Concepções De Leitura

Publicado em: 15/02/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 14,977 |

De acordo com Adam e Starr (apud COLOMER, 2002, p.29): entende-se por leitura a capacidade de entender um texto escrito.

O significado de um texto não está na soma de significados das palavras que o compõem, nem coincide somente com o que se chama de significado literal do texto. Portanto, durante a leitura de uma mensagem escrita, o leitor deve raciocinar e inferir de forma contínua, captando significados que não aparecem diretamente no texto.

Adam e Starr (apud COLOMER, 2002, p.31) afirmam que o texto proporciona apenas uma das fontes críticas de informação. É preciso que o restante provenha dos conhecimentos prévios do leitor.

Assim, ler é mais do que um simples ato de decodificar, é antes de tudo um ato de raciocínio.

Ler significa ser questionado pelo mundo e por si mesmo, significa que certas respostas podem ser encontradas na escrita, significa poder ter acesso a essa escrita, significa construir uma resposta que integra parte das novas informações ao que já se é. (FOUCAMBERT, 1994, p. 05)

Diante deste contexto, o leitor une as novas informações com aquelas que já possui armazenadas na mente e projeta uma nova idéia à escrita.

Colomer (2002, p. 36-37) apresenta como o leitor construirá o significado em um processo que pode ser dividido em:

A formulação de hipóteses. Quando o leitor se propõe a ler um texto, uma série de elementos contextuais ativa alguns de seus esquemas de conhecimento e o leva a antecipar aspectos do conteúdo. Suas hipóteses estabelecem expectativas em todos os níveis do texto, são formuladas como suposições ou perguntas mais ou menos explícitas para as quais o leitor espera encontrar resposta se continuar lendo.

A verificação das hipóteses realizadas. O que o leitor antecipou deve ser confirmado no texto mediante os indícios gráficos. Inclusive as interferências têm de ser confirmadas, já que o leitor não pode acrescentar qualquer informação, mas apenas as que se encaixem segundo regras bem-determinadas que também podem ser mais ou menos amplas em função do tipo de texto. Assim, o leitor buscará indícios em todos os níveis de processamento, de modo a comprovar a certeza de sua previsão. Para fazer isso, terá de fixar-se em letras, marcas morfológicas ou sintáticas (como a separação de palavras, os sinais de pontuação, as maiúsculas, os conectivos etc.) e inclusive em elementos tipográficos e de distribuição do texto.

A integração da informação e o controle da compreensão. Se a informação é coerente com as hipóteses antecipadas, o leitor a integrará em seu sistema de conhecimentos para continuar construindo o significado global do texto mediante diferentes estratégias de raciocínio.

Para entender o significado do texto, o leitor tem de elaborar uma interpretação global deste ao longo de sua leitura. A compreensão é a finalidade natural de qualquer ato habitual de leitura, não é fácil para ninguém ler um texto sem conseguir construir uma interpretação.

Durante toda a vida, as pessoas constroem representações da realidade, valores, ideologia, procedimentos etc. com isso compreendem as situações, uma conferência, uma informação e, evidentemente, um texto escrito. Para que alguém possa se envolver na atividade que o levará a compreender um texto escrito, é imprescindível verificar que esta tem sentido. Para poder atribuir sentido à realização de uma tarefa, é preciso que se saiba o que se fazer e o que se pretende com ela, que a tarefa em si resulte motivação.

A leitura é um fator importantíssimo na construção do conhecimento, ela não se configura como um processo passivo. Longe disso, pois exige a descoberta e recriação, pois o leitor além de partilhar e recriar referenciais de mundo, transforma-se num produtor de acontecimentos em função de sua compreensão e consciência crítica. (VALENTINI, 1999, p. 63)

Assim, vê-se a importância da leitura como um processo contínuo, que precisa ser praticado para ser aprendido. Ler é compreender, é um processo de construção de significados sobre o texto que pretendemos compreender. Pois, se um aluno a ler compreensivamente e a aprender a partir da leitura, ele estará aprendendo a aprender, de forma autônoma em uma multiplicidade de situações.

Valente (1999, p.34) destaca que ninguém lê hoje porque leu ontem, assim como ninguém ama hoje porque amou ontem.

O autor ressalta que a leitura tem uma dinâmica que é instável, sentimos necessidade de ler sempre e as necessidades nos impulsionam a procurar diferentes tipos de leitura, na tentativa de encontrar soluções para as situações que se apresentam no cotidiano.

Para Silva:

Ler em si não é viver. Ler é conseguir o devido combustível de idéias para viver em sociedade. E essa conquista passa necessariamente pela objetividade do ensino e pela qualidade da escola. Isso não é uma inferência, mas um fato real ou, uma previsão do que se acerta. (SILVA apud NOVA ESCOLA, mar. 2003, p. 49)

A formação de leitores tem como finalidade aproximar as pessoas dos livros, oferecendo-lhes recursos para que possam interpretar e compreender os textos lidos; ampliar a capacidade expressiva através de atividades literárias e artísticas em que possam manifestar sentimentos e opiniões e desenvolver a capacidade crítica estimulando-os a reflexão sobre o que lêem, confrontando diferentes pontos de vista, principalmente quando estiverem envolvidos temas polêmicos que expressem anseios e preocupações da comunidade em que estão inseridos.

A leitura é o meio de que dispomos para adquirir informações e a desenvolver reflexões críticas sobre a realidade. A leitura de textos permite-nos depreender esquemas e formas da língua escrita que, como já sabemos, tem normas próprias, diversas daquela da língua falada. (INFANTE, 1999, p. 69)

Quanto mais atividades, recursos diversificados forem propostas para a leitura, mais estimulada estarão as crianças. Propostas lúdicas e desafiadoras despertam o interesse pela leitura, assim a literatura deve ser também um ato de entreterimento.

Franco (1997, p.46) menciona que cada tipo de leitura pede uma metodologia especifica.

Dentre elas estão:

A busca de informações

Buscar informações em um texto exige que se tenha perguntas a serem respondidas, dúvidas a serem esclarecidas. É necessário o “querer saber mais” e o “querer esclarecer”.

 

Estudo do texto

A leitura estudo do texto é a que faz, quando se quer aprender alguma coisa, ir além de onde já se está, e/ ou para confirmar ou não certos posicionamentos.

Ela se dá a qualquer momento.

Na escola está intimamente ligada ao ato de estudar que, normalmente, tem sido considerado como de responsabilidade do aluno e da família.

É um tipo de leitura que deve ser introduzida nas salas de aula. O aluno deve ter à sua disposição diferentes tipos de materiais informativos, que lhe possibilitem estudos. É importante que se reserve um horário, em sala de aula, para a leitura estudo do texto, onde cada aluno (ou grupos de alunos) fará a leitura/ estudo de acordo com seus interesses  e necessidades.

 

Leitura Pretexto

A leitura pretexto é a que permite a paráfrase, a reprodução sinonímica, a reescrita.

É através dela que a dramatização, a pantomima e o teatro acontecem. É a leitura, por excelência, para se trabalhar a expressão corporal e a linguagem verbal, em sua forma sistematizada, através da representação.

Não basta reescrever um texto, dando-lhe nova forma, nova roupagem. É essencial que se vivencie o texto, mas que o texto permita ser pretexto.

Há de se ter cuidado ao se usar um texto como pretexto para discussão de questões sintáticas: descobrir como funciona a sintaxe do texto. Dissecar a sintaxe de um texto é tratá-lo como coisa morta, discutir a sua sonoridade e descobrir os seus segredos é torná-lo vivo e parte do processo ativo de aprendizagem.

 

Leitura fruição (literária)

A grande preocupação em se formar “hábitos de leitura”, em formar “bons leitores” tem muito a ver com este tipo de leitura.

Se tem a oportunidade de ler por prazer provavelmente o hábito e o bom leitor se concretizarão.

É importante que o professor seja um leitor que privilegie a fruição, que leia histórias com todas as cores que elas carregam.

A escola deve proporcionar uma leitura que leve à compreensão dos textos e à participação de forma crítica na dinâmica do mundo da escrita, bem como posicionando os alunos frente à realidade em que está inserido. Está aí implícita a idéia de que os professores lançam mão de determinados textos, produzidos por determinados autores, para instigar e esmerar a compreensão, a crítica e o posicionamento dos seus alunos.

São três os verbos que definem as funções essenciais da leitura: a)transformar, b) compreender e c) julgar.

Transformar, em leitura, se dá quando o leitor  converte a linguagem escrita em linguagem oral. Compreender se efetiva quando o leitor consegue captar ou dá sentido ao conteúdo da mensagem. Julgar é a capacidade que o leitor tem de analisar o valor da mensagem no contexto social.

Os processos básicos da leitura são também chamados de “processos de nível inferior”. Sua finalidade é o reconhecimento e a compreensão das palavras. Dentro destes se encontram a decodificação  e a compreensão de palavras.

Os processos superiores ou de nível superior têm por finalidade a compreensão de textos.Os dois processos, isto é, os básicos e os superiores, devem ser considerados no ensino do português e na aprendizagem da lectoescrita uma vez que funcionam de modo interativo ou interdependente.

Os processos básicos, isto é, que se voltam à decodificação e à compreensão de palavras, são particularmente importantes nas primeiras etapas da aprendizagem da leitura (ou leitura inicial na educação infantil) e devem ser automatizados ou bem assimilados no primeiro ciclo do ensino fundamental (até a quarta série), já que um déficit em algum deles atua como um  nó de gravata que impede o desenvolvimento dos processos superiores de compreensão leitora.

Processos preceptivos - O leitor atinge a  decodificação através dos processos perceptivos e dos processos léxicos. Os processos perceptivos referem-se à percepção visual.

A percepção visual permite a extração de informações sobre cosias, lugares e eventos do mundo visível. Portanto, a percepção é um processo para aquisição de informações e conhecimentos, guardando estreita relação com a memória de longo prazo (MLP) e a cognição.

A percepção é uma das primeiras atividades que  tomam parte do processo leitor e a forma mais específica da percepção visual. Aprende-se a ler com o poder do olhar.

Ao engajar-se numa leitura, o leitor fixa o olhar, inicialmente, nos símbolos impressos, isto é, nas palavras e nos seus grafemas, e se não analisar em profundidade o que realmente ocorre pode parecer que os olhos percebem as palavras de uma linha ou de um texto de forma contínua. Diante deste contexto, entende-se que ler, a rigor, não é apenas ler as palavras nas linhas, na sua dimensão linear sintagmática, mas ler as entrelinhas, o subjacente, o paradigmático, o ausente, o dito não explícito no texto.

Segundo Franco (1997, p.46), “Ler é prever, pensar, interagir”.

A leitura é um processo de interação entre autor e leitor a inferir dados e situações e a pensar, refletidamente, após o ato de ler.

Sendo a leitura uma ação interlocutiva, é necessário identificar, na sala de aula, a finalidade da leitura. A pergunta básica é: “Para que se lê, o que se lê?

Vai-se ao texto em busca de respostas. É a leitura busca de informações. Deseja-se saber mais, conhecer posicionamentos, outras propostas condizentes, ou não, com as que se detém.

É o que se chama de leitura informativa. Vai-se ao texto para escutá-lo. Não se buscam respostas a perguntas previamente elaboradas, mas busca-se retirar dele tudo o que for possível e perceptível, o que o texto deixa entrever e o que o leitor possa perceber.

 

A compreensão não é uma questão de compreendê-lo todo ou não compreender nada, mas que, como em qualquer ato de comunicação, o leitor realiza uma interpretação determinada da mensagem que se ajusta mais ou menos à intenção do escritor. Saber que condições influem no grau de compreensão da leitura é de grande interesse para o planejamento educativo dessas aprendizagens, já que a capacidade de entender um texto e a possibilidade de ensinar a fazê-lo passaram a ser considerados os aspectos-chave da leitura e de seu ensino. Os fatores que condicionam a compreensão relacionam-se com os dois elementos que interagem no processo de leitura: o leitor e o texto. (Colomer, 2002, p. 47)

 

 

Desta forma percebe-se que a compreensão é a captação do sentido ou conteúdo das mensagens escritas. Sua aprendizagem se dá através do domínio progressivo de textos escritos cada vez mais complexos. 

Zilbermam & Silva, alinha oito componentes necessários para a compreensão:

 

Conhecimento das palavras;

Raciocínio na leitura;

Capacidade para focalizar a atenção em proposições explícitas do autor;

Capacidade para identificar a intenção do autor;

Capacidade para identificar proposições detalhadas num trecho;

Capacidade para seguir a organização de um trecho e identificar os antecedentes que se referem a ele;

Conhecimento especifico dos recursos literários;

Capacidade para selecionar o principal pensamento de um trecho. (ZILBERMAM & SILVA, 1988, P. 09),

 

Com isso, percebe-se a necessidade de proporcionar aos alunos uma leitura que além de lhe dar prazer, leve-os a adquirir compreensão sobre o que está lendo. Uma vez que a escola promove o intercâmbio entre a criança e a leitura, e ela tem a oportunidade de estimular o gosto e o hábito de ler.

Torna-se essencial que o professor tenha uma concepção de leitura que realmente busque o desenvolvimento dos alunos e que ofereçam oportunidades positivas de contato com diversos tipos de textos, uma vez que o ato de ler é muito importante, como agente de aquisição de conhecimento de todas as disciplinas.

Por este motivo, o professor deve introduzir na sua prática pedagógica, metodologias e estratégias criativas, utilizando a leitura para estimular a emancipação pessoal e para buscar o desenvolvimento integral do aluno.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/concepcoes-de-leitura-1863644.html

    Palavras-chave do artigo:

    concepcoes importancia leitura

    Comentar sobre o artigo

    SANDRA VAZ DE LIMA

    A leitura exerce papel relevante na vida de qualquer indivíduo, seja durante a vida estudantil ou depois dela. A pessoa que lê exercita o cérebro, alimenta a intelectualidade, enriquece a linguagem, expande sua visão e compreensão das coisas e do mundo, abrindo horizontes para o raciocínio, a contextualização e a argumentação.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 15/02/2010 lAcessos: 2,938
    Carla Cardoso Gomes

    O presente artigo é resultado de uma pesquisa para a obtenção do título de graduada do curso de Pedagogia pela Faculdade Evangélica Cristo Rei – FECR, realizada com alunos do Ensino Fundamental I, da Escola Municipal de Ensino Fundamental Monsenhor José Borges. O objetivo dessa pesquisa é explicitar a concepção de leitura realizada por alunos do 4º Ano do Ensino Fundamenta I e também do professor.

    Por: Carla Cardoso Gomesl Educação> Educação Infantill 05/08/2014 lAcessos: 40

    O objetivo deste artigo é analisar algumas das práticas relacionadas ao ensino de leitura na séries iniciais e as orientações dos PCN e o pensamento de alguns autores a respeito do tema. Este trabalho é de cunho bibliográfico onde buscamos refletir a respeito do que tem sido discutido na área de linguagem a respeito do ensino-aprendizado de leitura. Aprender a ler além de ser uma atividade reveladora de novas possibilidades como também uma exigência da sociedade letrada. O ato de leitura

    Por: Abraão Augusto da Silva Santosl Educação> Línguasl 27/02/2010 lAcessos: 12,682 lComentário: 1
    Rubens

    Este artigo aborda concepções sobre a prática da leitura que devem ser realizadas na sala de aula e nas bibliotecas escolares.

    Por: Rubensl Educaçãol 28/03/2009 lAcessos: 6,577 lComentário: 1

    Este artigo teve como objetivo analisar como as práticas de leitura e escrita vêm sendo desenvolvidas nas séries iniciais (ciclo de alfabetização) nas escolas: Municipais Celso Eulálio e Francisco José de Araújo, Unidade Escolar Miguel Lidiano, nos turnos da manhã e tarde na cidade de Picos – Piauí.

    Por: Jandira Antonia da Conceiçãol Educação> Educação Infantill 14/06/2011 lAcessos: 3,726
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    Dissertou-se sobre algumas concepções pedagógicas da alfabetização, por acreditar que embora exista uma grande quantidade de professores, ainda falta uma demanda de alfabetizadores reais, que conheçam os princípios da alfabetização, os medos e conflitos que rodeiam os alfabetizandos, e assim, como, de forma clara e objetiva, sanar este problema. A escrita é outro dilema, pois embora acessível a todos, há um tabu entre o educando a escrita e a leitura.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 28/12/2012 lAcessos: 146
    Evilasio Ferreira de Sousa

    Aprender a ler o mundo é uma prática fundamental, a leitura e a escrita e uma pratica que contribui para a formação de cidadãos capazes de enfrentar a dominação econômica,social,cultural. Quando começamos a organizar os conhecimentos adquiridos, a partir das situações que a realidade impõe então estamos procedendo à leitura; A linguagem tem como objetivo principal a comunicação sendo socialmente construída e transmitida culturalmente. Portanto, o sentido da palavra instaura-se no contexto, apar

    Por: Evilasio Ferreira de Sousal Educação> Educação Infantill 18/10/2011 lAcessos: 2,383
    Rosimeire Moreira Quintela

    RESUMO Esta pesquisa visa transformar métodos tradicionais contidos na escola levando os professores a participarem de pesquisas, práticas pedagógicas, inovações para que suas aulas se tornem mais criativas e produtivas. O objetivo é de auxiliar na superação do fracasso escolar em relação à leitura, pois se acredita na possibilidade de sucesso de todas as crianças...

    Por: Rosimeire Moreira Quintelal Educação> Educação Infantill 11/01/2012 lAcessos: 1,162

    O presente trabalho tem por objetivo apresentar a aquisição da leitura e da escrita, onde a mesma se inicia muito antes do que geralmente se imagina, quando a criança, antes mesmo de entrar na escola, começa a tomar contato com materiais escritos. O processo de aprendizagem da leitura e da escrita tem o propósito de observar a evolução do aprendizado, sendo assim, necessário diagnosticar os fatores que podem estar interferindo para poder fazer com que a criança evolua e acompanhe o que é pedido.

    Por: ARIUSKA SOARES BRASILEIROl Educaçãol 20/04/2011 lAcessos: 2,619

    Os alunos têm muita dificuldades na disciplina de matemática, sendo assim, neste artigo foram descritas algumas ideias básicas para se ter sucesso em matemática. Já que esta disciplina está tão presente no cotidiano das pessoas, então é muito bom que os alunos levem mais a sério ao aprender a trabalhar com a matemática.

    Por: Josimara L. Furtado dos Santosl Educaçãol 01/10/2014

    Esta investigação teve como propósito o estudo sobre o dilema da teoria social, por meio de pesquisas bibliográficas e documental, com base nos artigos científicos de Dalbosco (2010), Carvalho (2013), Lília (2009), Morigi (2004), Netto (2012 e Maia in Connell (2009). Assim, este trabalho abordou sobre os dilemas que implicam a teoria social nas questões de definição do método que é um dos problemas centrais e polêmicos da teoria social, sua relação entre o estado de natureza e o estado social e

    Por: Carla Anne Marques Fariasl Educaçãol 28/09/2014

    RESUMO Este trabalho tece um dialogo sobre o dilema da teoria social, filosofia política, crise da teoria social, o problema do método e da ordem social e o problema da modernidade. Para dar inicio a essa pesquisa houve uma busca exaustiva a livros e revistas para uma leitura do tema abordado em seguida uma pesquisa nos sites da internet. E a leitura da apostila recomendada para embasamento do assunto abordado, na qual contem seis capítulos.

    Por: estelal Educaçãol 26/09/2014

    Os motivos para fazer um curso técnico são tantos que é difícil de entender o quando jovens concluintes do ensino médio não começam suas carreiras profissionais por este ponto de partida.

    Por: Thonny Siqueiral Educaçãol 19/09/2014

    São inúmeros, mas iremos apontar os que consideramos como mais importantes: 1 – A qualidade de ensino em uma escola técnica (Etec) é considerada excelente. 2 – As Etec´s contam com equipes de Professores e Coordenadores muito bem preparadas e comuma estrutura completa de salas, laboratórios e equipamentos de última geração.

    Por: Thonny Siqueiral Educaçãol 17/09/2014
    Erineia nascimento da Silva

    O aluno especial tem algumas necessidade de auto realização igual aos demais alunos, assim como ele precisa ter sua autoestima valorizada para contribuir na definição de suas habilidades intelectuais, a interação social com a comunidade escola lhe dará segurança, o apoio dos pais e fundamental nesse processo.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 11/09/2014
    Erineia nascimento da Silva

    Cérebro é o órgão onde se forma a cognição, o órgão mais organizado do corpo humano. Portando a cognição pode emergir no cérebro e nele acontece dinâmicas evolutivas que permitem ao ser humano revelar-se como um ser auto-eco-organizador, para isso e necessário o envolvimento das funções bio-psico-sociais ou bioantropologicas.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 08/09/2014 lAcessos: 11
    Formacerta.pt

    Este artigo informa sobre o curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores, uma formação frequentemente procurada (e essencial) por indivíduos que querem entrar no mercado de formação profissional.

    Por: Formacerta.ptl Educaçãol 08/09/2014
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Empreendedores são pessoas que desejam participar ativamente da construção de um mundo novo, não apenas como expectadores, mas como atores das mudanças globais da atualidade. De modo geral a pesquisa busca conhecer as ações dos empreendedores nas organizações e dessa forma, saber como eles podem e devem contribuir para o crescimento e desenvolvimento. Especificamente buscou-se: diagnosticar o perfil "empreendedor"; identificar os desafios que a administração propõe ao gestor público.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 20/08/2013 lAcessos: 125
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Educação Especial é uma modalidade da Educação Básica, fundamentada no princípio da atenção à diversidade. Integram-se o Ensino Regular e a Educação Especial numa concepção da Educação Inclusiva, buscando a participação e permanência de todos os alunos na escola, numa educação de qualidade, onde o atendimento as pessoas com necessidades especiais não requer um ambiente especifico e único, mas sim necessita de recursos físicos, humanos e materiais para que seja possível atender a todos, adaptan

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 2,310
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Tecnologia Educacional é entendida como a área que estuda a aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação - TIC - na educação, a partir de um embasamento da didática, psicologia da aprendizagem e desenvolvimento tecnológico. Assim, as alterações no sistema educativo visam levar em conta as diferenças pessoais, estilos cognitivos, ritmos de aprendizagem, afinidades, áreas de interesse, estratégias de pensamento e motivação.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 162
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Não existe uma única concepção sobre a EaD, pois o conceito evoluiu ao longo do tempo, influenciado pelo avanço das tecnologias da informação e da comunicação. Além disso, a concepção de educação a distância pode variar conforme o autor, sua base teórico-conceitual e sua concepção do que significam educação, ensino e aprendizagem.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 173
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A expectativa é ao mesmo tempo ligada a pessoa e ao interpessoal, também a expectativa se realiza no hoje, e futuro presente, voltado para o ainda-não, para o não experimentado, para o que apenas pode ser previsto. Assim, percebe-se que a expectativa é um sentimento que surge diante de novidades, do diferente.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 85
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Com os anos as análises históricas sofreram inúmeras mudanças, tendo historiadores como Jules Michelet que se preocupavam com histórias nacionais, espírito do povo, representando heróis. Tal autor chamou a atenção por identificar um agente sem rosto – o povo, as massas, como personagem da história e como protagonista dos acontecimentos.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 164
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Conforme o texto "Correntes, campos temáticos e fontes", a escrita e a leitura são indivisíveis e estão contidas no texto, permitindo a comunicação e veicula representações, onde o historiador pergunta sobre quem fala e de onde fala, discutindo sobre ela. As relações entre essas instancias não são diretas nem reflexas, mas sim intermediadas pelo discurso narrativo, e para o entendimento da História Cultural pode ser o da metáfora, pois o discurso explica, fala de algo que se percebe e se entende

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 197
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Entende-se que a História é construída conforme as práticas, as culturas de um determinado povo, uma organização social, onde o habitus integra os espaços de experiências, funcionando a cada momento vivido como matriz de sensações.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 68
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast