo que ética é algo que se constrói, educa, pratica, conquista pela ação conjunta do individuo por meio de princípios universais, que regem as relações das pessoas.

    Por: MARCOS ANTONIO DOS SANTOS LIMAl Educação> Ensino Superiorl 12/12/2011 lAcessos: 975

    RESUMO O artigo aqui apresentado tem como objetivo, descrever, relatar, discutir a importância das lutas como forma pedagógica possível na cultura e na formação social de estudantes. Identificamos que as lutas se fazem presente e pode se manifesta de varias formas: o ato de se sentir oprimido, acuado, fome, injustiçado, sosobrevivência, defesa, conquista. Mudanças se fazem através de elaboração de metodologias inovadoras, pois a pratica das lutas atua como válvula de escape.

    Por: jose pinto da silval Educação> Educação Infantill 08/04/2010 lAcessos: 611

    O presente estudo tem o tema Ensino Religioso nas Escolas Públicas e Suas Implicações. O Ensino religioso utiliza diferentes linguagens para o tratamento pedagógico. Seu conteúdo deve ser traduzido de modo a facilitar a compreensão dos educandos. Superar preconceitos e discriminações requer lidar com valores como : autoridade, respeito e direito à diferença. O estudo de natureza revisão bibliográfica, pretende contribuir com a reflexão que nos propõe o Ensino religioso nas escolas públicas.

    Por: CLEA MARCIA PEREIRA CAMARAl Educação> Ensino Superiorl 14/03/2012 lAcessos: 703
    Jaconias Dias Rodrigues

    As formas de subjetivação e mecanismos de resistências criadas pelos professores, gestores, alunos e demais agentes escolares no que toca a gestão democrática são objetos de estudo desse artigo .Escrever sobre esses mecanismos e descortinar a realidade da escola no que tange a gestão constituem as preocupações apresentadas. Nesse sentido o artigo pretende funcionar como um provocador e disparador de novos comportamentos na vida do profissional dos que lidam com a gestão.

    Por: Jaconias Dias Rodriguesl Educação> Ensino Superiorl 15/07/2011 lAcessos: 519

    A ética no serviço público deve disseminar essa cultura ética de como se proceder com a coisa pública, até chegarmos a ponto, de não termos mais necessidade de serem utilizados elementos legais para moldar ou fiscalizar as ações dos serviços públicos numa transparência tal que haja confiança e qualidade no seu bojo, como elemento básico de desenvolvimento político, econômico e social, gerando o retorno desejado dos nossos impostos.

    Por: Marta Nunes e Sirleide Carvalhol Negócios> Administraçãol 29/10/2012 lAcessos: 261

    RESUMO A ação dos gestores diante do problema da violência escolar é de fundamental importância para a vida dos alunos que a ele possam ter acesso. Não é necessário uma análise profunda de nossa sociedade para perceber o quanto a violência está latente. O índice crescente da violência na sociedade, nas mais diversas formas, já passa dos limites concebíveis. Alguns livros e revistas nos mostram essa dura realidade, entre eles concentramo-nos, principalmente nos cinco seguintes, que nos mostram i

    Por: Ana Lidia Silva Duartel Educação> Ciêncial 22/06/2010 lAcessos: 7,889 lComentário: 1
    Claudia Fernandes Duarte

    O meio ambiente não resume apenas ao aspecto ecológico mas também ao aspecto social.Faz-se necessário reavaliar o curriculo para Educação Ambiental(EA) ser integrada à interdisciplinaridade.O objetivo desse trabalho parte da ruptura epistemológica teoria x prática,indicativos para melhora da EA vivenciada na escola,conclui-se na pesquisa que a EA é exercida de modo isolado,paralelo,quando deveria incluí-la em todas as práticas educativas.

    Por: Claudia Fernandes Duartel Educação> Ciêncial 14/03/2011 lAcessos: 366
    Claudio Bezerra de Menezes

    Ao considerar como antecedente de nossa tese de doutorado a Dissertação "EDUCAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA NA PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO DE FORTALEZA, DOS PROFESSORES MUNICIPAIS E UNIVERSITÁRIOS DE FORTALEZA, DOS PROFESSORES MESTRANDOS E DOUTORANDOS"; elegemos o tema: "Gestão e Democracia na Escola Pública: uma percepção Freireana..." no intento de averiguar o interesse docente em discutir, estimular e inserir valores freireanos em sua prática pedagógica em prol de uma gestão escolar fraterna...

    Por: Claudio Bezerra de Menezesl Educação> Ciêncial 22/12/2012 lAcessos: 63

    Este Artigo surgiu da necessidade de conhecer como a ética e a cidadania influencia a escola a resgatar valores digno, uma educação que traz bem estar, satisfação, produtividade, prazer, criatividade, saúde mental e corporal. Neste trabalho tentei fazer um pequeno resgate bibliográfico sobre o tema mencionado a fim de chegar ao nosso objetivo final, foram utilizados livros revistas cientificas, para tal processo, conseguindo reunir um número de informações relevantes ao tema. Chegando a conclusã

    Por: FRANCISCO GOMES DE ALMEIDAl Educação> Educação Onlinel 09/03/2010 lAcessos: 7,227 lComentário: 1

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11

    Comments on this article

    -2
    neuci 22/01/2011
    gostaria de sua opinião ou conselho estou cursando a faculdade já vou para o 2 período mas estou em duvida eu nunca dei aulas peço que me oriente que devo escolher crianças ou adultos para mim começar..............
    -1
    cassia 03/01/2010
    excelente,a escola deve ensinar aprendendo eaprender ensinando ...respeitar a realidade dos seus alunos e fazer com que se sintam parte do processo de mudança.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast