Crise De Valores

16/04/2009 • Por • 8,771 Acessos

     

Alguns afirmam que desde 1929 o mundo não se deparava com uma crise de tamanha proporção e alcance. O colapso financeiro que testemunhamos nos últimos meses não teve, ao contrário do que muitos podem afirmar, seu início no sistema hipotecário americano. O problema foi gerado no que chamo de “papéis dos valores” e onde deveríamos aplicá-los.
Os valores fazem parte de um sistema antigo e muito sensível. São aplicados de geração em geração juntamente com a moral, a ética e os princípios. Fazem parte de quem somos e pautam nossas atitudes. A escola, a família e instituições administram este fundo precioso. Infelizmente, quando falhamos, os resultados são imprevisíveis e potencialmente negativos. Na ausência de valores, pessoas podem, por exemplo, fazer empréstimos hipotecários, se aproveitarem da baixa de juros e fazerem transações bancárias utilizando como aval a própria hipoteca e simplesmente não serem capazes de honrar suas dívidas. Déjà vú... Tal estratégia não é danosa somente àqueles que não adquiriram os valores certos durante sua infância e adolescência. Ela se espalha como um vírus no mundo globalizado e mesmo quem não se envolveu acaba sendo prejudicado. Em tempo de crise financeira, quebra de bancos, ameaça de inflação me pergunto onde as instituições responsáveis por repassar tais valores falharam. O ambiente perfeito para a proliferação de predadores financeiros é aquele onde não há a prática e troca de valores. Alguns se reúnem, ironicamente, na bolsa de valores. Muitas vezes anônimos ou sob a efígie do capitalismo subjugam e destroem sistemas inteiros desvalorizando o real significado da palavra que se origina do latim "valore", qualidade de quem tem força; qualidade pela qual determinada pessoa ou coisa é estimável em maior ou menor grau; mérito ou merecimento.
No entanto o que nos move e nos credencia como seres humanos é nossa capacidade de regeneração moral. Acredito que a base para tal restabelecimento, é primeiramente a familiar, depois as instituições de ensino e por fim a instituição social. Acreditando na elevação dos valores morais e nas práticas éticas, estas instituições não podem se eximir de buscar constantemente novos investimentos para que tais valores sejam aprendidos e aplicados. Quando juntamos nossas empresas, minha sócia e eu tínhamos esta preocupação pautando todas as etapas da construção do grupo M2A. Apesar de inicialmente focarmos na capacitação profissional, coaching, mentoring e idiomas para executivos e empresários não nos desviamos daquilo que viria a ser nosso lema “Deixar um legado”. E como fazer isto? Precisaríamos investir na base. Surge então uma vertente para adolescentes e formandos universitários. Assim ampliamos nossa proposta de atuação para um investimento tão importante quanto a capacitação profissional: o desenvolvimento do cidadão e seus valores. Esperamos com esta conduta, contribuir e persistir com a idéia de que não precisamos nos tornar predadores de mercado para captação de valores financeiros que por sua vez sustentarão nossas famílias e o nosso grupo. O que necessitamos é ter a certeza de que estamos aviando a formação dos valores no desenvolvimento humano. Quando aplicamos nesta bolsa de valores, ninguém perde!


Aida Adnan Sad Qaddomi
Sócia Diretora da English Log, empresa do Grupo M2A - Desenvolvimento Humano e Capacitação Profissional

Perfil do Autor

Aida Qaddomi

Educadora,Gestora de Processos e Pessoas. Diretora Comercial e de Marketing