Construtivismo, Realidade E A Sala De Aula

Publicado em: 21/05/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 10,450 |

1. INTRODUÇÃO

  O presente artigo, fruto de reflexões sobre dados coletados em recente pesquisa a respeito do discurso construtivista e da realidade da sala de aula, traz novamente à tona antigas questões que envolvem o dia-a-dia de uma sala de aula e as funções do docente nela atuante. Muito embora o objetivo não seja encontrar soluções mágicas nem demonstrar resultados sensacionalistas, os dados sobre os quais as reflexões se fundamentam pretendem, isto sim, contribuir para que as discussões continuem. Ainda é muito necessário refletir sobre o papel do professor na sala de aula e sobre todos os aspectos que envolvem esse cenário, e nesta reflexão o objetivo maior deve ser a compreensão cada vez maio da complexidade do ambiente escolar e o aluno e o professor ainda são peças fundamentais.

 2. O PROFESSOR NO CENÁRIO ESCOLAR ATUAL

  A questão do cotidiano escolar é, sem dúvida, uma das mais complexas situações do universo pedagógico sistematizado. As dificuldades encontradas pelo professor no trato e resolução dos problemas referentes ao relacionamento da díade aluno x conhecimento estão continuamente presentes nas discussões entre os profissionais da área.

  O ensino escolar sempre teve, e ainda tem papel relevante na promoção individual/social; assim sendo, de tempos em tempos impõe-se uma reavaliação dos objetivos, conteúdos, metodologia e principalmente do papel do professor, pois o que se conhece não mais satisfaz.

  Entre as questões sempre presentes, é possível acrescentar outras, como: afinal, o que de fato mudou: a escola, o aluno ou o professor? Por que o modelo de professor tão conhecido por todos nós não serve mais? Onde realmente deveria processar-se a mudança? Quais são as verdadeiras competências de um professor, dito atualizado, moderno? O que é esperado desse profissional? Essas questões não têm respostas rápidas nem fáceis.

 Atualmente, fala-se muito em globalização, interdisciplinaridade, educação planetária, multidisciplinaridade etc. No entanto, a falta de contato entre o conhecimento escolar e as realidades sociais permanece uma constante, tal a ambigüidade, a falta de clareza que envolve o próprio papel da escola enquanto instituição partícipe da engrenagem social.

  Em vista dessa situação não digerida, não internalizada mentalmente, e por isso mesmo também sem ressonância no comportamento dos envolvidos, a grande maioria dos professores, apesar do desconforto sentido, da insegurança (devido às críticas recebidas), volta sempre às antigas formas e fórmulas de trabalho no dia-a-dia da sala de aula. Como esperar algo diferente, a adoção de uma nova postura profissional, se esta não foi suficientemente entendida? A falta de uma identidade teórica, enquanto porto seguro, no desenvolvimento das atividades diárias, deixa os docentes à mercê de modismos que apenas encaminham para novas frustrações, tanto para eles próprios quanto para a comunidade.

  Em recente pesquisa, quando perguntados sobre as mais evidentes dificuldades percebidas em seus alunos 49% dos docentes disseram ser a de incorporação de conhecimento, ou seja, os alunos apresentavam dificuldades para aprender. Sobre as atividades mais frequentemente dadas aos alunos, aparecem, pela ordem: produção e interpretação de textos (43%); discussão de assuntos veiculados pela mídia (33%); outras atividades do tipo armem e efetuem, completem as frases e resoluções de problemas matemáticos (15,5%). Observe-se que tais atividades exigem pouco envolvimento do docente, ou seja, a “tarefa” é distribuída, em seguida são dadas algumas rápidas explicações, e espera-se o aluno terminar para depois, efetuar a correção coletiva. Nessa situação, evidencia-se, pelo menos para nós, uma grande dificuldade, por parte do professor, em construir e reconstruir uma concepção própria do processo ensino/aprendizagem, em razão dos dados e resultados obtidos no dia-a-dia. Silva (1999) diz sobre isso:

                         

Na sala de aula há necessidade de uma construção recíproca dos atores do processo:

o aluno agiria em favor da construção e reelaboração do conhecimento e o professor

estabeleceria com sua atitude um caminhar a dois (p. 99).

                   Outra situação configurada e de certa forma surpreendente foi a que resultou das respostas dadas pelos professores quando questionados sobre o construtivismo: 38,5% considerarem-se construtivistas, no entanto, 33,5% não souberam responder sobre as competências de um professor assim classificado; 48,5% afirmaram considerar difícil a aplicação dessa teoria, e 27,5% responderam que a principal função de um docente construtivista seria estimular o aluno, embora não deixassem claro o que entendiam por isso.

              Interessante observar que esses dados corroboram com o que foi dito anteriormente sobre a fraca formação teórica dos professores. Se o construtivismo é uma concepção teórica essencialmente preocupada com a aquisição, acomodação e exteriorização do conhecimento, ou seja, com o processo de aprendizagem, faz sentido falar em professor construtivista? Quem “constrói” o próprio conhecimento é o aluno; ao professor compete criar o ambiente, as circunstâncias propícias para que essa construção se efetive. Andrade (1995) comenta:

 A professora precisa saber quem são seus alunos. Conhecer o processo de desenvol-

vimento em seus aspectos cognitivo, afetivo-social e psicomotor, para ter uma visão

integral das necessidades e possibilidades da faixa etária é o primeiro passo... de

posse desses dados, a professora terá competência para  selecionar, com critérios e

criatividade atividades e tarefas que tenham real significado e objetivo claro de de-

senvolvimento para sua turma (In Goulart, p. 35).

     3. AS EVIDÊNCIAS CONCRETAS DA SALA DE AULA

              A análise dos cadernos de alunos, que constituiu a segunda parte da pesquisa realizada, veio, na verdade, confirmar nossa intuição sobre a divergência existente entre o discurso docente e o fazer cotidiano dos alunos na escola.

              Quando falamos em divergência, ou seja, em não convergência do propalado e do concreto no dia-a-dia, não temos a intenção de criticar, mas tão somente refletir sobre os argumentos apresentados pelos docentes e sobre o que de fato o comportamento deles evidencia.

              No primeiro momento, os cadernos apresentaram-se visualmente bastante bons, demonstrando a preocupação dos professores nesse sentido.

              A confrontação do discurso docente com as atividades encontradas nos cadernos, independentemente da área de conhecimento, colocou em xeque a relação professor-aluno-conhecimento, deixando transparecer alguns aspectos bastante interessantes e merecedores de uma análise mais detalhada, que, no entanto, não é o objetivo neste momento. Entre as principais atividades e/ou exercícios presentes nos cadernos, ainda se encontraram com exagerada freqüência os dos tipos completar frases; ligar desenho ao nome; arme e efetue; questionários de interpretação; formação de frases a parti de palavras dadas; produção de textos (após sessões de vídeo, histórias lidas e comentadas); ilustração de frases e textos e problemas matemáticos.

              O que isso vem demonstrar? Em nossa interpretação, a conclusão seria que, muito embora se realizem reuniões, encontros para discussões, cursos de aperfeiçoamento, etc.; o dia-a-dia na escola permanece igual ao que era há muitos anos. O professor não muda no interior da sala de aula, nem tampouco a sua relação com o conhecimento e o aluno. A cultura da docência, o modelo de professor de várias décadas passadas, ainda é o que marca presença na sala de aula.

              A análise dos cadernos dos alunos revelou também uma alarmante negligência quanto ao que fica registrado neles, ou seja, raros cadernos (40%) continham efetiva supervisão por parte do docente. Na maioria dos cadernos, aparecem muitas palavras grafadas erroneamente, exercícios cujos resultados não estavam corretos e que não receberam nenhuma anotação por parte do professor. Essas deficiências poderiam ser atribuídas tão somente ao grande número de alunos na sala? Parece-nos que não, uma vez que não é a quantidade de exercícios reiterativos que garantirá a aprendizagem dos alunos.

              Talvez a falta de uma perspectiva profissional da ação e das competências docentes possa esclarecer o que vem ocorrendo no interior da sala de aula. A descaracterização do papel do professor e a falta de modelos sérios a seguir contribuem para o aligeiramento, a superficialidade das atividades de ensino. A atemporal idade, no sentido de constante "inovações", modismos e cópias do que o colega está fazendo, sem a base de uma estrutura cognitivo-emocional, acaba por levar o professor a não pensar, a não refletir de modo mais centrado no real papel que lhe compete. Sobre essa questão, Arroyo (2000) alerta com muita propriedade:

 

O direito à educação nunca será garantido por um clube de amigos e amigas da

cultura, de animais de estimação ameaçados, de crianças de rua, e agora a mídia

e os governos lançam a campanha amigos da escola! mais um capítulo de nossa

longa história, de sua descaracterização. A educação escolar tratada como uma

terra vadia, sem cercas, facilmente invadida por aventureiros. Qualquer um enten-

de, palpita sobre a escola (p. 22).

               Essas preocupações do autor fazem refletir e levantam questionamentos como: quando os professores retomarão, de verde as rédeas do ensino?

              Outro aspecto interessante de ser analisado, o qual se encontra firmemente incorporado ao imaginário docente, é a necessidade de vinculação das atividades, do conhecimento ao cotidiano vivenciado pelo aluno. Será isso, de fato, tão necessário assim? Será que se trata de um procedimento tão elementar, tão fácil assim para o professor? Os professores foram ou estão sendo formados dentro desses novos conceitos? Se não, como exigir deles uma prática que nunca vivenciaram? Por que colocar os professores dentro de uma roda-viva de teorias novidadeiras e de conceitos "modernos", que apenas lhes desvanecem a identidade, deixando-os inseguros e com baixa estima enquanto profissionais? Evidentemente, não estamos advogando a estagnação profissional; porém acreditamos que um profissional bem formado, seguro do papel a ser por ele desempenhado, reconhecido pelas tentativas que faz para acertar, poderá obter resultado melhores e mais significativos. É novamente Arroyo (2000) quem adverte:

 As políticas de formação e de currículo é, sobretudo, a imagem do professor (a)

em que se justificam, perderam a referência ao passado, à memória, à história,

como se ser professor (a) fosse um cata-vento que gira à mercê da última von-

tade política e da última demanda tecnológica... que se julgam no direito de nos

dizer o que não somos e o que devemos fazer, de definir nosso perfil, de redefi-

nir nosso perfil social, nossos saberes e competências... através de um simples

decreto (p. 24).

               Muito embora já encontremos em Dewey e Bruner a preocupação em delegar ao professor o efetivo e eficaz encaminhamento do processo de ensino, através de variadas habilidades e competências e de uma postura profissional inquestionável, até hoje não foi possível reencontrar esse caminho, tal a miscelânea teórica construída em torno da função docente.

              Os motivos que deixam, ainda nos dias atuais, a competência docente tão vulnerável em sua definição constituem uma situação complexa demais para ser resolvida através de raras e sempre repetida tentativas de “atualização” dos mestres. Entendemos que o real problema se encontre na base de sua formação.

              Parece-nos que começar a refletir sobre o próprio conceito de infância e de aprendizagem poderia vir a ser um bom e viável início, para, daí então, retomar a discussão sobre o papel do professor, e do adulto em geral, no desenvolvimento da criança.

              Outro aspecto interessante a ser considerado, o qual também permeia o imaginário docente, é o receio de ser classificado como "tradicional", numa clara demonstração do valor pejorativo que acompanha essa palavra. Como ninguém quer ser chamado de "tradicional", há uma corrida pela adoção de atividades e conteúdos ditos modernos, sem, no entanto, uma reflexão sobre o significado e a contribuição real dessas atividades para a formação do educando.

              É necessário que o professor tenha sempre presente que, para uma prática diária considerada atual, moderna, ele precisa romper com antigas formas de organização (tanto social quanto escolar), adotar novas tecnologias e com elas, novos paradigmas. Ou seja, é necessário acoplar as práticas educativas às condições que emergem, que desabrocham das vivências sociais em todos os seus segmentos socioculturais. Como concretizar isso? Vale refletir sobre o que diz Kant:

                               

O estudante não deve aprender pensamentos; deve aprender a pensar. Não se deve

transportá-lo, mas guiá-lo se quisermos que no futuro seja capaz de dirigir-se por

se por seus próprios meios (In Gusdorf, 1987, p. 126).

 

              Existe algo mais construtivista do que isso?

              Retornando à questão da distância entre o que diz o professor e o que realmente acontece no interior da sala de aula, salta aos olhos a necessidade de uma mudança conceitual, inclusive de questionamentos sobre o que de fato seria um professor construtivista, bem como sobre a orientação que dará a sua postura (se filosófica, metodológica, etc.). Até porque, a concepção construtivista não é identificável em todo e qualquer momento da sala, mas na organização, propósitos e postura do professor. Não é na seleção deste ou daquele instrumento/material/conteúdo que o professor assume uma postura construtivista, mas, sim, no encaminhamento das etapas que envolvem e desencadeiam o raciocínio lógico e concreto do aluno. Ou seja, são os objetivos que ele consegue alcançar por meio das atividades desenvolvidas que o farão merecer, ou não, a classificação de construtivista.

              A fim de que ocorra isso, é sempre válido relembrar que um consistente quadro teórico referencial é fundamental para dotar o professor de equilíbrio e segurança no encaminhamento de suas propostas de trabalho diário. Saber o que faz e porque o faz é sempre um bom começo. Ou, como diz Puig: "Compreender supõe, antes de tudo, perguntar-se algo e com isso abrir espaço para novas significações e sentidos".

              Com uma postura assim, tendo a coragem e a humildade de refletir sobre os resultados de seu trabalho diário, com o propósito de ajudar o educando na conquista de seu espaço social, o professor conseguirá que as dificuldades enfrentadas e os desgastes sofridos tenham valido a pena.

 

BIBLIOGRAFIA

ANDRADE, Rosa Maria C. de. In Goulart, Íris. (org.) A Educação na Perspectiva Construtivista. Petrópolis - RJ: Vozes, 1995.

ARROYO, Miguel. Ofício de Mestre: imagens e auto-imagens. Petrópolis-RJ: Vozes, 2000.

GUSDORF, Georges. Professores para Que? São Paulo: Martins Fontes, 1987.

RIOS, Terezinha A. Compreender e Ensinar. São Paulo: Cortez, 2001.

SILVA, Elzamir G.; TUNES, Elizabeth. Abolindo Mocinhos e Bandidos. Brasília: UNB, 1999.

 

 

 

 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/construtivismo-realidade-e-a-sala-de-aula-929861.html

    Palavras-chave do artigo:

    discurso docente

    ,

    atividades escolares

    ,

    postura construtivista

    Comentar sobre o artigo

    Evilasio Ferreira de Sousa

    O presente artigo busca apresentar e discutir as diferentes concepções que norteiam a prática avaliativa, buscando o aprofundamento teórico e uma reflexão constante sobre a prática pedagógica, o que implica num redimensionamento também da forma de se avaliar. Numa tentativa de umas a ter uma avaliação qualitativa, baseada em uma relação democrática. A pesquisa foi feita de natureza descrita, do tipo bibliográfico. Com referenciais teóricos para fundamentos a nossa pesquisa, valemo-nos de autores

    Por: Evilasio Ferreira de Sousal Educação> Educação Onlinel 29/09/2011 lAcessos: 491

    RESUMO A educação brasileira encontra-se num momento de crise, pois, a função da escola vem mudando gradativamente, com essa mudança os professores estão sendo sobrecarregados durante o desenvolvimento de seu trabalho, já que além de ter que repassar seu conhecimento acadêmico, tem tido que repassar valores que até pouco tempo eram recebidos em casa, de seus responsáveis.

    Por: Eraldo Pereira Madeirol Educação> Educação Onlinel 27/09/2010 lAcessos: 18,011 lComentário: 2

    O presente artigo discute a importante contribuição do pensamento de Jonh Dewey e a construção do trabalho docente, tomando a reflexão como ação fundamental nesse contexto, objetivando atender a necessidade de problematizar o conheci

    Por: Susana Soares Tozettol Educaçãol 17/02/2010 lAcessos: 1,025
    ROBSON LIMA DE ARRUDA

    O presente artigo propõe uma reflexão sobre a formação didática dos professores. Discutimos sobre o professor, a formação inicial e continuada, os saberes empíricos e pedagógicos e a Didática, buscando suporte em autores como Pimenta, Libaneo, Luckesi, entre outros. Apresentamos dados de uma pesquisa realizada com professores formados e em formação com e sem exercício na docência para entender como os cursos de formação em nível médio e superior trabalham com a didática.

    Por: ROBSON LIMA DE ARRUDAl Educaçãol 02/11/2009 lAcessos: 16,610 lComentário: 2

    Este trabalho apresenta algumas reflexões em torno da prática de Estágio em Coordenação e Gestão Escolar.

    Por: Joilson Aleixo da Silval Educaçãol 25/08/2009 lAcessos: 3,954 lComentário: 3

    Ler é essencial. Através da leitura, testa-se os próprios valores e experiências com as dos outros. No final da leitura de cada livro, fica-se enriquecido com novas experiências, novas idéias, novas pessoas. Eventualmente, fica-se conhecendo melhor o mundo, e um pouco mais de si mesmo.

    Por: Walderclaudio Nascimento Santosl Educaçãol 16/08/2009 lAcessos: 15,868 lComentário: 4

    A partir de uma reflexão crítica acerca do ensino de Língua Portuguesa, busca explicitar angústias, dilemas e entraves percebidos e vivenciados pelo estudante de Letras durante seus Estágios Supervisionados de observação, co-participação e regência. Faz uma retrospectiva acerca da implantação de teorias lingüísticas, evidenciando o descompasso entre os avanços destas e o ensino de língua. Em seguida, assinala os problemas mais comuns associados à prática docente nesta área, apontando alternativas que visam a viabilizar um ensino produtivo, pautado em uma proposta sociointeracionista, respaldada na pedagogia de projetos.

    Por: Sinéia Maia Teles Silveiral Educação> Ensino Superiorl 23/10/2008 lAcessos: 18,238 lComentário: 4

    Proposta pedagógica e Relato do trabalho de campo da disciplina Fundamento e Ensino das Ciências Naturais Orientação:Professora Renata Jucá

    Por: Joilson Aleixo da Silval Educaçãol 28/08/2009 lAcessos: 15,417 lComentário: 4
    Jaconias Dias Rodrigues

    As formas de subjetivação e mecanismos de resistências criadas pelos professores, gestores, alunos e demais agentes escolares no que toca a gestão democrática são objetos de estudo desse artigo .Escrever sobre esses mecanismos e descortinar a realidade da escola no que tange a gestão constituem as preocupações apresentadas. Nesse sentido o artigo pretende funcionar como um provocador e disparador de novos comportamentos na vida do profissional dos que lidam com a gestão.

    Por: Jaconias Dias Rodriguesl Educação> Ensino Superiorl 15/07/2011 lAcessos: 520

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11
    Ademar dos Santos Lima

    A obra "Odisseia Amazônica" narra sobre os grandes feitos dos deuses e heróis na Amazônia pré-colonial. Por isso, todas as personagens têm nomes indígenas. A história tem início no altiplano, Cordilheira dos Andes, mais precisamente na montanha Nevado Mismi, onde nasce o grande Rio Amazonas.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatura> Ficçãol 24/10/2010 lAcessos: 180
    Ademar dos Santos Lima

    Huck Finn é um adolescente de apenas treze anos, um garoto destemido e determinado, que resolve partir para novas descobertas da vida e assim, ele foge de casa e embarca numa aventura pelo rio Mississipi, juntamente com seu amigo Jim. Eles enfrentam perigos e adversidades no decorrer da viagem, mas no final, eles vencem os desafios com companheirismo e lealdade um ao outro.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatura> Ficçãol 25/07/2010 lAcessos: 611
    Ademar dos Santos Lima

    Este artigo faz uma breve abordagem sobre os filmes A megera domada e 10 coisas que eu odeio em você. Assunto este que faz parte da disciplina de Cultura de Expressão Inglesa.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatura> Ficçãol 25/07/2010 lAcessos: 2,974
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este artigo analisa as implicações no processo de aprendizagem entre professor-aluno, a partir de observações das teorias da psicologia da aprendizagem. Assunto este que serviu de base para uma abordagem mais detalhada sobre o estudo e construção deste trabalho, o qual se espera que seja de utilidade para possíveis pesquisas futuras.

    Por: Ademar dos Santos Limal Psicologia&Auto-Ajudal 29/05/2009 lAcessos: 1,888
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este trabalho apresenta comentários sobre a obra de Alfredo Bosi, que tem por título: História Concisa da Literatura Brasileira. Analisa, em especial,o pitulo "Pressupostos Históricos", o qual destaca o reflexo de um momento histórico para a corrente literária da época.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatural 29/05/2009 lAcessos: 19,439 lComentário: 7
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este artigo analisa o termo competência e seu significado no contexto do trabalho e das políticas educacionais. Assunto que será pesquisado no decorrer deste trabalho, com o objetivo de reforçar o grau de conhecimento sobre a palavra competência.

    Por: Ademar dos Santos Limal Educaçãol 29/05/2009 lAcessos: 1,362
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este artigo faz uma abordagem sobre a prática da leitura no processo de ensino-aprendizagem no Brasil, que tem recebido recentemente uma crescente atenção por parte de grupos de investigadores das diferentes áreas do conhecimento, principalmente no campo da Pedagogia. Também há preocupações de várias instituições, quer pública, quer privada, com responsabilidades no plano da educação, que vem analisando através de pesquisas o desempenho de alunos na competência da leitura no pais. Assunto este que será o subsídio para o que se pretende expor detalhadamente neste trabalho.

    Por: Ademar dos Santos Limal Educaçãol 25/05/2009 lAcessos: 10,253
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este artigo faz uma abordagem sobre as obras e os poetas da escola simbolista, que se originou na França com a publicação de “As flores do Mal”, de Baudelaire, em 1857. Nome inicial era “Decadentismo”. Em Portugal, o Simbolismo tem início em 1890, com o livro de poemas de Eugênio de Castro, “Oaristos”, e com revistas acadêmicas, “Os Insubmissos” e “Boêmia Nova”, cujos colaboradores eram Eugênio de Castro e Antônio Nobre. Assunto que, será o ponto de partida para uma análise sobre as obras simbolistas e seus autores.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatural 22/05/2009 lAcessos: 4,366
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast