Concepções De Educação Infantil

15/02/2010 • Por • 6,957 Acessos

As instituições de educação para as crianças entre 0 e 6 anos de idade começam a se esboçar no continente europeu ainda no final do século XVIII, propagando-se por meio de uma circulação de pessoas e idéias que precisa ainda ser melhor pesquisada. Criadas para atender as crianças pobres e as mães trabalhadoras, desde o início se apresentaram como primordialmente educacionais.

A partir disso, muitas instituições infantis começaram a surgir, Iniciando, assim as concepções de Educação Infantil:

 

Assistencialismo: com a expansão da indústria, a participação da mulher no trabalho fabril, onde a guarda realizada por voluntários com características de guarda das crianças, do cuidado em si mesmo, da assistência às camadas empobrecidas, da separação entre cuidado e educação, falta de conhecimento sobre o desenvolvimento e a aprendizagem da criança. Destinada às classes populares, enfatizando o cuidar, higienizar e alimentar para o desenvolvimento de uma nação sadia.

 

Desenvolvimento natural - Escola nova: faz-se necessário rever criticamente formas tradicionais, dando ênfase na evolução natural da criança e valorizando o interesse da mesma que precisa ser estimulada especialmente por atividades que envolvam o jogo e o brinquedo, onde a criança deve aprender fazendo, por meio da experiência.

 

Compensatória: compensar as deficiências das crianças, sua miséria, sua pobreza e a negligência familiar, consideradas como causas do fracasso escolar, “reparar um dano”. Solucionar as deficiências das crianças consideradas culturalmente inferiores. São desenvolvidos programas para a infância, propondo-se que as creches se preocupem com a aprendizagem e o desenvolvimento das crianças por meio de atividades educativas lúdicas.

 

Preparatória: foi atribuído o papel de preparar as crianças para o primeiro grau, especialmente no que se refere à alfabetização. Desenvolvimento das habilidades motoras, lingüísticas, cognitivas.

 

Na busca de mudanças, houve fases de transição, que se revelam através de propostas efetivadas nos estados e municípios, ainda sem uma política clara e uma visão de unidade a respeito da infância, bem como da criança brasileira. Final da década de 70 início da década de 80, a creche passa a ser vista como instituição social e politicamente necessária, capaz de resolver os problemas sociais e educacionais e, a pré-escola vai passar por uma fase de transição,

 

Concepção Global da criança: fundamenta a idéia de Educação Infantil desenvolvimentista, com objetivos focados na criança em si, independente de sua história e das condições sociais. Busca-se o desenvolvimento de habilidades, conhecimentos e atitudes, nos aspectos: motores, afetivos, sociais e cognitivos.

 

Concepção Pedagógica: estudos científicos apontavam para a necessidade de compreender que a creche e a pré-escola tem uma Função Pedagógica, enfatizando aprendizagem estimuladora e significativa, garantindo novos conhecimentos e favorecendo o processo de alfabetização por meio do trabalho sistematizado.

Perfil do Autor

SANDRA VAZ DE LIMA

Nascida no município de Telêmaco Borba - Paraná. Graduada em Letras/ Inglês/Espanhol e Pedagogia. Especialista em Educação Especial e Psicopedagogia Clinica/ Institucional. Atua na área de Educação Especial na Rede Municipal e Estadual, e na Formação de Docentes.