Convivência Social : A Questão Da Ética, Cidadania E Meio Ambiente

Publicado em: 02/03/2010 |Comentário: 3 | Acessos: 10,180 |

Ao iniciar um trabalho que envolve ética, cidadania e meio ambiente como objeto de estudo, consideramos importante dizer que são valores que devem estar sempre associados, na perspectiva da felicidade e do bem comum. Para Luis Carlos ludovikus : A ética cuida do nosso ser na vida.

Para os gregos a natureza era a medida de todas as coisas. O que não era bom para o meio ambiente não poderia ser bom para a humanidade. E a partir desse princípio, eram formuladas leis e regras de convivência, voltadas, principalmente para o bem da coletividade.

Muita coisa mudou nessa trajetória.

Os valores coletivos aos poucos foram cedendo lugar aos interesses individuais, e a natureza deixou de ser critério para o desenvolvimento da humanidade. Como resultado dessa mudança de valores, hoje o mundo vive uma situação de grande desigualdade social e desequilíbrio ambiental colocando em risco a qualidade de vida de toda a população, principalmente das gerações futuras.

A urgência destas questões deve-se à crise imediata que vive, seja em nível mundial, no relacionamento com os outros ou com a própria natureza. Há uma percepção cada vez maior que haverá transformação no plano global sem uma nova base de valores para serem vivenciados e que fazem parte de nossa natureza original. Valores que determinam a vida de cada ser na Terra.

A questão ambiental está permeada de valores éticos e espirituais que são, na essência, os princípios do espírito humano e da própria vida. A ausência de percepção destes valores gerou a crise, até mesmo na área científico-tecnológica, o filho pródigo da sociedade moderna tentou reduzir a humanidade à conquista de metas puramente materiais, algo que representaria a própria negação do homem. Porém, é possível mudar essa realidade.

O primeiro passo é refletir sobre o impacto das escolhas individuais sobre o meio ambiente e na sociedade. A partir daí, o segundo passo é propor e implementar ações que possam tornar o mundo melhor para todos. Segundo, Luis Carlos Ludovikus, professor da escola do Legislativo da Assembléia legislativa de Minas Gerais: essa é uma possível relação entre ética, cidadania e meio ambiente. A moral só vai pensar em certos valores, normas e regras, para a gente viver no nosso cotidiano. O que podemos fazer e o que não podemos: A ética vai questionar esses valores, esses princípios que regem essa moral. Se eles estão conduzindo bem. A ética poderá resolver, em geral, o que é um comportamento pautado por normas, ou em que consiste o fim – o bom – visado pelo comportamento moral, do qual faz parte o procedimento do indivíduo concreto ou o de todos.

AÇÕES RUMO À CIDADANIA

Cidadania é exercício democrático de fazer escolhas. Seja de seus representantes, seja dos caminhos que se deseja para a sociedade. Toda comunidade – organizada em âmbito local, regional ou nacional trabalha na conquista de seus objetivos.

A legislação ambiental de um país, estado ou município é um poderoso instrumento de cidadania. Não apenas porque informa os direitos de cada um em relação ao meio ambiente, mas também porque, através do conhecimento dessas leis, é possível questioná-las, propor mudanças e até mesmo participar da elaboração de um nova lei ambiental.

A legislação brasileira garante o direito do cidadão ao meio ambiente hígido. O meio ambiente é um bem público de uso comum. Segundo o artigo 225 da Constituição Brasileira:

Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade da vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para às presentes e futuras gerações. (CONSTITUIÇÃO, 225)

O meio ambiente ecologicamente equilibrado é um direito assegurado pela Constituição Federal, que definiu o meio ambiente como bem público de uso comum do povo, isto é, não pode ser objeto de apropriação privada ou estatal contrária ao interesse público. A utilização dos bens ambientais pelo Estado ou pelas empresas privadas não pode impedir que a coletividade use e desfrute desses bens.

A Constituição foi ainda mais longe ao impor ao Poder Público e à coletividade o dever de defender o meio ambiente. Isto significa que se o governo por acaso cruza os braços e faz vista grossa à degradação ambiental, os cidadãos e suas associações têm meios legais de exigir a proteção ambiental.

Sabe-se bem que as leis nem sempre são cumpridas. É o que ocorre com a legislação ambiental. As empresas e o próprio governo são muitas vezes os primeiros a violar a lei ambiental, invadindo o espaço público para defender interesses econômicos privados. A luta pela defesa dos direitos ambientais é, assim, eticamente, uma luta para garantir o caráter público do meio ambiente.

CONSIDERAÇÕES GERAIS

Uma postura ética hoje diante das questões ambientais seria sair dessa lógica de que não estamos poluindo o meio ambiente. Ser ético é saber estar com o outro, mobilizar com o outro, buscar, trabalhar mudanças e reformas para que possamos ter um mundo habitável para todos e não só para um grupo.

Na verdade, indivíduos lutarão pela vida, independente de sistemas ideológicos e/ ou políticos, quando conscientes de uns valores intrínsecos, pertencentes a todos de forma indiscriminada: somos emergências organizadas do Universo, devemos a ele nossa permanência limitada no tempo e a permanência, mais duradoura, de uma Humanidade.

Só o que de alguma maneira consegue perceber isto é que pode, independentemente de Instituições educacionais, políticas, empresariais etc., arcar na solidão de suas individualidades com a responsabilidade de permitir outros seres humanos. E só a ética e a valorização do conhecimento é que podem forjar tais pessoas. Somente os que de alguma maneira chegaram a atingir esse nível de complexidade é que podem tentar, mesmo quando indivíduos, melhorar o meio ambiente com significado, tal que os demais processos sejam possíveis.

Retiraram suas forças da afetividade, se possuírem tal fonte,uma ética básica depende diretamente da capacidade de amar de alguns: embora isso ainda pareça demasiado frágil, é na verdade o que nos resta tentar efetivamente.

A ética concebida como o respeito ao meio ambiente não pode ser só um capricho individualista, mas, sim, um conjunto de regras e protocolos que geram atitudes em prol de toda a sociedade. Hoje, a velocidade com que as coisas acontecem e o acesso democrático à informação, frutos da globalização e do conhecimento, trouxeram mais liberdade e, com ela, maiores responsabilidades.

Cada empresário deve ter em vista a sua empresa como parte de um mundo não formado apenas pelo seu público alvo, mas por seres humanos que sabem claramente distinguir os que são honestos em seus propósitos dos que oferecem apenas ilusões. É necessário e urgente que as empresas "acordem" para o fato de que a mudança de mentalidade é inadiável e indispensável. Vamos de uma vez por todas abolir o conceito de que levar vantagem é o maior ganho do esperto, pois o lucro de hoje poderá ser o prejuízo de amanhã.

O direito do cidadão é inseparável da luta pelos seus direitos. O cidadão é o indivíduo que luta pelo reconhecimento de seus direitos, para fazer valer esses direitos quando eles não são respeitados. É necessário ter consciência do direito de cada um e de todos ao meio ambiente sadio. É preciso utilizar os instrumentos que a lei oferece ao cidadão e suas associações para fazer cumprir a lei e proteger o meio ambiente.

Foi mencionado que o meio ambiente é um bem coletivo, um bem de uso comum do povo. Não deve ser destruído para atender interesses econômicos privados que se chocam com o interesse público da coletividade, como por exemplo, poluição do ar, da água e dos alimentos. Não se pode admitir que alguns enriqueçam, enquanto a maioria é prejudicada com a degradação ambiental.

Com relação ao meio ambiente, é necessário sair do campo da mera retórica, para que a presença da ação do cidadão, enquanto propulsor da preservação ambiental seja algo efetivo. São pequenas coisas que podem ser feitas e que, muitas vezes, não são, porque não há a prática dos indivíduos, ou das instituições.

Cada um de nós tem um conhecimento. Quem mora no meio rural tem muito a ensinar sobre a natureza. O próprio GUIMARÃES ROSA, em sua grande obra, Grande Sertão Veredas, coloca na boca de um matuto: a gente quase somente faz o que a bobagem do mundo quer. Hoje estamos fazendo o que a economia está ditando, que a felicidade é comprar. Mas a felicidade é atuar na vida pública como cidadão. Sendo assim a função da ética explicar, esclarecer ou investigar uma determinada realidade, elaborando os conceitos correspondentes, torna-se uma ditadura do comportamento moral dos indivíduos ou da comunidade.

Por outro lado, a realidade moral varia historicamente e, com ela, variam os seus princípios e as suas normas. A pretensão de formular princípios e normas universais, deixando de lado a experiência moral histórica, afastaria da teoria precisamente a realidade que deveria explicar. O sistema de normas e, com isso, o conteúdo da obrigação moral muda, historicamente, de uma sociedade para outra e, inclusive, no seio de uma mesma comunidade. O permitido hoje foi proibido ontem. O que atualmente se proíbe, talvez seja permitido amanhã.

Contudo, seja qual for à época ou a sociedade de que se trate, o homem sempre admitirá uma obrigatoriedade moral. Sempre existiu um sistema de normas que define os limites do obrigatório e do não obrigatório. A relação entre ética, cidadania e meio ambiente deve ser entendida como a prática para assegurar a conquista e o exercício de direitos que garantam uma natureza recriada pelas atividades humanas assegurando nossas condições de sobrevivência.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. BREDARIOL, Celso. Cidadania e política Ambiental, Liszt Vieira. Rio de Janeiro: Record, 1998.

2. Fórum de Educação Ambiental

3. HERKENHOFf, João Baptista

4. Meio Ambiente, desenvolvimento e cidadania: desafios para as ciências sociais. 2ª ed. – São Paulo, 1998

5. Revista Semeando,agenda 21 na prática:ética, cidadania e meio ambiente. Ed. anual-ano 3-MG, 2008.

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 28 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/convivencia-social-a-questao-da-etica-cidadania-e-meio-ambiente-1928647.html

    Palavras-chave do artigo:

    etica

    ,

    cidadania

    ,

    meio ambiente

    Comentar sobre o artigo

    O tema ambiental, pela sua importância, agrega-se às relações de consumo enquanto insumo de uma discussão inacabada e de uma sociedade que ainda não compreendeu que proteção ambiental e crescimento/desenvolvimento social e econômico podem ocorrer de modo conjunto, mas que precisam de harmonia, integração e de uma nova ética para serem efetivadas. A par das questões ambientais, há a busca do modo de produção e do comportamento do consumidor que muitas vezes consome bens e serviços desnecessário

    Por: Maria Cecilial Direito> Doutrinal 07/11/2011 lAcessos: 236

    Ética é tudo que envolve integridade, é ser honesto em qualquer situação; é ter coragem para assumir seus erros e decisões, ser tolerante e flexível, é ser humilde! Ser ético, então, é ser cidadão!

    Por: Beatriz Antonieta Lopesl Ciências> Biologial 25/02/2010 lAcessos: 954
    ana cristina da cruz santos

    este trabalho tem o intuito de esclarecer duvidas na area da educaçao sobre o meio ambiente

    Por: ana cristina da cruz santosl Marketing e Publicidade> Multimídial 04/06/2011 lAcessos: 350

    Este Artigo surgiu da necessidade de conhecer como a ética e a cidadania influencia a escola a resgatar valores digno, uma educação que traz bem estar, satisfação, produtividade, prazer, criatividade, saúde mental e corporal. Neste trabalho tentei fazer um pequeno resgate bibliográfico sobre o tema mencionado a fim de chegar ao nosso objetivo final, foram utilizados livros revistas cientificas, para tal processo, conseguindo reunir um número de informações relevantes ao tema. Chegando a conclusã

    Por: FRANCISCO GOMES DE ALMEIDAl Educação> Educação Onlinel 09/03/2010 lAcessos: 7,119 lComentário: 1

    Como realizar um projeto de educação ambiental na escola, em casa e na rua?

    Por: milenal Educação> Educação Infantill 21/04/2011 lAcessos: 2,016

    Pretendeu-se com este estudo, focalizar a Interdisciplinaridade da Educação Ambiental desenvolvida na E.E.E.F e M. Eneida de Moraes, com a finalidade de tornar evidentes as vantagens de trabalhos interdisciplinares desenvolvidos pelos educadores junto aos educandos com qualidade e com a finalidade de perceber como os educadores trabalham a interdisciplinaridade da E.A na sala de aula, principalmente do Ensino Fundamental, onde a criança começa a ter responsabilidade de cidadão brasileiro.

    Por: Cristina Ferreiral Ciências> Biologial 13/07/2008 lAcessos: 25,577 lComentário: 21
    CLAUDIA MARIA BONIFACIO

    A atual sociedade vive um momento onde a discussão sobre o conceito de ética se torna tão necessária quanto a avaliação das teorias sobre a cultura e a realidade humana. Em princípio, o homem se depara com sua cultura, baseada em valores morais internalizados ao longo dos anos, e nem sempre movidos pelo sentimento do bem comum. Eis que surge então a ética, como o exame da realidade moral, ou seja, a critica real da moral estabelecida. Por todos os lados, a humanidade se encontra de frente a valores distorcidos e conceitos mal ordenados no sentido da coletividade.

    Por: CLAUDIA MARIA BONIFACIOl Negócios> Administraçãol 24/11/2009 lAcessos: 23,978 lComentário: 1
    Douglas Barraqui

    O presente artigo vem apresentar a história ambiental – sua origem, métodos, conceitos, temas e fontes –; traçar um panorama de como ela está sendo feita no Brasil e; enquanto disciplina produtora do conhecimento histórico, destacar sua importância como uma ferramenta fundamental e necessária para trazer a natureza de volta aos braços do homem, tanto em termos de formação de uma consciência ecológica quanto em termos de tomada de ação propriamente dita.

    Por: Douglas Barraquil Ciênciasl 29/10/2009 lAcessos: 1,260
    Denise Silva Nunes

    O direito à educação ambiental se constitui como um dos mais nobres instrumentos de consolidação da cidadania

    Por: Denise Silva Nunesl Direitol 17/07/2012 lAcessos: 66
    Erineia nascimento da Silva

    O lúdico proveniente da palavra latina "ludus" que significa jogos. Que segundo DANTAS, 1988, representa liberdade para brincar livremente, gratuitamente, prazerosamente. Tornando a brincadeira uma expressão máxima do lúdico, desde da antiga Roma e Grécia em períodos remotos da civilização ocidental utilizava os brinquedos na educação com base nas idéias de Platão e Aristóteles.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 28/10/2014
    Sebastiana Braga

    A formação profissional não consiste apenas em ouvir palestra ou fazer determinados cursos. Pelo contrario, ela é um processo continuo e progressivo, onde através da aprendizagem se acumula conhecimento e este por sua vez vai sendo transformado em práticas bem sucedidas. Dessa forma deve ser pensado numa multiplicidade de saberes que através de um projeto para formação continuada que se complemente e que aborde um tema central a todas as áreas no intuito do melhoramento do ensino aprendizagem.

    Por: Sebastiana Bragal Educaçãol 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Sei o quanto. Tudo isso não significa nada. Apesar da interminável beleza dos universos. Contínuos. Sei do insignificado das coisas. Do delírio dos deuses. Das franquezas das razões não lógicas. A metafísica não indutiva.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educaçãol 25/10/2014
    Amanda Souza Machado

    Este trabalho é uma continuação das discussões, pesquisas e reflexões ocorridas durante a elaboração do artigo científico sobre como os educadores exploram as fantasias das crianças, produzidas a partir dos programas de televisão. O artigo propõe-se a apresentar as influências da TV no imaginário das crianças e qual é o papel dos educadores neste momento.

    Por: Amanda Souza Machadol Educaçãol 23/10/2014

    O presente artigo é um estudo bibliográfico que tem como objetivo principal abordar conceitos educacionais e metodologias desenvolvidas em sala de aula usando o lúdico como alternativa de metodologia. O trabalho justifica-se pela necessidade de se entender e adequar a aprendizagem às atuais demandas da educação é necessário conhecer alguns caminhos já percorridos pelo ensino e que se levam a uma redefinição dos objetivos, conteúdo e metodológicos.

    Por: Graciele de Miranda Oliveiral Educaçãol 21/10/2014 lAcessos: 13
    Alinne do Rosário Brito

    O artigo busca pesquisar e relatar o que é o Programa Mesa Brasil SESC e dialogar com as ações do Governo do Estado do Amapá para que a segurança alimentar seja implementada atendendo as leis nacionais e as respectivas atuações das politicas públicas que o regem quanto a tentativa de diminuição da miséria na cidade de Macapá.

    Por: Alinne do Rosário Britol Educaçãol 21/10/2014 lAcessos: 17
    Tania R. Steinke

    Promover a valorização da formação continuada dos docentes e coordenadores pedagógicos que atuam no Ensino Médio das escolas públicas.

    Por: Tania R. Steinkel Educaçãol 19/10/2014

    Este artigo analisa de forma breve a teoria das Representações sociais, realizada por alguns estudiosos que contribuíram para a o avanço das representações sociais, bem como, os teóricos que tinham como base as investigações de como as pessoas transformam os conhecimentos científicos em conhecimento de senso comum na década de 60, e também a forma como adota a perspectiva comunicativa "genética" na apreensão do conhecimento veiculado a dinâmica do cotidiano.

    Por: Elizabeth Almeida dos Santosl Educaçãol 14/10/2014 lAcessos: 12

    Comments on this article

    3
    denise 06/06/2011
    eu acho mt legal esso
    0
    rfegfagfsbwhwh 21/09/2010
    e agngfj gjhgdgf hghvhvh hgvh
    -1
    valeria 26/05/2010
    nada
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast